O segredo para persistir é resistir. E o segredo para resistir é saber desistir. Ir em frente ao não se mexer e lembrar que não existe tudo: em tudo aquilo.
VANESSA BRUNT

EU-JÁ-ZEREI


Desculpe-me, não posso ficar.
Tenho um pedaço de pano
Com álcool encharcado
E eu nunca fui
De me enxugar.

Desculpe-me. Não posso
Me desculpar.
Triplico as forças do dano
Tenho o fósforo fadado
Porque sempre fui
Do aço lar.

Agradeço pela toalha
Pela sua cautela
De não me molhar.
Mas eu sempre
Estou debaixo da chuva
Nua - e rindo viúva
Do que não me afogar.

Desculpe-me.
Poderia manter o controle
Fazer parte dessa massa
E retrair a lágrima
Até não me enxergar.
Mas meu pano
É tatuado
E eles não sabem
Poetar.

Desculpe-me
Por me demorar
Mas só depois percebi
Que o exagero
É sinônimo
De estar maduro.

Desculpe-me
Por me quebrar
Se dei de cara
Com seu mapa
Colorido
Que dá direto
pro muro.

Desculpe-me. Perdão
Se não tenho paciência
Para explicar
Que isso que você chama de
De sensatez
É arma de quem
Quer caçar.

E caça é antônimo
De crescimento
Enquanto eu tento me encaixar...
E percebo, tarde demais,
Que quem não cabe
É porque cresceu
De tanto exagerar.

Diga-me, antes de irmos:
Errado é o que traz o boleto
Ou o que apequena um pássaro
Com a arma na mão?

Desculpe-me, mas prefiro cobrar
Do que não respirar
De tanta respiração.

Depois eles quebram os jarros
Porque colocaram muita terra
E pouca semente.
Esquecem que, desde o início,
Medíocre alimenta
Delinquente.

Esquecem, tão sãos que são,
Que começo também é guia
Que o jarro com lama
Não é salvo com água
Depois que o corte parti-ria.

Desculpe-me, mas não posso ficar.
Moro muito perto da clareira
Em uma cidade gelada.
Desculpe-me, mas não posso estacionar
Nessa sua rua igual
A todas as abandonadas.

Desculpe-me
Desculpe-me
Por ser TÃO assim
Mas não posso escrever na sua lápide
Porque se não pinga
Não faz
Jardim.

E só quem souber apertar
é quem vai sobreviver, inalar
Nessa nação de marinheiros
Tão bem calculada que
De tantas glórias
Não fez História.

Desculpe-me, mas meu exagero é mais forte
Do que essa falta de dedicatória e morte
Do que essa conta de artilheiros
Tão bem derrotada
Que de tanto asfalto e divisória
Não plantou sequer memória.

E, no fim, o íntegro se desculpa
E o assassino faz vitória
Porque dizem que liberdade é solidão
E cara de choro é vexatória.
Força de dentro vira nada
Esquecem que ela vem da maior fraqueza
Mas eles dizem que faca nas costas
É pura falta de destreza.

Em tão,

Desculpe-me, mas não posso ficar.
Galileu foi louco
Einstein foi burro
E eu sou o drama desnecessário.
Desculpe-me, mas não posso ficar.
O traído é caçoado
O traidor é aclamado
E eu sou a culpa desse falsário.

 Desculpe-me
Desculpe-me!
Mas eu, realmente, não posso ficar!
Eu ponho exclamação em todas as coisas
Porque todo o resto, é banalizar.
Desculpe-me
Perdão!
Eu não sei lidar com este mundo!
Não posso ficar calma
Porque tudo o que sei
É ficar
Fundo.

