EU-JÁ-ZEREI

terça-feira, abril 24, 2018


Desculpe-me, não posso ficar.
Tenho um pedaço de pano
Com álcool encharcado
E eu nunca fui
De me enxugar.

Desculpe-me. Não posso
Me desculpar.
Triplico as forças do dano
Tenho o fósforo fadado
Porque sempre fui
Do aço
lar.

Agradeço pela toalha
Pela sua cautela
De não me molhar.
Mas eu sempre
Estou debaixo da chuva
Nua  e rindo viúva
Do que não me afogar.

Desculpe-me.
Poderia manter o controle
Fazer parte dessa massa
E retrair a lágrima
Até não me enxergar.
Mas meu pano
É tatuado
E eles não sabem
Poetar.

Desculpe-me
Por me demorar
Mas só depois percebi
Que o exagero
É sinônimo
De estar maduro.

Desculpe-me
Por me quebrar
Se dei de cara
Com seu mapa
Escrito no escuro
 Bandido
Perdido
Guiando
Pro muro.
(Quem cabe em qualquer racha
A polícia sempre acha)

Desculpe-me. Perdão
Se não tenho paciência
Para explicar
Que isso que você chama de
De sensatez
É arma de quem
Quer caçar.

E caça é antônimo
De crescimento
Enquanto eu tento me encaixar...
E percebo, tarde demais,
Que quem não cabe
É porque cresceu
De tanto exagerar.

Diga-me, antes de irmos:
Errado é o que traz o boleto
Ou o que apequena um pássaro
Com a arma na mão?

Desculpe-me, mas prefiro cobrar
Do que não respirar
De tanta respiração.

Depois eles quebram os jarros
Porque colocaram muita terra
E pouca semente.
Esquecem que, desde o início,
Medíocre alimenta
Delinquente.

Esquecem, tão sãos que são,
Que começo também é guia
Que o jarro com lama
Não é salvo
se mistura água
Sem ser o que
Transbordaria.

Desculpe-me, mas não posso ficar.
Moro muito perto da clareira
Em uma cidade gelada.
Desculpe-me, mas não posso estacionar
Nessa sua rua igual
A todas as abandonadas.

Desculpe-me
Desculpe-me
Por ser TÃO assim
Mas não posso escrever na sua lápide
Porque se não pinga
Não faz
Jardim.

Preciso de alguém que valorize
Esta minha mania
De intensificação.
Alguém que ria do jogo
Que jogue formol no fogo
E me entenda grande,
Pela paz
Da inquietação.
(A única que realmente existe)

Todo o resto é desculpa
Para dizer que o raro
Está longe de mim.
Enquanto sei que o problema
É tentar crescer
O que apequena
E retarda
O meu latim.

Só quero sentar em uma cafeteria
E ter uma conversa reflexiva
Com alguém que não queira
Um prêmio raso na estante.
Só quero quem capte
Que viver loucamente
É não se beirar
No que daqui a uns anos
 somaria:
 Irrelevante.

E só quem souber apertar
é quem vai sobreviver, inalar
Nessa nação de marinheiros
Tão bem calculada que
De tantas glórias
Não fez História.

Desculpe-me, mas meu exagero é mais forte
Do que essa falta de dedicatória e morte
Do que essa conta de artilheiros
Tão bem derrotada
Que de tanto asfalto e divisória
Não plantou sequer memória.

Desculpe-me por perceber
Que as histórias mais cheias
De calmaria
Podem ser as mais intensas,
Porque independente só seria
Se depender não fosse ofensa.

E, no fim, o íntegro se desculpa
E o assassino faz vitória
Porque dizem que liberdade é solidão
E cara de choro é vexatória.
Força de dentro vira nada
Esquecem que ela vem da maior fraqueza
Mas eles dizem que faca nas costas
É pura falta de destreza.

Em tão,

Desculpe-me, mas não posso ficar.
Galileu foi louco
Einstein foi burro
E eu sou o drama desnecessário.
Desculpe-me, mas não posso ficar.
O traído é caçoado
O traidor é aclamado
E eu sou a culpa desse falsário.

 Desculpe-me
Desculpe-me!
Mas eu, realmente, não posso ficar!
Eu ponho exclamação em todas as coisas
Porque todo o resto, é banalizar.
Desculpe-me
Perdão!
Eu não sei lidar com este mundo!
Não posso ficar calma
Porque tudo o que sei
É ficar
Fundo.

Confira mais escritos nos livros, no Tumblr, no site KdFrases, no Pinterest, em pesquisas pelo Google, nos Stories do Instagram [@vanessabrunt], no perfil do @semquases, nas Frases do Dia [na nossa home] e, principalmente, na Galeria de Frases aqui do blog [a qual estarei atualizando em breve]. Dicas de poemas relacionados para as próximas leituras: Para Sua Alteza e Maturidade [d a n ç o].

