PARA OS QUE LIMPAM AS LISTAS

terça-feira, junho 14, 2016


Não tenha receio de sair do caminho dos mornos, dos que sobem em um muro turvo e só descem com empurrão alheio. Não tenha receio de remover dos roteiros os que não seguem os seus valores e acabam afligindo os seus princípios gradativamente. Não tenha receio de expurgar da sua biografia aqueles que cometem um erro absurdo e tentam fazer da sua reação algo ínfimo e exagerado. Não delongue para escapar dos que falam do seu defeito, da sua invasão de privacidade, dos que zombam da sua lisura ou do seu lado detetive da vida ao cometerem um disparato contraditório ao que sempre prometeram não admitir. O policial que, desconfiado, pegou no flagra o ladrão ao ingressar na casa alheia, não é criminoso. Afinal, caso não houvesse ladrão algum, ele estaria fazendo o seu papel e não seria desculpa barata dizer que todo o processo foi para o bem maior. Se o vigilante jamais entrasse na tal casa após um indício de malignidade e não possibilidade de investigação dialogal, não perdoaria a si por eternamente duvidar da própria função e destampamentos por ela efetuados.

Quem contratou o segurança de rua deu a ele papel, chave, promessas dos seguimentos de cautelas e admissão.

Não permita que a sua conduta, que não magoa ninguém, seja dita como a insensata, a imódica, a delinquente. Conduta errônea é somente aquela que fere ao outro, que quebra promessas, que lasca contratos não seguindo as prioridades carimbadas. Não a que desvenda e busca apurações, justamente pelo bem do que foi pactuado.

Não tenha mesmo remanso por aqueles que riem do seu desespero, que dão suporte para os outros ridicularizarem a sua noção somente para minimizarem o próprio desacerto e que querem considerar os seus atos inadequadamente extremistas apenas por saberem que você prossegue seguindo as virtudes que sempre impôs. Não sinta que está sendo incivil, desequilibrado ou intolerante por jogar para fora do seu navio aqueles que juravam ser a sua barca e não tentam sequer manejar um volante que não seja o próprio. Quem dirige por dois, não irá perder por conta própria o controle do que foi proposto, nem mesmo após bater o carro. É aí que o tal deveria, ainda mais, abaixar a cabeça, assumir o escorregão que levou você junto e deixar límpida a sua imagem enquanto, sem precisar do seu pedido, não comete demais desatinos no tempo em que aguarda o seu veredito.  

Segunda chance só para o que não massacrou o fundamental, só para o que não detonou o que é base do edifício, só para o que não desviou do próprio caráter declarado. Só para o que não fez desacato que detona a possibilidade do bem ser sobressaído. Flexibilidade só para ouvir uma última vez, para constatar e eludir, para o que não foi desleal. Só para o que chegou contando segundos depois sobre a imbecilidade que confeccionou, para o que não tardou a transparência. Paciência só para o que lembra que o pote da confiança é sempre meio furado e, que se não fosse, seria de mentira. Brandura apenas para quem tenta preencher o pote sem precisar ver o outro morrendo de sede. Apenas para quem não nega uma senha, um testemunho, uma evidência; para quem não deixa de emitir um feedback que antes de ser pedido, é dado. Para quem demonstra lembrar que o pote só permanece através de perícias feitas e exibidas não por quem é dele dono, mas por quem é dele cuidador. Não ache que está sendo rude ou infantil por, para todo o resto, ser brutal.

Infantil é a criança que não sabe o brinquedo que deseja, que quer tudo ao mesmo tempo, que não pretende abdicar. É o ser que se vê como esperto por não ter no que segurar. É o miúdo que tenta tornar a dupla personalidade um tesouro, que machuca o outro e faz bico, que quer espatifar os móveis e diz que o castigo dado é uma perda de tempo para os pais. Abrir mão pelas próprias doutrinas é maduro, gigante, honesto; significa que experienciou o suficiente para conhecer os limites necessários, para discernir, para fazer jus ao que perpetua não tolerar e, portanto, não cometer. Não ter medo da solidão para manter o que comprova é crescido, valoroso. Aprender com o diferente, o permitindo mesmo que com reputações e teses incomodantes até que a intimidade seja estabelecida e os juramentos sejam feitos, para após, ser 'isso ou aquilo' e já não mais tudo relevar, é imenso, gerador, determinante e, assim, responsável.