Confira mais escritos nos livros, no Tumblr, no site KdFrases, no Pinterest, em pesquisas pelo Google, nos Stories do Instagram [@vanessabrunt], no perfil do @semquases, nas Frases do Dia [na nossa home] e, principalmente, na Galeria de Frases aqui do blog [a qual estarei atualizando em breve]. Dica de poemas relacionados para as próximas leituras: Para Sua Alteza e Maturidade [d a n ç o].
  • Compatilhe

FRASES E TRECHOS + A MINHA ROTINA ATUAL


Vou contar um pouco de como é a minha rotina atual para vocês: Acordo às 7h, agilizo acréscimos para o TCC [Trabalho de Conclusão de Curso] ou finalizo algum trabalho do curso, vou para a redação do jornal [ainda vou mostrar para vocês como funciona tudo por lá e contar um pouco da vida de repórter] entre 9h e 10h e fico até às 18h. De lá, vou direto para a faculdade [faço curso de Comunicação Social com enfoque em Jornalismo], a qual finalizo no final deste ano. Saio da faculdade às 22h, chego em casa em torno de 22h30. Após chegar, tomo um banho, como alguma coisa e, em geral, o sono chega logo depois. Nos finais de semana, estou mergulhada no meu TCC, nos próximos livros e em projetos do curso. Em alguns finais de semana, no entanto, vou trabalhar na redação do jornal: o que chamamos de plantão. 

Obviamente, ajustes ocorrem e, a depender, o dia pode ser ainda mais corrido, com outros tantos afazeres [como cabines de impensa ou apurações externas mais urgentes], mas, em base, é assim que ocorre. Quis explicar um pouquinho para que possam entender que entramos, aqui [no Sem Quases], em uma fase de pausas e retornos por conta de uma época de prioridades momentâneas, ou seja: que estão em etapa de conclusão. Após o fim do ano, quando o querido TCC estará concluído, os projetos próprios vão ter mais lugar e voltarei 100% [teremos mais dias fixos de postagens, inclusive]. 

No começo dessas etapas, estava em desespero, tentando lidar com todos os quesitos e na preocupação de não quebrar nenhuma palavra dada a vocês, mas comecei a ter crise de adrenalina e outros problemas de saúde, e foi a hora de focar no lembrete de que pausar também é estar fazendo. Nada do que já foi prometido será deletado ou negligenciado, apenas deixado para um retorno total. E, só para constar: quando chego aqui e vejo que muitos nomes continuam voltando mesmo no meio desse turbilhão, é quando mais relaxo os meus pulsares e sorrio. Gravo a poesia que tem em cada um e a minha maior ansiedade é voltar a conversar com mais calma com todos por aqui. Então, me abraça [e me espera?]!

Ainda neste ano teremos algumas surpresas [estou roendo unhas para contar!] e continuamos com postagens uma vez por semana, geralmente nas terças-feiras [já perdi as contas de quantos rascunhos temos aqui]. E, como houve um atraso nesta semana, estou escrevendo para esclarecer os motivos e deixar esta postagem temporária, até que o conteúdo da semana que vem seja publicado. Resolvi emitir alguns trechos dos meus escritos e frases por perceber que faz tempo que não posto um poema aqui [tenho guardado muita coisa nas gavetas e/ou para as próximas obras], apesar de postar crônicas com certa constância. Então, vamos aos sentimentos! 

É possível conferir mais das frases abaixo nos livros, no site KdFrases, no Pinterest, em pesquisas no Google, nos Stories do meu Instagram [@vanessabrunt], no perfil do Instagram @semquases, nas Frases do Dia [acima] e, principalmente, na Galeria de Frases aqui do blog [a qual estarei atualizando em breve]. 

Ah! Como algumas das imagens foram retiradas do Instagram, é possível que elas fiquem um pouco desfocadas no tamanho maior [ao serem visualizadas por aqui], porém, conferindo por lá, a qualidade é legível; e é possível encontrar as mesmas frases com outras fontes e designs pelo Google [inclusive, vários de vocês é que criam essas artes - e parabenizar é pouco: fico babando! Por vezes, a poesia da mensagem fica ainda mais engrandecida com o conceito visual que vocês formulam].



