12 LIVROS QUE ESTOU DESEJANDO #2

terça-feira, março 22, 2016


Tenho descoberto livros incríveis através da minha incessante mania de pesquisar sobre variados temas. Alguns que já li e acabei relendo (o que é sempre muito válido e inovador!) e outros que nunca tinha ouvido falar ou ainda não cheguei a devorar. Livros sobre criatividade, psicologia em seus maiores cernes, empreendedorismo (sendo incluídos aqui, para qualquer profissão ou ainda quesitos de vida pessoal - que devem estar conectados -, sendo livros motivacionais, com muitos meios de dicas aprofundadas, com estudos fincados como base e com temáticas diversas), obras ainda de ficção com lições fortes sobre valores humanos e o quanto a falta deles cria gaiolas, e muito mais! Já havia, há um tempinho, falado aqui para vocês sobre 8 livros que estava desejando (alguns ainda não adquiri e outros estão aqui na estante, enquanto fico no roer das unhas esperando ter um tempinho a mais para ler. Feriado, me aguarde!), e agora não poderia deixar de trazer um pouco sobre esses 12, que acresceram bastante a minha lista de desejos literários e abordam tantas vertentes complementares. Então, sim, prepare-se para uma postagem grande, porém com muitas indicações que deixam promessas sensacionais de mensagens incríveis e muitas utilidades. São obras bastante diversificadas (mesmo), então algum pedaço que encontre e abrace seus mais intensos, muito provavelmente vai estar em algum cantinho dessas indicações e já curtas análises reflexivas.

Elizabeth Gilbert é a autora do best seller "Comer, Rezar, Amar", que rendeu o filme, também bastante conhecido, englobando reflexões intensificadas sobre autoconhecimento, relacionamentos saudáveis que somam em todos os âmbitos das nossas vidas e mais.  Nessa sua nova obra, ao compartilhar histórias da própria vida, de amigos e das pessoas que sempre a inspiraram, Elizabeth reflete sobre o que significa vida criativa. A escritora ratifica que ser criativo não é apenas se dedicar profissional ou exclusivamente às artes: uma vida criativa é aquela motivada pela curiosidade, e devemos encontrar, acima de tudo, as curiosidades que mais aguçam esse nosso senso, e isso terá a ver com nossos gostos e talentos. A obra incentiva as mentes a serem mais produtivas dentro das áreas que adoram e/ou até em demais que ainda não mergulharam. A partir de uma perspectiva única, “Grande Magia” nos mostra como abraçar esse senso "detetive" e nos entregar àquilo que mais amamos. Escrever um livro, encontrar novas formas de lidar com as partes mais difíceis do trabalho, embarcar de vez em um sonho sempre adiado ou simplesmente acrescentar paixão à vida cotidiana. Com profunda empatia e generosidade, Elizabeth Gilbert oferece poderosos insights sobre a misteriosa natureza da inspiração. Todo o conteúdo apresentado nas 186 páginas promete ser um mergulho aprofundado no mundo da criatividade, que fará com que o leitor mergulhe ainda mais em si mesmo e faça releituras densas de vida. Uma obra para gerar mais meios de inspirações, para que os leitores possam criar dos próprios métodos, descobrindo mais do próprio "quem sou eu". Para ver mais livros com temáticas semelhantes e mais sobre esses quesitos relacionados à mente humana e maior produtividade criativa da tal, clique aqui.

Ao descobrir esse livro, fiquei perguntando para mim como não havia ouvido falar sobre ele antes. É uma obra claramente intensa, metafórica e reflexiva, que dá suporte para quebra de preconceitos, para valorização de caráter, de detalhes que se tornam tão grandiosos e impactantes, e da vida  em geral. É o livro que mais estou desejando de toda essa lista! E, provavelmente, farei ainda uma resenha completa dele após a leitura. O autor David Levithan leva, nessa caminhada, a criatividade a outro patamar. Seu protagonista, A (sem sexo definido!), acorda todos os dias em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero, a classe social ou a personalidade, "A" precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. "A" passa por várias experiências e reações, passa por pessoas de diferentes personalidades, desde uma pessoa que se preocupa ao extremo com futilidades (e nos faz refletir nas consequências que isso gera) até outra que pensa em suicídio. Experiências intensas ocorrem sempre com "A", observando os tesouros desperdiçados ou conquistados de cada uma daquelas vidas. Até experiências como a de lutar contra um corpo que está acostumado com o vício das drogas, estão agregadas. E a cada dia que passa, a cada vida que ele conhece (lembrando que o "ele" é só para dar uma base de definição, mas não significa que seja do sexo masculino), ele mergulha e se envolve muito mais e suas atitudes passam a interferir na vida das pessoas, algumas de modos menores e outras permanentemente. Mas depois de 16 anos vivendo assim, "A" já aprendeu a seguir as próprias regras: nunca interferir, nem se envolver. Até que uma manhã acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. A partir desse momento, todas as suas prioridades mudam, e, conforme se envolvem mais, lutando para se reencontrar a cada 24 horas, "A" e Rhiannon precisam questionar tudo em nome do amor. Mas não pense que a obra é focada em um romance água com açúcar, como já citei, fica óbvio o quão vai muito além disso! "A" habita o corpo de uma adolescente depressiva e precisa decidir se deve ou não interferir para tentar salvá-la; habita o corpo de um garoto transgênero, e também de uma garota lésbica, de um garoto gay, de um garoto obeso, de uma garota com problemas com álcool, de uma menina que vive em um regime de escravidão… Histórias que vamos aprofundando na mente. Talvez o ponto negativo seja que esses casos secundários não são exatamente alastrados na obra, mas vejo como algo também intencional, para que possamos observar os impactos que um ser humano tem na vida do outro, impactos que um pequeno ato nosso pode ser em uma decisão crucial na vida de um "ser alheio". São metáforas assim que ficam inclusas. Prevejo o livro como um verdadeiro estudo sobre o social e o íntimo humano, dando tapas nas nossas caras sobre o quão precisamos ir além nos discursos relacionados à lealdade, fidelidade, respeito, relações humanas a serem mais levadas como prioridade e, principalmente, um valor sincero não ao que é dado ao outro sem escolha feita por ele, mas ao que o outro toma como escolhas.