Não sofra mais do que sinta alívio ao sair andando da sala de quem tem atitudes sem lembrar que elas nunca são somente para si, que elas nunca atingem somente a um ou somente aos presentes no momento efetuado, que elas jamais são separadas ou discretas o suficiente. Não sofra mais do que sinta libertação ao não mais permitir entrada daqueles que permanecem onde estão quando você está em uma enrascada ou de coração partido, que se preocupam mais em estarem intactos e com network completo do que em sair pela defesa do que diziam também patrocinar.

Não foi você que o tirou da reta, não foi você que pisou na ordem tutelar e ludibriou do altruísmo. Não foi você que foi embora, que saiu do caminho, que o expurgou. Não foi você que escolheu, porque quem tem princípios age naturalmente perante as renúncias precisas, não fica fazendo uni-duni-tê ou refletindo sobre em que lado ficar. Quem tem princípios faz o necessário para por eles pisar o pé, escolhe sempre a ele ou, no mínimo, dá uma próxima oportunidade apenas para ter a certeza de ter escolhido uma parte dele que afirma que perdoar, naquela situação, deve servir para atestar ou não as gravidades, para fazer justiça correta. Não foi você. Foi o perdido, o enganador que escolheu, que fingiu não saber diferenciar certo e errado, que caminhou sem nunca pôr os pés em nenhuma rua. Não foi você que o tirou de perto, foi ele que nunca esteve.

Não chore por ver o falso estando repleto de companhias, de amores, flores e certezas. Não ache que a sua lição não ficou, não fez parte, não teve grandeza, não cutuca aqueles órgãos em momentos de instabilidades e fragilezas. Os componentes da quadrilha sentem necessidade de união na cadeia para serem algo; o pedagogo tem capacidade, conteúdo e menção para trabalhar só. Não derrame dores ou arrependimento por lembrar que você não feriu, não fraudou, não foi metade e, ainda assim, acabou sozinho. Você foi o único que permaneceu com o livro da moral, com a verdade mesmo sabendo que ela é relativa: por lembrar que ela só existe, mesmo quando em mudanças, enquanto fazemos merecimento àquela que asseveramos acreditar, enquanto deixamos claro em gestos o que dizemos crer. Só assim a verdade faz com que alguém seja real, franco, confiável. Você é o drama que faz papel de professor a ser agradecido anos depois; o exagero que ensina o desalinhado a lembrar da importância das demarcações e freios; o soldado que morre para deixar o legado de que realidade não é sinônimo das causas pessimistas e perdidas, que não deve ser conformismo apenas porque a maioria é da pior forma. Você é o guerreiro que sangra, porque diferente dos outros, prefere sangrar e ter algo a dizer, do que viver cercado de band-aids que criam hematomas. Você é a prova de que a realidade é também a raridade e que para ela ser mais disso, basta que os pontos não sejam entregues pelos bons apenas para se enturmarem, entrosarem ou ganharem brindes; você relembra que o bom não precisa ser corrompido e nem aceitar os ciclos de distorções.

Não significa que você não sabe perdoar, regenerar ou dar a mão ao aprendiz. Significa que você não ergue tempo, esforço e serenidade para os que já se diziam também professores. Você que foi na história o amigo sozinho, o amor sozinho, o entregue sozinho, vai ser o forte sozinho. E os fortes se protegem, não dão o troco ou ficam para redecorar casa que já é prisão. Os fortes não continuam com os fracos apenas para serem mais piedosos, inclusos ou adorados. Eles não correm o risco de descaminhar quem são e o que escudam. Então limpe a sua vida, sempre, sem dubiedade. Continue a limpar, lembrando que assim você não precisará jogar fora o esforço, limpar a si, excluir a si, ser o real vilão, chegar atrasado nos alcances que seus argumentos conservados podem elevar ou perder bagagem. Não recue na ideia de fechar uma porta já emperrada; só assim mais mil podem ser (re)vistas por quem tem caráter. Tire todos os não merecedores do caminho, todos os mais ou menos e os males mais, porque no fim, não é você quem os tira, eles é que atiram com arma, bala e noção. Melhor ser o forte sozinho do que o dissimulado futuramente sem sequer a si mesmo. Ouça a glória de permanecer quem é e de ensinar outros a encontrarem mais a si. Não tenha receio de ser quem cobra, quem é o chato, o diferente, o cheio de divisas, o que não suporta desculpar com facilidade e/ou o que se chateia "por qualquer besteira". Assim é um educador, assim é uma mãe, a autora de muito início de sensatez e feitios decentes por aí; assim é quem está inteiramente e quem não permite ser menos do que é e ratifica apenas para ganhar capa de amistoso, agradável e idolatrado.

