QUEM NÃO SE IMPORTA EM TER METADE, JÁ DESISTIU DO INTEIRO

sexta-feira, agosto 26, 2016


A minha boca pode estar trêmula, a minha garganta pode estar exclamando, o meu peito pode estar ilustrando e o meu pulmão pode estar nitidamente ofegante. Cada centímetro talvez esteja quase manifestando, mas está também, simultaneamente, sucumbindo.

Não faço questão de disfarce, mas tampouco faço ainda do rugido. E no meio termo vou sendo apenas êxodo. O ponto é que não serei a alavanca outra vez. Não vou retomar ou elucidar o estorvo. Não ficarei na retaguarda para puxar sua camisa, para depois cambalear em seus ombros, fincar as unhas na sua barriga e exercer papel de freio. Não serei âncora tentando encontrar areia em estrada para segurar carro e navio na mesma viela.

Enrosquei as minhas pernas nas suas panturrilhas, como de costume. Porém, após lançar a flecha, desta vez, desgrudei a minha pele da sua. A conversa agora depende do seu ficar por segurar o corpo só, do seu retorno ao assunto sem ajuda minha, da sua inquietação por comprovar que esteve neste recinto.

É testemunho do sentimento o fazer questão de não deixar um obstáculo pela metade. Não por saber, lembrar, estar sendo ajuizado, consciente, sensato, atilado, prudente, refletido ou consequente. Não é um caso de ponderação, plenitude e grande sapiência. É somente pelo seguimento impulsivo do sentir; por esse absurdo que berra o quão ridícula está sendo a sua postura de esquecido e de coluna reta.

Uma conversa pela metade, um problema largado no caminho  vivo e sangrando , é sinônimo de angústia, pneumonia, retrocesso, perda. Ao menos para quem realmente está andando na tal trilha. E ninguém é maduro na aflição, no sofrimento. Nem o mais insensível, porque não existe frieza em meio a um caso mal resolvido na relação  caso o que ali constatou, seja sincero . Só existe desespero e, no máximo, fingimento de imparcialidade. Sinônimo de sentir, é ser um eterno desesperado.

Essa imposição de relapso e procrastinação sua para continuar o que estava sendo discutido, é somente feita pelos desinteressados. E quem não tem interesse na resolução de um caso, não tem mais interesse na história como um todo.

É porque sentir é decidir – e amar, ainda mais . É perseguir resolução, é querer mais afirmativas. Assim, pelo desassossego próprio, não pelo pedido. Assim, pela própria integridade, e não pelo grito ao lado. Quem deixa uma briga no ar, uma interrogação, um meteoro, está matando a esperança. E como confiar no silêncio se não há esperança? A confiança é irmã do não atraso. Do atraso explicado, quando ocorrido. Da urgência explicita e atestada.

Sentir é planejar. Planejar inclui falar sem que precise ser indagado, inclui a necessidade de adiantar o diálogo, de querer dar depoimento sem receber intimação. Planejar é lembrar que a rocha esquecida vira montanha, é ter ansiedade para ser água mole em pedra dura. Planejar é comprovar a empolgação, comprovar a empolgação é comprovar a crença. Comprovar a crença é comprovar que a empolgação em um relacionamento sincero, mesmo quando decaída, estará ali: por ser comprovação do sentir. Planejar é olhar para o quarto mais de uma vez para ver se não esqueceu de nada, é não querer esquecer. É deixar claro que não quer esquecer. Planejar é não desistir de ir além de uma metade.

Você diz que excessos não são bons, mas a falta, quando cometida uma vez, já é o pior excesso de veneno em um laço. Sentir demais é apenas: sentir. É ter asma pela fadiga do outro. É ter morte pelo desmaio do outro. É ser drama sincero de mãe preocupada. É olhar para um pedaço de pinauna e enxergar monstro marinho. O que é menor que o muito, nesses casos, é nada. É o que vive só de presente, de realidade apurada, de pouca fé e de quases. E sentimento vive de futuro também, de planejar. Quem vive de não planejar, vive de conversas inacabadas, de atrasos. Porque o sentimento sempre cumpre hora certa, e a hora certa dele é sempre a antecedência. Deixar uma discussão pela metade, deixar um tópico de amargura inacabado, já é diminuir todos os inteiros, matar a vontade de sonhar e começar a ir embora.