Livro programado: faculta o controle do próprio estudo. Com a obra o leitor será capaz de aprender uma parte substancial da psicologia que trata da análise do comportamento - em particular, a predição explícita e o controle do comportamento das pessoas. O programa foi elaborado para apresentar os conceitos e os princípios da ciência. O livro é, ele próprio, uma aplicação da ciência. Os autores são dois líderes no desenvolvimento das técnicas das máquinas de ensinar e ensino programado. Inovador, controverso e digno de polêmicas envolvendo nomes como Noam Chomsky, A Análise do Comportamento é leitura obrigatória para aqueles interessados na psicologia comportamental e na análise experimental do comportamento humano, temas apresentados de forma inigualável na obra que é também uma ousada experiência científica. Para mim não existe ciência, nem mesmo exata, que funcione sem abertura para subjetividades maiores, meu temor em relação a esse livro é apenas de que seja muito "fechado" em relação às teses emitidas, mas depende de nós abrir olhos para demais observações e mesclar com o que ele nos transmitirá, afinal o ensino programado se baseia em premissas feitas através dessas proximidades de mente, coração e olhar diante de uma situação determinada. Como vocês sabem, sou louca por livros relacionados à psicologia, porque eles agregam sempre quesitos bastante humanizados que podemos encaixar como pontos de críticas sociais e de autocríticas para melhorias íntimas e coletivas, de maior respeito e compreensão. Comportamento é algo totalmente relativo e, obviamente, a melhor maneira de estudar sobre ele é o presenciando, mas a busca por demais entendimentos pode ganhar alas abertas incríveis através de leituras assim, em uma obra dinâmica e com base em tantas outras temáticas que dão suportes acrescentativos, afinal, muitos quesitos são indagados, como traumas, história social e como todas essas cargas impactam nas índoles, que tantos creem (como eu), que seja algo que, em sua grande parte, "já vem" com cada um. Um estudo sociocultural e antropológico sempre mesclam nessas vertentes, e nos deixam com um incrível solo de fatos e fatores para destrinchar, criticar mais e enxergar além, visando novas teses.
Como muitos de vocês sabem, faço faculdade de jornalismo (e desejo futuramente também fazer psicologia). Lá no curso tivemos aula de fotojornalismo em dois semestres e diversos tópicos abordados aguçaram meu desejo de embarcar mais na temática. Enganam-se os que pensam que os livros mais repletos de técnicas necessariamente estarão impondo algo ao leitor ou fechando as aberturas necessárias para as criações de artes sinceras: o inovador, a criatividade e, por vezes, a fuga dos padrões determinados. As técnicas podem, justamente, servir para que possamos, a partir delas, criar algo a mais, incorporar demais detalhes, ou escapar das tais, inovando, justamente por dominar o que não desejamos fazer. E esse livro vai além de técnicas ditas, pegando nos cernes das histórias, sendo muito mais humanizado! Esse meio vibrante convida você a embarcar em uma viagem inesquecível pelas fotografias mais icônicas da história, logo, nos deixa um contexto muito mais amplo, de sentimentos, humanização, do que as fotos mais têm como intenção passar: mensagens e sensações. A obra reúne imagens inovadoras que se tornaram um divisor de águas na maneira como nos enxergamos e percebemos o mundo à nossa volta. Organizado em ordem cronológica e escrito por uma experiente equipe de críticos especializados, o guia traça um panorama da evolução fotográfica, com seus estilos e movimentos mais importantes. Destaca os fotógrafos que melhor representam cada gênero, oferecendo uma análise profunda de suas obras. Traz a cronologia dos principais acontecimentos, ajudando a compreender o contexto sociocultural em que as fotos foram produzidas. Apresenta a história da fotografia de maneira acessível, numa diagramação que facilita a leitura e com mais de mil ilustrações. Explica o que é a fotografia etnográfica, o registro documental, a fotografia de vanguarda, a publicitária, a erótica e o nu, entre outros estilos. Uma abertura para que crie e amplie seus meios críticos para além dos quesitos fotográficos, porque só assim, pode-se considerar um fotografo, um. Já que toda arte precisa ler a vida.


O Motivação 3.0 é reconhecido como um dos melhores livros sobre pessoas e o que as motiva. Não se engane pelo título em português. Com essa "onda" de títulos 2.0, 3.0, que no final, muitas vezes, só servem para divulgar o livro, acaba aparecendo muita coisa sem tamanho valor. Sem dúvidas, não é o caso de Drive (título original em inglês, com tradução livre para "dirija"). Suas obras anteriores - "O Cérebro do Futuro" (2007) e "A Revolução do Lado Direito do Cérebro" (2005) já o colocaram no rol dos bons autores de Desenvolvimento de Pessoas. Também não se trata de um livro de auto-ajuda com aquelas frases motivadoras genéricas. Pelo que já pude observar, é longe disso. Daniel Pink analisa uma série de estudos e experimentos no campo da motivação humana e conclui que, no mundo moderno, as técnicas de motivação do tipo Recompensa-Punição (ou "Cenoura-Chicote", como ele define) já não servem mais, pelo contrário, ele expõe uma série de situações reais e estudos sobre o assunto, que provam que o binômio Recompensa-Punição pode até prejudicar o desempenho e a motivação intrínseca de cada ser humano. O autor faz um paralelo com os sistemas operacionais de computadores, definindo: Motivação 1.0  - Impulso biológico. A boa e velha base da pirâmide motivacional de Maslow: a necessidade de sobrevivência, comer, beber, abrigar-se, descansar. Motivação 2.0 - Impulso por motivadores externos ao ser: reagir às Recompensas e Punições, "Cenoura e Chicote", o esquema "se - então": "se você fizer a lição-de-casa então pode brincar...", "se não fizer a meta então não ganha a comissão...", etc. Motivação 3.0 - o "Terceiro Impulso", por Motivadores Intrínsecos: a paixão, a vontade própria de realizar, independentemente de ser recompensado por fazê-lo ou punido por não fazê-lo. O Autor explica que, diferente de outros ramos, no campo da Motivação Humana, existe uma distância muito grande entre o que a Ciência já sabe e o que de fato se faz na prática. Daniel narra uma série de experimentos que nos provam o quanto as práticas motivacionais amplamente utilizadas hoje em dia, tipicamente Motivação 2.0, mais atrapalham que ajudam. E que nesse nosso novo mundo, novas práticas alinhadas com a Motivação Intrínseca - a Motivação 3.0 - são necessárias. Segundo Daniel Pink, as práticas da Motivação 3.0 devem contemplar 3 elementos essenciais: Automonia - a possibilidade de dirigir (drive!) a própria tarefa, o próprio trabalho, a própria vida. O antigo paradigma militar da administração científica de chão-de-fábrica de "Comando-e-Controle", precisa dar lugar a mais autonomia do executor. Comando-e-Controle, Cenoura-Chicote, Recompensa-Punição funciona apenas para tarefas estritamente físicas e cansativas. Mas isso, em nosso mundo está ficando cada vez mais a cargo de máquinas. Excelência - vontade de ser cada vez melhor em algo relevante. Propósito - fazer a tarefa em nome de algo maior. Cada vez mais, nos tornamos maximizadores de propósito, não simplesmente maximizadores de lucro. Outro ponto muito dito como interessante do livro é sua estrutura moderna. Tipicamente os livros são compostos pelos capítulos desenvolvendo seu conteúdo e depois se tem uma lista de fontes de citações, referências bibliográficas e por aí vai. Em Motivação 3.0, Daniel Pink, após terminar a parte teórica expositiva, dedica uma parte extra a um "kit de ferramentas" de Motivação 3.0: Estratégias para despertar sua motivação; formas possíveis de melhorar sua empresa, seu Escritório ou sua Equipe; fórmulas possíveis para remunerar as pessoas; ideias para ajudar filhos; livros essenciais; pensadores que "sabem das coisas"; dicas para continuar motivado e ainda, uma recapitulação super original: síntese para Twitter: como resumir o livro em 140 caracteres (genial!); síntese para um coquetel: para explicar numa roda de amigos, um parágrafo em um minuto; síntese por capítulo: um parágrafo para cada. Deu para sentir a completude e "transborditute" do que a obra capta e emite? Com certeza, um livro que serve para qualquer profissão e invade nossos fatores mais pessoais, já que como no próprio título já fica claro: é preciso que a realização mais íntima acresça na profissional e vice-versa.