Afinal, no momento da queda, a criança ferida deseja mesmo é o colo do 'amigo concordante' ou da mãe que briga, porém cuida e clareja caminhos? No momento do aperto, sentirão falta a ponto de chorar, daquele que era seguro, fidedigno e insuspeito até o fim ou daquele que ficou calado enquanto o outro roubava carrões? Quem não reage repulsante a uma má índole, espalha o palpite de também a ter e perde partes de quaisquer comprometimentos e créditos voltados ao tema de salvação do que foi ali machucado. Não tenha apreensão perante o que ficará para quem viu de fora. A vítima pode até ter os seus descuidos próprios, mas errado é quem mentiu e/ou lesou o outro, não quem deu a sua fé e, por fim, revolta. No desfecho da história você foi o segurança contratado, e qualquer leitor distante vai no fundo saber. O resto, é ladrão com ladrão querendo apaziguar os desvios próprios e carregando o peso cada vez mais corpulento da reza, lá de dentro  enquanto fingem um para o outro que estão apenas desfrutando , que pede para ser ou, ao menos ter, o docente que mostra o desempenho de ser o que ensina; para ser, ou ao menos ter, a raridade da realidade. Para ser ou, ao menos, ter, você.

LEIA TAMBÉM:

52 COMENTÁRIOS

  1. Que texto maravilhoso!
    Adorei cada pedaço dele.
    Parabéns pela escrita maravilhosa!
    Beijos

    http://www.utilidadebobagem.com/
    Siga o insta do blog: @blogueb

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Di, como é maravilhoso saber que pôde mergulhar nas linhas e entrelinhas dos sentimentos expurgados com tanto de si! Obrigada por amplificar assim os sentidos de cada partilha aqui cometida. Espero imensamente que cada emissão feita possa ter impulsionado demais releituras internas e clarificações de caminhos para que permaneça o que faz mais bem do que mal.

      Excluir
  2. Esse texto é daqueles que me fazem a cada frase pensar seriamente em um dia fazer uma tatuagem. Voce é incrivel! E quanta metafora e mensagem genial. Precisava desse texto, preciso dele. Uma das minhas partes favoritas foi: "Infantil é a criança que não sabe o brinquedo que deseja, que quer tudo ao mesmo tempo, que não pretende abdicar. É o ser que se vê como esperto por não ter no que segurar. É o miúdo que tenta tornar a dupla personalidade um tesouro, que machuca o outro e faz bico, que quer espatifar os móveis e diz que o castigo dado é uma perda de tempo para os pais. Abrir mão pelas próprias doutrinas é maduro, gigante, honesto; significa que experienciou o suficiente para conhecer os limites necessários, para discernir, para fazer jus ao que perpetua não tolerar e, portanto, não cometer. Não ter medo da solidão para manter o que comprova é crescido, valoroso. Aprender com o diferente, o permitindo mesmo que com reputações e teses incomodantes até que a intimidade seja estabelecida e os juramentos sejam feitos, para após, ser 'isso ou aquilo' e já não mais tudo relevar, é imenso, gerador, determinante e, assim, responsável."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Lu, como é maravilhoso sentir esse seu mergulho em si através de cada detalhe expelido e partilhado com gosto. Saber dessas releituras internas causadas pelas nossas mãos dadas é o que faz o sentido real de cada palavra aqui emitida. Obrigada por sentir, ficar e ser. Espero imensamente que cada linha e entrelinha possa ter aberto alas para clarificações que impulsionem a ficada do que é bem que supre o negativo. Um super beijo!

      Excluir
  3. Lindooooo ameeei ♥ e esse lay ? me apaixonei *-* A frase do dia então? DEMAIIIS !! Tu arrasa <3 beijos beijos

    www.cheiadeinvencao.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que delícia de carinho mais lindo de sentir e retribuir com imenso gosto! É maravilhoso saber que navegou em diversas reflexões e sentimentos expelidos neste nosso espaço. Espero imensamente que cada detalhe possa ter aglomerado em luzes para abertura de alas ainda mais singulares e de bons impulsionamentos, viu? E que mais de você apareça por aqui! Um super beijo!

