O POTE FURADO DO AMOR

segunda-feira, janeiro 18, 2016


Amor não é comprovado apenas nos colos das derrotas, mas no desejo prioritário da partilha urgente das vitórias, dos aplausos como para espelho, da comemoração cotidiana.

Amor lembra que confiança é um pote sempre meio furado, que não adianta simplesmente encher um dia e desejar que aquela água permaneça bebida. Só permanece o prosseguido, e não o deixado. O pote só suporta água limpa, água que precisa ser revisada, que precisa ser filtrada, mas não se quebra apenas pelos detritos sujos, por uma lama mesclada. O pote quebra também quando mais da água não é posta, porque um certo buraquinho sempre fica nele, ainda que ele seja dos mais fortes. E o amor sente a necessidade de lembrar e preencher. Amor não faz por obrigação. Amor faz porque ele é egoísta! Ele pensa nele em primeiro lugar. E ele é reflexo. Ele é para o outro como se fosse para si.

Amor é simples. É complexo em seus detalhes, nas particularidades de cada relação, mas não em seus princípios. Porque ele é ser, e não dizer. Ele diz para enfeitar o feito, apenas. E quando ele faz, atinge as cotas, não demora, é desesperado na hora de comprovar, de não matar as juras, de respeitar. E ao mesmo tempo, até tedioso por ser tranquilo. Mas não confunda tranquilidade com paciência exagerada para o que não é dado em retorno. Os valores de quem ama não precisam de grande maturidade ou professor. Apenas de respeito e intimidade/amizade, de sentir. O amor aceita as diferenças, porque quer invadir o mundo alheio e quer que o mundo daquele invada o seu também. Ele não aceita é um amor diferente, que entende os tópicos que o formam de outra maneira, que tem a essência em outro formato, que não encaixa na base das confirmações. E não é só questão de sorte achar quem ame seu amor com um amor que seu amor ame, é questão de escolha e leitura. De conversa sobre valores. De fé e riscos. Riscos que não fazem sofrer. Até onde não trouxerem mais negativo do que positivo.

Amor corre pelo atendimento nas glórias, não só pelos suportes das lágrimas. Amor diz com simplicidade, nos atos que não precisam ser pedidos. É no natural que o único tipo de amor existe. Aquele que lembra por si, aquele que não sente esforço ao se esforçar, porque tem a necessidade de fazer o que gostaria de ver aquele também fazendo. É no limpar da água. É no egoísmo de fazer por si ao fazer pelo outro. É na lealdade. É na casa. No aconchego de aquecer para ser aquecido, recebendo o aquecimento no momento do próprio ato, por já ser cobertor suficiente ver o outro satisfeito com a reciprocidade e bem-querer. E por isso o amor é tão simples: as outras tantas palavras (e o que elas carregam em significados grandiosos) que o formam, são sempre iguais. Faltou respeito? Faltou o que iria querer se fosse para você? Faltou esforço? Faltou o desespero de dar uma explicação? Faltou amor. Amor é simples porque é reflexo (nos dois sentidos, de ver como olha para si e de fazer no igual desespero de uma mão que corre para dar suporte ao objeto caindo), é ato, é verbo, e verbo é prova, e prova é paz.

Amor tranquilo é aquele no qual existem as cobranças, os ciúmes e todas as turbulências que sempre virão vez ou outra, mas que não ficam em grau mais alto do que a paz, que não sujam as promessas já fincadas, porque muitas vezes, antes mesmo da pergunta surgir, o outro já responde, o outro já comete um ato que limpa a lama, o outro já demonstra que não faz o que não gostaria que com ele fosse feito, o outro entende o que ficou mal esclarecido antes de precisar da intimação, o outro capta o que você está indagando antes que indague, não só por conhecer suas exclamações intrínsecas, não só pela intimidade, mas por sempre lembrar de deixar claro o que ele gostaria que por ele também claro ficasse, caso os papéis estivessem invertidos.

Amor tranquilo é aquele no qual os questionamentos já vêm seguidos de uma certa certeza e calmaria, porque os valores se encontram. Amor tranquilo é aquele no qual qualquer dessemelhança é bem-vinda, mas a adjacência está nos princípios de um relacionamento, do que é respeito, do que é somar, do que é um impulsionar a vida do outro. Há o entendimento prévio do que deve ser feito como prova, porque a prova tem gosto de férias e não de recuperação. A prova é dada sem nem ser lembrada como prova. Por isso o agressor, quando comete algum erro, rebobina a cena, e não é a vítima que precisa dar algum depoimento.