Entenda que não é o orgulho que está me fazendo não voltar ao assunto iniciado e esperar o verbo agora de você. Não é um xadrez, uma guerrilha, um joguinho infantil. É o teste que em tantos similares já passei por nós, e você está perdendo. É o esforço que só surge da minha parte quando em prosseguimentos tão maiores. É a esperança que está aqui, no chão, perdendo os brônquios e relembrando o quanto é base para qualquer prosseguimento. Sem esperança, é cinquenta por cento. A nossa conversa está parada na metade da metade, então.

Quem não começa continuações das prosas, quem está sempre na espera do outro para progredir o assunto, quem não se importa em deixar pedaços soltos, já desistiu do inteiro. E aquele outro que iniciou a discussão, a queixa, emitindo a quebra das convicções, já comprovou que quer fazer colagem e salvação; essa pessoa não tem que retornar a nada, só observar. O retorno do assunto deve partir de quem precisa tirar a lasca do peito do outro. Quando o tema tem a ver com uma dor alheia, com algo que foi apontado como incômodo por outrem: é uma obrigação básica, portanto, que aquele que recebeu a notificação e diz se importar, faça questão de elaborar texto, prova de redação, debate, mesa redonda, réplica e programa de meses. Quem não se importa com a sensação de incompletude que o outro está tendo, não chegando a falar sobre aquilo até cimentar um certo consenso, não está na casa e nem mesmo no muro. Não está ali. 

Cadê a sua reação? Amar é ser médico. É repetir perguntas, refazer exames, caçar entrelinhas e buscar verdades para além das ditas. Sem a cooperação do paciente, sem a paciência do paciente, sem o tagarelar do paciente, o médico precisará aumentar os graus de perguntas, exames e investigações. É simples. Amar é esclarecer cada absurdo, sabendo que em maca de hospital, tudo conta como teia imprescindível. Amar é planejar. Planejar é sempre limpar a janela por querer, e não só após o embaçar pior da chuva. 

Sim, a esperança é um medo. Mas é o medo mais amigo da coragem. O único medo que é também arma para encarar bicho papão. Sem esse temor, a força não existe. Não venha então dizer um "sim" morno apenas para finalizar o assunto. Não ache que não reparo. É preciso que você fale mais do que eu. É preciso que quem está reclamando, esclareça menos do que quem está sendo intimado; só assim a conversa será proporcional. Ambos comprovarão o envolvimento, ambos comprovarão a doutrina. Venha, então, com a verdade atacada. Melhor um não covarde do que um sim mentiroso. Melhor mudar de ideia para alimentar a expectativa do que correr o risco de mudar para matá-la. Melhor um tiro que mate toda a animação e faça ainda crer nas verdades, do que um tapinha falseado que, no fim, torne todo o resto uma grande fraude. Quem mente um "vamos", nunca terá uma casa sincera naquela viela. O ciclo da mentira faz ser falsa até a abertura de quem quer ficar. Por mais tentativa que haja, a falta de circulação faz cair até o que é sincero no lado fidedigno; mesmo que o tal sequer repare enquanto já desmoronou.

É questão de estar ou nunca ter estado. Voltar ao assunto sem precisar que o dolorido retome é prova de ter pés firmes. Se você precisa que eu puxe sua perna quando quem está indo sou eu, a minha escolha será tentar calada. E tentar calado, no relacionamento, já é desistir de tentar. Adiar a esperança já é não a ter. Adiar a conversa já é dar resposta. Um sim pela metade é não. Para uma dor afirmada, uma resposta não extensa, uma resposta não preocupada em tocar de novo na questão, é na verdade uma resposta que apenas comprova motivos para a pergunta  que já a torna retórica .