      Excluir
  4. As pessoas normalmente sempre preferem comentar sobr o outro, dar conselhos ao outro... quando acontece consigo, logo ela esquece quem é, com quem vive, com quem anda. A mania de julgar, vem do não saber quem es, quais defeitos tens.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E a dificuldade de tal encontro com autoconhecimento, vem da mania de não ter prioridades, de não lembrar que liberdade é saber ao que prende, de não fazer jus ao fato de que quem não abre mão do trivial, não merece o fundamental. Quem não caminha em linhas clarificantes, sendo um cá e outro lá de formas a ferirem outros corações e conquistas, não merece permanecer nas nossas listas, não é mesmo?

      Excluir
  5. Estou passando aqui para dizer o quanto eu amo o seu blog, suas dicas, seus textos...
    Eu te desejo o melhor, que você tenha muito sucesso e que muitas e muitas pessoas conheçam esse lindo talento que você tem a oferecer!

    Beijos,
    Blog Senhorita Deise
    Instagram

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De, que emoção imensurável que faz em mim morada por ler cada pedacinho dessas suas palavras, por sentir esse tanto de carinho lindo que emitiu e que dá prazer em retribuir com tamanho gosto! Obrigada por abrir mente e coração em mesclagem para digerir cada sentimento expurgado, cada partilha reflexiva feita, cada meio para que possamos reler mais de nós de mãos dadas. Obrigada por alimentar os sentidos deste nosso cantinho ao não chegar somente ponto os dedos do pés. Espero imensamente que essas trocas evolutivas deleitosas possam sempre impulsionar clarificações para permanências de bens que supram os negativos surgentes. Sem sensibilidades como a sua, as intensidades seriam mornas e as poesias seriam literais. Obrigada por essa alegria tremenda! Um super beijo!

      Excluir
  6. Sem palavras para descrever o quanto essas palavras me tocaram. Tenho o péssimo hábito de tentar das segundas chances e perdoar tudo, só para manter boas relações. Mas, às vezes, é melhor que não haja relação nenhuma. Vou deixar essa frase em destaque por aqui "Segunda chance só para o que não massacrou o fundamental, só para o que não detonou o que é base do edifício, só para o que não desviou do próprio caráter declarado." Parabéns pelo texto!
    Blog Vintee5 | Canal Vintee5

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Lu, como é maravilhoso saber que através de cada sentimento expelido pôde reler mais dos próprios interiores e observar clarificações para que permaneça apenas o que contém positivos suprindo negativos. A flexibilidade pode e até deve existir em diversas circunstâncias, afinal, é como afirma o ditado: 'para toda regra, existe exceção'. Mas, como digo logo após a essa frase, até para essas exceções, devemos nos ater a certos limites. Alguém que traiu confiança e ainda mentiu mais após, convivendo com a própria falta de caráter e nos ferindo pelo que sabia em resguardos, não merece sequer a tentativa das nossas aberturas mais flexíveis. Quem não tem prioridades, quem não sabe firmar o que jura, quem não abre mão do trivial para manter o que diz ser fundamental, não merece as nossas listas. Boas relações só serão boas enquanto não firmarem ser falsas. De resto, é ladrão. Leva o nosso tempo, as nossas capacidades, diminuem as nossas crenças e sugam partes do nosso futuro. Que você possa ter muito mais somas do que essas subtrações, sempre. Um super beijo!

      Excluir
  7. Parabéns pelo texto! Maravilhoso!

    "Não chore por ver o falso estando repleto de companhias, de amores, flores e certezas. Não ache que a sua lição não ficou, não fez parte, não teve grandeza, não cutuca aqueles órgãos em momentos de instabilidades e fragilezas. Não derrame dores ou arrependimento por lembrar que você não feriu, não fraudou, não foi metade e, ainda assim, acabou sozinho."