Há muitos anos atrás, assisti à adaptação cinematográfica dessa incrível obra. Lembro de ficar refletindo por meses ao lembrar das intensidades e lições, que hoje fazem ainda mais sentido para as minhas cargas de vida, e atualmente o desejo de rever é imenso, mas, principalmente, desejo ler os detalhamentos da versão original: o livro do premiado escritor Ian McEwan, que arma em “Reparação” uma trama fascinante em torno de Briony Tallis, pré-adolescente (que veremos crescer) que nutre a ambição de se tornar escritora. No dia mais quente do verão de 1935, numa casa de campo da Inglaterra, Briony vê pela janela uma cena incompreensível para sua mente na época: sua irmã mais velha, sob o olhar de um amigo de infância, filho da arrumadeira da família, despe a saia e a blusa para mergulhar, de calcinha e sutiã, na fonte do quintal. A partir desse episódio e de uma sucessão de equívocos, a aprendiz de romancista, movida por uma imaginação fértil, comete um crime que marcará o futuro de toda a família — e Briony passará o resto da vida tentando desfazer o mal que causou. Um ponto que finca por toda a obra, é o quanto uma mínima distorção, uma mínima mentira, pode abarrotar em sempre muito mais do que se imagina. Não existe mentira inocente quando sabemos que aquilo pode magoar a qualquer pessoa. Não existe.  Não existe sequer omissão inocente quando aquilo pode magoar qualquer pessoa. Não existe o "eu não contei para não magoar você" ou o "eu espalhei por aí sem ter certeza porque pensei que era assim", são duas das vertentes que mais magoam e têm tendências de prosperarem me mais mentiras, em mais falta de caráter. Além da questão da culpa e do perdão, o leitor perceberá, retrospectivamente, que estavam em jogo ao longo de toda a obra também a relação entre ética e estética, quesitos sobre tensões de classe da sociedade que ainda permeiam muitos tópicos atuais, apesar de em outras fórmulas, e uma reflexão sofisticada sobre a natureza da literatura, seus poderes e limitações. Repare a sua ação antes de acionar. Existe mesmo uma reparação? Precisamos ter respeito ao outro para sermos livros, e não somos capazes de contornar e apagar nossos erros mais profundos e suas manchas, ainda mais quando elas mancham as manchas de outros, mas o fato de termos consciência e nos arrependermos, fazendo algo e não apenas falando algo, é a única forma de chegar próximo do que seria a única maneira de reparação possível, já que após uma grande mentira, ela sempre será re-volta.

No mundo atual, em que a comunicação e o dever de cautela crescem exponencialmente, os métodos de ontem simplesmente não funcionam mais. Para resolver esse "problema", o veterano consultor e treinador em administração, David Allen, divide com os leitores as estratégias de sucesso comprovado que introduziu em seminários apresentados nos Estados Unidos e também em grandes organizações, como a Microsoft, a Lockhead e o Departamento de Justiça americano. A premissa de Allen é simples, e destrinchada no livro com profundidades e competências a mais, partindo de que: nossa capacidade produtiva é diretamente proporcional à nossa capacidade de relaxar. Só quando nossas mentes estão claras e nossos pensamentos organizados é que podemos atingir a produtividade sem estresse e liberar o nosso potencial criativo. Não se trata de "ordens a serem seguidas", mas de dicas para ler, refletir sobre e implementar à sua maneira, nem que seja nos mais pequenos atos decorrentes de poucas rotinas. Como manter a mente tranquila? As técnicas propostas ensinam a "destralhar" a mente, contextualizar projetos, próximas ações, compromissos e áreas de foco. "Qual é a próxima ação?" é a frase que será incorporada no seu dia a dia pessoal e profissional. A obra promete meios incríveis de suportes para melhorar a organização própria. Desde os princípios fundamentais (como decidir qual será o próximo passo para cada item de sua lista de coisas a fazer) até as dicas comprovadas, que não pretendem ser fechadas, mas abrir espaços para que monte suas próprias metodologias (como, por exemplo, utilizar a "regra" dos dois minutos para determinar que tarefas executar imediatamente e que tarefas adiar), esse livro irá transformar a sua maneira de trabalhar, estudar e de vivenciar as chamadas "obrigações", tornando-as mais prazerosas.