Já conferiu mais frases pelos livros ou em algum dos locais indicados acima? Vez ou outra ressuscito também no Tumblr e temos alguns poemas novos por lá. E o falecido Twitter? Você mantém alguma rede assim, que já não é tão fixada pela maioria? E sobre a rotina louca e a importância do respiro: passou por algo semelhante também atualmente? Conta nos comentários e vamos papear!
  • Compatilhe

CONHEÇA AS LETRAS E OS CLIPES POÉTICOS DE BILLIE EILISH + OUTRAS INDICAÇÕES


Entrelinhas. Metáforas. Duas palavras que definem a busca da parte limpa nos cantos sujos – e vice-versa. Com esses sentidos, que lembram do fundo que existe na superfície, é que fiz, há duas semanas, um compilado de algumas das canções que muito falam sobre lições que o meu coração digeriu após afogamentos (afinal, os mais vivos são os afogados, os únicos que conseguem realmente respirar).

A playlist A Bagunça Daqui de Dentro, lançada no Spotify, reúne nomes como AnaVitória (e como assim não temos Barquinho de Papel, que é uma das melhores composições da humanidade, no Spotify?), Skank, Adriana Calcanhoto, John Mayer, Zélia Duncan, ScrachoSandy, TiêRoberta Campos, OutroEu, Pitty, Taylor Swift, Ana Carolina e a trilha sonora do filme Begin Again. No meio da listagem de composições que muito admiro, um dos outros nomes que surge pode não ter sido novidade para quem acompanha os meus desabafos musicais nos Stories do Instagram. Lá está ela, com três das suas poesias musicadas: Billie Eilish.

No final de 2017, em meio a uma decepção amorosa, estava passeando pelo YouTube na caça de novas letras que dessem suporte ao momento. Encontrei Outro Sim, um tesouro de Fernanda Abreu (a qual conta, ainda, com um clipe metaforicamente genial). E, em meio aos achados, Eilish chegou não com uma, mas com todas as músicas próprias acalentando a minha áurea.

Não é difícil perceber o que, de fato, ganha o meu encanto: artistas que produzem, com os próprios sentimentos, a própria arte. A cantora e compositora, de 16 anos, escreve com uma verdade escancarada e poética os versos que canta, assim como faz em cada simbologia que pontua nos referidos clipes. É mais uma prova viva de que a sensibilidade é uma das maiores sapiências e de que maturidade é não desistir de sentir.

Em entrevista a Vogue, quando questionada sobre "quando começou escrever músicas", a menina Eilish disse: "Eu sempre cantava, o tempo todo. Eu cantava músicas que ia criando na hora. Cantei tanto que minha família teve que me calar. Então, eu comecei escrever quando eu tinha uns 11 anos".
As influências musicais de Billie vão de Lana Del Rey e Aurora (dona da música de abertura da novela Deus Salve o Rei) até os rappers Tyler the Creator e Earl Sweatshirt.

Imagine dormir como uma menina desconhecida de 14 anos e acordar na manhã seguinte com sua caixa de entrada cheia de mensagens perguntando sobre suas letras e sua carreira musical. Foi o que aconteceu com Billie Eilish que, em 2015, fez sua entrada na cena musical ao fazer o upload da faixa Ocean Eyes (confira abaixo) no SoundCloud: uma das composições mais simples da poetisa.

Em 11 de agosto de 2017, letras ainda mais maduras surgiram do repertório de Eilish, que lançou o EP Don't Smile at Me. Para o projeto, Billie fez uma persona em sua arte, que demonstra uma parte de si, representando o que sentia, em geral, ao compor as canções que fazem parte do EP. Nele, vemos a garota de olhos meio tristes, entediados e vestindo conjuntos de roupa da mesma cor da cabeça aos pés, fazendo uma apologia à prisão: a estar presa em sentimentos mal resolvidos. Assim, ela formula o Don't, repleto, também, de metáforas imagéticas.

