"Ela foi embora". Não, meu amigo. Ela simplesmente percebeu que você já não estava mais lá.
Jacob

PLAYLIST + TUMBLRS DE ILUSTRAÇÕES METAFÓRICAS


Após a postagem "Playlist + Últimas ilustrações que mexeram com o meu emocional" muito foi indagado sobre onde descubro tantas artes que formam poesias em traços, então fiz uma listinha dos tumblrs que mais visito para degustar dessas metáforas diferenciadas. Deixei ainda, em meio a eles, o tumblr de um artista super bacana que também merece mergulhos em cada entrelinha (além de demais indicados no decorrer). Desta vez, não fiz as análises aprofundadas de cada imagem emitida, justamente porque a ideia é abrir alas para as interpretações e aguçar a busca de demais delas através das indicações lançadas. Porém, caso haja o desejo de que alguma seja analisada (como faço com as letras de músicas, filmes, séries e afins, além das ilustrações por aqui), basta pedir nos comentários.


E é claro que uma playlist não poderia faltar para que transbordemos em cada análise podendo ter acompanhamentos ainda mais penetrantes. E o compilado de músicas desta vez é especial! Ele conta com três das minhas composições favoritas do filme Begin Again (sério, que letras maravilhosas! Intensas e metafóricas. Merecem ou não merecem entrar em uma das nossas postagens de análises de composições?). E, obviamente, estão inclusas todas as últimas letras em que tenho dado replay nas minhas reflexões. Uma reunião de algumas das minhas músicas favoritas da Ana Carolina também está presente, e como nem todas estão inteiras no vídeo, recomendo que procurem cada uma separadamente (a última se chama 'Encostar na tua'  vocês devem conhecer, porém o nome não apareceu no título do vídeo e precisei ratificar). Vamos para as recomendações de artes incríveis a mais?

 Observação: Algumas músicas da playlist não funcionam para celular e/ou alguns dispositivos móveis e serão puladas automaticamente em tais procedências, então caso confira a partir de algum meio parecido, você pode checar os nomes das canções na sequência visual para buscar depois ou ouvir de forma completa pelo computador em outra oportunidade.


O In-dissolúvel aglomera ilustrações imensamente variadas e metafóricas e é o meu espaço favorito para mergulhar em releituras internas através das palavras implícitas em traços (empatado apenas com o '1000 Drawaings'  abaixo). O tumblr capta diferentes cores, formatos e mensagens, com meios para quaisquer identificações. As poesias são densas, englobando emissões de maneiras aprofundadas sobre interiores em confusões ou levezas, servindo como 'tudo o que queremos dizer', seja em uma conversa de autoconhecimento ou em expurgares para alguém. Diversas ilustrações da Agnes Cecile, como as duas em aquarela acima (uma sobre a qual, inclusive, falei um pouco aqui) e esta aqui, que também muito aprecio, estão bastante presentes. A arte dela fala comigo de forma constante, seja em momentos de maior serenidade ou de embolações. O tumblr ainda contém gifs que fazem, com facilidade, com que possamos nos sentir "lá dentro". Este aqui, por exemplo, foi um dos meus favoritos. O site é daqueles que vale a pena deixar nos favoritos não só para buscar novas artes e preencher fundos das telas dos celulares e afins, mas principalmente, para que vejamos novamente o que já tínhamos visto, e possamos enxergar mais do que já pensávamos ser suficiente.


O 1000 Drawings é pura intensidade e faz com que 'descer a tela' seja viciante. O mais bacana é que algumas das imagens que podem ser encontradas no "começo" são vistas em continuações mais abaixo, contendo traços diferenciados, como em uma história em complementação, para que façamos os nossos encaixes. O espaço faz ser enormemente difícil escolher apenas algumas das artes que emite e tanto dizem. As imagens são tão diversificadas quanto no In-dissolúvel, tendo pinturas em aquarela, desenhos feitos com as mais diversas ferramentas e sempre transbordando significados. Diversos dos meus artistas favoritos podem ser encontrados com facilidade, como o Pascal Campion (sobre o qual falei na postagem de 'últimas ilustrações que mexeram com o meu emocional'). As poesias são de cargas tão entranháveis que chegam a, em certos momentos, causar uma inquietação graciosa. Contradizente? No nosso interior, não. No nosso interior, resposta. Confesso que não considero as quatro imagens acima como as melhores do referido tumblr, porém tive que selecionar de forma mais esporádica, justamente por ser tão árduo definir. Prepare a memória do computador ou celular, porque a maior dificuldade do caso é navegar sem salvar algo, ou melhor, algos.



Sempre fui encantada pelas artes do Fernando Cobelo (inclusive, já as indiquei por aqui), que prossegue com o seu projeto "The ordinary young man". Descobri o nome do autor há poucas semanas e estava com os dedos já agoniados para poder compartilhar com vocês. O Fernando vive atualizando o seu tumblr e tem ainda Instagram e uma lojinha incrível com produtos variados em que as suas ilustrações poéticas estão presentes. As mensagens da suas artes captam sempre os valores mais intrínsecos, fazendo críticas sociais e aguçando meios de releituras internas, nos causando diversas identificações. 


Os dois indicados são os que menos visito, mas a cada vez em que mergulho, no meio de imagens que podem não passar uma ideia tão densa, acabo deparando os olhos, a mente e coração, com alguma ilustração incrível, poética e enriquecida de sensações. Sempre passo novamente por várias das artes já vistas, na intenção de encontrar alguma inovadora a qual a minha atenção não havia atentado. Encontro continuamente algo que acaba indo para a minha pasta de 'Ilustrações Para Ler e Reler' e/ou que vira um plano de fundo. Apesar do compilado acima ter mais exemplos em P&B, ambos os tumblrs referidos costumam aglomerar intensas cores e não deixam de lado metáforas por elas formuladas.