Baseado no conto dos irmãos Grimm "Os Seis Cisnes", "Filha da Floresta" é o primeiro livro da saga "Sevenwaters". Sevenwaters - antiga Irlanda medieval - é um lugar cheio de magia e criaturas encantadas em suas florestas. A história se passa na época feudal, e é narrada por Sorcha (protagonista). O livro aborda a mitologia Celta, suas lendas, contos, feiticeiras, etc, mas tudo isso servindo de grandes metáforas para o nosso passado e presente em seus mais aprofundados quesitos de tragédias sociais/humanas. Li bastante sobre as abordagens da obra e posso afirmar que promete ser forte e, embora pareça, tem muito pouco de um conto de fadas. É livro favorito de ficção de muitos adultos. Todos os que já leram e comentam sobre, afirmam ser impossível não sofrer e chorar junto com a protagonista nessa jornada que envolve dor, solidão, fome, violência e também esperança e amor. São dois lados das moedas sempre apresentados, nos lembrando que um oposto sempre invade o outro e nos resta apenas prosseguir naqueles pontos que prosseguem com mais pontos positivos. Críticas sociais cabíveis para qualquer lugar do mundo invadem as vertentes principais da obra. O domínio de Sevenwaters é um lugar remoto, estranho, guardado e preservado por homens silenciosos e criaturas encantadas, além dos sábios druidas, que deslizam pelos bosques vestidos com seus longos mantos... Passada no crepúsculo celta da velha Irlanda, quando o mito era lei e a magia uma força da natureza, essa é a estória de Sorcha, a sétima filha de um sétimo filho, o soturno Lorde Colum, e dos seus seis amados irmãos, vítimas de uma terrível maldição que somente Sorcha é capaz de quebrar. Em sua difícil tarefa, imposta pelos Seres da Floresta, a jovem se vê dividida entre o dever, que significa a quebra do encantamento que aprisiona seus irmãos, e um amor cada vez mais forte, e proibido, pelo guerreiro que lhe prometeu proteção. Lições sobre lealdade, amor e, principalmente, sobre o real sentido de liberdade, que envolve ter princípios e segui-los (afinal, quem não reconhece os limites que deseja seguir, aqueles que gostaria que os outros também seguissem por si, vive em eterna prisão. A falta de limites, limita, como gosto de ratificar - veja clicando aqui -). Os irmãos, que passam mensagens diversas e particulares, são: o solene Liam; o alegre Diarmid; os irmãos gêmeos idênticos, Cormak, bravo e destemido, e Conor, profundo e sutil; Finbar, com sua ardente integridade e Padriac, sedento de conhecimento. Eles são extremamente protetores com sua única irmã e a ligação entre eles é tão forte que alguns conseguem se comunicar apenas com o pensamento. Para quem acredita em fatores sobre energia e o que elas podem alcançar e atrair, a obra ainda agrega riquezas de mensagens a mais. Um livro para lembrar que sempre haverão pessoas com problemas diferentes, mas com um mesmo ponto que pode as guiar para o melhor: coragem de, apesar de cada batalha, cada dor, ter em seus atos (e não só em suas falas) a convicção de que é possível dar mais um passo e seguir em frente, trazendo um pouco de esperança. Lições passadas ainda para o leitor são sobre perda, fraternidade e a realidade da vingança, de dar o troco quando já se perdeu algo que vingança alguma trará de volta, e assim, perde-se ainda parte do próprio autoconhecimento e do que poderia conquistar, inclusive como força de justiça maior, caso continuasse com a própria integridade, sem cometer um tiro como o primeiro atirador. Essa é uma história que vai além das fórmulas de contos clichês, com impactos que prometem ter muito mais força, e se aprofunda mais nos reais sacrifícios, como os que envolvem o amor, as vitórias e, acima de tudo, a magia, que podemos ver como metáforas para atos reais. E mesmo com essa avalanche de eventos, a jura é que a autora não deixa de explorar cada nuance a ser respondida.


9. Desperte Seu Gigante Interior (Anthony Robbins)

Um clássico que já ajudou milhões de pessoas em todo o mundo, Desperte Seu Gigante Interior revela como funciona nosso sistema de tomada de decisões e formas mais certeiras que podemos utilizar para obter o que desejamos. Nesse livro, Anthony Robbins, conhecido como maior especialista em neurolinguística do mundo, se dedica ao poder ilimitado que todos nós possuímos. Segundo ele, temos a capacidade de mudar o que quisermos em nossa vida em apenas um instante, pois quando focalizamos consistentemente nossos recursos no aperfeiçoamento de uma área, desenvolvemos características únicas nesse sentido. Por meio de histórias inspiradoras, estudos de casos, testes de autoajuda e um programa que qualquer pessoa é capaz de seguir, o autor ensina a romper padrões de comportamento e a promover grandes mudanças pessoais. Uma obra repleta de lições sobre legado, que leva em consideração o quanto "sucesso" e "felicidade" são palavras repletas de relatividades e que devem ser desvendadas nos seus significados íntimos para cada um, e que promete nos despertar para não dar tanta atenção ao que nos desagrada, quando não são meios que podem melhorar o que nos agrada. Programamos a nossa mente para focar muito em negativos "vazios", entretanto o segredo de uma mudança repleta de evoluções finca mais no enfoque que damos em críticas construtivas e não apenas em críticas, quando sabemos nos desvincular do que não agrega à construção. "Se você precisa de dinheiro, pense nele, não nos problemas em não o ter".