    Me identifiquei demais com essa passagem, sempre sinto isso, queria conseguir superar. haha

    Um beijo,
    Foca no Glitter

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pa, lembre que os fracos precisam de mais do que eles mesmos para ganharem alguma capacidade maior. Dependem de alguém que cale junto os erros apenas para suportarem o martírio dos seus tamanhos minúsculos, das suas poucas buscas por evoluções. Já os fortes prosseguem sendo um inteiro, um copo cheio, sozinhos. 'Os componentes da quadrilha sentem necessidade de união na cadeia para serem algo; o pedagogo tem capacidade, conteúdo e menção para trabalhar só'. No fim das contas, a criança ferida vai desejar o seu colo, o ego partido vai desejar a sua voz, a fé quebrada vai desejar a sua lealdade. E é assim que vamos superando. Lembrando que, no desfecho, nos apertos, nos confins, os que foram integralidade são os únicos a serem aclamados.

      Excluir
  8. Vanessa, que talento você tem para escrever achei simplesmente incrível. Cada trecho podemos refletir sobre vários momentos da nossa vida. Parabéns. Já pensou em escrever um livro?

    Beijos

    http://www.rabiskos.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Ma, que alegria gigantesca por sentir o seu mergulho em cada sentimento expelido e por saber que navega entre linhas e entrelinhas pelas partilhas aqui emitidas. Espero que o derramamento possa desaguar para você abrindo alas para mais releituras internas e clarificações que permitam apenas positivos que supram negativos, viu? Obrigada por esse carinho tão lindo e incrível de sentir. É uma delícia poder retribuir com imenso gosto.

      Sobre livros: os lanço desde os 16 e o próximo (de nome 'Depois Daquilo'), que terá maiores tipos de lançamentos e afins, está pertinho de ser lançado! Você pode encontrar o último (até então), de nome 'Entre Chaves' em qualquer Saraiva ou Cultura. A capa clicável dele está aqui na lateral do blog (ou também na aba de 'livros' mais para cima). Avisarei tudo sobre o próximo lançamento por aqui futuramente e será de enorme empolgação saber que pôde acompanhar ou obter em mãos, mente e coração, mais desses expurgares que daqui, viram tão nossos. Um super beijo!

      Excluir
  9. Maravilhoso Vanessa, que dom com as palavras você tem!

    "Ouça a glória de permanecer quem é e de ensinar outros a encontrarem mais a si." Lindo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Mi, como é deleitoso receber esse seu carinho tão lindo e poder retribuir com tamanho gosto. Obrigada por sempre mergulhar e compartilhar sensações, amplificando essas trocas evolutivas que são as bases dos sentidos deste nosso cantinho. Espero que cada emissão possa gerar releituras internas densas e desencadeantes de pontos que causem ainda mais alas para somas e expurgamento do que subtrai. Um super beijo!

      Excluir
  10. Que texto lindo! Você escreve tão bem, devorei cada palavra escrita.
    Bjs❤
    Abrir Janela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que alegria imensurável por saber que mergulhou assim em cada sentimento expurgado, Line! Obrigada por chegar e transbordar. Espero que cada tese assim partilhada possa desencadear em mais autodescobertas e clarificações. Um super beijo!

      Excluir
  11. Você arrasa nos texto, sempre <3 cada linha me fez querer ler mais e mais <3 Você escreve tão bem que a leitura fica leve e quando vejo já acabei kkkkk Muito sucesso gata *0*

    www.seteprimaveras.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Gab, como é maravilhoso ler e sentir esse carinho tão lindo! Obrigada por chegar e não colocar apenas os dedos do pé. Obrigada por assim alimentar os sentidos maiores deste nosso cantinho, para que possamos reler mais de nós de mãos dadas. Espero que cada sentimento expelido e emitido possa ser plural, possa daqui virar seu, possa elevar luzes para caminhos proveitosos e dignos. Um super beijo!

      Excluir
  12. Gente, que texto lindo! Amei essa crônica e concordo plenamente com a ideia que você transmitiu.
    Se a sua conduta não fere a ninguém por que escutar os que dizem que ela está errada? Infelizmente é muito comum nós acreditarmos que uma característica que possuímos é um defeito gravíssimo que precisa ser mudado mas na realidade aquilo nem é um defeito, é só uma característica mas de tanto as pessoas dizerem que aquilo não é certo acabamos acreditando.
    Beijos
    www.infinitafeminice.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nat, que delícia é saber que mergulhou nos sentimentos expelidos com fulgor! Espero imensamente que tenham aberto alas para demais releituras internas e visões que clarifiquem caminhos para que permaneça o que causa positivo que supre os negativos. Os pontos basilares, entre linhas e entrelinhas, vão para além dos quesitos que citou (trata-se de observar os que não tem princípios querendo ferir os seus, trata-se de diversos fatores sobre os não merecedores das listas de quem tem, firmemente, liberdade por saber ao que se prende). Porém, é uma delícia observar tópicos que mais marcaram para você! Obrigada por transbordar!