No Protótipos em Rabiscos as ilustrações, em geral, costumam ser mais leves e animadas, com mensagens mais positivas e confortantes, porém sem deixar de lado, em alguns pontos pingados, os tons mais melancólicos, questionadores e/ou 'revoltados'. Observando detalhadamente, há muita coisa bacana que pode ser abstraída como identificação e poesia, apesar de, na maior parte, muito parecer superficial. 

Lembrete: A imagem de abertura é de autoria da Henrietta Harris.

E então, já conhecia algum dos tumblrs indicados? Alguma das ilustrações emitidas por eles teve destaque nas suas sensações e leituras poéticas? Não deixe de compartilhar as suas intensidades alcançadas e opiniões aqui nos comentários!
  • Compatilhe

VÍDEO: CONSELHOS #3 — PESSOAS INCÓGNITAS; AMIZADES QUE NÃO ACEITAM O NAMORO E MAIS


Finalmente ressuscitei o morto-vivo! Passei um tempo pensando no rumo dos maiores enfoques nos quais, de fato, o nosso canal iria fincar. As análises mais aprofundadas de filmes, séries, letras de músicas, clipes metafóricos, livros e afins, ocorrem muito mais pela escrita (por aqui), bem como o compartilhamento de cada reflexão maior em textos, indicações com aprofundamentos e escritos além. Logo, sendo em palavras digitadas a minha forma mais terapêutica e constante de expressão, o que poderia fazer no canal que o tornasse, firmemente, um acréscimo, um extra, uma soma em relação ao que já temos no Sem Quases? Resposta: Fazendo, justamente, com maior recorrência, as nossas 'sessões de conselhos' mais diretos. Não que o canal vá ficar apenas com tal temática, mas a ideia principal é sempre estar indicando detalhes que não apareceriam costumeiramente em postagens por aqui e respondendo perguntas de vocês, seja no quadro que prossegue ou em vídeos como o "Como divulgar o trabalho de escritor: blogs, lançar com editoras e mais!".

Desta vez, perguntas sobre como lidar com a perseguição dos sonhos (mais especificamente, de ser um escritor ou blogueiro) sem contar com muita motivação alheia e enfrentando certa timidez/insegurança; indagações sobre romances ainda não definidos que estão implantando mais interrogações do que encaminhamentos ('pessoas incógnitas') e questionamentos sobre amizades que estão 'abandonando o barco' por não aceitarem o relacionamento amoroso e desgastante do outro, foram inclusas.


Sim, geralmente os nossos vídeos costumam ficar "mais longos do que a internet está acostumada". Juro que ainda pretendo fazer alguns mais curtinhos e com temas que poderiam gerar textos novos, mas irão gerar gravações. Porém, a cada elaboração assim  de aconselhamentos , são diversas questões abordadas e não existe muito 'o que cortar'. A cada pergunta, várias a mais são repuxadas e clarificadas, afinal, somos sem quases. Então, você pode optar por assistir esses mais longos inteiramente de maneira ininterrupta, ou pode pausar e ir prosseguindo quando possível e desejável, após.

E em relação a cada questão emitida? O que acrescentaria de conselhos e/ou ratificaria? Não deixe de compartilhar as suas opiniões nos comentários! Vamos transbordar.
  • Compatilhe

PARA OS QUE LIMPAM AS LISTAS


Não tenha receio de sair do caminho dos mornos, dos que sobem em um muro turvo e só descem com empurrão alheio. Não tenha receio de remover dos roteiros os que não seguem os seus valores e acabam afligindo os seus princípios gradativamente. Não tenha receio de expurgar da sua biografia aqueles que cometem um erro absurdo e tentam fazer da sua reação algo ínfimo e exagerado. Não delongue para escapar dos que falam do seu defeito, da sua invasão de privacidade, dos que zombam da sua lisura ou do seu lado detetive da vida ao cometerem um disparato contraditório ao que sempre prometeram não admitir. O policial que, desconfiado, pegou no flagra o ladrão ao ingressar na casa alheia, não é criminoso. Afinal, caso não houvesse ladrão algum, ele estaria fazendo o seu papel e não seria desculpa barata dizer que todo o processo foi para o bem maior. Se o vigilante jamais entrasse na tal casa após um indício de malignidade e não possibilidade de investigação dialogal, não perdoaria a si por eternamente duvidar da própria função e destampamentos por ela efetuados.

Quem contratou o segurança de rua deu a ele papel, chave, promessas dos seguimentos de cautelas e admissão.

Não permita que a sua conduta, que não magoa ninguém, seja dita como a insensata, a imódica, a delinquente. Conduta errônea é somente aquela que fere ao outro, que quebra promessas, que lasca contratos não seguindo as prioridades carimbadas. Não a que desvenda e busca apurações, justamente pelo bem do que foi pactuado.

Não tenha mesmo remanso por aqueles que riem do seu desespero, que dão suporte para os outros ridicularizarem a sua noção somente para minimizarem o próprio desacerto e que querem considerar os seus atos inadequadamente extremistas apenas por saberem que você prossegue seguindo as virtudes que sempre impôs. Não sinta que está sendo incivil, desequilibrado ou intolerante por jogar para fora do seu navio aqueles que juravam ser a sua barca e não tentam sequer manejar um volante que não seja o próprio. Quem dirige por dois, não irá perder por conta própria o controle do que foi proposto, nem mesmo após bater o carro. É aí que o tal deveria, ainda mais, abaixar a cabeça, assumir o escorregão que levou você junto e deixar límpida a sua imagem enquanto, sem precisar do seu pedido, não comete demais desatinos no tempo em que aguarda o seu veredito.  

Segunda chance só para o que não massacrou o fundamental, só para o que não detonou o que é base do edifício, só para o que não desviou do próprio caráter declarado. Só para o que não fez desacato que detona a possibilidade do bem ser sobressaído. Flexibilidade só para ouvir uma última vez, para constatar e eludir, para o que não foi desleal. Só para o que chegou contando segundos depois sobre a imbecilidade que confeccionou, para o que não tardou a transparência. Paciência só para o que lembra que o pote da confiança é sempre meio furado e, que se não fosse, seria de mentira. Brandura apenas para quem tenta preencher o pote sem precisar ver o outro morrendo de sede. Apenas para quem não nega uma senha, um testemunho, uma evidência; para quem não deixa de emitir um feedback que antes de ser pedido, é dado. Para quem demonstra lembrar que o pote só permanece através de perícias feitas e exibidas não por quem é dele dono, mas por quem é dele cuidador. Não ache que está sendo rude ou infantil por, para todo o resto, ser brutal.