Samantha Kingston tem o namorado mais cobiçado do seu ciclo, três amigas fantásticas e todos os privilégios no Thomas Jefferson, o colégio que frequenta — da melhor mesa do refeitório à vaga mais bem-posicionada do estacionamento. Aquela sexta-feira, 12 de fevereiro, deveria ser apenas mais um dia de sua vida "mágica e perfeita" (será que era isso? Será que dá para ser isso?). Em vez disso, acaba sendo o último. Sam é morta em um acidente de carro horrível. Mas em vez de se ver em um túnel de luz, ela acorda na sua própria cama, na manhã do mesmo dia. Forçada a viver com os mesmos eventos ela se esforça para alterar o resultado, mas acorda novamente no dia do acidente. Ela ganha uma segunda chance. Sete “segundas chances”, na verdade. E, ao reviver aquele dia vezes seguidas, Samantha desvenda o mistério que envolve sua morte — descobrindo, enfim, o verdadeiro valor de tudo o que está prestes a perder. O que se segue é a história de uma menina que ao longo dos dias, descobre através de insights desoladores, as gigantescas consequências de cada ação dela. Uma menina que morreu jovem, mas no processo aprende a viver. E que se apaixona um pouco tarde demais. Nota-se que, com a realidade se montando aos poucos na cabeça dela, Sam começa a se atentar a aquilo que realmente deveria importar. A dar valor, atenção e apreço para pessoas que ela simplesmente era indiferente. Não, realmente não é uma premissa muito nova, repetir o mesmo dia até que entenda o significado disso é uma ideia velha, uma metáfora "batida" que nos impulsiona a valorizar mais a vida e os detalhes, e esse tipo de base já foi até transformada em filme com o Bill Murray no elenco (O Feitiço do Tempo, 1993). No filme clássico dos anos 90, o personagem principal também não era uma pessoa muito legal com os outros, sendo muitas vezes arrogante e egoísta com seus colegas de trabalho, bem parecido com a personagem Sam em Antes Que Eu Vá. Mas o que ganha destaque nesse tipo de desenrolar, é justamente o quanto eles podem nos fazer refletir sobre diversas vertentes diferenciadas entre si através do decorrer. No caso dessa obra, ela nos emite críticas sociais à sua maneira e nos deixa a jura de relermos não só o nosso presente, mas também o nosso passado e o que desejamos reaver através dessas releituras. Como está na frase de abertura do Depois Daquilo (próximo livro que vai lançar em breve): "Nada nunca sara, porque tudo deve ser relido".

11. A Insustentável Leveza do Ser

Um livro em que o desenvolvimento dos enredos erótico-amorosos, com lições intensas sobre o que é ter um relacionamento saudável, se conjuga à descrição de um tempo histórico politicamente opressivo e à reflexão sobre a existência humana como um enigma que resiste à decifração - o que lhe dá um interesse sempre renovado. Quatro personagens protagonizam essa história: Tereza e Tomas, Sabina e Franz. Por força de suas escolhas ou por interferência do acaso, cada um deles experimenta, à sua maneira, o peso insustentável que baliza a vida, esse permanente exercício de reconhecer a opressão e de tentar amenizá-la. "Os personagens de meu romance são minhas próprias possibilidades, que não foram realizadas. É o que me faz amá-los, todos, e ao mesmo tempo a todos temer. Uns e outros atravessaram uma fronteira que me limitei apenas a contornar. O que me atrai é essa fronteira que eles atravessaram (fronteira além da qual termina o meu eu). E é somente do outro lado que começa o mistério que o romance interroga. O romance não é uma confissão do autor, mas uma exploração do que é a vida humana na armadilha que se tornou o mundo. Mas basta. Voltemos a Tomas." p. 217. Fatos históricos (Primavera de Praga), que muito se encaixam em críticas do nosso mundo atual, tensões políticas, questões filosóficas e psicológicas, tudo em um aglomerado só. No livro inteiro, algumas ideias estão sempre por traz de toda trama, como por exemplo, a questão de se a vida tem algum sentido real ou é simplesmente uma eterna repetição de algo que já aconteceu, ou também, se o fardo pesado que alguns levam é de fato ruim em sua totalidade, ou seria a leveza, algo banal e insustentável? Todos os comentários que já li sobre o livro afirmam o quão é complexo muito falar sobre ele, por não ter uma ideia central e sim questões filosóficas abordadas que são tantas, tão diversas, bem colocadas e sempre acrescentando em algo na experiência da narrativa que engloba várias essências que podem ser identificadas (não por coincidência, são quatro personagens principais que possuem, cada um, personalidades e visões de mundo bastante distintas). Sinto que vai ser daquelas obras em que vou ficar em tempo integral com o marcador nas mãos! "Só é grave aquilo que é necessário, só tem valor aquilo que pesa".

12. Por Lugares Incríveis (Jennifer Niven)

Esse é o livro de infanto-juvenil da nossa lista. Violet Markey tinha uma vida maravilhosa, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, Violet se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos "valentões" e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família. Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia, que vai muito além do que ser somente um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias, passando a vivê-los. Viajar, ler o mundo, ainda que vendo um filme, lendo um livro, criando ou estando, pessoalmente, em locais, sabendo aproveita-los, é o que nos impulsiona em releituras de vida que mostra que temos tudo, bastando mudar o ponto de referência. E o livro aparenta deixar essa porta ideológica cada vez mais aberta, para que possamos escancarar às nossas maneiras, lembrando do quanto o mundo é gigantesco, com possibilidades diversas e com diversas fórmulas para que possamos fazer nosso autopsicopoliciamento, reentendendo os sentidos da nossa própria aura, que sempre devem enfatizar que, enquanto estamos aqui, estão sendo renovados, seja qual for a sua crença. Não é um romance normal entre adolescentes confusos, e sim uma visão sobre a vida e a morte tendo como pontos de vista um rapaz sufocado e uma garota indignada, que tem um tanto de todos nós. A obra, além de tratar de uma temática tão delicada como é o suicídio (emitindo o quão ele "não é saída" através de visões "inspiracionais", e o quão ele está sempre conectado a uma série muito maior de fatores do que qualquer um pode imaginar, sendo esses fatores ligados às relatividades de cada ser), aparenta muito deixar também sobre legado, sobre o real sentido do que é "ter o que deixar". Legado é algo adquirido e transmitido. Adquirido após transmitido. É a herança que se deixa e o reconhecimento que através dela recebe. É algo deixado para um todo e não só para um. Para um todo através de um. De um através de um todo. De um todo através do que é feito com o todo. Legado é a história criada a partir de uma história, do caminhar dos atos consequentes de outros atos, de uma vida consequente de outras vidas, de uma teia que não finda ao findar. De um pé que deixa recursos para outros pés, porque não parou de andar e porque usou dos sapatos antigos e dos novos para pisar cada vez mais fundo. O que importa é o que fazemos com a ferida, é como tiramos o cascão e como contamos a história sobre a queda. Não importa a cicatriz, mas sim o que ela importa. Sim o que ela nos faz importar.

