JOGOS NOS QUAIS AS SUAS ESCOLHAS INTERFEREM NO DESTINO DOS PERSONAGENS

terça-feira, outubro 13, 2015


Algo que, sem sombras de dúvidas, deixa um jogo mais interessante, é a interação. Sendo cabível desde em uma estória bem feita e rica, até em um cenário daqueles que causam uma expressão boquiaberta. A possibilidade de escolher as ações dos personagens, sabendo que aquilo realmente mudará todo o futuro dos seus trilhares, deixa o feito mais realista e faz com que o jogador sinta que está fazendo, de fato, parte do jogo. Mesmo que você não tenha o costume ou o imenso gosto por esse universo, poderá criar um apreço pelas sinopses e pelos destinos em suas mãos. Por isto, fizemos uma seleção de 11 jogos, nos quais as escolhas feitas por você resultarão em finais diferentes. Lembrando que os jogos aqui apresentados não são exclusivos para console ou para computador, há desde exclusivos para Playstation até os que rodam em notebooks e afins. 

  • Life is Strange

O jogo conta a estória de Maxine Caulfield, ou somente Max, que volta para a sua cidade natal (Arcadia Bay), após viver alguns anos distante do local. Com 18 anos recém-completados, Max se encontra na fase em que deve se tornar adulta, mas ela ainda não sente que possui experiência suficiente e muito menos a coragem necessária. Logo no primeiro episódio do jogo, Max assiste escondida a uma discussão e a morte de uma garota, que mal sabia ela: se tratava de sua amiga de infância, Chloe. No meio dessa situação, Max consegue evitar a morte da conhecida e descobre que possui a capacidade de "rebobinar" o tempo.

Os personagens são bem diferentes e suas bagagens de vida também. Todos estão interligados de alguma forma, mas indo além da principal e falando um pouco sobre cada um, temos primeiramente a nossa querida e odiada Chloe. Ela, que era melhor amiga de Max, teve na morte do pai e na mudança de estado da amiga, as chaves para uma alteração radical. Com a volta de Max, a amizade das duas acaba reaparecendo, porém já existe uma outra garota tomando o lugar de Max. Rachel Amber, a garota desaparecida, cujo nome irá aparecer em muitos lugares durante o jogo. Chloe é uma das personagens com personalidade mais problemática e é aquela com a qual você acaba ficando dividido (odeio ou não?). Além dela e Max, temos alguns personagens secundários, que aparecem bastante e que irão fazer a trama ganhar forma.

O jogo é dividido em episódios, em cada um você vai receber escolhas que resultarão em um final diferente daquele capítulo e início de outro. Nesse jogo não percebemos mudanças trágicas ou consequências que fizessem o jogador "se arrepender" de ter dito ou feito algo. Claro, joguei uma dezena de vezes algumas situações só para poder ver o que iria acontecer e voltava para escolher outra opção. O jogo tem uma ambientação linda, não é um gráfico exageradamente realista, mas ainda assim é lindo. Na trilha sonora nem se fala, é encantador o bom gosto na escolha das músicas e a maneira com que elas acompanham os atos.

O jogo está disponível para: computador, Playstation 3/4 e Xbox 360/One.

  • GTA V

Você, muito provavelmente, já ouviu falar desse aqui. Não é um dos que tem um número enorme de escolhas, mas as existentes são bem significativas. A estória do GTA 5 se passa em Los Santos, cidade fictícia do estado de San Andreas. Los Santos é inspirada em uma versão moderna da cidade de Los Angeles. É nesse cenário que três criminosos, Franklin, Michael e Trevor, os protagonistas do GTA 5, tentam sobreviver. Para isso, planejam e executam golpes e assaltos ousados, que tornam possível para eles, viver juntamente com suas regalias. Durante o jogo, os criminosos têm de lidar com conflitos pessoais, graças as divergentes personalidades de cada um, além de resolver assuntos que envolvem outros criminosos e civis, aumentando a complexidade do jogo. Está nas mãos do jogador o destino dos três protagonistas. Há três finais diferentes, mas uma escolha errada por acarretar na morte de não só um, mas dois dos personagens.

O jogo está disponível para: computador, playstation 3/4 e Xbox 360/One.

  • Fable

    Fable é uma trilogia que conquistou fãs em todo o mundo. O jogo se passa no mundo fictício de Albion, onde a depender de qual o jogo da trilogia, o jogador assume um personagem diferente e com uma estória diferente. Em Fable, acompanhamos a vida de uma criança até a sua fase adulta. Observamos o ser expandindo seus conhecimentos, virando mais forte e criando laços com as cidades do reino. No segundo jogo da franquia, seguimos o destino de uma criança pobre que sonhava com uma vida melhor e desejava morar em um castelo. Já o Fable 3, começa logo após o personagem de Fable 2 tornar-se rei e morrer. Sendo assim, seu filho mais velho, Logan, assume o trono e o cuidado do irmão mais novo, o protagonista. Com o passar do tempo, Logan se torna um rei tirano e sem escrúpulos, fome e pobreza tomam conta de Albion, e o irmão de Logan, descontente, deixa o reino no intuito de conseguir aliados para conseguir destronar o irmão.