Infantil é a criança que não sabe o brinquedo que deseja, que quer tudo ao mesmo tempo, que não pretende abdicar. É o ser que se vê como esperto por não ter no que segurar. É o miúdo que tenta tornar a dupla personalidade um tesouro, que machuca o outro e faz bico, que quer espatifar os móveis e diz que o castigo dado é uma perda de tempo para os pais. Abrir mão pelas próprias doutrinas é maduro, gigante, honesto; significa que experienciou o suficiente para conhecer os limites necessários, para discernir, para fazer jus ao que perpetua não tolerar e, portanto, não cometer. Não ter medo da solidão para manter o que comprova é crescido, valoroso. Aprender com o diferente, o permitindo mesmo que com reputações e teses incomodantes até que a intimidade seja estabelecida e os juramentos sejam feitos, para após, ser 'isso ou aquilo' e já não mais tudo relevar, é imenso, gerador, determinante e, assim, responsável.

Não sofra mais do que sinta alívio ao sair andando da sala de quem tem atitudes sem lembrar que elas nunca são somente para si, que elas nunca atingem somente a um ou somente aos presentes no momento efetuado, que elas jamais são separadas ou discretas o suficiente. Não sofra mais do que sinta libertação ao não mais permitir entrada daqueles que permanecem onde estão quando você está em uma enrascada ou de coração partido, que se preocupam mais em estarem intactos e com network completo do que em sair pela defesa do que diziam também patrocinar.

Não foi você que o tirou da reta, não foi você que pisou na ordem tutelar e ludibriou do altruísmo. Não foi você que foi embora, que saiu do caminho, que o expurgou. Não foi você que escolheu, porque quem tem princípios age naturalmente perante as renúncias precisas, não fica fazendo uni-duni-tê ou refletindo sobre em que lado ficar. Quem tem princípios faz o necessário para por eles pisar o pé, escolhe sempre a ele ou, no mínimo, dá uma próxima oportunidade apenas para ter a certeza de ter escolhido uma parte dele que afirma que perdoar, naquela situação, deve servir para atestar ou não as gravidades, para fazer justiça correta. Não foi você. Foi o perdido, o enganador que escolheu, que fingiu não saber diferenciar certo e errado, que caminhou sem nunca pôr os pés em nenhuma rua. Não foi você que o tirou de perto, foi ele que nunca esteve.

Não chore por ver o falso estando repleto de companhias, de amores, flores e certezas. Não ache que a sua lição não ficou, não fez parte, não teve grandeza, não cutuca aqueles órgãos em momentos de instabilidades e fragilezas. Os componentes da quadrilha sentem necessidade de união na cadeia para serem algo; o pedagogo tem capacidade, conteúdo e menção para trabalhar só. Não derrame dores ou arrependimento por lembrar que você não feriu, não fraudou, não foi metade e, ainda assim, acabou sozinho. Você foi o único que permaneceu com o livro da moral, com a verdade mesmo sabendo que ela é relativa: por lembrar que ela só existe, mesmo quando em mudanças, enquanto fazemos merecimento àquela que asseveramos acreditar, enquanto deixamos claro em gestos o que dizemos crer. Só assim a verdade faz com que alguém seja real, franco, confiável. Você é o drama que faz papel de professor a ser agradecido anos depois; o exagero que ensina o desalinhado a lembrar da importância das demarcações e freios; o soldado que morre para deixar o legado de que realidade não é sinônimo das causas pessimistas e perdidas, que não deve ser conformismo apenas porque a maioria é da pior forma. Você é o guerreiro que sangra, porque diferente dos outros, prefere sangrar e ter algo a dizer, do que viver cercado de band-aids que criam hematomas. Você é a prova de que a realidade é também a raridade e que para ela ser mais disso, basta que os pontos não sejam entregues pelos bons apenas para se enturmarem, entrosarem ou ganharem brindes; você relembra que o bom não precisa ser corrompido e nem aceitar os ciclos de distorções.

Não significa que você não sabe perdoar, regenerar ou dar a mão ao aprendiz. Significa que você não ergue tempo, esforço e serenidade para os que já se diziam também professores. Você que foi na história o amigo sozinho, o amor sozinho, o entregue sozinho, vai ser o forte sozinho. E os fortes se protegem, não dão o troco ou ficam para redecorar casa que já é prisão. Os fortes não continuam com os fracos apenas para serem mais piedosos, inclusos ou adorados. Eles não correm o risco de descaminhar quem são e o que escudam. Então limpe a sua vida, sempre, sem dubiedade. Continue a limpar, lembrando que assim você não precisará jogar fora o esforço, limpar a si, excluir a si, ser o real vilão, chegar atrasado nos alcances que seus argumentos conservados podem elevar ou perder bagagem. Não recue na ideia de fechar uma porta já emperrada; só assim mais mil podem ser (re)vistas por quem tem caráter. Tire todos os não merecedores do caminho, todos os mais ou menos e os males mais, porque no fim, não é você quem os tira, eles é que atiram com arma, bala e noção. Melhor ser o forte sozinho do que o dissimulado futuramente sem sequer a si mesmo. Ouça a glória de permanecer quem é e de ensinar outros a encontrarem mais a si. Não tenha receio de ser quem cobra, quem é o chato, o diferente, o cheio de divisas, o que não suporta desculpar com facilidade e/ou o que se chateia "por qualquer besteira". Assim é um educador, assim é uma mãe, a autora de muito início de sensatez e feitios decentes por aí; assim é quem está inteiramente e quem não permite ser menos do que é e ratifica apenas para ganhar capa de amistoso, agradável e idolatrado.