Além das roupas, que brincam com a noção de prisão e liberdade sentimental das letras (sempre com uma cor que traz um novo sentido), outro detalhe pode ser muito observado nos clipes do EP: uma escada. A cada nova música, uma nova representação para o objeto, seja sobre os ganhos das perdas ou sobre a necessidade de crescer ao saber não seguir em frente em certos pontos.

Fora dos palcos, porém, em entrevistas e com seus fãs, a artista demonstra ser alegre e risonha, exibindo outros lados de quem é, para além da sua voz imersiva.

Confira algumas das minhas letras favoritas da compositora:

SIX FEET UNDER


A primeira música que ouvi da cantora e compositora e que fez com que os meus dedos saltitassem pelo teclado em busca do artista de quem floresceram tais palavras foi: Six Feet Under. Uma poesia deleitosa, com metáforas que passeiam em conexões firmes e que veio da mente e do coração da própria Billie. Foi então, que descobri que a cantora escreve todas as próprias composições. Seis Palmos Abaixo do Chão (em tradução livre) já começa a trazer entrelinhas no próprio título. Quando alguém vem a falecer e é, então, enterrado (no literal), é costumeiro afirmar que aquele caixão, com aquele corpo, ficará a sete palmos abaixo da terra.

O número seis, que acompanha as palavras que intitulam a canção, traz, portanto, a noção daquilo que está enterrado, mas não com a totalidade de outras mortes. Aquilo está a alguns palmos acima, porque algum fio de sentimento sobre algo ainda vivo continua a brotar, ainda espera, ainda existe. O ciclo não foi fechado a ponto de ser somente bagagem e releitura para um presente afastado. Algo ainda está em pendência, vírgulas ainda bailam em disfarces de pontos. É necessário puxar o caixão para cima para que, somente após, ele possa subir com totalidade ou descer, finalmente, ao ponto dos sete palmos. 

 CONFIRA A LETRA:

Ajude-me, eu me perdi de mim de novo, mas eu lembro de você. Não volte, isso não vai acabar bem. Mas eu gostaria que você me dissesse também. Nosso amor está a seis palmos abaixo do chão; eu não posso ajudar, mas me pergunto: se o nosso túmulo fosse regado pela chuva; poderiam rosas florescer? Poderiam rosas florescer, uma outra vez? Refazer meus lábios, apagar o seu toque. É demais para mim. Soprar sem fôlego; como fumaça no ar... Como você pode morrer descuidadamente? Nosso amor está a seis palmos abaixo do chão; eu não posso ajudar, mas me pergunto: se o nosso túmulo fosse regado pela chuva, poderiam rosas florescer? Rosas floresceriam? Poderiam rosas florescer, uma outra vez? Estão tocando o nosso som, colocando-nos para deitar hoje à noite. E todas essas nuvens, trazendo-nos de volta à vida, mas você está frio como a noite. Seis palmos abaixo do chão; eu não posso ajudar, mas me pergunto; se o nosso túmulo fosse regado pela chuva... Florescer, florescer, uma outra vez. Ajude-me, eu me perdi de novo, mas eu lembro de você.

A chuva, que vem como representação de limpeza através do que pode causar certas destruições, mas que também pode fazer algo bom brotar é, na letra, metáfora para aquilo que ficou por dizer, do fechar do ciclo, do que restou como indagação, como questão, como palavras na garganta. As rosas pontuadas na composição, que poderiam florescer na chuva, relembram que tudo virá com espinhos, com novos problemas a serem resolvidos – Porém, lembra, ainda, que tudo daquela história poderia valer a pena caso houvesse mais pétalas do que espetadas ou, ao menos, caso a rosa pudesse ser mais que semente, podendo ser analisada com mais calma e inteireza. Logo, ela representa o que está enterrado na relação e precisa ser conversado, analisado, indagado, para após, renascido ou soterrado de vez.