A paz reina quando as brigas existem, e jamais as mesmas prosseguem muito depois de já terem sido finalizadas, jamais também sempre a-calma com completude, mas sempre há calma pelas certezas que ficam em primeiro lugar. O furo fica porque tem a importância, e ela nunca é estática, ela que é observadora pelo cuidado, ela que é detalhista, que desencadeia certas loucuras por tantas análises, que dá bronca, bronca sem precisar sofrer.

O resto nem é amor. Amor turbulento é tudo, menos amor. Amor turbulento faz com que o bem-querer passe a ser rebaixado, e onde ele não existe, não é casa. E o amor nada mais é do que onde morar tranquilo. Em alguns cantos da sala ou quarto, você tem que tirar uma poeira mais difícil, tem que fazer faxina, tem que cuidar de forma mais árdua, mas não há outro lugar onde gostaria de dormir, porque ali você dorme seguro, você dorme deitado nos pontos de afirmação.

Tudo sempre é moeda, tudo sempre caberá em ondas. A questão de ser tranquilo é dar mais paz do que zunido, é a predominância do que percorre no coração. E tudo o que sangra mais do que estanca, não vale a pena ficar na balança. Tentar criar um maior equilíbrio só é válido para o que pesa no peso mais leve.

Nenhum amor caminha sem amizade, admiração, apoio e, principalmente, respeito. Nenhuma amizade caminha sem intimidade. Nenhuma intimidade caminha sem lealdade. A lealdade é a casa da casa que é o amor.

Lealdade não é somente o ato do respeito aos princípios e limites combinados, aos compromissos assumidos, esses detalhes são mais conectados à fidelidade. Lealdade tampouco seria somente contar as verdades quando indagado. Ser leal é não guardar, nem nos gestos, nem nas vozes. É cooperar com o entendimento do outro, é ser interventor dos acúmulos e incômodos. É lembrar que omissão de diálogos é a mancha que fica mais escura a cada segundo de procrastinação.

Lealdade é deixar o outro invadir a sua mente. Não precisando abandonar o seu espaço, os seus momentos consigo. Mas permitindo que a sua linha de raciocínio não seja paralela. E se faz a lealdade porque se tem a necessidade de fazer, porque deseja compartilhar os detalhes, ainda que sejam incômodos, porque ali é seu melhor amigo.

Lealdade é dentro de casa, é entre dois, é além do que o mundo externo vê. Lealdade é o que liberta. Liberdade é poder brigar. Quem tranca o peso na gaveta enquanto tenta, já desistiu das tentativas. Quem tenta salvar um relacionamento sem contar para o outro que está tentando, não está tentando.

Lealdade é a recordação de que nada afasta mais do que a dúvida, de que o conforto da verdade é o maior resguardo, ainda que dolorido. É a briga boa. Aquela que ainda que emitindo lascas, ainda que enraizando mágoas, não prossegue criando detetives em nenhum dos lados, porque virar detetive é a maior prova de que a lealdade não está sendo recíproca. Lealdade mútua provoca aquela discussão saudável, que não arranca totalmente a certeza do que o outro disse, que entende que seja o que for, não há embromação.

Só a lealdade salva. Salva até o que não precisa ser salvado, porque sempre precisa. Salva com a clareza que nem a fidelidade pode facultar.

Relacionamento leal é relacionamento de verdade. É aquele que expele, que briga, briga mesmo. Fala tudo! Não tudo o que vier na mente para magoar o outro, mas todas as dúvidas e todas as certezas. Lealdade é não ter medo de cobrar e não ter medo de responder. Lealdade só não cobra se o outro não tiver sido fiel em atos ao que diz sentir e precisar reparar os atos. Atos que não devem ser mendigados.

Lealdade lembra que o pote é furado não porque o outro não tem fé ou não tem confiança, mas justamente por ter tudo isso. Quando não se tem, nem existe pote algum. Quem quer preenchimento é quem deposita esperanças, e quem deposita esperanças não é só quem acredita, mas quem se importa em acreditar.

Deslealdade é achar que omitir não é mentir. Qualquer tipo de omissão que você não gostaria que fosse omitida de você e não é então logo contada, é a pior das mentiras, é aquela que escondeu por querer em todas as oportunidades, é aquela que é o que todas as inverdades são. Deslealdade é dizer que não contou porque não queria magoar o outro. Porque a lealdade não tem medo de magoar com a honestidade que vai quitar futuramente os pagamentos, mas de corromper com a mentira que acumula o valor do empréstimo.