      Excluir
  13. Respostas
    1. Oba! Que alegria imensurável por saber que mergulhou em cada linha e entrelinha! Espero imensamente que a partilha de sentimentos expelidos possa ter causado plural, possa ter feito os pontos daqui, serem seus. Um super beijo!

      Excluir
  14. E se esse texto estivesse em um livro, seria aquele que ficaria quase todo grifado com as partes que mais falaram comigo. Caramba! Adoro sua visão das coisas sabia? E concordo com você em diversos pontos, principalmente quando vem aquela pergunta: e na hora da dificuldade, pra onde a gente corre? Ou então, até que ponto vale a gente ficar na 'eterna política da boa vizinhança' e deixar de agir para evitar 'tensão'? Sensacional!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lo, quero seu abraço agora! É tão gratificante, empolgante e deleitoso sentir esse seu carinho tão lindo, esse seu mergulhar, esse seu transbordar, esse seu 'chegar inteira e navegar inteiramente'. Obrigada por passear pelas linhas e entrelinhas entregando tanto de si. O próximo livro estará lançando em breve e ler esses detalhes só faz com que a ansiedade de contar tudo logo para vocês exploda! Rs. Que possamos sempre prosseguir relendo mais de nós de mãos dadas. Um super beijo!

      Excluir
  15. Super concordo com a frase "Infantil é a criança que não sabe o brinquedo que deseja, que quer tudo ao mesmo tempo, que não pretende abdicar", vou levar pra vida, principalmente quando me chamarem de infantil de novo por eu gostar de filmes de animação. Afinal, eu sei muito bem as coisas que eu quero e corro atrás sempre que posso. Enfim, adorei! Mais uma crônica incrível escrita, você tem talento.

    Beijos!
    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Thami, como é maravilhoso sentir fragmentos puderam atingir suas visões maiores, para até além dos teores de base em que se encontram. Uma delícia observar a sua ida em linhas e entrelinhas e conhecer parte do que mais pôde invadir as suas reflexões. Espero imensamente que cada uma das mensagens basilares e das demais em sentimentos expurgados, possam também fazer morada em sua mente e coração: sendo cada palavra um nascer daqui para morar em plural, para ser também seu de forma singular, para virar nosso. Obrigada por esse carinho tão incrível e que impulsiona! Um super beijo!

      Excluir
  16. Nossa, essa parte que fala sobre a vítima ter seus próprios descuidos, mas isso não justificar nada, é tão realidade pra tantos momentos. Parabéns pelo texto, tu escreve muito bem, de uma maneira muito forte e suave ao mesmo tempo, tem ritmo e "vida", sabe?


    Beijos
    Brilho de Aluguel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Thami, como é maravilhoso sentir o seu mergulho e saber que pôde abrir mente e coração em mesclagens para os sentimentos expelidos virarem tão seus. Obrigada por esse carinho tão lindo e impulsionador. Um super beijo!

      Excluir
  17. Vane é você quem escreve? Achei tão lindo! ..."Não tenha apreensão perante o que ficará para quem viu de fora..." concordo, concordo,concordo. É aquela musica, o que eu ganho, o que eu perco, ninguém precisa saber, mas agente sabe que sempre fica o negócio é não se importar. Se isso acontecer adeus vida, porque agente fica louco, pra minha a opinião alheia é alheia mesmo, nem moral eu dou pra coitada.

    AMEI O TEXTO LINDONA, UM BEIJÃO!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Isa! Cada palavra emitida em cada minúcia deste nosso cantinho parte daqui de dentro para virar nossa. São sentimentos e teses expurgadas de mim, sim. Com intenção de partilha para que sejam mais do que isso. Adentrando no tema: o próximo livro vai ser lançado em breve e será uma alegria imensurável sentir esses seus mergulhos a mais. Estou louca para compartilhar cada detalhe com vocês logo! É uma alegria observar pontos que mais invadiram a mesclagem da sua mente e coração. Espero que os demais fatores expelidos possam também agregar em releituras internas clarificantes. Um super beijo!