E então, já leu alguma dessas obras? O que acrescentaria nos fatores reflexivos já imaginados e citados? Qual dos livros que não conhecia mais aguçou a sua curiosidade? Não deixe de contar aqui nos comentários!

  • Veja os comentários dos leitores (e respostas) desta postagem na versão antiga do blog clicando aqui.

LEIA TAMBÉM:

41 COMENTÁRIOS

  1. Menina me identifiquei muito. Estou almejando pelo menos três livros da sua lista. Infelizmente não vai dar pra ler tão cedo trabalho/faculdade/iniciação científica/tantas outras barras :/ Mas acho que Por Lugares incríveis será o primeiro =] ❥Blog:Gordices Literárias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dé, dá abraço! Minhas listas estão abarrotadas também, entre os afazeres mais constantes e as séries, os filmes e os livros para pôr em dia, sempre ficam partes enormes de pendências desses desejos novos de leituras, não é? Mas o bacana é anotarmos e irmos aos poucos devorando o que der, afinal, nossas leituras de mundo englobam também esses momentos necessários só entre nós e o papel, entre nós e a tela com uma arte incrível sendo emitida... Espero que possa ir achando espacinhos de pausas na mente e, assim, que possa ir encaixando essas obras incríveis nas suas visões e aprofundamentos reflexivos, viu? Adorei saber que já ganhou gosto prioritário por um dos livros. Um super beijo!

      Excluir
  2. Sabe o que eu acho incrivel?? Que voce consegue analisar assim as mensagens pela sua sensibilidade e ja nos passa muitas reflexoes só pelo post. Fiquei curiosa pra basicamente todos os livros, mas acho que o que mais quero ler tambem é Todo Dia... E Motivaçao 3.0. Vou passar todos pra uma lista e tentar ir comprando kkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Manda, que alegria gigantesca por ler essas suas palavras e sentir esse carinho maravilhoso. Obrigada por emitir suas visões e tornar cada partilha com ainda maior sentido por aqui! Estou em imenso desejo por esses dois e eles são super diferenciados e complementares simultaneamente, não é? Nos deixam essa ideia. Espero muito que possa ler ambos e até os demais e aprofundar as reflexões básicas já citadas para muito mais. Um super beijo!

      Excluir
  3. Ain.. tb estou desejando análise do comportamento e Por lugares incríveis <333 =* Mani Piñeiro @Blog_ManiPineiro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba! Parecem ser obras incríveis e já nos deixam com reflexões em cargas de peso desde já, não é? Pesquisar sobre elas só faz acrescer as reflexões imaginadas, então lendo, prometem ser baús de imensa riquezas para toda a vida. Espero que possa devorar cada uma e contar aqui o que achou, viu? Um super beijo!

      Excluir
  4. Queria esse tudo sobre fotografia! Bjs www.garotadebotas.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma delícia de livro para mergulharmos em maiores vertentes críticas, em angulações sociológicas e antropológicas e ainda aprofundarmos em meios artísticos, intensos, sensíveis, nas subjetividades e importâncias das reflexões poéticas que sempre teremos como meios de razão, não é? Também estou super ansiosa para lê-lo! Adorei saber que já encontrou um que mais invadiu seu desejo de devorar reflexões. Um super beijo!

      Excluir
  5. esse livro Filha da floresta me interessou mas tenho uma lista enorme pra ler tbm...adorei suas indicaçoes :) ❤ http://www.jackblog.com.br/ canal: https://www.youtube.com/channel/UCaLCUm-ZuvAbGTOCIThIIFA?spfreload=10

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Jack, que alegria imensa por saber que tem uma lista para pôr em dia também, com artes incríveis para devorar e ler ainda mais o mundo e a si. Espero demais que possa encaixar nessas demandas, após, as obras que ganharam sua mente e coração desde já da lista de indicações e reflexões de base acima, viu? E quero saber dessa sua wishlist atual! Qual os livros que estão nela? Um super beijo!

      Excluir
  6. Fiquei querendo muitoooo Grande Magia e Desperte Seu Gigante Interior! O mais legal é que voce nunca sai jogando uma sinopse crua como muitos blogs fazem, voce escreve mesmo, pesquisa, aprofunda e seu lado de filosofa, de escritora, fica presente em todas as postagens, se preocupando com as reflexoes. Adoro isso aqui!! Mesmo quando voce nao leu completamente algo que está indicando, ja nos deixa com muito mais profundidade do que muitos locais que fazem "resenhas completas". Continue fazendo algo tao diferente assim

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São alguns dos que estou querendo há mais tempo, Li! E que delícia ler essas suas palavras! Obrigada por acrescer os sentidos reflexivos das nossas partilhas, por fazer deste nosso cantinho, ainda mais intenso. Obrigada por esse carinho tão lindo, por esse impulsionamento que realmente soma. A ideia aqui é sempre ser sem quases, sempre aprofundar, sempre trocarmos ideologias e reflexões, então saber que você mergulha afundo em cada um desses tópicos não poderia me deixar mais feliz! Obirgada, de novo e de novo por essas constatações e por fazer parte dos nossos "transbordamentos". Um super beijo!

      Excluir
  7. Desejando vários da sua lista! Desses o único que li é o Por Lugares Incríveis (Jennifer Niven) e ameeei, acho que tu vai curtir muito também!

    Meninices da Vida

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Mila, só aumentou a minha curiosidade ainda mais! Que delícia saber disso! Não é o que mais estou desejando da lista, mas é uma estória que tenho "paquerado" há um tempo e as vertentes reflexivas de base que saem para muito além do que só a sinopse parece propor, tem fincado nas profundidades da minha mente, então quero muito navegar por esses pontos a mais que o livro aborda em lições. Espero que possa devorar vários dos incríveis da lista e que as reflexões de base citadas possam dar suporte para ainda mais análises, viu? Um super beijo!