Tenho paciência com aquele que sofre de agonia, jamais tenho paciência com aquele que sofre de inconstância. Tenho paciência com aquele que faz cautela na discussão, jamais tenho paciência com aquele que fica monossilábico. Tenho paciência com aquele que sofre de dúvida, jamais tenho paciência com aquele que coleciona incertezas (de um lado ou de outro). Tenho paciência com aquele que fica indignado, jamais tenho paciência com aquele que demonstra indignação somente através da mudez. Tenho paciência com aquele que está elaborando a resposta durante a conversa, jamais tenho paciência com aquele que demora para ir depôr. No sentimento, o "é ou não é" é definido pelo "foi ou está", pelo "continuou ou cortou", pelo "esclareceu ou deixou no ar". Não se cala o desespero de quem sente. A verdade é que quem não se importa em insistir na interlocução pelo chateado, não abandonou só a batalha, abandonou a guerra. Tenho paciência com você sendo gélido, inexpressivo e seco quando o assunto é mimar. Jamais farei espera por você sendo controlado, retraído e atrasado, quando o assunto é clarear o que já fundei. No sentimento, ou é urgência ou não é sentimento. Urgência para exemplificar, principalmente. Mesmo se não for o que o outro deseja ouvir. Não se negocia com a lealdade. 

Quem não se importa em ter metade, já desistiu do inteiro. Quem não se importa em dar metades, nunca visou o inteiro. Quem demora o retorno para o ponto de desespero, já perdeu do outro qualquer paz e deixou o outro com-ciência

LEIA TAMBÉM:

43 COMENTÁRIOS

  1. UAU!!!!!!!! Apenas UAU, Brunt. Amo quando tem textao aqui! Amo o fato de que voce escreve o que sente, desabafa mesmo, nao se importa com numero de linhas e sim em ser sincera. Foram tantas as frases desse texto que entraram pra minha lista de favoritas.. "ninguém é maduro na aflição, no sofrimento. Nem o mais insensível, porque não existe frieza em meio a um caso mal resolvido na relação – caso o que ali constatou, seja sincero –. Só existe desespero e, no máximo, fingimento de imparcialidade. ", "Sentir demais é apenas: sentir."

    E principalmente: "É preciso que quem está reclamando, esclareça menos do que quem está sendo intimado; só assim a conversa será proporcional. Ambos comprovarão o envolvimento, ambos comprovarão a doutrina."

    "tentar calado, no relacionamento, já é desistir de tentar."

    E o os dois ultimos paragrafos inteiros. Cara, que final foi esse? Voce faz poesias geniais em tudo. Quero logo o proximo livro pra ter textos assim nas minhas maos.

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Lai, que carinho mais lindo e incrível de poder sentir e guardar com tamanha alegria! Como é maravilhoso saber assim dos seus mergulhares, captando o quanto vai e foi nas linhas e entrelinhas dos sentimentos expurgados com tanto de si! Obrigada por amplificar de forma tamanha os sentidos de cada partilha aqui cometida. Obrigada por ratificar o quanto cada palavra vira nossa. Meu coração sorri por observar que sente a sinceridade indo daqui até dentro do que cultiva. Espero imensamente que cada emissão feita possa ter impulsionado para demais releituras internas e clarificações de caminhos, para que permaneça aquilo que causa traços positivos que possam suprir pontos negativos. Que faça o "fe", RIR. Adorei tanto saber alguns dos trechos que mais puderam invadir seu coração, os fazem ser mais (re)impactantes para mim. E estou louca para que possa ter em mãos (logo!) mais de cada partícula que virará sua. Oba! Obrigada por essa alegria imensurável, por essa emoção maravilhosa. Um super beijo!

      Excluir
  2. "A confiança é irmã do não atraso." INCRÍVEL essa frase. Talvez eu tenha visto muito nela. Confiar é adiantar. Confiar é se doar. Confiar é o "basta" que as vezes precisamos. Amei o seu texto, como sempre.

    Com amor, Martinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ma, sua incrível! É tão maravilhoso sentir os seus mergulhos em cada linha e entrelinha. Tão animador saber que cada sentimento expelido vira também seu, dentro do que vive e guarda. É tão emocionante sentir esse seu carinho tão lindo e impulsionador! Fico em sorrisos por saber de uma das partes do compilado de sensações que pôde invadir assim, ainda mais de você. As minúcias que trouxe em destrinchares perante a frase são basilares, fundamentais, e é delicioso de observar. Obrigada por navegar, aprofundar, ir além. Amei a sua visita e transbordamento, como sempre. Um super beijo!

      Excluir
  3. Oi Vanessa, tudo bem? =)
    Que texto mais incrível, mulher como tu encaixa as palavras perfeitamente bem!
    Ficou lindo, ficou sincero, ficou UAU!
    Adorei, parabéns pelo texto, está lindo, cheio de frases que nos fazem refletir!