      Excluir
  18. A frase do dia mexeu comigo, precisava ouvir isso.
    é você mesma quem escreve? O texto está perfeito...
    Eu sei muito bem as coisas que eu quero e dando atras delas até o final do mundo. Adorei a frase sobre infantil é quem não sabe o brinquedo que quer.
    Beijinhos ❤
    http://www.alecanofre.com/
    https://www.youtube.com/alecanofremakeup/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Ale, que delícia é saber que mergulhou tamanhamente em linhas e entrelinhas, doando mente e coração em mesclagem para que sejam seus cada sentimento daqui de dentro expelido (e é essa a maior intenção - que possamos reler os nossos interiores de mãos dadas). Cada palavra aqui emitida é da minha autoria sim, do meu expurgar, mas que possam ser suas a cada navegar. Maravilhoso saber que a frase do dia também pôde fazer parte dos seus encontros a mais consigo. Obrigada por transbordar e assim alimentar os maiores sentidos deste nosso cantinho! Espero ver muito mais de você por aqui. Um super beijo!

      Excluir
  19. nossa, que texto incrivel! vc escreve super bem, me identifiquei, acho bem denso

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Li, como é maravilhoso sentir os seus mergulhos e saber que pôde reler mais de si através de cada linha e entrelinha expelida. Obrigada por esse carinho tão lindo e impulsionador. Espero que cada emissão possa abrir alas de luzes para caminhos que permitam o permanecer somente daquilo que contém positivos que suprem negativos, viu? Um super beijo!

      Excluir
  20. Texto maravilhoso, amei demais!
    "Não tenha receio de ser quem cobra, quem é o chato, o diferente, o cheio de divisas, o que não suporta desculpar com facilidade e/ou o que se chateia "por qualquer besteira". Assim é um educador, assim é uma mãe, a autora de muito início de sensatez e feitios decentes por aí; assim é quem está inteiramente e quem não permite ser menos do que é e ratifica apenas para ganhar capa de amistoso, agradável e idolatrado. "
    Muito perfeito!
    Beijos
    BlogCarolNM
    FanPage

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Ca, que delícia é sentir esse seu mergulho de mente e coração em mesclagens, que delícia é saber que pôde navegar entre linhas e entrelinhas doando mais de si. Obrigada por assim - refletindo e relendo mais do próprio interior (espero) - alimentar ainda mais os sentidos deste nosso cantinho! Foi maravilhoso saber o fragmento que mais fincou para você. Obrigada por essa alegria! Um super beijo!

      Excluir
  21. Sua escrita é maravilhosa! Confesso que não cheguei ao final do texto, porém cheguei perto do final! HAHAH, a sua crônica me inspirou, pois tenho que praticar minha escrita para as redações da escola e você me ajudou em uma reflexão interna <3
    xoxo'

    Adolescência Nerd

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Isa, que maravilhoso é saber dessa inspiração que pôde ser aguçada! Espero imensamente que cada linha e entrelinha digerida dos sentimentos expurgados possam prosseguir em releituras internas suas, clarificando demais caminhos, viu? Espero, de mesma forma, que possa ainda chegar a finalizar as captações - de formas singulares, tomando cada tópico para si. É uma delícia saber que daqui, cada ponto virou tão nosso. Muito sucesso em cada redação e alcance futuro! Que cada troca evolutiva nossa possa dar novos impulsionamentos. Estou aqui para o que mais puder ajudar em somas. Um super beijo!

      Excluir
  22. Aquele produto é bem útil! Estou usando em quase todas as minhas makes!

    Sou daquelas extremistas... Não dou segunda chance até pra quem não massacrou o fundamental! hahaha! O que fazer quando se é 8 ou 80? =P

    Ótimo sábado!