      Excluir
  8. Tô querendo ler vários dessa sua lista Brunt, mas tá difícil conseguir tempo, e quando consigo sempre vejo alguma série ou filme, ou seja, deixo os livros de lado :( O único que li foi Antes que eu vá, e tive uma relação de amor e ódio por ele hahah
    Bjs oh, wow, lovely ❁

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Mi, o Antes Que Eu Vá parece mesmo ter algumas vertentes bem pueris, mas mensagens incríveis com particularidades intensas nas entrelinhas, apesar dos pesos de clichês que podem não nos impactar tanto. Não é o que mais estou louca para ler, mas com certeza tem suas imensas linhas válidas, não é? E adorei muitíssimo saber que alguns já entraram para a sua wishlist. Também tenho pendências imensas de filmes e séries e sempre tento ir dando lugar para elas, porque, afinal, também são incríveis formas de leitura, não é? Mas é uma maravilha termos nossas listas de livros para irmos riscando depois. Espero que possa ler diversos em breve! Um super beijo!

      Excluir
  9. Quero muito ler "Por lugares incríveis", adorei a sinopse. Amei seu blog e estou seguindo.
    http://tatihey.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Tati! Que alegria imensa por ler essas suas palavras. Espero demais que possa continuar emitindo suas opiniões, viu? E o "Por Lugares Incríveis" encantou minha mente e coração desde já, principalmente, pelas vertentes reflexivas que vão muitíssimo além da da sinopse, como citei um pouco na descrição feita. Não é o que mais estou desejando da lista, mas com certeza tem imensa validez nas mensagens incríveis. Espero que possa ler logo, e conta aqui o que achou, viu? Um super beijo!

      Excluir
  10. Mulher, eu amo ler, lei um livro atrás do outro haha' Adorei as suas escolhas e já fiquei curiosa por alguns! ótimo post! Super beijo! Blog Coisas de Jana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que alegria imensa por ler isso, Ja! Ler o mundo através de experiências próprias, observações e artes como filmes, séries e livros são delícias imprescindíveis da vida, não é? Adorei saber que mergulha assim em interpretações e releituras sobre si e o mundo. Espero demais que possa ler diversas dessas obras que já nos deixa com incríveis reflexões borbulhantes, viu? Um super beijo!

      Excluir
  11. Também desejo muito o livro "Todo dia", ele parece ser muito incrível...

    Beijos, Duas Livreiras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Lari, que delícia ler isso! Parece demais, não é? Já nos deixa refletindo de formas intensas desde já, só pelas vertentes mais básicas da sinopse e aprofundamentos possíveis. Espero muito que possa devorar em breve e analisar com intensidade, viu? Um super beijo!

      Excluir
  12. Tenho esse Tudo Sobre Fotografia tem uns dois anos, mas sempre deixo pra ler depois porque acho que "preciso ler com mais atenção";. Pra quem busca essa visão mais humana e social da fotografia ele é muito bom mesmo (é um tema que eu gosto muito mais do que a simples técnica da maioria dos livros, acho que com a sua formação você vai adorar também).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza! É como discorri um pouco na própria descrição, fotografar é uma arte, é saber enxergar o "por trás", é desejar passar uma mensagem, captar e emitir emoções, críticas, reflexões diversas. Lermos o mundo e a nós é necessário para a criação em qualquer meio artístico. Arte só é feita com verdade e carga de urgência em passar lições, em passar voz. Então, o livro vai no cerne do que realmente seria fotografar e inda nos inclui em diversos outros fatores, ampliando nossos meios críticos, reflexivos, humanos. Por isso estou louca por ele! Adorei saber que o tem e espero que possa ir devorando, mesmo que aos poucos, cada vez mais. E espero também que possa trazer mais das suas visões para cá, viu? Um super beijo!

      Excluir
  13. Também estou desejando "Por lugares incríveis". Só ouço elogios sobre esse livro e estou bem ansiosa para lê-lo. ;) Bjos http://helendutra.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que alegria imensa por ler essas suas palavras e saber que mergulhou nas reflexões de base desde já. O "Por Lugares Incríveis" encantou minha mente e coração com esse solo, principalmente, pelas vertentes reflexivas que vão muitíssimo além da da sinopse, como citei um pouco na descrição feita. Sinto que é uma obra para nos deixar, acima de tudo, com sede de viver e abrir espaços para desvendar mais de nós e dos outros, com mais alegria interna e espaçamento positivo! Não é o que mais estou desejando da lista, mas com certeza tem imensa validez nas mensagens incríveis. Espero que possa ler logo, e conta aqui o que achou, viu? Um super beijo!

      Excluir
  14. oi, oi. olha eu indo adicionar mais livros à minha listinha... hahaha. de todos da sua lista, eu fiquei mó curioso pra ler "Por Lugares Incríveis". Já li algumas resenhas sobre ele e sei bem como a história é linda. já li tbm um livro da listinha: "a insustentável leveza do ser". li ele na época do colegial e, ó, é muito lindo, tocantins e simples. acho que tu vai adorar! bjs! Não me venha com desculpas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossas listas explodem, não é, Adri? Mas é bom assim! O mais bacana é que ao lermos algum livro que esteve lá por um bom tempo, reparamos até que as nossas expectativas estiveram em construção reflexiva maior. Adorei demais saber que já leu "A Insustentável Leveza do Ser"! É um dos que mais estou desejando de toda a lista. Saber dessa sua visão só aumentou a minha curiosidade e carinho prévio pela obra. Ai, quero devorar logo! Sinto que é aquele livro repleto de mensagens super variadas que se conectam, não exatamente e totalmente na obra, mas para o resto das nossas vidas, no nosso cotidiano. E o "Por Lugares Incríveis", como falei mais acima, encantou minha mente e coração com esse solo, principalmente, pelas vertentes reflexivas que vão muitíssimo além da da sinopse, como citei um pouco na descrição feita. Sinto que é uma obra para nos deixar, acima de tudo, com sede de viver e abrir espaços para desvendar mais de nós e dos outros, com mais alegria interna e espaçamento positivo!