LEIA TAMBÉM:

42 COMENTÁRIOS

  1. Você é tão genial! Quantas críticas sociais e incríveis. E tem muita coisa aí que fiquei me mordendo pra não mandar pra uma pessoa que ainda percebeu que tá bem dentro desses jogos sociais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Bru, que alegria imensurável por sentir o seu mergulho em linhas e entrelinhas que pulsam e explodem aqui dentro. É um acalento tão gigantesco e bonito sentir esse entrelace entre nossos corações. Triste é observar essas pessoas que perdem partes tão belas de si apenas para tentar esse 'encaixe', sem perceber, muitas vezes, que estão caindo nesses jogos que só fazem mais perdas, não é? O mais importante no meio de tudo isso é a consciência de pessoas como você, que observam que liberdade é saber ao que se prende. De resto, fale! Berre! Não trave nada na sua garganta, mas não também sofra tentando explicar. Você merece luz!

      Excluir
  2. Uau, que poema lindo!
    Quanto talento tu tens <3

    www.catmorais.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lindeza é receber um carinho que vira abraço como o seu, Ca. Obrigada por mergulhar fundo comigo e deixar tudo ainda mais intenso!

      Excluir
  3. MEU DEUS, SUA MARAVILHOOOSA! cadê o seu livro publicado e em destaques em todas as livrarias desse país? Que maravilhoso esse seu texto, quantas emoções e sinceridades, mensagens se entrelaçando, transbordando, você é cheia e rica em minuciosidades. Parabéns pelo seu trabalho!!


    Beijos
    Brilho de Aluguel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu Deus, sua incrível! Não canso de dizer o quanto tenho essa vontade imensa de sentar com você em uma varandinha, com um chocolate quente em uma tarde fria - só pra gente papear sobre a vida e sobre o que está no fundo das superfícies. Ai, você deixa cada pedaço compartilhado ainda mais significativo e belo, Thay. Obrigada por sempre mergulhar, estar e deixar marcas para o melhor. O próximo livro está vindo aí e será uma alegria gigantesca saber que cada palavra virou também sua, em suas mãos. Gratidão!

      Excluir
  4. Brunt, eu não tenho palavras pra definir o quanto voce consegue atingir tudo o que eu sinto quando leio qualquer coisa que voce escreve. Em particular, esse trecho me tocou muito: "Preciso de alguém que valorize
    Esta minha mania
    De intensificação.
    Alguém que ria do jogo
    Que jogue formol no fogo
    E me entenda grande,
    Pela paz
    Da inquietação.
    (A única que realmente existe)".

    Os dois últimos versos são SENSACIONAIS também. O poema inteiro, na verdade. Você é uma genia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AAAAAA! Queria abraçar você bem fortão agora, Li. Que lindeza sentir o seu mergulho e saber que você também não é das toalhas e nem dos tabuleiros sociais. Adorei saber sobre algumas partes que mais mexeram com o seu coração. Que a inquietude em uma paz bonita possa nos acompanhar nas escolhas mais duradouras.

      Excluir
  5. Oi Vah,
    Sabe, eu achava que não gostava de poesia, mas depois eu percebi que eu gostava sim, o problema é que eu não sabia interpreta-la.
    Amei seu poema. Você sabe que tem grande talento!
    Beijo, www.apenasleiteepimenta.com.br

    ResponderExcluir
  6. Não se desculpe, menina. Você é rara - alguns de nós somos mesmo. Alguns são intensos, entregues, "pulados de cabeça", em uma busca por sentir, por amar, por queimar, em um um mundo de pessoas frias e sentimentos escondidos.

    Foi uma grata surpresa conhecer seu blog na interação. Obrigada por esse texto, sua maravilhosa. Conquistou-me.
    Muito sucesso para ti, menina intensa.

    Voltarei mais vezes.

    Beijos,
    Luisa
    www.degradeinvisivel.com.br

    ResponderExcluir
  7. Brunt, por que você não tem uma loja de produtos com as frases além dos seus livros?

    EU QUERO TER UM QUADRO COM ESSA PARTE FINAL:

    Desculpe-me, mas não posso ficar.
    Galileu foi louco
    Einstein foi burro
    E eu sou o drama desnecessário.
    Desculpe-me, mas não posso ficar.
    O traído é caçoado
    O traidor é aclamado
    E eu sou a culpa desse falsário.

    Desculpe-me
    Desculpe-me!
    Mas eu, realmente, não posso ficar!
    Eu ponho exclamação em todas as coisas
    Porque todo o resto, é banalizar.
    Desculpe-me
    Perdão!
    Eu não sei lidar com este mundo!
    Não posso ficar calma
    Porque tudo o que sei
    É ficar
    Fundo.