    Amore, tem post novo lá no blog, te convido a vir conferir! =)

    Beijos
    Amanda Z.
    www.diariodelooks.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Manda, como é maravilhoso sentir esse seu navegar através de cada detalhe expelido que vira tão nosso. Saber dessas releituras internas causadas pelas nossas mãos dadas é o que faz o sentido real de cada palavra aqui emitida. Obrigada por sentir, ficar e ser. Espero imensamente que cada linha e entrelinha possa ter aberto alas para clarificações que tragam ainda mais pontos saudáveis para cada um dos seus alcances e para cada caminhar. Obrigada por essa alegria! E é claro que visitarei o seu cantinho. Um super beijo!

      Excluir
  4. Ainda estou digerindo, mas algo que foi mencionado no texto que traz lucidez aos sentimentos, porém a maioria das pessoas falha em admitir: amar é decisão. Sentir é decisão. Não existe essa coisa do "simplesmente aconteceu". Até porque acontecer é um verbo e verbos pedem ações que foram regadas por decisões.

    http://vivendolaforanoseua.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico tão extasiada, emocionada, alegre e intensificada por sentir que mergulhou assim em releituras internas fervorosas, Gi! Isso dá um gás enorme a cada sentido principal deste nosso cantinho. É tão incrível e vibrante saber de uma das partes que pôde ganhar ainda mais de você. As entrelinhas que trouxe em relação ao destrinchar dos trechos, são exatamente os pontos mais lembrados naturalmente por quem, de fato, sente, não é? Quem sente, de fato, não precisa de grandes esforços. Sabe que o errado já é errado a partir do momento em que uma dúvida sobre ser surge... sabe que o pensar deve pensar na inversão de papéis. E é uma delícia sentir que trouxe tanto desses quesitos! Obrigada por transbordar! Obrigada por essa felicidade.

      Excluir
  5. "Você diz que excessos não são bons, mas a falta, quando cometida uma vez, já é o pior excesso de veneno em um laço. "
    Amei muito essa frase, achei muito real!!
    O texto é muito incrível, como sempre, eu amei!
    "Adiar a conversa já é dar resposta. " Sempre pensei dessa forma.
    Amei tudo nesse texto, linda!!
    Beijos
    BlogCarolNM
    FanPage

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, meu coração acabou de ser tomado por pura emoção e carinho! Que lindeza é poder mergulhar em cada um desses seus aconchegos e sentir tanto da conexão que cada partilha aqui feita nos dá. Obrigada por essa alegria, pelos seus transbordares e por ratificar os principais sentidos deste nosso cantinho! É tão emocionante saber de alguns dos trechos que mais invadiram o seu âmago, Ca. Faz com que eu possa repensar, relembrar, reler, re-sentir junto com você. É tão maravilhoso saber que sente assim as cargas dos sentimentos expelidos, de sinceridades que pulsaram. Obrigada e obrigada por essa alegria. Um super beijo!

      Excluir
  6. Brunt, não sei nem explicar como esse texto me tocou. Não sei se você viu, mas contei em dois textos lá no blog sobre como estou recomeçando com uma pessoa que conheço há tempos. E eu me sentia exatamente do jeito que você falou, porque ele nunca foi uma pessoa expansiva, que dá as respostas que a gente precisa, na hora que a gente precisa. Passamos algum tempo sem nos falar. E isso foi muito bom, porque aprendi várias coisas que você citou no seu lindo texto. Que amar é ser médico. Que amar é planejar, mas, acima de tudo, é decidir. Agir. Resolver as coisas, de verdade, não apenas tapar o sol com a peneira.
    Beijos!

    claramenteinsana.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Du, a emoção que fica em mim é tão imensurável! Que incrível ler essas suas bagagens, navegar ainda mais pelas suas intensidades e saber que já encontrou outros lados da moeda pela qual andou. É maravilhoso sentir essa conexão dos nossos corações, saber que cada palavra desses sentimentos expelidos viraram suas no seu mergulhar... são fatores que fazem cada partilha ganhar ainda mais sentido e impulsionamentos. Fico com o coração em sorrisos por saber que aprofundou em si tais teses fundamentais e que não aceita mais quases. Espero imensamente que essa pessoa tenha evoluído em tais quesitos, que comprove sentimentos (porque em diversos desses pontos: ou está ou nunca esteve de fato), que faça com que os quesitos positivos supram negativos através de tais atos imprescindíveis e que possa digerir mais do tanto que você pode alavancar em reflexões e sazonamentos. Que fique no seu caminho o que seja médico, o que seja antecedência por ser urgência, o que decida, sempre, por querer decidir. Transborde em tudo, fique onde couber!