Fidelidade lembra que não existe mente fraca em momentos decisivos, momentos que podem ferir os sentidos das promessas, só escolhas. Lealdade lembra que não existe momento certo para falar, é apenas sempre a hora de ser dito, sempre quando a dois. Fidelidade é seguir os princípios carimbados e afirmados. Mas lealdade é o que torna real. Fidelidade é respeito, é pagar a conta. Lealdade é amizade, é não precisar de juros. Só a lealdade faz com que as brigas finalizem ao finalizar. A fidelidade nunca consegue transmitir confiança, porque sempre haverá algo para pô-la em questionamento, para não fazer da sua água tão digerível. É a lealdade. A lealdade, a verdade que vai dar a segurança de que a fidelidade não só existe, como sempre estará sendo esclarecida se em algum ponto falhar. Lealdade é não dizer "não" para o que pode ajudar em novas provas. A lealdade é a água que preenche o pote furado do amor. O pote furado do amor, quando preenchido, é o que preenche a lealdade.

/Crônica do livro Depois Daquilo, que será lançado em 2016.

LEIA TAMBÉM:

22 COMENTÁRIOS

  1. O que dizer alem de que voce é maravilhosa?? Nao vejo a hora de ter o depois daquilo logo! Fiquei louca pelo poema que voce tinha postado dele aqui e com essa cronica surtei. TODO MUNDO deveria ler isso, vontade de compartilhar mais de uma vez

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Ma, que alegria imensa por ler esse seu comentário! Tão maravilhoso saber do encontro da sua mente e coração com os meus sentimentos escritos. Também não vejo a hora de você ter em mãos o próximo amontado das minhas verdades, emoções e indagações. Quero muito saber de cada opinião, intensidade e aprofundamento que captou com mais força. Muito obrigada por esse carinho tão lindo! Fico emocionada demais por saber dos pedaços dos nossos corações entrelaçados. Um super beijo, sua linda!

      Excluir
  2. Sensacionaaal! Tudo verdade com tapa na cara quebrando aqueles cliches de "quem confia tem que aceitar e apenas confiar blablabla". O pote é preenchido sempre, a maturidade deixa aquele furinho la e lembra quem realmente sente que ele existe. É isso aí!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fer, obrigada por dar a sua mão aos meus pulsares, que viram cada vez mais nossos. Fico tão feliz por observar o seu mergulho nos meus sentimentos escritos! É preciso lembrar que tudo conquistado diariamente, que nada é feito e, após feito, ganha permanência. Permanece aquilo que é prosseguido, e questões de confiança não escapam desse ponto. Maravilhoso saber que sua tese fortalece os tópicos. Um super beijo e espero sempre ver mais opiniões suas por aqui!

      Excluir
  3. BRUNT É POR ISSO QUE TE AMO! Voce escreve tudo o que todo mundo deveria ler pra respeitar, amar de verdade. Sou louca por tudo q voce escreve, diz e aprofunda! Ja salvei esse texto aqui como varoos seus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que alegria tremenda por ler essas palavras! Essa troca de emoções e teses é o que dá sentido maior ao compartilhamento de cada um dos meus sentimentos escritos. Todas as reflexões, desabafos em palavras, análises e aprofundamentos a mais que faço questão de partilhar com vocês, são para que possamos lembrar que estamos sozinhos para estarmos juntos. Obrigada por fortalecer esse vínculo de evoluções através dos nossos corações! Fico tão feliz por saber que guarda assim, com tanto carinho, cargas nossas!

      Excluir
  4. Oii, amei o texto. Sua escrita é muito agradável de ler.
    ~Você vai lançar um livro? Sem or, que invejinha branca. Baseada nesse texto, posso afirmar que ele vai ser incrível! Com certeza vou ler seu livro *u*
    Bjs,
    Bipolaridades

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ally! Que alegria imensa por receber o seu comentário e saber que navegou em um dos meus sentimentos escritos, permitindo mesclagem com sua mente e coração. Sou autora de três livros, esse será o meu quarto e segundo solo. Na lateral do blog você pode encontrar o último lançado, com predominância de poemas (o "Entre Chaves"). O "Depois Daquilo" será mais de frases e crônicas, apesar da união com poesias permanecer. Na aba "ESCRITOS", você pode ler algumas crônicas e poesias que não foram lançadas em livros ainda, e lá tem um poema do Depois Daquilo também! Espero que as palavras possam servir como identificações ou reflexões e vou adorar caso possa continuar acompanhando por aqui e emitindo as suas opiniões, viu? Em breve avisarei as datas de lançamentos por aqui! Um super beijo!