Afinal, no momento da queda, a criança ferida deseja mesmo é o colo do 'amigo concordante' ou da mãe que briga, porém cuida e clareja caminhos? No momento do aperto, sentirão falta a ponto de chorar, daquele que era seguro, fidedigno e insuspeito até o fim ou daquele que ficou calado enquanto o outro roubava carrões? Quem não reage repulsante a uma má índole, espalha o palpite de também a ter e perde partes de quaisquer comprometimentos e créditos voltados ao tema de salvação do que foi ali machucado. Não tenha apreensão perante o que ficará para quem viu de fora. A vítima pode até ter os seus descuidos próprios, mas errado é quem mentiu e/ou lesou o outro, não quem deu a sua fé e, por fim, revolta. No desfecho da história você foi o segurança contratado, e qualquer leitor distante vai no fundo saber. O resto, é ladrão com ladrão querendo apaziguar os desvios próprios e carregando o peso cada vez mais corpulento da reza, lá de dentro  enquanto fingem um para o outro que estão apenas desfrutando , que pede para ser ou, ao menos ter, o docente que mostra o desempenho de ser o que ensina; para ser, ou ao menos ter, a raridade da realidade. Para ser ou, ao menos, ter, você.
  • Compatilhe

9 LINKS FAVORITOS DA SEMANA #8: E DOIS FILMES


Eis mais uma das nossas aglomerações! Se você ainda não sabe como funciona o "quadro" de 'Links favoritos + filme ou série': os posts dessa sequência reúnem diversas indicações do que achei de bacana por aí na internet nos últimos dias e, no final, sempre tem o que considero como uma breve resenha/análise (sem spoilers ou com partes sinalizadas, caso os tenha) de um filme ou uma série que indico. Então, este é o tipo de postagem com 'várias dentro', é das grandes, é para que possamos mergulhar em vários tópicos que ganham enlaces. Assisti a duas obras com mensagens bem bacanas nesta semana (apesar de não terem entrado com totalidade para a minha lista de filmes mais apreciados), após uma escassez de tramas reflexivamente frutuosas encontradas, e deparei mente e coração com links rentáveis de diversas temáticas, desde detalhes sobre cursos e e-books gratuitos até quesitos de saúde e indicações de filmes e documentários a mais pelo decorrer.

1. 8 filmes de psicologia com mensagens incríveis

Uma lista recheada de obras com lições primorosas, vertentes singulares e plurificadas e com temáticas que circundam em quesitos adentrados na psicologia, mas captam tópicos em entrelinhas enriquecidas para muito além das discussões mais diretas focalizadas no tema. Algumas das enriquecidas de mensagens obras citadas já tiveram resenhas/análises destrinchadas por aqui e outras ainda terão. Confesso que alguns dos meus preferidos estão na lista 'extra' encontrada no desfecho dos indicados, como o filme "Uma Mente Brilhante" (analisado aqui), que entrou com facilidade no aglomerado dos meus filmes favoritos a partir de cada tese emitida em diálogos esplêndidos e desenrolares sublimes de fatores implícitos admiráveis. O bacana, ao devorar cada uma das tramas, é observar as mensagens de valores e visões poéticas que emitem, acima de quaisquer pontuações. E para os apaixonados por psicologia, fica o lembrete da postagem (além de diversas outras que agregam o tema em indicações de livros e outras artes) de 15 documentários e afins sobre psicologia e mente humana.

2. 8 maravilhosos aplicativos para leitores

Aplicativos de leitura estão disponíveis de formas práticas e promissoras, porém existem opções afora das semelhantes ao Amazon, Google Books ou livros para celulares, tablets e afins. Redes sociais específicas, livros digitais para colorir ou plataformas de publicação independente saem do computador e também vão para o bolso dos leitores. Conheça na lista alguns dos mais usados e veja também outros aplicativos que vão ajudar você a ganhar tempo para o que importa. Uma observação bacana é que aplicativos incríveis para dar suportes no quesito também podem ser encontrados no compilado de últimos melhores aplicativos que descobri, incluindo o Pocket (que virou o meu 'grude').Outras indicações podem também ser descobertas a partir do link de sites e aplicativos para quem ama ler.

3. E-book para blogueiros: Construindo seu público (totalmente gratuito e com cadastro que permite recebimento de outras dicas) + Curso de Midia Kit 

O blog Sernaiotto disponibilizou, gratuitamente, um e-book super bacana com dicas para blogueiros (que podem também caber para diversos negócios em particularidades concebidas). O mais bacana é que após preencher seu nome e e-mail, você receberá uma mensagem com o link para download do livro "Construindo seu Público" e poderá concordar em receber dicas esporádicas sobre conteúdo e monetização. Você pode cancelar a sua inscrição a qualquer momento, mas as indicações são tão dignas e proveitosas que imagino como difícil a ocorrência do desistir. E outro conteúdo interessante do blog é o curso de Midia Kit, que acaba por agrupar diversas outras sapiências e pode ser aderido na versão gratuita ou paga (para demais aprofundamentos).

4. 18 cursos gratuitos (online) para empreendedores (e mais!)

Agora você pode encontrar gratuitamente e a hora que quiser, desde a solução para aquele problema financeiro que não deixa o sono perdurar até novos métodos para engajar o time, o negócio individual, entre tantas outras opções. A farta lista feita pela Endeavor (site fascinante já indicado aqui) é uma oportunidade deleitosa para aprender com quem já passou pelas mesmas dores que qualquer empreendedor passa (e como disse na sequência de vídeos motivacionais de histórias empreendedoras: quem hoje não é um empreendedor?). São conselhos de nomes como Steve Blank, empreendedor serial e um dos maiores professores de empreendedorismo do mundo, e de empresas reais como Spoleto, Prática Fornos, Enox, MXT, Natura, Acesso, e muitas outras. Outros links super bacanas adentrados na temática são: Marketing Conteúdo (blog sobre marketing com dicas diversas) e 'Passo a passo para virar concretamente um MEI (microempreendedor individual)'.