A noção de deitar representa a limpeza da mente, quando tudo é, finalmente, processado (ao dormimos). Assim, a letra navega em metáforas diversas pela necessidade de uma conversa entre essas pessoas, nem que seja para entender 'cada nuvem' que, se não analisadas até 'chover', vão apenas ficar trazendo aquela história de volta pelas interrogações. É sobre fechar o ciclo, seja para deixar ir ou para abraçar uma nova chance. É sobre a necessidade de não deixar a porta encostada, porque tendo bolos na garganta, ela sempre estará. É sobre, às vezes, o veneno da cobra ser o único remédio para, então, curar a picada.

WATCH


A música de Billie com a qual mais me identifico atualmente é Watch. No clipe, já podemos perceber as metáforas imagéticas que acompanham as artes da compositora. A letra (confira abaixo), aborda um relacionamento com alguém que coloca o outro 'na estante', que não finaliza nada por inteiro por ainda querer o ego inflado e a 'opção de voltar quando bem entender'. Na composição, a metáfora utilizada para a situação é a do fogo, que representa o fim, a coragem e a maturidade que essa pessoa deveria ter para realmente 'queimar' aquela história se já não a quer, deixando o outro livre (deixando-a /a Billie/ liberta para começar a digerir aquele fim).

O carro, que ela aborda também na letra, representa a própria relação. A facilidade com que ele conseguia se aproximar dela novamente e com que essa 'estante' acontecia entre ambos é um resumo do que seria esse relacionamento. Logo, o carro queimando seria o fim dessa possibilidade de aproximação e de quaisquer retornos.

O início dos versos traz a noção do quanto tentar ajustar quaisquer quesitos daquele laço sempre formulava um nó. 'Lábios encontram dentes e língua', diz Eilish, expurgando a noção de tentar se comunicar com alguém que não capta os seus valores e não parece lembrar do básico: de imaginar a inversão de papéis antes de cometer atitudes. Não dá para sentir o sabor (língua) e nem dá para cortar de vez (dentes), se as vozes não fazem esforço mútuo e não captam os mesmos limites como primordiais.

O fato lembra o seguinte trecho do texto Não Sofra Tentando Explicar, presente no meu próximo livro: "Desabite o que não faz por onde, o que não segue o que é vital na sua lista prioritária e só explique com euforia o que é amor ao respeitoso, o que é bondade ao generoso e o que é amizade ao não traiçoeiro. Troque ideias com quem compartilha das suas teses, acresça com quem você pode também ajudar a desenvolver, não com quem não alcança seus olhares. De resto, até ouça, afinal, nada é tão vazio a ponto de não merecer a nossa voz e escuta para certas abstrações. Contudo, não esqueça: não adianta um peixe tentar nadar por muito tempo em água secante, tampouco funcionaria por horas respirar em terra. Não há tubarão que converse com leões. Não há como explicar a um cão o que é lealdade: ou ele, por instinto, será devoto a você, ou poderá morder sua perna e não existirá fala que seja suficiente para definir ao animal o quão absurdo isso foi".

No clipe, é possível visualizar Eilish repleta de amarras no início. Ela está presa a esse relacionamento que é emaranhado por incertezas. Ela tenta subir uma escada, ou seja, ela questiona para ele, ela faz a parte dela para dar certo (para continuar ou finalizar de vez a história, sem ficar em cima do muro), mas ele continua a amarrando e nunca 'acende esse fogo/fim de vez'.

As pessoas ao redor de Billie representam, no clipe, ela mesma. São representações do quanto ele conseguiu 'fragmentá-la', fazendo com que ela não se reconhecesse mais, perdesse os próprios princípios (o que me lembra o discurso do início do clipe I Knew You Were a Trouble, de Taylor Swift). Ela percebe que, no caso, ela mesma a amarrou ali. Então, ela 'acorda' de qualquer possibilidade daquela relação se tornar 'um sonho realizado'.

Assim, como ele não finaliza as perguntas incessantes e a própria relação, ela mesma toma a atitude e enceta o fogo.