      Excluir
  5. oi, oi.

    tu falando que amor é algo simples acabou me fazendo refletir um pouco, porque todos os meus "amores" foram dolorosos/complexos e me machucaram de alguma forma,. será que não foi amor?

    to tu super ansioso por o teu livro e na torcida tbm. nem preciso dizer que vai ser sucesso, né? adoro a forma como tu escreve. é tão gostoso de ler. <3

    bjs!
    Não me venha com desculpas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Adri, tudo depende dos casos, se esses amores foram dolorosos por fatores que não dependeram tanto dos atos de nenhum dos dois componentes da relação, então pode sim ter sido amor! Se foram dolorosos por uma distância, por coisas que não tiveram a ver com o esforço mútuo, pode sim ter sido amor. O julgamento para esse sentimento é o ato do outro e seus atos! Amor precisa de bem-querer, precisa que as prioridades se unam (é claro que temos que saber quando colocar as nossas por cima, mas se o outro nunca for uma das nossas prioridades, não é amor). Amor precisa de amizade, acima de tudo, precisa ter a sensação de que aquela pessoa corre para você em primeiro lugar, NAS VITÓRIAS E NAS DERROTAS, e que ela se esforça sem dizer ou sentir que é um esforço, porque como eu disse, o amor é egoísta, ele pensa primeiro NELE, e pensar nele é pensar em quem a gente ama, porque pensar em quem a gente ama, é pensar na gente, porque é uma prioridade primordial da nossa lista e acaba tudo sendo natural, sem precisar de pedido para que o outro faça, sem precisar mendigar nada por um respeito. Ainda que não tenham sido amores, de fato, essas relações que citou, ou que tenham sido para você, mas que do outro lado não tenham sido valorizados com fulgor, podem ter sido grandes paixões, grandes encantos, e cada dor carrega sua saudade para mostrar que nem tudo é maldade. De alguma maneira, todos os enlaces fazem lição, fazem valer, e nos ajudam a reparar mais a simplicidade que é amar, nos ajudam a ver que é preciso valores semelhantes e amizade acima de tudo, naturalidade nos atos, para ser amor.

      E que delícia ler essa sua energia tão positiva! Muito obrigada por esse carinho tão lindo. É tão maravilhoso receber seus comentários incríveis por aqui. Espero saber sua opinião em breve sobre o próximo livro, viu? Um super beijo!

      Excluir
  6. o amor tem msm que ser algo bom para as duas pessoas, se está fazendo mal temos que deixar ir

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, Lí. É claro que existirão momentos de aflição e de feridas, e o amor não desiste fácil a ponto de ir embora somente por algumas batidas que deixaram pontos roxos. O caso é colocar sempre na balança e observar se está fazendo mais bem do que mal, se os pontos negativos estão ou não sufocando os positivos, porque caso estejam, aí, provavelmente, nem é amor. Se falta esforço, se falta amizade, de falta LEALDADE, falta sentimento recíproco, falta preocupação, falta comprometimento. Amor que é amor, faz valer a pena ficar e tentar mais. Amor que é mais turbulência do que sensação de segurança, nem é amor.

      Excluir
  7. Você retrata o amor de uma forma tão linda e o melhor, realista. Fiquei encantada pelo modo que você escreve, mal posso esperar pelo seu livro.
    Beijos

    http://luadefevereiro.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Giu, como é maravilhoso ler palavras como essas suas! Fico tão alegre por saber que permitiu que alguns dos meus sentimentos escritos pudessem invadir um pouco da sua mente e coração. Também mal posso esperar para que você conte as suas opiniões sobre a próxima obra, viu? Estou super ansiosa para compartilhar essa mesclagem de tantas sensações com vocês. Obrigada por esse carinho tão lindo de sempre. E que o amor real, o único tipo que existe, aquele que passa pelos tédios, pelas turbulências, e continua dando mais segurança do que terror, invada também sua vida. Um super beijo, sua linda!