      Excluir
  15. Nosso estilo de leitura é diferente, não conhecia nenhum da tua lista. Mas todos parecem ser bacanas rs Por lugares incríveis foi o que mais me chamou atenção :* http://www.cherryacessorioseafins.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Si, que alegria imensa por saber que pôde mergulhar em demais vertentes, tendo conhecimento sobre bases reflexivas de obras a mais assim. Conte mais sobre seus gostos principais de leitura! Vou amar saber! E, como já ratifiquei por aqui, o "Por Lugares Incríveis" ganhou meu gosto, principalmente, pelas vertentes reflexivas que vão muitíssimo além da da sinopse, como citei um pouco na descrição feita. Sinto que é uma obra para nos deixar, acima de tudo, com sede de viver e abrir espaços para desvendar mais de nós e dos outros, com mais alegria interna e espaçamento positivo! Não é o que mais estou desejando da lista, mas com certeza tem imensa validez nas mensagens incríveis. Espero que possa devorar e compartilhar mais aprofundamentos reflexivos sobre, viu? Um super beijo!

      Excluir
  16. Olá, Fiquei MUITO interessada por Tudo sobre fotografia. Por lugares incríveis eu tenho, mas ainda não li e Antes que eu vá é INCRÍVEL!

    Beijos.

    Nasci Gabriela - www.nascigabriela.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabi, que delícia por ler essas suas palavras! O Tudo Sobre Fotografia já nos deixa com vertentes imensamente reflexivas desde antes de mergulhar na leitura, não é? Espero demais que possa devorar em breve! Conta aqui depois o que achou de Por Lugares Incríveis, viu? Adorei essa sua ratificação sobre Antes Que Eu Vá! Só fez aumentar a minha curiosidade. A obra já deixa a ideia de que capta certos clichês, mas com imensas particulares densas. Estou louca para conferir! Um super beijo!

      Excluir
  17. Estou curiosa sobre o livro de fotografia. Me indicaram estes dias e disseram que mesmo sendo leiga eu me apaixonaria.

    www.carolvayda.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ca, com certeza é uma obra para quem tem interesse em aprofundar quesitos de fotografia mais profissionalmente ou não! Como dito na parte em que discorri sobre o livro, ele já deixa a proposta de ser bastante humano, artístico de fato, nos emitindo o lembrete do quando para captar e transmitir qualquer que seja a coisa, precisamos do subjetivo. Nenhuma técnica resolve quem não procura o conhecimento nas sensações, experiências e história, não é? Espero que adore, viu?

      Excluir
  18. Quantas indicaçoes incriveis!!!! Me interessei por todos, Brunt. Adoro ler as reflexoes que voce sempre ja faz questao de trazer, o bom de ver indicaçoes aqui é que sempre vemos mais do que sinopse, sempre podemos pensar alem, é maravilhoso. O que mais fiquei curiosa pra ler foi Todo Dia tambem, e Desperte Seu Gigante Interior

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gi, é tão maravilhoso ler essas suas palavras e sentir esse carinho lindo e energia incrível que transmite. Muito obrigada por trazer tamanho maior sentido para o nosso cantinho! É essa troca evolutiva que faz valer, de fato, cada reflexão. Estou louca para ler esses dois! Estão entre os primeiros lugares dos meus desejos atuais. Espero que possa devorar também e aprofundar demais reflexões que já plantam, viu? Um super beijo!

      Excluir
  19. Maria Eduarda {@dudsparrow}25 de março de 2016 13:22

    Muito legais teus desejos. Infelizmente nunca li nenhum pra opinar :( Do Todo Dia tenho um do mesmo autor mas ainda não li. Fiquei muito curiosa pelo de motivação! boa semana :)

    Red Behavior

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ma, que alegria por saber que ganhou conhecimento de obras novas assim e pôde aguçar demais bases reflexivas através das indicações. Conta depois aqui (quando ler) o que achou do livro do autor de Todo Dia, viu? O Motivação 3.0 é, sem dúvidas, um dos pontos altos da minha lista atual. Adorei saber que já foi navegando nas reflexões por ele emitidas e que deseja mergulhar de vez! A melhor coisa é lermos esse tipo de estrada mesclando nossas teses e metodologias e ir descobrindo mais delas, não é? Espero que adore, viu? Um super beijo!

      Excluir
  20. Eu comecei a ler o "Por lugares incríveis" dentro da livraria, esperando minha mãe. Gostei muito, mas acabei não comprando :/ Quero terminar de ler! ❤

    Beijos, Brilho de Aluguel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tortura ficar com a leitura cortada assim, não é, Thay? Mas imagino que pode também ter aguçado muitas bases reflexivas e criativas durante o tempo de curiosidade. Espero que possa devorar o livro todinho em breve, viu? Conta aqui depois o que achou! Como já ratifiquei mais acima, sinto que ele toca em reflexões que vão muito além da sinopse, mas captam entrelinhas ainda mais densas, nos incitando a abrir portas, a permitir entradas a mais para lermos, também, pessoas (assim lendo mais de nós); a agregar mais críticas sociais com argumentos que não se quebram por pontos que não buscamos defender, etc. Não é o que mais estou louca para ler, mas é um que já nos deixa com grande base imaginativa/reflexiva e espero que assim seja e que possa ainda mais aprofundar, viu? Um super beijo!

      Excluir
  21. "Todo Dia" eu já li e adorei!! O protagonista vive várias vidas, assim temos a chance de vivenciar várias situações junto com ele e algumas são muito interessantes.
    "Por Lugares Incríveis" eu li, mas esperava mais. Não sei se foi o momento que eu li, mas não tive muita paciência com ele :/

    ourbravenewblog.weebly.com

    ResponderExcluir

Obrigada por chegar até aqui para deixar a sua opinião. É fundamental para mim. O que dá sentido com ratificação para cada reflexão entre análises, dicas, informações e sentimentos aqui escritos são essas nossas trocas evolutivas de sensações e pitacos.

Não esqueça de clicar em "notifique-me" abaixo do seu comentário para receber por e-mail a resposta dada.

Posts Recentes Mais Posts

TRANSBORDOU NESTES?

Direitos Autorais

Todos os escritos aqui postados são de autoria da escritora, poetisa, compositora e blogueira Vanessa Brunt. As crônicas, frases, poesias, análises e os demais diversos escritos, totais ou em fragmentos, podem ser compartilhados em quaisquer locais e sites (quando não para fins lucrativos: criação de produtos para vendas, entre outros), contanto que haja o devido direcionamento dos direitos autorais. Ademais, as imagens utilizadas no blog para as postagens não são, em sua maioria, feitas pela autora. Portanto, para qualquer problema envolvendo os créditos das fotos, basta entrar em contato e o caso será resolvido prontamente.