    As escolhas durante o jogo afetam desde a percepção, como também a reação dos habitantes do cenário. Além disso, a aparência do herói muda, espelhando-se em boas e más ações feitas. O jogo é cheio de opções. Pode-se fazer as missões principais para descobrir o mistério sobre a família do protagonista, ou também há o meio de fazer missões opcionais: como comercializar e até desenvolver romances.  

    O primeiro jogo da trilogia roda em: Xbox 360, Xbox, Microsoft Windows, OS X, Mac OS. Já o segundo só está disponível para Xbox 360 e o terceiro para Xbox 360 e computador (Microsoft Windows).

    • Beyond: Two Souls


    Esse jogo conta a estória de Jodie Holmes, uma garota que possui uma entidade ligada ao seu corpo, chamado de Aiden. No jogo, não há uma sequência de fatos, o jogador vive 15 anos de maneira alternada. Desde os 8 anos, quando ela é separada de sua família para viver em um laboratório de pesquisas sobrenaturais (para estudarem a ligação dela com o Aiden), como no período em que ela entra para o exército americano e treina seu corpo e seu controle sobre Aiden, até os seus 23 anos, quando ela abandona sua vida militar e sai foragida, partindo em busca de respostas sobre ela mesma, Aiden e sua origem. O enredo do jogo é dramático, envolvente e muito emocionante, mas ainda assim, há quem tenha o que falar sobre o jogo. A jogabilidade é bem questionada, já que em um capítulo você está jogando com a Jodie aos seus 8 anos e no seguinte encara a época de quando ela já está adolescente, depois voltamos aos 8 anos, antes mesmo de ela ir para o laboratório, e por aí vai, sempre mudando de capítulo em capítulo. Além disso, pelo fato da estória ser alternada, temos a sensação de que temos várias opções de resultados na cena, porém o jogo dá uma liberdade temporária na cena do capítulo, nos pressionando a um desfecho só. Como assim? Bom, um exemplo é o de que há situações nas quais você receberá duas opções, seja qual for a que você escolher, o final será o mesmo, podendo ter ou não alguma alteração física momentânea (sangramento nasal, etc).

    O jogo possuí 6 finais, e isso irá, de fato, depender das escolhas do jogador. A campanha dura em torno de 7 horas e ainda há capítulos de passatempo, não muito longos. Nas interações, caso você não mova o controle para pegar algo que esteja sendo entregue, por exemplo, ambos os personagens congelam mostrando a linearidade do jogo. Há a possibilidade de jogar com o Aiden em um controle separado ou no mesmo. Lembrando que Aiden não é um espírito ruim, ele está com a Jodie desde que ela nasceu, ele ama e protege a Jodie. Em modo Aiden, podemos ver as almas das pessoas, cada cor representando algo diferente.

    Falando em gráficos, eles são incríveis, ainda mais em cenas de lutas, porém no modo gameplay Jodie fica um pouco dura, se "prende" em muitos objetos que são grudados, além da falta de controle na velocidade de seu andar, o que pode irritar muito às vezes. Há alguns bugs, que normalmente acontecem em ambientes grandes, como no surgimento de objetos ou detalhes do rosto, porém podem ser relevados diante da qualidade do jogo. A trilha sonora é original e muito bem feita, acompanhando de maneira espetacular cada parte do jogo.

    Esse jogo está disponível para: Playstation 3/4.


    • The Walking Dead


    O jogador começa na pele de Lee que, depois de perder sua família, precisa ajudar a pequena Clementine a sobreviver em meio ao apocalipse. O jogo é dividido em capítulos e a cada um, torna-se perceptível a mudança nos sentimentos entre os personagens, principalmente de Lee, que vê Clementine como sua nova filha. Durante todo o jogo, suas atitudes irão decidir os caminhos que a estória irá tomar, assim como a sobrevivência ou não de determinado personagem. A cada decisão, o perfil do seu personagem começará a ser moldado.

    No quesito jogabilidade, encontramos alguns problemas. Um deles é a movimentação lenta dos personagens, que acaba prejudicando quando em ambiente limitados, principalmente por polígonos invisíveis que não permitem que faça a volta ou tente outro caminho. A câmera também não ajuda, atrapalhando muitas vezes, já que pode acabar escondendo caminhos, itens e até passos cruciais para a continuação do jogo. E quando chegamos aos gráficos, vemos um visual de "cartoon" que consegue passar as expressões dos personagens sem muitas dificuldades, mas que ainda causa risos graças aos zumbis que não assustam a ninguém e sua forma de andar.