5. Seleção enriquecedora de sites sobre alimentação saudável e emagrecimento (e 3 e-books gratuitos!)

Sempre ratifico a importância de atividades físicas em conjunto com uma alimentação mais saudável até para que aquelas 'besteirinhas' que adoramos fiquem mais deleitosas. O caso é saúde acima de quaisquer "padrões estéticos" (os quais são errôneos e desnecessários para quem está saudável - devendo lembrar que todos teremos nossos fatores genéticos, que nos tornam singulares e reais! Afinal, photoshop na vida só dura para causar espinhos). Ainda enfatizo a necessidade da busca de um profissional para acompanhar os fatores, mas nunca deixa de ser bacana buscar soluções para emagrecer (se for importante para a sua saúde!) de forma duradoura e ter uma vida saudável. Você pode levar as indicações para o nutricionista e ir aderindo. O mais interessante é que dicas de sites com conteúdos incríveis acabam estando inclusas. A lista é super variada e cabível para quaisquer tipos físicos que desejam melhorar os cardápios. Outra indicação que fica como soma é o link da chef Luiza Zaidan, que ensina cinco pratos saborosos para levar para o trabalho e economizar no dia a dia (a porção não sai mais por mais do que 10 reais!).

6. Lista com 50 blogs ímpares de decoração

Um compilado com blogs fantásticos de decoração (que acabou tendo até mais de 50)! A variedade de temáticas das bases aderidas são incríveis: desde blogs para decoração sustentável e minimalista, com muito DIY, até dicas sobre novidades do mercado. Tudo para deixar os seus cantinhos com ainda mais sentidos, significados implícitos e explícitos e muito aconchego.

7. 12 documentários sobre mulheres para assistir na Netflix + Resenha do documentário "She's Beautiful When She's Angry" (extra sobre o tema: poema 'Os culpados')

Apesar das imensas decepções sociais obtidas nos últimos meses, desde em relação aos acontecimentos mais destacados até os comentários absurdos feitos para tentativas de culpar a vítima de uma atrocidade, também pudemos, por outra angulação mais luminosa, ter a alegria de navegar pela força e conscientização de muitos que lutam por mais igualdade de gênero, por mais respeito entre seres, por menos inversão de trocas nos papéis de culpa (como critico na poesia indicada acima). E para amplificar esses pontos mais fortes e justos, por que não mergulhar em 12 obras que contam histórias de mulheres revolucionárias, empoderadas e que abrem os nossos olhos para muito do que ainda prossegue como necessidade de evolução? Uma resenha que adorei imensamente e que fica como um adendo (pretendo conferir o documentário indicado com urgência!) foi a do Teoria Criativa sobre o 'She's Beautiful When She's Angry': um filme curto e que pode ser considerado 'antigo', mas que nos joga na cara o quanto as problemáticas perante o machismo e afins da época prosseguem. O mais cativante da postagem foram os trechos da própria obra que a Gabi indicou no decorrer.

8. O maior site de 'vaquinhas' do país

Fiquei indagando por minutos alastrados como ainda não conhecia esse cantinho super interessante! Você provavelmente já deve ter ouvido falar, mas preciso ratificar o quanto adorei descobrir. O site é uma 'rede de arrecadação' que permite que você lance a sua causa, abrindo a sua 'vaquinha' gratuitamente. Basta definir a sua meta em dinheiro e os detalhes da sua campanha para após sacar o quanto for arrecadado. E ele ainda permite o mais bacana: que você, obviamente, ajude em diversas causas e espalhe o bem por aí. Histórias incríveis podem ser encontradas por lá e o 'blog da Vakinha' conta algumas delas. Amizades podem surgir, salvações podem ocorrer, e o mais legal: aquela sensação de que amor próprio também é permitir a doação em todos os sentidos, perdura.

9. Indicação de blog: Empreendedorismo, cultura e mais no 'Isabella Lessa'

Uma leitora do Sem Quases que merece aquele abraço! O blog da Isa, que é estudante de administração e tem 23 anos, é repleto de dicas sobre marketing, empreendedorismo em geral e postagens motivacionais. 'Como escrever e-mails profissionais', 'Coisas que você talvez não saiba sobre o Google' e 'Marketizando seu blog' são apenas alguns dos títulos que carregam dicas bem elaboradas no portal. O site ainda adere outras temáticas como decoração, música, postagens de 'desabafos mais pessoais' e afins. Vamos navegar?

Extra: Ilustração da semana

Vocês sabem que a minha paixão, além (obviamente) de escrever, é analisar artes: poesias em letras de músicas, em clipes mais metafóricos, filmes, ilustrações, entre tantas outras. Apreciar o implícito, devorar o explícito que sempre diz mais do que aparenta, ratificar que tudo é profundo se colocarmos mais que o dedo do pé: meus hobbies. E poesia é isso: é ir lá dentro a partir de todos os pontos, incluindo o que dá a noção de que nenhum tesouro do fundo vai estar realmente no fundo se não passa pela superfície. É metáfora com linha direta, é arte. E arte é verdade, é ter algo para dizer, é ter algo pulando pela garganta. E quando é que ficamos ansiosos para mentir? A arte é a fala mais honesta do ser humano, ainda que não seja exatamente sobre ele. Mensagens enriquecidas para reflexões borbulhantes são meios deleitosos para que possamos fazer releituras internas mais agigantadas e, assim, descobrir mais e inovar. E é o que a arte nos permite. Já compartilhei com vocês, portanto, algumas das ilustrações que mais mexeram comigo (com playlist) e eis mais uma em link! A representação da indicada acima capta diversas vertentes para mim, desde a noção já dada através da análise do clipe de 'Style' e do poema 'Sempre vou saber de você' até, principalmente, do texto (fragmento dele: estará completo no próximo livro) 'O amor é elegante'.