      Excluir
  7. Nao tenho palavras pra o quanto me identifiquei e fiquei querendo mostrar pra o mundo esse tanto de frase incrível.

    "Você diz que excessos não são bons, mas a falta, quando cometida uma vez, já é o pior excesso de veneno em um laço. Sentir demais é apenas: sentir."

    "Uma conversa pela metade, um problema largado no caminho – vivo e sangrando –, é sinônimo de angústia, pneumonia, retrocesso, perda. Ao menos para quem realmente está andando na tal trilha. E ninguém é maduro na aflição, no sofrimento. Nem o mais insensível, porque não existe frieza em meio a um caso mal resolvido na relação – caso o que ali constatou, seja sincero –. Só existe desespero e, no máximo, fingimento de imparcialidade. Sinônimo de sentir, é ser um eterno desesperado."

    Voce é demais, Brunt!!!!! Essas foram as minhas duas partes preferidas! Eu acho, porque sempre quando releio eu prefiro mais e mais cada frase sua e vejo destaque pra mim em muitas outras. Voce continua sempre me fazendo entender mais de mim e do resto do mundo.

    ResponderExcluir
  8. Que texto incrível, mulher ♥ Sempre que venho aqui fico encantada pela forma como tu escreve, tudo tão intenso, tão melodramático e sincero. Ser inteiro em uma relação, se doar por inteiro, é uma das melhores sensações da vida. Ir levando com a barriga é horrível, te mata aos poucos e mata o outro também. Tampar o sol com a peneira é impossível, não é? Por que insistir se já temos consciência disso? Amar é decisão sim, é respostas involuntárias, é fazer planos num domingo a tarde de chuva. É tudo e mais um pouco. Literalmente, que não se importa em ter metade, já não se entrega por inteiro.

    ResponderExcluir
  9. Mas que texto incrível Brunt, simplesmente amo a maneira como você escreve, com leveza, com a alma, como se estivesse jogando para fora todo o sentimento que habita seu coração, vejo o quanto você é inteira, que não aceita metades, que vive por certezas. "Quem vive de não planejar, vive de conversas inacabadas, de atrasos. Porque o sentimento sempre cumpre hora certa, e a hora certa dele é sempre a antecedência." Esse trecho me fez mergulhar em algo tão única e especial, me fez pensar, refletir, visualizar tantas histórias não planejadas, e sabe o que é mais engraçado, eu acabei de postar um #desabafo lá no meu Facebook algo sobre nunca concluir minhas histórias, de nunca encontrar um fim para os meus textos e crônicas, de sempre criar começos e nunca fins, e seu texto veio no momento perfeito, parabéns minha linda <3
    www.luaintensa.com.br

    ResponderExcluir
  10. Queria sair dando quote em tudo quanto é frase, comofas? HAHAHA

    Sem dúvida, o nome do seu blog faz mesmo jus à quem você é. Sem quases. Intensidade level master. Ou tudo, ou nada. Nunca quase. E essas são as melhores pessoas <3

    sua sensibilidade é mesmo encantadora, principalmente por desnudar o amor desse jeito em frente aos nossos olhos. VOcê é muito foda!

    beijo
    beinghellz.com

    ResponderExcluir
  11. Putz que texto lindo , simplismente envolve o leitor amei ♡ confesso que é o primeiro texto que leio do seu blog mas vou atrás de outros agora ♥

    www.nataliloure.com.br

    ResponderExcluir
  12. Seus textos são tão incríveis, Van! Amo me aprofundar nas suas palavras e visitar sempre seu cantinho. ❤

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  13. Que texto maravilhoso!
    Adorei ler o que escreveste!

    xx,
    http://loveonhands.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  14. Oi Van! É a segunda vez que leio o seu texto, achei intenso, bonito, especial e ainda assim acho que você escreve com leveza. Quando terminei, soltei aquele UAU! Parabéns!! O texto está excelente!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  15. Olha, uma coisa no seu texto que me fez refletir, "Não deixar pela metade"... tudo que deixamos pela metade não vai ajudar em nada, só vai adiar o que poderia fazer por inteiro, é um testo complexo e interessante.
    magrafelizpensa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  16. Olá, Vanessa.
    O texto ficou simplesmente maravilhoso. Belo, poético, envolvente, reflexivo. Postagem maravilhosa, sem dúvidas.
    Apaixonado por essa postagem.


    Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de agosto. Serão dois vencedores e um deles levará um vale compras!

    ResponderExcluir
  17. Nossa que texto incrível
    www.cacheandocommirellydarlen.com

    ResponderExcluir
  18. Vanessa... estou a suspirar deste lado do teclado e do oceano.
    O que dizer deste texto? Nada... só aplaudir de pé de tão bom que é.
    Obrigada por partilhar tanto talento...
    Fico sempre de coração cheio <3

    Beijinhos!
    http://www.ofabulosodestinodemariaamelia.pt

    ResponderExcluir
  19. Que texto maravilhoso! Lindo, sensível, forte, tocante. São tantos sentimentos, quase nunca ditos, que deixamos abrangir nosso ser de uma forma, não consigo imaginar como alguém consegue colocar tudo isto em palavras. Só consigo dizer que, se eu já admirava seu trabalho antes, agora mais que admiro, vivo seu trabalho. Adorei muito.
    Beijo!


    www.insaturada.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. Que texto mais lindo <3 arrebentou meu coração mas é a verdade, quem não se importa com a metade é porque já desistiu do inteiro, foi realmente tocante!

    http://www.leitorasvorazes.com.br/

    ResponderExcluir
  21. Vanessa, seu texto é tudo que eu queria gritar a um tempo atrás quando estive passando por problemas no meu namoro. Meu namorado e eu nos conhecemos muito cedo (tem quase nove anos que estamos juntos) e, por não termos bagagens e outras experiências anteriores, acredito, acabamos pecando em alguns aspectos. Virou rotina. Nos acostumamos um com o outro e chegamos num ponto em que evitávamos as conversas. Só que eu sofria muito com isso, e é como você colocou, "tentar calado, no relacionamento, já é desistir de tentar." Sinceramente, não sei como a gente conseguiu sair do buraco, mas uma luz surgiu. E seu texto, incrível, pode ser a luz para tantas pessoas. A vida é curta demais para metades.
    Um beijo, Vanessa, e parabéns!
    Bru
    http://www.moderando.com

    ResponderExcluir
  22. UAU UAU UAU!!! Esse texto Vanessa <3 e a gente daqui do outro lado só tem a agradecer por você deixar textos tão ricos e tão cheios de reflexões nesse cantinho! O título do blog nunca fez tanto sentido em um post né?

    beijoo :*

    ResponderExcluir
  23. Vanessa, arrasou! <3 mtmtmtmt bom esse texto!

    Parabéns pelo teu blog que sempre estão recheados de conteúdos interessantes! <3 Arrasou!


    beijinhos!

    www.lorereis.com

    ResponderExcluir
  24. Sabe quando alguém consegue destrinchar um conjunto de sentimentos que você já teve? Você tem uma habilidade maravilhosa de fazer sentir que você está foi lá dentro, organizou tudo e explicou. Muito obrigada por essas palavras maravilhosas. O penúltimo parágrafo, principalmente a segunda frase dele, já definiu um momento muito difícil da minha vida, que finalmente se resolveu. Paciência é uma das virtudes que mais admiro, e que mais preciso, mas na medida certeza... Beijos!
    Blog Vintee5 | Canal Vintee5

    ResponderExcluir
  25. Olá! Fiquei maravilhada com cada linha, palavra e frase; esse texto ou conto rsrs' está perfeito, ou talvez nem exista uma palavra adequada para descrever sua escrita maravilhosa! Sabe quando está lendo um livro e sua mãe fala "Vem comer, a comida vai esfriar..." e vc falar "Já vai, só vou ler mais essa linha... Só mais esse capítulo", e quando vê já se passou duas horas? kkkk Pois é, quanto mai eu lia, mais queria me sentir, entrar e realmente viver os sentimentos tão profundos que descreve. E pensei comigo... Não pode acabar!! kkk Se fosse um livro eu já estaria viciada!!
    Parabéns pelo seu ótimo trabalho, ficou autêntico e original, e o mais importante: Ele é grande mas não tinha palavras só para incrementar ou alongar, fizeram sentido e tem tantas frases lindas... Podia fazer um post exclusivo com frases suas haha <3
    Beijão minha linda ❤
    Jardim de Palavras

