VAI MUDAR DE QUALQUER JEITO, ENTÃO MUDE LOGO AGORA

quarta-feira, novembro 11, 2015


Já é um chavão ouvir ou falar que mudamos um pouco todos os dias, no entanto, por mais clichê que soe, é um rigor constatado da vida. Os acréscimos nos modificam. Não ao ponto de arrastarem a nossa essência, de descascarem os nossos princípios e de desatarem as teias do que mais interior e imutavelmente nos define, mas em graus de pequenas ou maiores mutações em opiniões, gestos e demais detalhes laterais.

O amor é o principal fator comprovante e responsável por essas mudanças. Nele, ganhamos parte de outro ser, manias e trejeitos conquistados na união, saberes e visões compartilhados. Tudo mescla. O acréscimo é indiscutível e inumerável. Quando não reparamos durante um relacionamento que estamos nos remodelando em diversos aspectos, deixamos para tomar um choque de última mão, deixamos para apreender após uma ida, para observar as modificações após a finalização daquele ciclo, após a perda de quem foi deixando tanto de si e um universo de novidades sobre quem você se tornou. Então, se na divisão isto sempre estará constatado, por que não se permitir transformar enquanto ainda está vivendo aquele laço? Por que não alterar o que pode ajudar na convivência, no futuro, no agrado ao outro? Não é melhor do que perder por não tentar o câmbio, notando depois que de qualquer forma, mudou?

É uma tolice resistir em modificar por alguém, uma atitude orgulhosa e desnecessária a de cuspir a frase que afirma que a pessoa tem que nos aceitar como somos e pronto. Ela tem que aceitar o que faz parte das suas profundezas, dos seus objetivos de vida, do que ela pode impulsionar, do que ela deve agregar, do que precisa ser somado um com o outro, do que necessita ter sinais de igualdade: dos valores (que é o canto no qual as dessemelhanças realmente não são saudáveis, apenas pela existência). Mas não umas besteiras aqui e ali que você sabe que não mudariam a fundo o que compõe quem você é.

No fim, só por sobrançaria as listas de reformas começam a aparecer. Os casais separados querem provar que o ex perdeu algo do qual sentirá falta, algo que pode ser ainda melhor do que já era, e acabam virando o que outro tanto pediu durante a estadia. Se ele pediu para ela malhar, lá estará, depois do término, a criatura assumindo o papel na academia e exibindo seu novo corpo nas redes sociais para que o pedinte possa ver e quiçá, sofrer. Aí ela vai e descobre que ama cuidar melhor da saúde, que ele tinha razão. Passa a ficar melhor consigo e sai escarrando sobre como o término fez bem. Enquanto aquilo foi abordado pelo relacionamento, não pelo findar. Por vezes, em uma vírgula ou outra acontecem ainda as mudanças que nem foram cometidas propositalmente, mas que o amor deixou e retemos na duração por pura soberba.

Não vejo sentido em espernear pelo que vai acabar fazendo depois por pura birra ou por uma naturalidade axiomática. Seja maleável. Pode salvar o seu casamento ou não alcançar os resultados expectados, mas ainda assim, acrescentará positivamente em algum quesito. Afinal, o tentar vai estar clarificado ali, e é ele o que sempre valerá acima de tudo para o que precisa de lealdade. Contudo, só mude se a pessoa também mudar por você, só mude por quem tem paciência e não por quem faz exigências incessantes sem nenhum reconhecimento ou esforço mútuo. Mude por quem entrega para receber, mude se não for ferir a sua índole. Porém, mude! Observe os pedidos expostos e os implícitos e os agarre! Seja influenciável neste sentido, não só por quem quis em primeiro posto, mas também por si. Mude por curiosidade, por aventura, por tentativa, pelo autoconhecimento... Se tudo der errado, velhos hábitos podem voltar a fazer morada. Só não dá para saber se eles são os melhores sem ter antes tentado sem eles, ou com eles, mas de forma diferente, com mais acréscimos. Porque evolução nem sempre é melhorar, mas é sempre achar melhorias. Não deixe a vida ir levando pessoas que poderiam ficar para que perceba a sua estupidez em não conceder a comuta, em causar um acúmulo de inatividades.