  • Filme 1: O Clube do Imperador

Sinopse:

William Hundert (Kevin Kline) é um professor da St. Benedict's, uma escola preparatória para rapazes muito exclusiva que recebe como alunos a nata da sociedade americana. Lá Hundert dá lições de moral para serem aprendidas, através do estudo de filósofos gregos e romanos. Hundert está apaixonado por falar para os seus alunos que "o caráter de um homem é o seu destino" e se esforça para impressioná-los sobre a importância de uma atitude correta, mostrando como o passado muda não só o nosso presente, mas o presente de vidas alheias que nem imaginamos e exemplificando que imortalidade só existe através das marcas que perduramos com atitudes que não ferem a outros. Repentinamente algo perturba esta rotina com a chegada de Sedgewick Bell (Emile Hirsch), o filho de um influente senador. Sedgewick entra em choque com as posições de Hundert, que questiona a importância daquilo que é ensinado. Mas, apesar desta rebeldia, Hundert considera Sedgewick bem inteligente e acha que pode colocá-lo no caminho certo. Mas quando será que devemos parar de tentar? Qual o momento de observar que o caráter demonstrado por alguém é, de fato, a sua índole, para a qual não adianta tentativas de modificação?


Um adendo antes de qualquer detalhe: o vídeo acima é um trecho do filme (uma das minhas partes favoritas, se não 'a' favorita). O trailer legendado não estava disponível (e nem mesmo dublado), por isso optei por já emitir uma das cenas mais bacanas. No último mês foram poucos os filmes que assisti com capacidades para reflexões envolventes e aprofundadas, a última obra cinematográfica que, de fato, chacoalhou as minhas visões mais internas através de diálogos e entrelinhas densas foi "Uma Mente Brilhante" (já indicada mais acima, com resenha aqui), que entrou para a minha lista de filmes favoritos. Uma surpresa boa da semana, portanto, foi rever a trama "O Clube do Imperador", da qual pouco recordava, já que havia conferido há muitos anos e não desde o início. Ao fazer a releitura, o filme não ganhou a minha mente e coração com completude por alguns detalhes contraditórios (citarei) que apresenta, enfraquecendo as lições emitidas. Contudo, as diversas frases, cenas e mensagens firmadas são de grande valia e trouxeram reflexões que podem ser destrinchadas de maneiras enriquecedoras. Entrelinhas filosóficas e cabíveis para muito além dos quesitos da sinopse estão presentes, e o filme pode até soar um pouco 'Sessão da Tarde', mas a intenção clarificada que deixa é justamente de ser algo para todas as mentes (maturidades), podendo obter os desenleares de formas ainda mais poéticas e valiosas para quem souber cavar ligando os pontos a diversas situações e ensinos.

Apesar da semelhança agigantada perante alguns aspectos de um dos meus longas favoritos: "Sociedade dos Poetas Mortos" (analisado aqui), Clube, que não ganha em minha visão da riqueza de mensagens no desenrolar da história, contém diferenças grandiosas, apresentando visões de 'outros lados' não abordados com tamanhas proporções por Sociedade. Enquanto Poetas Mortos adere (dentre tantas outras mensagens) uma visão fundamental sobre presente e futuro, sobre inovação e utilização do passado para novas construções, buscando 'mudanças para continuar o mesmo', Clube capta em sua base a relevância do passado para a essência que prosseguirá em nós e para a liberdade e o legado que deixaremos. A mensagem que tanto afirmo aqui sempre que encontro brechas, de que liberdade é saber ao que se prende, é um dos pontos mais abordados na trama. Recapitulando na frase: Sinônimo de liberdade é respeito. Só é livre quem sabe ao que prende. Quem quer ter tudo de uma vez, não escolhe. Quem não escolhe, não abdica. Quem não abdica, é preso pelos rastros que deixa por nada ganhar, sem nada conseguir segurar, sem ser livre para ter. Escolhas devem ser complementos umas para as outras ou, ao menos, não devem ferir as prioridades. E quem não vive retendo por não ter prioridades, nunca atingirá o autoconhecimento e bom caráter que é a chave mestra para a porta da gaiola. Não merece o fundamental quem não sabe abrir mão do trivial.

Quem não tem princípios e por ele abre mão de certos fatores: já que somente assim é que defendemos e fazemos jus ao que prometemos (aprendendo a renunciar do que pode machucar esses detalhes), não tem sequer a si, porque em nada ganha definição, em nada ganha chão. Mas então, o que é caráter? É o que mantém esses princípios, é o que nos faz discernir o que deve ou não ser feito, é o respeito que torna a liberdade existente por saber os limites que deve abraçar, por saber dirigir o carro sem atropelar, de maneira idêntica a que gostaria que fosse dirigido um outro caso o pedestre fosse você. Caráter é a lealdade pelo que jurou como prioridade até que jure claramente não mais ser, para si e para todos os envolvidos nessas promessas. É a fidelidade e o ato urgente para admitir com esclarecimento caso ela seja ferida, doa a quem doer, porque só assim não doerá nos princípios, que quando machucados ferem a quem os mantinha, a quem os assegurava, a quem os esperava e a um turbilhão de outros 'quens' e 'quandos' intermináveis e onde já não caberão mais tentativas ou perdões, só re-voltas, só prisão. Caráter é mais do que convicção, é verbo que vive em gaiola para poder fazer com que todo o resto possa voar.

O filme engloba diversas frases e particularidades que ratificam tal ideologia: "Ambição e conquista sem contribuição não tem significado" (trecho apresentado no vídeo acima); "Não saber o que houve antes de nós é permanecer criança"; "A juventude envelhece, a maturidade é superada, a ignorância pode ser educada, a embriagues passa, porém a estupidez é eterna" (porque ela ecoará para sempre nas oportunidades que por ela perdeu, nos corações com ela machucou, nos ensinamentos que não adquiriu e que gerarão um ciclo eterno de perdas constantes, ainda que não perceba); "Vencer a que preço? Essa sempre é a pergunta a ser feita. Mais importante do que viver é permanecer vivo nos corações que cativamos" (e só assim poderemos viver com fulgor enquanto estivermos vivos, com o maior tesouro que se pode adquirir: uma mão que tem onde segurar); "Se sou feito (sentido ambíguo para 'ser semelhante àquilo que acredita e/ou diz acreditar'), torno-me"; "O fim depende sim do início".

