Frase do Dia



Quem não sabe o que busca, não identifica o que acha. • Veja mais frases no Instagram: @semquases ou @vanessabrunt.
FRASE: Immanuel Kant

VÍDEO | FILMES QUE EMOCIONAM E MOSTRAM A VELHICE DE DIFERENTES FORMAS


A velhice é um tema delicado, que ainda chega carregado de estereótipos. Foi pensando em cortar preconceitos e trazer reflexões mais amplas sobre a temática, que fiz uma listagem especial. O compilado mistura obras que tocam a alma não somente porque todos vamos passar por tal fase, mas também por nos lembrar daqueles que estão ao nosso redor e merecem mais do esforço e da atenção que podemos oferecer desde já.

Um filme com ação e comédia, um com drama e peso e um com muita leveza. Fui para a cabine de imprensa do longa A Mula e fiz, então, a crítica da obra trazendo as análises e indicações das tramas extras.

Em meio às entrelinhas das obras, ainda pontuei dicas de séries e outros filmes. Confira no vídeo:


➦ Momento em que cada crítica é iniciada no vídeo:
FILME 1: Início do vídeo 
FILME 2: A partir de 12:13 
FILME 3: A partir de 18:04

➦ Links prometidos do blog:
Crítica 1
Crítica 2  

Clicando abaixo já é possível fazer a sua inscrição no canal:
  • Compatilhe

VÍDEO | AS ENTRELINHAS DO INDICADO AO OSCAR: SE A RUA BEALE FALASSE | CRÍTICA


Indicado a três categorias do Oscar 2019, o filme Se a Rua Beale Falasse é adaptação do livro homônimo do estadunidense James Baldwin (1924 - 1987). A trama impactante mistura romance e críticas sociais sendo, infelizmente, repleta de assuntos que acabam servindo como pautas extremamente atuais.

Feito com a costura de diversas entrelinhas e analogias, a obra vai muito além de críticas ao racismo e acumula pontos positivos intensos, apesar de frustar de uma forma grandiosa. Mas, será que essa frustração não foi intencional e necessária? Assista à crítica (sem spoilers) para entender as metáforas do longa e para captar o que tipo de frustração que ocorre ao assistir ao filme:


Durante o vídeo ainda dei indicações de outros filmes e também de documentários (além de um texto/desabafo sobre nudes, que pode ser conferido aqui).

Nos comentários do próprio vídeo, no canal de YouTube, deixei ainda alguns acréscimos de detalhes que não pontuei na crítica, mas que vejo como importantes. Abaixo, é possível conferi-los (não recomendo, porém, que veja o tópico 3 antes de terminar de assistir ao vídeo completo)

Pessoal, três detalhes importantes que acabei não pontuando no vídeo: 

1. Existe uma cena em que um marido bate na esposa (não estou citando quem são os personagens para não dar spoiler). Na cena, pouco antes da atitude do marido, a esposa está sendo desrespeitosa com outras pessoas. O fato dela estar errando, no entanto, não justifica a agressão cometida pelo marido. Essa é mais uma crítica que o filme deixa nas entrelinhas, já que muitos podem assistir ao momento da cena e julgar como certa a atitude do marido, simplesmente porque a esposa esteve cometendo atitudes que não são corretas. Mas nada justifica a agressão. Nesses casos, a mulher (ou quem recebe a agressão) é sempre a vítima. Importante frisar. Reflitam bem ao assistir sobre quando ouvimos outras pessoas tentando transformar a vítima em culpada: e isso não existe (não existe essa possibilidade). 

2. É ratificado no filme que a protagonista não teve grandes possibilidades de estudar. Ainda assim, ela é batalhadora, empoderada e repleta de bons argumentos e de boas instruções, principalmente por conta do seu bom caráter. Reflexões sobre preconceitos de classes também ficam muito presentes e a protagonista, com esse combo, acaba sendo mais um meio de desconstrução e de 'tapa na cara' da sociedade. 

Outra analogia bacana de observar é a feita através de Fonny que, como escultor/artista, representa os talentos que perdemos na sociedade por injustiças nascidas dos preconceitos.