    ResponderExcluir
  26. Brasil que texto maravilhoso é esse?! Parabéns pelas sabias palavras que Deus continua iluminando sua mente e que venha mais posts como esse.
    Beijos e sucesso

    www.dicasdakarine.com.br

    ResponderExcluir
  27. Cara, você tinha que lançar um livro.
    Seria um daqueles meio de autoajuda reflexivos, porque eu sempre fico num nível de autoconhecimento enorme quando leio algo que você escreve.

    Chiquereza

    ResponderExcluir
  28. Como sempre, seus textos fluem. Eles navegam pela mente da gente, assim, naturalmente.
    As vezes tudo me parece tão "sentimento" que preciso voltar e reler algumas frases, para ter certeza que a lógica entendeu também.
    Você é mestre em nos fazer entender a situação sem dizer o que a levou a isso. É como se tivéssemos apenas o fato presente de uma ficha criminal e mesmo assim eu não precisasse de mais informações, pois já entendi a história toda.
    Parte li pensando no que acerto, parte li pensando onde erro. Parte li pensando onde meu companheiro falha. Mas parte li pensando nas vezes em que veio correndo me ver ao saber que estava chateada com algo que fez.
    Acho que é assim né? Não conseguimos acertar todas as vezes, então este texto sempre será aviso e lembrança...
    Muito bom!

    Super beijo, Nessa :)
    Andréia Campos
    http://petitandy.com

    ResponderExcluir
  29. Penso que cada pessoa que frequenta seu blog e lê o seus textos deve tirar uma mensagem de algo que mais necessita. Ao ler o texto de hoje a frase: "Você diz que excessos não são bons, mas a falta, quando cometida uma vez, já é o pior excesso"
    Ultimamente tenho pensado tato em cometer excessos de me doar pelos outros, de me importar de mais, e me meter de mais, eu me importo mais do que deveria e do que o outro merecia. Sei lá e difícil comentar por falta de um contexto, mas saiba que essa frase fez todo sentido no momento que vivo agora. Gratidão :*

    http://www.cherryacessorioseafins.com.br/

    ResponderExcluir
  30. "não existe frieza em meio a um caso mal resolvido na relação"
    "Planejar é não desistir de ir além de uma metade."
    Nossa vários trechos me fizeram refletir aqui... Muito bom Vanessa!

    https://heyimwiththeband.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  31. Oi Vanessa, eu acabei de ler o seu texto (lindo e sensível) e fiquei com uma curiosidade: você escreve para alguém ~ ou com alguém em mente ~ ou seus textos são ficcionais? Um beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mila! Primeiramente preciso ratificar o quão é maravilhoso, impulsionador e emocionante sentir cada mergulho seu, sentir essas mesclagens entre nossos corações e saber que tais trocas evolutivas são alimentadas em somas para além, cada vez mais. É sempre uma delícia ler cada palavra sua por aqui e observar que a sua sensibilidade e entrega permeiam cada chegada. Obrigada por essas lindezas, por abrir espaços aí dentro para que releituras internas possam ocorrer a partir das minhas. Bom, agora respondendo a sua questão: Sempre escrevo o que sinto e, consequentemente, escrevo para alguém. Não significa que é sempre a mesma pessoa (até uma médica com a qual tive apenas uma consulta me fez escrever um poema: sim, ela foi imensamente soberba, grossa, fez com que eu saísse de lá em prantos, e gerou o poema "Sem humildade não há inteligência"), mas é sempre algo verídico (portanto). Jamais escrevi ou penso em escrever um texto ou poema ficcional, sinto que estaria traindo o que me faz expurgar tudo em palavras, que é essa verdade que leva a necessidade do desabafo. Escrevo contos e estórias por vezes, mas até nesses casos mais ficcionais, sempre estou colocando (querendo ou não) pitadas do que passei, do que mexeu comigo de alguma maneira. É claro que em alguns casos, um texto surge sendo inspirado pelo que alguém ao meu redor está passando (e não diretamente o que estou vivendo), mas nesses casos, isso será mesclado com algo que vivi de alguma forma, e estarei falando por duas vozes, sem perder a do meu coração. Não por forçar, mas simplesmente porque destrincho em palavras, naturalmente, o que é sincero, o que sinto precisar, e isso acaba trazendo cargas das minhas bagagens acima de tudo. Escrevo hoje sobre algo que foi ontem e que foi remoído o suficiente só no agora, escrevo hoje sobre algo que foi hoje, escrevo hoje sobre algo que foi hoje e encontrou o ontem e assim por diante. Qualquer artista que não usa a sinceridade que carrega como base, não está fazendo arte. Afinal, arte é o que parte dentro (e aqui não só tristeza está inclusa) para ser o que arde e, por fim, arte. É claro que podem existir aqueles que estarão criando estórias, mas algo do que viveu estará ali, em linhas e entrelinhas, para ser honesto, para ser emergência de si, para ser válido. Mas, na minha vertente, resumindo, sim, sempre escrevo com alguém em mente, para alguém e, por vezes, para 'alguéns', já que em alguns casos um aglomerado de pessoas que me fizeram ter as mesmas sensações (seja uma no passado e outra no presente ou todas na mesma época), já geraram escritos diversos.