    Beijo! ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Manda, certos quesitos merecem flexibilidade. Devemos neles permitir uma segunda chance e observar se prosseguimos por escrever a história em conjunto ou se apenas estamos a assistindo enquanto o fim sempre fica em repetição, ainda que de formas um pouco diferenciadas. Caso estejamos por ler sem poder escrever, aí sim devemos tirar do caminho, mas isso só é certificado em dois casos: em uma finalização de segunda chance ou quando, de fato, algo prometido, jurado, "firmado", foi quebrado. Quando, antes disso, já saímos 'mandando tudo embora', podemos acabar futuramente repletos de 'e se...' e vazios. Ser 8 e 80 para o que traiu, para o que não foi logo sincero, para o que não foi leal mesmo não sendo fiel, para o que não mereceu sequer a flexibilidade, é válido. Mas ser para o que ainda está com a nossa caneta no papel, pode somente virar dor futura. Espero que possa repensar nesses casos e ter clarificações, viu? Um super beijo!

      Excluir
  23. Sou do tipo que sofre demais com o desapego, que as vezes até cria uma pequena ilusão de conforto para ver se tudo melhora, mas não, o necessário é dar um próximo passo e machuca, mas até enxergarmos o necessário ficamos presos a situações que nós mesmos criamos para acabamos sabotando nossa própria felicidade. Você escreve maravilhosamente bem. Beijos
    www.charme-se.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Si, o maior problema das despedidas é que elas acabam nos impulsionando a lembrar "do que perdemos de bom", porém, nesses casos, o necessário é relembrar o que fazia o bom perder espaço, o que fazia com que esses pontos positivos não suprissem os negativos, porque só em casos assim é o 'desapegar' é realmente válido. Reler é útil, e por mais que doa, por mais que venha com as boas lembranças, é necessário para as bagagens, mas mais do que é isso, reler lembrando da balança, é fundamental. Espero que cada linha e entrelinha possa ter impulsionado essas suas clarificações, viu? E obrigada por esse carinho tão lindo de sentir e poder retribuir! Um super beijo!

      Excluir
  24. Parabéns pelo texto. Ele traz muito ensinamentos, como o de viver em grupo e dividir fraquezas.
    Obrigado pela visita ao meu blog. Estarei sempre por aqui agora.

    http://jj-jovemjornalista.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que alegria imensurável por saber que pôde mergulhar nas linhas e entrelinhas de tal maneira. Espero que os tores mais singulares possam aguçar as suas releituras internas, clarificando caminhos e impulsionando para que somente o que capta pontos positivos que supra negativos e o que permite que a sua caneta prossiga fazendo certa diferença nos finais, permaneça. Um super beijo!

      Excluir
  25. Olá, Vanessa.
    Nossa que texto bem escrito. Você falou sobre tanta coisa nele que fico até sem saber sobre o que comentar hehe. Parabéns!

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sil! Ai, como é maravilhoso saber que mergulhou em algo que após tão expurgado daqui, é tão nosso. Espero que, no fim, cada linha e entrelinha possa, de maneiras particulares, desencadear em demais releituras internas e clarificações. E que permaneça as histórias enquanto sentirmos que as estamos escrevendo. Um super beijo!

      Excluir
  26. Vanessa seu blog é lindo! Estou apaixonado! voltarei sempre! um beijão!

    Vinicius Castro
    www.coisadejovem.com

    ResponderExcluir
  27. Gostei desse parte: "Não tenha apreensão perante o que ficará para quem viu de fora"
    Nem sei dizer o que senti.
    Obrigado!

    ResponderExcluir

Obrigada por chegar até aqui para deixar a sua opinião. É fundamental para mim. O que dá sentido com ratificação para cada reflexão entre análises, dicas, informações e sentimentos aqui escritos são essas nossas trocas evolutivas de sensações e pitacos.

Não esqueça de clicar em "notifique-me" abaixo do seu comentário para receber por e-mail a resposta dada.

Posts Recentes Mais Posts

TRANSBORDOU NESTES?

Direitos Autorais

Todos os escritos aqui postados são de autoria da escritora, poetisa, compositora e blogueira Vanessa Brunt. As crônicas, frases, poesias, análises e os demais diversos escritos, totais ou em fragmentos, podem ser compartilhados em quaisquer locais e sites (quando não para fins lucrativos: criação de produtos para vendas, entre outros), contanto que haja o devido direcionamento dos direitos autorais. Ademais, as imagens utilizadas no blog para as postagens não são, em sua maioria, feitas pela autora. Portanto, para qualquer problema envolvendo os créditos das fotos, basta entrar em contato e o caso será resolvido prontamente.