A ideia de que legado é 'não para si' e 'só assim, será', também perdura na obra. Através disso, temos uma crítica que a acompanha de forma cada vez mais alargada: em relação aos 'contatos' que fazem com que pessoas tenham 'facilidade' nem sempre merecida na vida, que entrem pelas janelas e não portas, que fazem com que por um sobrenome ou status que sequer lutou para conseguir (apenas 'veio de berço'), ganhem o que outros poderiam mais merecer. É um dos maiores erros sociais que cometemos: 'se fulano é filho de sicrano, dei-lhe o poder'. É óbvio que gratidões sendo retribuídas existem e isso não é lá um erro a ser considerado em tantos casos, mas o que fica pertinente é o seguinte: o que custa fazer com que um ser humano prove que merece aquilo por si e não por algo que sequer dependeu dele para ter? O que custa observar o caráter e a competência antes de simplesmente entregar a badeja a alguém que pode desfigurá-la em segundos? Devemos impulsionar mais os outros a terem por conquistar e não por levarem uma bagagem repleta de troca de favores que colocam presentes talvez não merecidos no caminho ou por terem nas mãos os traços de um passado que não é seu. O maior erro de alguns dos personagens é o de achar que tem poder sem abstrair aprendizados (o que só ocorre caso erros semelhantes não sejam cometido, e eis mais um detalhe do que é caráter: erros semelhantes. Não precisam ser iguais. Um ser de caráter não vai cometer algo parecido, ainda que em uma situação adversa) e sem elevar melhorias com feitos perante caráter real, sem contribuir para a evolução alheia com honestidade. Isso é não ter poder e sequer consciência: é estar imerso na maior ignorância, a de esquecer que tudo é cabível é reviravolta, revira e volta, com soco que dói na própria mão do agressor. Para mais ou menos, ainda que o status não seja perdido, que dinheiro continue na conta, a perda vem de alguma forma é muito maior, sempre, para quem não mantém caráter, porque ela é do tipo que quando chega, surge como tsunami, levando tudo, derrubando a fé dos outros em qualquer credibilidade, inclusive sobre o que poderia ser honestamente bom.

Diversos pontos implícitos a mais são interessantes de aprofundar, como é o caso da importância de "navegar toda manhã" (que aparece literalmente, mas fica em alerta como um detalhe metafórico) que o docente emite. A noção da necessidade das pausas entre tudo o que fazemos e do encontro de meios que sejam a nossa terapia 'interna' (daquelas que temos para reler mais de nós, apenas conosco), ficam fortalecidas. Sobre o ponto da fundamentação das pausas já muito destrinchei em postagens como a de '15 vídeos para reflexão': no quarto vídeo. E sobre as necessidade do encontro com o que nos desabafa interiormente, explicitei um pouco no final (2º Bônus) da postagem de '15 documentários sobre mente humana'. Outros tantos fatores ficam em entrelinhas e mensagens a serem captadas mais diretamente não deixam de perder valor, como a lição que o personagem Sedgewick nos deixa (entre tantas outras entre seus erros e afins) em relação a 'aprender de tudo', a 'estar presente até no que não parece que muito vai agregar'. Apenas por chegar atrasado na aula (e não buscar aprofundar/saber o que havia deixado de ouvir), ele perderá um detalhe que poderia ser a sua salvação em 'momentos vistos como cruciais'. E assim é tudo na vida: quem não está presente se tem chance de estar, quem não se esforça para estar, quem não observa ao máximo o que pode e permite a chegada de novos ensinamentos e vivências (dentro dos limites dos próprios princípios), fica em limitações que dão ré em passos que pode sequer conhecer. E esse detalhe também fica incluso na noção da importância das pausas: em circunstâncias em que 'paramos para respirar' e vamos fazer algo que parece insignificante é que pode chegar a ideia que o cérebro não permitiu quando estava atolado em tantas outras. O fato pode até soar batido, mas é singularmente apresentado na obra. 

Apesar de tamanhas lições que fazem com que eu deseje repassar o filme para meus irmãos, futuros filhos e qualquer pessoa de qualquer idade que possa aprofundar detalhes, ainda que os achando primeiramente clichês em certas instâncias, o filme trouxe pontos que fizeram com que ficasse enfraquecido. Em momentos em que o professor poderia passar ensinamentos ainda mais firmes e metafóricos, comprovando ser, de fato, o que tanto defende, ele não o faz. Em uma brincadeira em que deveria fazer com os meninos aprendessem a lição de admitir os erros, ainda quando não intencionais, ele apenas corre. Tudo bem, é um ato impulsivo, um momento infantil em que a criança interior pode estar falando e ali a conexão entre eles até ganha mais enlace, porém nada disso ganha do fato de que, em momentos assim, de erros, é que devemos deixar a maturidade falar mais alto, por menor que tenha sido a falha. Nas besteiras, nos momentos em que ninguém sai ferido, a criança em nós pode e deve gritar, brincar, viver. Porém não é com esse discernimento que Hundert age em diversos momentos.