    ResponderExcluir
  8. wow que texto fantástico, quanta alma há nele, são poucos que conseguem expressar-se desta maneira, parabéns.
    www.colecionandosaudades.com

    ResponderExcluir
  9. "Só quero sentar em uma cafeteria
    E ter uma conversa reflexiva
    Com alguém que não queira
    Um prêmio raso na estante."

    Eu amei esse trecho ♥
    Vanessa, você é maravilhosa!
    Cheia de talento, incrível!

    https://heyimwiththeband.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. "Desculpe-me por perceber
    Que as histórias mais cheias
    De calmaria
    Podem ser as mais intensas,
    Porque independente só seria
    Se depender não fosse ofensa."

    Tô chorando, sério. Eu amo as partes irônicas! São as minhas favoritas dos seus poemas.

    "E, no fim, o íntegro se desculpa
    E o assassino faz vitória
    Porque dizem que liberdade é solidão
    E cara de choro é vexatória.": Resumiu os problemas da nossa sociedade.

    Mas o que mais amei mesmo foi o final. Como já falaram aqui, queria um quadro pra botar na parede:

    "Desculpe-me, mas não posso ficar.
    Galileu foi louco
    Einstein foi burro
    E eu sou o drama desnecessário.
    Desculpe-me, mas não posso ficar.
    O traído é caçoado
    O traidor é aclamado
    E eu sou a culpa desse falsário.

    Desculpe-me
    Desculpe-me!
    Mas eu, realmente, não posso ficar!
    Eu ponho exclamação em todas as coisas
    Porque todo o resto, é banalizar.
    Desculpe-me
    Perdão!
    Eu não sei lidar com este mundo!
    Não posso ficar calma
    Porque tudo o que sei
    É ficar
    Fundo."

    ResponderExcluir
  11. Uau..que texto mais lindo!!Palavras que tocam a alma..

    Dani Ramos
    Blog: https://donaengenhosa.com.br/
    Loja: https://www.elo7.com.br/donaengenhosa/loja

    ResponderExcluir
  12. Olá, Vanessa.
    Faz algum tempo que conheci seu blog, mas ainda não tinha lido nenhum dos seus poemas. Menina o que é isso. Parabéns, foi muito bom. Estou até agora tentando digerir hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  13. Que poema lindo, cativante e tão intenso.... Parabéns pelo poema. Amei!

    ResponderExcluir
  14. Que poema mais lindo. Bom feriado!
    big beijos
    www.luluonthesky.com

    ResponderExcluir
  15. Vanessa, sua maravilhosa! Sempre um sopro de ar fresco ler os seus textos e poesias. <3

    ResponderExcluir
  16. Não sou muito de poesia, mas gostei dessa.
    Um ótimo feriado pra você.
    http://www.pamlepletier.com/

    ResponderExcluir
  17. Olá Vanessa, a sua poesia nos faz chegar ao final dela sem folego, como me identifiquei com alguns trechos, em especial esse:

    Preciso de alguém que valorize
    Esta minha mania
    De intensificação.

    E não sei se viajei muito na maionese, mas ao ler esse trecho:

    Depois eles quebram os jarros
    Porque colocaram muita terra
    E pouca semente.
    Esquecem que, desde o início,
    Medíocre alimenta
    Delinquente.

    Me fez refletir tanto sobre a educação e as oportunidades rasas que esse país tem fornecido aos novos jovens, principalmente aqueles que estão a margem da sociedade, não sei porque comecei a divagar sobre isso ao ler esse trecho, e também não sei se há algum forma de reflexão social contida nele, interpretação é uma coisa de louco né, bem subjetiva haha

    Mas gostei muito, você escreve de uma forma que prende e faz refletir! Parabéns.

    bjs

    Ariadne ♥
    www.devoltaaoretro.com.br

    ResponderExcluir
  18. menina que poema mais lindo,como nao amar?! vc deveria muito publicar um livro viu!!!

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  19. Entre poesia e prosa, prefiro a última, mas gostei muito da tua escrita :*

    http://a-cacheada.blogspot.com.br/2018/05/decoracao-plantas.html

    ResponderExcluir
  20. Que escrita maravilhosa!
    Tinha tempo que eu não lia algo tão delicado e profundo ao mesmo tempo <3

    Beijos
    barbfurtado.blogspot.com

    ResponderExcluir
  21. Vanessa, comentei sobre você e seu blog lá no meu :)

    https://heyimwiththeband.blogspot.com.br/2018/05/i-dont-need-you-i-have-internet-13.html

    ResponderExcluir
  22. Muito uau!
    Intenso, lindo e ao mesmo tempo delicado.
    <3

    Beijooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  23. Oi Vanessa,
    Que poema delicioso e intenso. Adoro vir por aqui pois sempre encontro muita cultura e informações preciosas. Amei!!!