O que custa tirar as remelas pela manhã se ele(a) deu aquela indireta entendível? O que custa arrancar os pelos do meio da sobrancelha se sabe que vai ser mais agradável para aqueles olhos que amam e desejam mais estímulos? O que custa tentar assistir alguns filmes que não fazem parte do seu gosto favorito, apenas para experimentar? O que custa ajudar a paixão e o amor a serem mais aprazíveis e enlaçados? O que custa arrumar as gavetas de um jeito um pouco diferente para caber calcinhas, cuecas, batons e gravatas? O que custa ler aquele texto e conversar sobre, ainda que não fale de um assunto tão incrível em sua mente? Vai que ele ganha encontro com outros tantos tópicos que você admira! Se não custa a sua índole e se não custa os seus sonhos, não custa nada. Não infere em abandonar seus maiores gostos. É apenas uma questão de encaixe, ajustes e mais um tanto de sinônimos inseridos no dicionário básico de quem pretende um investimento, uma experiência. Não significa tampouco que o externo tem que valer mais, entretanto é justamente ele a prova do intrínseco, do empenho e zelo. Inclusive, é através dessas dedicações que o cheiro de livro novo continua pairando em fragmentos no ar. Fazendo do encanto, sempre mais recuperável.

Complicado não é mudar. Vai acabar mudando de qualquer jeito. Complicado é explicar para si as perdas por uma coisa (que sempre acaba sendo mais de uma, que sempre acaba levando a não fazer outra tão pequena quanto) que não fez por pirraça, por preguiça, por um orgulho que depois devora do prato que não quis comer. Casa velha sem reforma cai aos pedaços. Se você não reestruturar, a vida põe ali, quando menos espera, os novos tijolos e peças, dando um tapa na sua testa.

LEIA TAMBÉM:

2 COMENTÁRIOS

  1. Maravilhoso!! Como tudo que você escreve. E é isso mesmo que acontece sempre. O que custa tentar se nao vai levar seu carater embora? Depois fica fazendo o que se negou pra se provar melhor.. Mas por que nao provou enquanto estava? Adoro suas poesias e textos, desde os mais simples como esse até os mais complexos. Todos sao profundos de uma maneira unica. E to amando o sem quases!! Principalmente suas dicas de filmes e explicaçao de metaforas em clipes e outras artes.. amo seus olhares de poeta!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que alegria imensa por saber que está gostando do meu/nosso cantinho, Dani! E, mais ainda, por ter conhecimento do seu apreço pelos meus sentimentos escritos! Maravilhoso saber que pedaços da sua reflexão e coração ficam mesclados com os fragmentos da minha mente e emoções. E, oba! Adoro fazer essas análises! Em breve teremos mais delas por aqui. Espero que possa continuar emitindo as suas opiniões. Um super beijo!

      Excluir

Obrigada por chegar até aqui para deixar a sua opinião. É fundamental para mim. O que dá sentido com ratificação para cada reflexão entre análises, dicas, informações e sentimentos aqui escritos são essas nossas trocas evolutivas de sensações e pitacos.

Não esqueça de clicar em "notifique-me" abaixo do seu comentário para receber por e-mail a resposta dada.

Posts Recentes Mais Posts

TRANSBORDOU NESTES?

Direitos Autorais

Todos os escritos aqui postados são de autoria da escritora, poetisa, compositora e blogueira Vanessa Brunt. As crônicas, frases, poesias, análises e os demais diversos escritos, totais ou em fragmentos, podem ser compartilhados em quaisquer locais e sites (quando não para fins lucrativos: criação de produtos para vendas, entre outros), contanto que haja o devido direcionamento dos direitos autorais. Ademais, as imagens utilizadas no blog para as postagens não são, em sua maioria, feitas pela autora. Portanto, para qualquer problema envolvendo os créditos das fotos, basta entrar em contato e o caso será resolvido prontamente.