 CONFIRA A LETRA:

Lábios encontram dentes e língua, meu coração salta oito batidas ao mesmo tempo. Se estivéssemos destinados a ser, estaríamos sendo agora mesmo. Veja o que você quer ver, mas tudo o que vejo é ele  agora mesmo. Eu vou sentar e assistir seu carro queimar, com o fogo que você começou em mim; mas você nunca voltou para queimar por inteiro. Vá em frente e veja meu coração queimar, com o fogo que você começou em mim, mas nunca vou deixar você expô-lo novamente. Seu amor soa tão falso, e minhas demandas não são altas para seguir. Se eu pudesse dormir, eu estaria dormindo agora mesmo. Suas mentiras nunca continuarão, acho que você precisa expulsá-las. Eu vou sentar e assistir seu carro queimar, com o fogo que você começou em mim, mas você nunca voltou a perguntar sobre. Vá em frente e veja meu coração queimar, com o fogo que você começou em mim, mas nunca vou deixar você trazê-lo de volta. Quando você chama meu nome, você acha que vou vir correndo? Você nunca fez o mesmo, tão bom em me dar nada. Quando você fecha os olhos, você me imagina? Quando você fantasia, eu sou sua fantasia? Agora você sabe. Agora estou livre. E eu vou sentar e assistir seu carro queimar, com o fogo que você começou em mim, mas você nunca voltou a pedir isso. Vá em frente e veja meu coração queimar, com o fogo que você começou em mim, mas nunca vou deixar você trazê-lo de volta. "Nunca deixe você queimar". Deixe-o queimar, deixe-o queimar. "Nunca o deixarei queimar". Deixe-o queimar.

BORED


Parte da trilha sonora da série 13 Reasons Why, Bored pode ser interpretada como uma canção sobre relacionamentos abusivos. O clipe traz duas caixas de som, que representam a voz dela mesma precisando ser ouvida e virando ecos, enquanto ainda inclui uma escada, que vai, na construção, representar os ganhos das perdas.

Sem essa pessoa que 'achava que a tinha nas mãos', é que ela consegue subir, sozinha, os degraus mais altos. Logo, ele era o empecilho para o engrandecimento; porém, impulsionada por cortar esse laço (já tedioso, como a letra cita), o alcance dos pés acabam sendo ainda maiores, com outras tantas lições e desejos de liberdades, sabendo ela, então, ainda mais o que não deseja aceitar em nenhum outro ser humano. A lista do que é fundamental acaba ficando ainda mais firme. Afinal: tem pessoas que passam pelas nossas vidas apenas para que firmemos nossos princípios e vejamos o quão bom é não ser como elas.

No meu rascunho desta postagem (sim, estou vivendo de rascunhos atualmente), tinha um trecho da música So It Goes, de Taylor Swift: "Corta-me em pedaços, gaiola de ouro. Porque nos quebramos um pouco e, então, todas as peças caem exatamente onde precisavam estar". Fiquei tentando entender depois a conexão que havia sido intencionada e, sinceramente, não lembrei qual era. Mas creio que queria conectar com a escada do clipe, já que essa letra de Swift (outra compositora poética que está no meu topo de admirações), apresenta a noção de que, se não dentro da relação, as peças precisam se encaixar e fazer sentido fora dela. Porém, na composição de Taylor, o relacionamento apresentado traz a ideia de 'gaiola de ouro' (de uma relação que tem limites combinados seguidos, que sabe que liberdade é pontuar ao que se prende e o que vai abdicar), logo, é um laço de cuidados mútuos, que busca fechar essas aberturas dos dois lados, sem ninguém precisar implorar.