    Obrigada pela visita!
    Bjs❤
    Abrir Janela

    ResponderExcluir
  24. Você arrasa tem muito talento, adorei o poema e a reflexão.

    Beijos

    Mari Dahrug
    https://www.rabiskos.com.br/

    ResponderExcluir
  25. CHOCADA VANESSA. APENAS.

    http://barbaradoblog.com/

    ResponderExcluir
  26. Que crônica maravilhosa! Gostei demais!

    Beijo!
    Cores do Vício

    ResponderExcluir
  27. Olá!
    Que talento hei, Parabéns!
    Uma leitura deliciosa e profunda.
    Bjos

    www.momentosdeleitura.com

    ResponderExcluir
  28. Que bom que gostou no post Vanessa, fiquei feliz com o que disse lá no comentário!
    Você sim é luz! ♥

    https://heyimwiththeband.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  29. Olá,
    Queria ter esse dom de poesias, mas nem...
    Achei lindo demais a maneira que você construiu e brincou com as palavras.
    Ainda não tinha visto nenhum de seus textos, muito bom.

    até mais,
    Nana - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  30. Olá! ~

    Eu sou uma manteiga derretida, então é claro que me emocionei demais enquanto lia essa poesia. Adorei a sutileza das suas palavras, e como você conseguiu fazer essas críticas tão necessárias de serem feitas de forma tão bonita. Mulher, você é maravilhosa, e só consigo sentir gratidão por ter vindo parar no seu blog.

    bouleverser

    ResponderExcluir
  31. A sua poesia é completamente encantadora e reflexiva. É linda demais, você é muito talentosa!

    ResponderExcluir
  32. wow such a pretty post dear i enjoyed reading this post..

    https://clicknorder.pk online shopping in pakistan

    ResponderExcluir
  33. Em teus olhos cabe imensidão
    Que outros não podem ver,
    Nem mesmo sentir.
    É tempestade em fúria
    Que busca refúgio
    Na calmaria de sorrir.

    Teu coração abraça o mundo,
    Mas às vezes é tão duro sentir
    Mesmo mergulhada
    Em meio a um mar de pessoas
    A solidão aperta forte
    E vem o dilúvio de sentir.

    Transborda e não se importa
    Se os olhos irão submergir
    E a esperança (por um momento)
    Se esvair.

    As palavras buscam alento
    Saindo afoitas por entre os dedos
    Querendo falar ao mundo,
    Das verdades não ditas,
    Do abraço não dado,
    Da esperança renovada.


    Que grata surpresa descobrir seu blog Vanessa, adorei o espaço :)

    ResponderExcluir
  34. Nossa, eu to bem sem palavras para este poema! sério! eu senti ele em cada palavra, em cada verso!
    A sua forma de escrever, parece que ultrapassa tudo sabe?! é uma sensação de calmaria, muito louca!
    já vou ver os outros <3

    www.mairanamba.com

    ResponderExcluir
  35. Genteee que poema maravilho e intenso! Fiquei até arrepiada. Eu amo essa parte do seu Blog, nem sempre comento mas tô sempre aqui acompanhando, escrever sempre fez parte de mim<3
    Beijos,
    #fiquerosa

    Fique Rosa | Meu Canal YT

    ResponderExcluir
  36. Meu deus! Ainda estou sem palavras para descrever tudo o que senti enquanto lia seus versos. Você tem um dom! <3 Estarei voltando aqui mais e mais vezes para conferir suas escritas ♥

    Beijos
    www.procurei-em-sonhos.com

    ResponderExcluir
  37. Ual, ficou realmente muito bom. Deu pra sentir a intensidade. AMEI.
    beijos.
    http://amandatelo.com/blog/

    ResponderExcluir

Obrigada por chegar até aqui para deixar a sua opinião. É fundamental para mim. O que dá sentido com ratificação para cada reflexão entre análises, dicas, informações e sentimentos aqui escritos são essas nossas trocas evolutivas de sensações e pitacos.

Não esqueça de clicar em "notifique-me" abaixo do seu comentário para receber por e-mail a resposta dada.

Posts Recentes Mais Posts

TRANSBORDOU NESTES?

Direitos Autorais

Todos os escritos aqui postados são de autoria da escritora, poetisa, compositora e blogueira Vanessa Brunt. As crônicas, frases, poesias, análises e os demais diversos escritos, totais ou em fragmentos, podem ser compartilhados em quaisquer locais e sites (quando não para fins lucrativos: criação de produtos para vendas, entre outros), contanto que haja o devido direcionamento dos direitos autorais. Ademais, as imagens utilizadas no blog para as postagens não são, em sua maioria, feitas pela autora. Portanto, para qualquer problema envolvendo os créditos das fotos, basta entrar em contato e o caso será resolvido prontamente.