3. Quando citei que a frustração é necessária, deveria ter frisado o quanto a sensação final é a de que acabamos de assistir a um filmaço! Posso arriscar dizendo que não tem como sentir algo diferente disso. A raiva que sentimos pelo filme, para quem entende a necessidade (a representação) dela, só faz com que essa noção de grandeza da obra seja ainda maior.


Não deixe de estar inscrito no canal, porque, em breve, teremos vídeos em todas semanas. O blog, no entanto, não vai ser alimentado somente pelos vídeos e teremos, em meio a esta nova fase, também outras postagens diferenciadas (no melhor estilo antigo, por assim dizer).

E então, já assistiu ao filme? Qual foi a sua sensação final? Quais os outros longas que estão na nova lista do Oscar e que você já conferiu? Conta tudo nos comentários! 

♥ Clicando abaixo já é possível fazer a sua inscrição:

  • Compatilhe

VÍDEO | ENTREVISTA: KÉFERA E JOÃO CÔRTES DÃO DICAS DE LIVROS E OUTRAS ARTES AO FALAREM DO FILME EU SOU MAIS EU + CRÍTICA


Depois de uma pausa intensa, o Sem Quases está retornando de uma maneira diferenciada. Sem perder a essência de análises das entrelinhas artísticas, o nosso espaço vai ganhar ainda mais foco para os vídeos do canal de YouTube, trazendo críticas, entrevistas exclusivas com artistas diversos e outros quadros que serão divulgados aos poucos.

Agora é pra valer! Se antes este nosso canto era um hobbie, agora vai ser também um meio profissional, para o qual terei tempo exclusivamente dedicado. Assim, vai ser difícil de ocorrer alguma outra pausa futuramente (já que elas aconteciam pelo trabalho na redação do jornal e outros afazeres estarem sendo prioridade).

O retorno, por enquanto, vai ser gradual e aleatório. Mas, em breve, estarei dando o veredito e informando exatamente quando vamos começar a ter postagens e vídeos semanalmente, sem faltas.

E, para iniciar a nossa volta especial, chego aqui com as primeiras entrevistas exclusivas do Sem Quases. Conversei com a atriz e youtuber Kéfera e com o ator João Côrtes sobre o filme Eu Sou Mais Eu, que estreia nesta quinta-feira (24).

Nas entrevistas, fiz uma brincadeira com os atores e eles deram indicações de livros, séries e outras artes que se conectam de alguma maneira com o filme que estão divulgando/lançando. Kéfera, inclusiva, deu uma lista de indicações de canais de YouTube que abordam temas como a autoestima.

Logo após as conversas com os atores, apresento a crítica do filme Eu Sou Mais Eu, no mesmo vídeo. Confira:


Dentro do jornal no qual trabalho, já havia entrevistado Kéfera (que contou quais os seus filmes e as suas séries favoritos) e feito crítica do seu penúltimo filme (Gosto Se Discute). Entrevistei também atores como Ingrid Guimarães (quando também fiz a crítica do filme Fala Sério, Mãe!), além de outros artistas. Mas, agora, teremos esses conteúdos especiais feitos diretamente aqui para o Sem Quases.

E então, o que achou das indicações dos atores? Já conferiu o filme? O que destacaria na crítica? Conta tudo nos comentários!
  • Compatilhe

Mais Posts

SIGA BRUNT NAS REDES

Direitos Autorais

Todos os escritos aqui postados são de autoria da escritora, poetisa, jornalista e blogueira Vanessa Brunt. As crônicas, frases, poesias, análises e os demais diversos escritos, totais ou em fragmentos, podem ser compartilhados em quaisquer locais e sites (quando não para fins lucrativos: criação de produtos para vendas, entre outros), contanto que haja o devido direcionamento dos direitos autorais. Ademais, as imagens utilizadas no blog para as postagens não são, em sua maioria, feitas pela autora. Portanto, para qualquer problema envolvendo os créditos das fotos, basta entrar em contato e o caso será resolvido prontamente.