 CONFIRA A LETRA:

Os jogos que você incentivou nunca foram divertidos. Você diz que fica, mas então corre. Dando-lhe o que você está implorando, dando-lhe o que você diz que eu preciso. Eu não quero bater nenhum recorde, eu só quero que você me liberte. Dando-lhe o que você está implorando, dando-lhe o que você diz que eu preciso, diz que eu preciso. Eu não tenho mais medo; o que te faz ter certeza de que é tudo que preciso? Esqueça isso! Quando você sai pela porta e me deixa despedaçada, você está me ensinando a viver sem isso. Entediada, estou tão entediada, tão entediada. Eu estou sozinha em casa, Deus sabe onde. Espero que você não pense que essa merda é justa. Dando-lhe tudo o que você quer e mais, dando-lhe cada pedaço de mim, mas eu nunca vou poder pagar, eu só quero que você ame de graça. Não consegue ver que eu estou ficando entediada? Dando-lhe cada pedaço de mim, pedaço de mim. Eu não tenho mais medo; o que te faz ter certeza de que você é tudo que preciso? Esqueça isso! Quando você sai pela porta e me deixa despedaçada, você está me ensinando a viver sem isso. Entediada, estou tão entediada, tão entediada. Dando-lhe o que você está implorando, dando-lhe o que você diz que eu preciso. Eu não quero bater nenhum recorde, eu só quero que você me liberte. Dando-lhe o que você está implorando, dando-lhe o que você diz que eu preciso, diz que preciso. Eu não tenho mais medo. O que te faz ter certeza de que você é tudo que preciso? Esqueça isso! Quando você sai pela porta e me deixa despedaçada, você está me ensinando a viver sem isso.

Confira mais letras de Billie Eilish:

FINGERS CROSSED


 CONFIRA A LETRA:

No final, quando todos eles tiverem partido, quando o mundo estiver em silêncio e o dia, passado: apenas você e eu, nós estaremos vivos. Nós sobreviveremos por conta própria, porque todo mundo escuta  até que não mais. E todo mundo quer pensar que já ganhou, porque todo mundo sobrevive – até que não mais. E todo mundo parece pensar que já ganhou. Ganhou, ganhou, ganhou. Talvez eu ainda esteja viva, mas meu coração está batendo devagar. Querido, me diga, eu preciso saber: Você está bem? Você parece ter ido muito longe. E, ainda mais, aí de pé. Sozinho. Porque todo mundo escuta – até que não mais. E todo mundo quer pensar que já ganhou. Porque todo mundo sobrevive até que não mais. E todo mundo parece pensar que já ganhou. Ganhou, ganhou, ganhou... O melhor de mim, o melhor de mim, de você.

COPYCAT


 CONFIRA A LETRA:

Não seja trouxa, não seja gentil. Você está comprometido, eu sou seu crime. Pressione o meu botão a qualquer momento. Você pegou o dedo no gatilho, mas o dedo do seu gatilho é meu. Dólar de prata, chama dourada, água suja, chuva de veneno. Assassinato perfeito, tome seu objetivo. Eu não pertenço a ninguém, mas todos sabem meu nome. Aliás, você não foi convidado, porque tudo o que você diz são todas as mesmas coisas que fiz. Imitador, tentando copiar minha maneira. Assista suas costas quando você não pude ver a mente. Imitador, tentando copiar meu glamour. Por que tão triste quando você não pode ter o meu? Chame-me de insensível, me chame de fria. Você está em itálico, estou em negrito. Chame-me de arrogante, observe seu tom. É melhor me amar porque você é só um clone. Aliás, você não foi convidado, porque tudo o que você diz são todas as mesmas coisas que fiz. Imitador, tentando copiar minha maneira. Assista suas costas quando não pude ver a mente. Imitador, tentando copiar meu glamour. Por que tão triste quando você não pode ter o meu? Meu. Eu odiaria vê-lo ir, odiei ser quem te disse isso. Você acabou de atravessar a linha, você ficou sem tempo. Sinto muito, agora você sabe. Desculpe, eu sou o único que te disse. Desculpe, desculpe, desculpe, desculpe. Psicopata! Aliás, você não foi convidado, porque tudo o que você diz são todas as mesmas coisas que fiz. Imitador, tentando copiar minha maneira. Assista suas costas quando você não pode ver a mente. Imitador, tentando copiar meu glamour. Por que tão triste quando você não pode ter o meu?