    O jogo está disponível para: computador, playstation 3/4 e Xbox 360/One.

    • Heavyn Rain


    O jogo gira em torno de quatro personagens que possuem suas estórias interligadas no decorrer da trama. Todas elas estão relacionadas a crimes cometidos pelo serial killer conhecido como Origami, este que aproveitava os longos períodos de chuvas para afogar suas vítimas. Cada personagem possui determinadas características e funções ao longo do enredo, são eles: Ethan, um arquiteto que vive um inferno astral com seu filho, Shaun; Madison, a fotógrafa com insônia; Scott, o detetive particular das vítimas do assassino, que sofre com sua asma crônica e Norman, um agente do FBI.

    Suas escolhas durante o jogo interferem diretamente nos finais, sejam eles de apenas tragédia, um final feliz ou até com uma vítima fatal. O jogo é cheio de detalhes, opções de interações do personagem com o cenário, e você pode investigar cada mínimo detalhe. Há alguns bugs, como objetos surgindo do nada e pequenos pedaços do cenário piscando sem razão alguma (estouro de polígonos).

    Este jogo está disponível para: Playstation 3/4.


    • Dragon Age: Inquisition

      A estória desse jogo sucede os acontecimentos do segundo jogo da franquia. Ambientada no continente de Thedas, que não se trata de um local muito agradável. Em meio a uma relação conflituosa entre templários e magos, uma explosão mágica resultou em uma estratosférica fissura imaterial, capaz de trazer demônios e outras criaturas para as regiões de Orlais e Ferelden. O acontecimento destruiu cidades e matou milhares de pessoas. Por algum motivo, o único sobrevivente é o seu personagem, que foi encontrado com vida mesmo sem saber o que aconteceu. Ao lado de outros guerreiros, o protagonista irá formar a Inquisição, uma ordem que pretende fechar todas as brechas malignas para assim restabelecer a paz em Thedas. Logo no início da narrativa, o líder da ordem ganha uma misteriosa cicatriz em sua mão, cujo poder lhe torna capaz de selar os portais.

      Suas decisões irão interferir no destino do jogo, nas consequências dos instantes e até na vida ou morte de alguém. Missões serão necessárias para alcançar objetivos e até para mostrar ao seu time de heróis suas boas intensões. Para ampliar o grau de influência da ordem e convencer aos magos e templários de que ela é real, terá que persuadir inimigos a se juntarem à sua causa. Seu gráfico e jogabilidade encantam muito, não deixando faltar nada para nos entregar a sensação de estar em uma era medieval e mágica.

      Esse jogo está disponível para: PlayStation 3/4, Xbox 360/One e PC.


      • L.A. Noire

        L.A. Noire é um jogo em terceira pessoa, com o tema Ação e muitos elementos investigativos. Possui uma atmosfera Noire, que como o próprio nome já diz, traz elementos desse estilo cinematográfico. Ambientados nos anos 40, retrata sobre dramas policiais, com um clima sério e pesado. Seja em tons de cinza ou com pouca cor, apresenta uma cidade com seus detalhes fielmente ambientados e uma ótima narrativa a ser contada.

        O jogo conta a estória de Cole Phelps, desde seu início como policial de patrulha, até sua mudança para as áreas investigativas da Polícia de Los Angeles. Após seu retorno da Segunda Guerra Mundial, Phelps acerta em cheio alguns pequenos casos que não recebem a atenção dos departamentos e ele se vê a caminho das mesas dos 4 departamentos especializados da polícia. Embora o jogo passe uma ideia de um game Sandbox, a verdade é que os casos serão passados para você pelo seu chefe, e a única liberdade que você tem é a de escolher qual o próximo local que irá investigar dentro daquele caso. E em muitas vezes, a maneira que fizer irá interferir no seu resultado.

        O jogo possui uma ambientação maravilhosa, além de recriar a cidade de Los Angeles do período de 1947, quando se passa o relato do jogo, com maestria em cada mínimo detalhe. A captura de movimento facial (Facial MoCap) possui uma fidelidade muito próxima ao real.

        Disponível para Xbox 360, Playstation 3 e Computador.

        • Mad Father


        Este jogo não foi uma escolha por gráficos bonitos ou trilha sonora, mas por ser um clássico RPG Maker. Mad Father é um jogo de terror que conta a estória de Aya, filha de um cientista maluco que faz experimentos com pessoas no porão de sua casa. A mãe de Aya está morta já faz alguns anos, contudo existe um certo mistério por trás de sua morte e dos atos de seu pai. O jogo possui uns 3 finais diferentes, dependendo bastante das suas escolhas, mas pode ter certeza que todos vão deixar você parado de raiva e indagando o que está realmente acontecendo. É uma boa escolha de jogo, seja pela estória ou para quem gosta e/ou tem curiosidades relacionadas a jogos em geral.