Aprofundamento a mais com spoilers (leia após assistir ao filme): Prosseguindo a linha anterior  No entanto, um dos erros do próprio William, em um momento da sua 'quebra de caráter' (nunca muito comprovado), acaba surgindo para deixar um ensinamento que abre os seus olhos para ser mais o seu próprio aluno, já que é disso que se trata: aprendermos a ensinarmos a nós mesmos. Ao desviarmos o nosso caráter por algum mau-caráter, estamos alimentando um ciclo para, inclusive, arrependimentos próprios. Por isso "os fracos se vingam e os fortes se protegem" (Augusto Cury), porque seja no amor, no emprego ou em quaisquer instâncias, devemos ler a história somente enquanto sentimos que podemos escrevê-la, somente enquanto, no máximo, dermos mais uma chance até perceber que o final se repetiu mais uma vez, e então, é a hora de parar de tentar. Por isso a vingança mata o amor e as conquistas, porque não fere somente o outro lado, mas o caráter. Fere tudo o que construímos e o que poderíamos levantar como voz própria em defesa de nós mesmos dizendo 'você pode até ter feito assim, mas eu: continuo sendo o que você sempre terá perdido, o bem que não deixarei de t-ser'. É como ratifico no texto Não sofra tentando explicar. E é exatamente o que ocorre na obra, comprovando que 'Você não pode ensinar nada a alguém sem que a resposta já esteja de alguma maneira dentro daquela pessoa', e para saber que, se alguma forma aquilo mora 'lá', uma segunda chance pode nascer, mas somente uma, e é justamente ao reparar o desfecho sendo repetido que o professor perde ali as esperanças totais e segue em frente sem mais tanto remoer, porque foi comprovado o que precisava ser, ele matou o 'e se...' assim, por isso permitir de novo é sempre válido, mas permitir a re-recomprovação, é bater o fundo do carro. 

Com o erro dele (professor) outros foram feridos, outros perderam o que poderiam alcançar, outros nos quais ele pouco pensou. Ele saiu ferido, ele perdeu o que poderia alcançar (maior gratidão de tantos, maior lição para quem merecia ainda muito aprender; um futuro repleto de outros futuros que ele mudou com apenas um ato inconsequente). Mas não com a segunda chance. Ela vale para acalmar o nosso interior, para nos provar a índole do outro, para nos fazer seguir de cabeça mais erguida. Ele não 'se vinga', por todos os motivos que foram já citados acima, ele apenas deixa clara a mensagem: eu sei o que é caráter, eu sei que você não tem. Todos sabem o que é caráter, você sabe que não tem. Vou apenas seguir em frente, porque as suas perdas virão, e não vou estar em mesmo patamar que você. A minha vingança é que veja-me sempre como o modelo que não alcançou, porque eu morrerei livre, com todos sabendo as boas marcas que deixei, e você morrerá deixando dúvidas intermináveis, questionamentos sobre o seu caráter (no mínimo), o que já é suficiente para não ter belo legado, para não ser imortal. 

Dicas extrasEscritores da Liberdade e Mentes Perigosas são mais duas obras com a temática de professores, agregando críticas e bons ensinamentos de maneiras diferenciadas (além das outras duas analisadas aqui na mesma postagem em que está 'Sociedade dos Poetas Mortos', já indicada) e mais um detalhe que deixo como soma é a leitura do terceiro e, principalmente, do sexto parágrafo do texto 'Não é o que parece', que muito tem conexão com as mensagens gerais do filme referido.

  • Filme 2: Perfume de Mulher

Observação: para não obter grandes spoilers, assista a cena acima somente até 2:33.

A indicação de 'Perfume de Mulher' não terá análise aprofundada, já que todas as lições mais bacanas adentradas na obra já foram, basicamente, destrinchadas na análise do filme acima (principalmente na parte da resposta de 'Mas o que é caráter?').
O fato é que senti alguns teores machistas no filme, o que desagradou bastante, e fora a cena acima, que foi o que realmente fez com que indicasse aqui o longa, poucos foram os momentos em que senti mensagens admiráveis em grande escala na trama, diferente do que ocorre com o "O Clube do Imperador", que em quase todas as cenas ganhou a minha atenção para alguma mensagem interessante transmitida. Uma das lições diferentes passadas em Perfume, é em relação ao quanto a nossa insistência para fazer bem a alguém pode nos levar a um ciclo incrível de tesouros eternos. O garoto insiste no capitão, em permanecer, em clarificar os sentidos da vida dele, das esperanças que deve continuar mantendo. E tudo o que devemos fazer antes de desistir de alguém, é ficar. Ficar até poder dizer 'você não me deixa ficar', 'você me corta por dentro a cada vez que fico', 'você faz com o que o ficar sempre seja ter que ir embora'. E esse é um dos pontos bacanas a mais da obra (como ratificado acima na questão da segunda chance para matar o 'e se'). As cenas em que o garoto impõe o seu bom caráter, ajudando o capitão a reencontrar a própria essência, são de grande valia, por isso não descarto a dica de que o filme seja conferido inteiramente. Uma outra lição diferenciada é em relação a necessidade de buscarmos formas de viver o que adoramos independente dos empecilhos: se não dá para dirigir, permita que alguém dirija com você, permita que seja um carro diferente do que sonhou, só não deixe de estar sentindo o movimentar da estrada que sempre quis, só começando assim é que podemos ir descobrindo novas formas mais deleitosas de ir pegando no volante. 

Com o final do semestre, o ritmo de postagens está mais lento (motivos: provas, trabalhos 
 emprego + trabalhos da faculdade , finalização de novos projetos futuros, Vanessa Brunt surtando!), porém em breve voltaremos ao costume mais acelerado. E em relação aos links indicados e aos filmes? Já tinha conferido algum? O que acrescentaria em relação as análises e reflexões emitidas? Não deixe de compartilhar nos comentários as suas opiniões e dicas a mais!
  • Compatilhe

TRANSBORDOU NESTES?

Direitos Autorais

Todos os escritos aqui postados são de autoria da escritora, poetisa, compositora e blogueira Vanessa Brunt. As crônicas, frases, poesias, análises e os demais diversos escritos, totais ou em fragmentos, podem ser compartilhados em quaisquer locais e sites (quando não para fins lucrativos: criação de produtos para vendas, entre outros), contanto que haja o devido direcionamento dos direitos autorais. Ademais, as imagens utilizadas no blog para as postagens não são, em sua maioria, feitas pela autora. Portanto, para qualquer problema envolvendo os créditos das fotos, basta entrar em contato e o caso será resolvido prontamente.