OCEAN EYES


Como o clipe de sua música Ocean Eyes mostra, Billie também é dançarina contemporânea. Antes de do lançamento de seu primeiro trabalho como cantora, esse era o foco dela, com ensaios até 11 horas por semana e participando de competições em uma companhia. O vídeo traz o lado mais belo da dança: mais uma forma de fazer poesias, acrescentando mensagens da letra a cada movimento corporal, que formula simbologias.

 CONFIRA A LETRA:

Eu tenho observado você por algum tempo. Não posso parar de olhar para seus olhos de oceano. Cidades queimadas e céus de napalm. Quinze chamas dentro daqueles olhos de oceano, seus olhos de oceano. Não é justo, você realmente sabe como me fazer chorar quando você me mostra esses olhos de oceano. Eu estou assustada, eu nunca caí de tão alto. Caindo em seus olhos de oceano, esses olhos de oceano. Eu tenho andado por um mundo que ficou cego, não posso parar de pensar em seu tempo e vida. Criatura cuidadosa fez amizade com o tempo, você a deixou sozinha com uma mina de diamantes... e esses olhos de oceano. Não é justo, você realmente sabe como me fazer chorar quando você me dá esses olhos de oceano. Eu estou assustada, eu nunca caí de tão alto. Caindo em seus olhos de oceano, esses olhos de oceano. Não é justo, você realmente sabe como me fazer chorar quando você me dá esses olhos de oceano. Eu estou assustada, eu nunca caí de tão alto, caindo em seus olhos de oceano, esses olhos de oceano.

LIMBO


 CONFIRA A LETRA:

Eu não estou chorando no telefone quando ligar. Qual o uso em implorar que você fique? Eu não estou tentando dizer mais palavras. Solte-me, porque você está muito longe para me fazer sentir melhor. Faça, tudo bem. Longe para me dar seu suéter, segure minha mão apertada. Sete dias no limbo, empurre-me pela janela. Nada em comum, nada a perder, nada além de problemas entre mim e você. Com seus braços akimbo, sete dias no limbo, sete dias. Vou dar todas as minhas armas para você. Nós dissemos tudo, não há mais ossos para quebrar. Acabei de pensar que talvez possamos fazer uma faísca suficiente, estamos cheios de vidro esperando para serem lavados. Não posso me fazer sentir melhor, deixa tudo certo. Dê-me seu suéter, segure minha mão apertada. Sete dias no limbo, empurre-me pela janela, nada em comum, nada a perder. Nada além de problemas entre mim e você, com seus braços akimbo, sete dias no limbo. Sete dias. Se você me ama deixe-me ir. Se você me ama, deixe o limbo. Não posso me fazer sentir melhor, deixa tudo certo. Não pode me dar seu suéter, segure minha mão apertada. Sete dias no limbo, basta empurrar-me pela janela. Nada em comum, nada a perder. Nada além de problemas entre mim e você. Com seus braços akimbo, sete dias no limbo. Sete dias.

Confira outras músicas de Billie no seu EP Don't Smile at Me.

Já conhecia o trabalho da compositora? Já mergulhou na 
playlist em que temos Billie Eilish e muitas outras veias poéticas? Já havia escutado algumas das outras indicações iniciais do começo da postagem? Qual a letra que mais representa o momento atual da sua vida? Interrogatório! Conta nos comentários e vamos mergulhar em novos versos.
  • Compatilhe

Mais Posts

TRANSBORDOU NESTES?

Direitos Autorais

Todos os escritos aqui postados são de autoria da escritora, poetisa, compositora e blogueira Vanessa Brunt. As crônicas, frases, poesias, análises e os demais diversos escritos, totais ou em fragmentos, podem ser compartilhados em quaisquer locais e sites (quando não para fins lucrativos: criação de produtos para vendas, entre outros), contanto que haja o devido direcionamento dos direitos autorais. Ademais, as imagens utilizadas no blog para as postagens não são, em sua maioria, feitas pela autora. Portanto, para qualquer problema envolvendo os créditos das fotos, basta entrar em contato e o caso será resolvido prontamente.