        Disponível para PC.

        • Until Dawn

          Until Dawn é um jogo de terror que realmente consegue "dar nos nervos". É ambientado em uma casa de campo, onde um grupo de amigos fazem uma festa que não acaba muito bem. Uma tragédia acontece: as duas irmãs de um dos personagens acabam morrendo. Após um ano, o mesmo grupo se reúne na casa para passar um tempo juntos, só que eles não imaginariam encontrar mais mistérios, e ainda um assassino à espreita.

          O jogo possuí um gráfico lindo, deslumbrante e nos encanta com os traços tão realistas nos personagens. A ambientação é digna de um jogo de terror, locais muito escuros e trilha sonora que acompanha de maneira magnífica. Um ponto não muito positivo é a dublagem para português, algumas vozes acabaram não se encaixando perfeitamente e tem até um "atraso" no caso de algumas, mas nada que faça o jogo ser estragado. Até porque, existe a possibilidade de deixar o áudio em inglês com legendas em português.

          O jogo está disponível apenas para Playstation 4


          • Game of Thrones: Genesis


          O jogo não é tão voltado às batalhas, mas sim à uma estratégia pesada e em tempo real. Ele não segue a estória contada na série, mas sim a dos livros, englobando boa parte dos detalhes neles apresentados e elementos que não foram abordados, como o passado de Westeros e o reinado de Aerys Targaryen II, conhecido como o "Rei Louco".

          O game coloca o jogador no comando de uma poderosa casa de Westeros, que deve guiar a estória rumo a vitória ou a derrota, dependendo de suas ações. Com 20 missões principais, todas baseadas em pontos descritos nos livros, mesmo que brevemente, começando em uma era mais antiga. O usuário tem a opção de seguir as missões e seus fatos, ou simplesmente aproveitar o modo livre. No modo livre, há a possibilidade de guerrear usando uma casa contra a outra em uma partida de até oito participantes, tanto multiplayer como contra o computador.

          Todas as casas estão disponíveis, porém, apenas em alguns momentos é possível controlar personagens famosos, como Ned Stark ou Robert Baratheon. Na maioria dos casos, você toma o controle de um personagem neutro para realizar as ações do jogo. Os gráficos, por outro lado, não são grande coisa, então, infelizmente, é bom ir jogar sem a expectativa de que Westeros tenha sido retratada de maneira muito realista no jogo.

          Disponível para PC.

          Obviamente, existem muitos outros jogos que seguem a mesma linha. Esses foram os nossos favoritos. Caso goste de algum outro que também traça os destinos dos personagens a partir das suas escolhas, conta aqui nos comentários! E após testar algum dos que citamos, aguardamos emissões sobre a sua experiência por aqui também.

          • Esta postagem foi escrita por Alice Sheffler e coescrita por Vanessa Brunt.
          • Os espaçamentos da postagem não estão condizentes porque ela não se adaptou totalmente ao novo layout. Peço perdão pelo desalinho e espero que os aprofundamentos e indicações supram o empecilho.

          LEIA TAMBÉM:

          1 COMENTÁRIOS

          1. Eu já joguei o Life is Strange. Eu gostei muito do jogo, da trilha sonora e das escolhas. Eu quase não consigo impedir a Kate de pular do telhado, eu tentei o jogo inteiro fazer as escolhas certas, as vezes eu fazia escolhas erradas e me sentia mal, ai eu voltava e tentava de novo.
            Gostei muito do seu site, vai pros meus favoritos! <3 👍

            ResponderExcluir

          Obrigada por chegar até aqui para deixar a sua opinião. É fundamental para mim. O que dá sentido com ratificação para cada reflexão entre análises, dicas, informações e sentimentos aqui escritos são essas nossas trocas evolutivas de sensações e pitacos.

          Não esqueça de clicar em "notifique-me" abaixo do seu comentário para receber por e-mail a resposta dada.

          Posts Recentes Mais Posts

          TRANSBORDOU NESTES?

          Direitos Autorais

          Todos os escritos aqui postados são de autoria da escritora, poetisa, compositora e blogueira Vanessa Brunt. As crônicas, frases, poesias, análises e os demais diversos escritos, totais ou em fragmentos, podem ser compartilhados em quaisquer locais e sites (quando não para fins lucrativos: criação de produtos para vendas, entre outros), contanto que haja o devido direcionamento dos direitos autorais. Ademais, as imagens utilizadas no blog para as postagens não são, em sua maioria, feitas pela autora. Portanto, para qualquer problema envolvendo os créditos das fotos, basta entrar em contato e o caso será resolvido prontamente.