      Fico imensamente alegre por sentir esses seus abraços a cada letra e por saber da sua curiosidade perante os sentimentos escritos, Mila. Obrigada por trazer sorrisos! E espero ter esclarecido a questão. Um super beijo!

      Excluir
  32. Menina que texto é esse? Arrasou!
    Infelizmente tem muitas pessoas que vivem nessa situação, pois se acostumaram com isso, muito triste.

    Beijos

    camilatuan.com

    ResponderExcluir
  33. Olá Brunt! Desculpa a demora, pois to atrasadíssima em responder comentários. Brunt, esse seu texto me tocou muito fundo, demorei um tempo para lê-lo pois não queria perder nada. Me lembrou de uma época em que eu estava passando por um término, pois aconteceu exatamente o que você descreveu nesse texto, não havia mais a vontade de ter ou ser a metade, então o inteiro já havia morrido. É triste quando acontece algo assim né? Você quer continuar com aquilo que demorou tanto tempo para se erguer, e quando vê, está segurando uma estrutura em processo de demolição sozinha. Parece que hoje em dia, tudo está superficial, tudo 'por cima', tudo de instantes... ninguém mergulha realmente, procura saber, querer fazer... Isso é triste. Amei seu texto, é realmente tocante! <3
    xoxo'

    Adolescência Nerd

    ResponderExcluir
  34. Oi, Vanessa!
    Acabei de ler o seu texto e foi como mergulhar nos pensamentos de uma pessoa. Pelo menos é como eu estou me sentindo agora, como se tivesse acabado de entrar na mente de alguém. Achei o seu texto profundo, como se eu estivesse lendo algo muito íntimo. O título chamou a minha atenção logo de cara, algumas passagens foram bem marcantes e outras até confusas. Houve momentos em que me senti a pessoa que está pensando e em outros me senti a pessoa que está sendo pensada. É o tipo de leitura que faz a gente refletir. ^^
    Beijinhos ♥

    Contadora de Histórias

    ResponderExcluir

Obrigada por chegar até aqui para deixar a sua opinião. É fundamental para mim. O que dá sentido com ratificação para cada reflexão entre análises, dicas, informações e sentimentos aqui escritos são essas nossas trocas evolutivas de sensações e pitacos.

Não esqueça de clicar em "notifique-me" abaixo do seu comentário para receber por e-mail a resposta dada.

Posts Recentes Mais Posts

TRANSBORDOU NESTES?

Direitos Autorais

Todos os escritos aqui postados são de autoria da escritora, poetisa, compositora e blogueira Vanessa Brunt. As crônicas, frases, poesias, análises e os demais diversos escritos, totais ou em fragmentos, podem ser compartilhados em quaisquer locais e sites (quando não para fins lucrativos: criação de produtos para vendas, entre outros), contanto que haja o devido direcionamento dos direitos autorais. Ademais, as imagens utilizadas no blog para as postagens não são, em sua maioria, feitas pela autora. Portanto, para qualquer problema envolvendo os créditos das fotos, basta entrar em contato e o caso será resolvido prontamente.