      Excluir
  8. Você é demais!!!! Como lhe disse no comentário do facebook, você surpreende, é aquela estrelinha rara no meio dos demais que sobressai fortemente. Continue dedicando seu tempo de modo tão inteligente e original. Você tem uma mensagem muito forte, não se cale nunca!!!! :-)

    Fátima Teixeira
    www.musicacomcafe.net

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Fá, que alegria gigantesca por ler esse seu comentário! É tão imensamente maravilhoso saber que aprofunda nos seus mergulhos os detalhes dos meus sentimentos escritos, que os sente, que os torna nossos. Isso é o que dá sentido para cada partilha, é essa troca evolutiva que torna tudo mais forte e grandioso, que causa, inclusive, maior autoconhecimento. Muito obrigada por esse carinho tão lindo e energia tão incrível! Espero demais ver outras opiniões suas por aqui, viu? Um super beijo!

      Excluir
  9. Amor é coisa complicada e difícil de explicar né Vanessa?
    Que lindo seu blog, seus quotes, trechos, imagens, tudinho, amei e estou seguindo!

    Passa lá também: www.meuexpresso.com

    Beijoooo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Di! Que alegria por ler o seu comentário! Fico super alegre por saber que agora faz parte dos mergulhos deste cantinho que também é SUPER seu! O amor, na verdade, como disse no texto, é algo simples, simples até demais, é complexo nos detalhamentos das particularidades de cada relação, mas é simples na sua essência de ser! Quando ele é, ele faz, ele atinge as cotas, ele não demora, ele tem sua urgência e aquele egoísmo bom de fazer pelo outro como se fosse para si. Não é árduo explicar ou compreender, apenas, em alguns casos, navegar quando ele é turbulento, o que, então, nem é amor. Espero muito ver mais opiniões suas por aqui, viu? Um super beijo!

      Excluir
  10. "E por isso o amor é tão simples: as outras tantas palavras (e o que elas carregam em significados grandiosos) que o formam, são sempre iguais. Faltou respeito? Faltou o que iria querer se fosse para você? Faltou esforço? Faltou o desespero de dar uma explicação? Faltou amor." TEXTO PERFEITO da explicação do que é amor! SIMPLES ele é. Ele lembra do pote furado!! DIVINO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que alegria por ler isso e saber que mergulhou assim nos confins das intenções de cada entrelinha, Mari! Muito obrigada por transmitir esse carinho lindo e por deixar seu coração ser invadido por minhas palavras de dentro para dentro. O amor é simples, é ato, é verbo, e verbo é prova, e prova é paz. Um super beijo!

      Excluir
  11. Acho que se deixar invadir por coisas boas é que estamos precisando urgentemente. Suas palavras, sentimentos e emoções toca corações - acredito eu - que nem tenham a intenção de serem tocados. Coisa mais linda de se ver, entrar em um blog e ler um texto tão impactante e bom ao mesmo tempo. Realidade em se amar, foi o que você transmitiu.
    Hiper feliz por ter conhecido esse espacinho extremamente maravilhoso. Boa sorte com o livro e que mais pessoas possam ver esse seu talento.
    Beijos!
    Sonhos na Bolsa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Thay, que alegria imensa por ler esse seu comentário e saber que mergulhou comigo em cada reflexão emitida. Tudo aqui compartilhado, desde os meus sentimentos escritos até cada análise e variadas reflexões é para que possamos dar as mãos e intensificar pontuações, evoluindo mais juntos! Obrigada por esse carinho tão maravilhoso e por dar mais sentido a cada ideologia fortificada neste cantinho que também é super seu, viu? Espero demais que possa continuar acompanhando por aqui e emitindo suas opiniões! Um super beijo!

      Excluir

Obrigada por chegar até aqui para deixar a sua opinião. É fundamental para mim. O que dá sentido com ratificação para cada reflexão entre análises, dicas, informações e sentimentos aqui escritos são essas nossas trocas evolutivas de sensações e pitacos.

Não esqueça de clicar em "notifique-me" abaixo do seu comentário para receber por e-mail a resposta dada.

Posts Recentes Mais Posts

TRANSBORDOU NESTES?

Direitos Autorais

Todos os escritos aqui postados são de autoria da escritora, poetisa, compositora e blogueira Vanessa Brunt. As crônicas, frases, poesias, análises e os demais diversos escritos, totais ou em fragmentos, podem ser compartilhados em quaisquer locais e sites (quando não para fins lucrativos: criação de produtos para vendas, entre outros), contanto que haja o devido direcionamento dos direitos autorais. Ademais, as imagens utilizadas no blog para as postagens não são, em sua maioria, feitas pela autora. Portanto, para qualquer problema envolvendo os créditos das fotos, basta entrar em contato e o caso será resolvido prontamente.