VÍDEOS PARA REFLEXÃO E INSPIRAÇÃO COM INCRÍVEIS HISTÓRIAS EMPREENDEDORAS

segunda-feira, março 07, 2016


Todos empreendemos todos os dias, seja na nossa vida pessoal ou profissional (e devemos lembrar que elas devem estar conectadas sim!). Somos empreendedores dos nossos sonhos, dos nossos objetivos, dos nossos princípios, da nossa evolução, das nossas relações: que estão englobadas em tudo isso e podem ser somas ou subtrações, dependendo de como e onde façamos esse empreendimento; são fatores variados que quando deixados de lado, viram frustrações e prisões remoídas eternamente. Mas o que torna um bom empreendedor como realmente bom? Primeiramente, lembrar que sucesso é algo relativo, que sucesso depende do seu principal foco de vida, e não de enriquecimento exacerbado financeiro. Pode ser uma casinha no lago e dinheiro que dê um bom sustento (básico) enquanto explora sua cidade natal e faz seu legado dentro da família: e é do que você quer como sucesso, que surgem os traços fundamentais das corridas do que deve empreender e de como. A partir daí, temos diversas características, como o fato de dever ser visionário e inovador, um quebrador de paradigmas (sempre buscando respeito mútuo, obviamente). Além de saber aproveitar oportunidades tentando ao máximo não apagar demais já conquistadas ou possíveis, buscar independência e conhecimentos constantes, saber planejar, liderar e buscar realizações adentradas nas suas maiores paixões, sem esquecer das pausas, de permitir focos paralelos que não tirem a concentração ou possibilidade do necessário, mas abrindo suas alas, de vez em vez, para um pouco de lazer e respiração, porque é o que nos salva, muitas vezes, trazendo a ideia que estávamos aguardando e forçando em sufoco. Precisamos parar para ler o mundo de diferentes maneiras, porque só assim teremos um livro. Um capítulo só não o faz. Dentre tantos tópicos, temos histórias mais palpáveis com muitas lições a serem transmitidas e pontos para que possamos criticar e agregar internamente. Pensando nisso, separei alguns vídeos muito bacanas sobre empreendedores de sucesso para vocês e explicitei ao falar de cada um, sobre detalhes das lições principais (e ainda tem alguns extras que adorei no final!).

  • A história do camelô que virou um dos maiores palestrantes de marketing do país


A história do David Portes é simplesmente magnífica. Desempregado, sem um tostão na mão, sem ter sequer onde morar, com a esposa grávida e sentindo dores, ele ficou em uma calçada do Rio de Janeiro conseguindo alguns trocados de moradores e pedestres da região. Ao conseguir unir 12 reais, fez o inesperado: arriscou por um plano que poderia levar a um resultado de longo prazo, ao invés de investir em paliativos. Afinal, ao tentarmos esse tipo de investimento, mesmo que o resultado não seja completamente como esperado, algo será conquistado com firmeza ao longo da estrada, se fizermos bem feito, como os bons contatos e confianças que fincam nas nossas agendas. Portes comprou então um grande pacote de balas e não remédios. Passou a vender essas balas na rua, foi conquistando os clientes com seu carisma e com as originalidades que foram apenas sendo mais aguçadas. O pacote, com alguns meses, virou uma barraquinha naquela mesma calçada. Acha que ele pensou "maravilha, isso está dando certo, estou conseguindo crescimento, então vou continuar com a mesma fórmula, desse mesmo jeitinho"? Não. Sempre inovar as originalidades do próprio dom, utilizando do aprimoramento e interligações de outros tantos talentos que já tem ou pode descobrir com base de imaginação e estudos (feitos, no caso do David, com base em observações e criticidades através delas), é o lema seguido pelo David. A barraquinha passou a ser maior e a única que possui delivery! Começou com delivery apenas para moradores do bairro, já que ele não tinha como ir muito longe sem meio de transporte fixo, mas ele não deixava de fazer e de atender o mais rápido possível. Depois, balões premiados, para os clientes tentarem a sorte de ganhos a mais dos produtos da barraca. E por aí vai e continua indo: pensando no que gostaria que visse feito por aí, mas que ninguém tinha ainda posto em prática. Com seu carisma e pensamento de marketing, passou a ser o maior palestrante do país, conhecido mundialmente, entrevistado por grandes personalidades como o Jô, milionário e com sua barraquinha ainda mais viva do que nunca. "Quem abandona os clientes, abandona seu legado, quem para o legado no meio, não deixa nada, porque não deixa o que poderia deixar". Lição de superação, criatividade, persistência e pensamentos que vão além dos horizontes fixos no presente. Acima você confere uma curta passagem jornalística que fala um pouco da sua história e, logo após, um vídeo com uma das suas palestras. Veja a história de outro empreendedor que alcançou seu sucesso buscando originalidades incessantes, clique aqui.

  • Bunker Roy e a Universidade dos Pés Descalços

Posso dizer tranquilamente que, de todos, esse é o meu vídeo favorito da lista. É o que mais nos impulsiona a ler as entrelinhas das mensagens. É daquele para refletir sobre cada vírgula de novo e novamente. Sanjit 'Bunker' Roy é um ativista social indiano que, em 1972, fundou a Organização Não Governamental "Universidade dos Pés Descalços" (Barefoot College) no vilarejo de Tilonia, na província indiana de Rajasthan. A Universidade dos Pés Descalços ensina mulheres e homens do meio rural, muitos deles analfabetos, a tornarem-se Engenheiros Solares, Artesãos, Dentistas e Médicos nas suas próprias aldeias a partir dos usos e costumes locais. Uma história sobre legado, sobre observar o quanto deixar a sua marca só é possível quando ela invade outros seres, permitindo a eles que deixem novas marcas por aí. É ciclo evolutivo, é saber transmitir; é lembrar que sábio só é sábio ao ser humilde, o resto é soberba. Uma história sobre quebra de preconceitos, sobre talentos existentes em todos e, principalmente, sobre investir, da maneira que puder, naquilo que sabe ter como maior dom. Não é um vídeo sobre menosprezar o ensino das boas escolas e a busca pelas suas melhorias sem tirar delas o que já pode ser considerado como evoluído, mas sobre procurarmos acrescer o maior tipo de conhecimento, aquele que não é robótico e que nem as maiores atualizações podem arrancar ou diminuir tamanhamente, aquele que tem dois nomes para ser um só: aquele que vive das experiências (mão na massa) e da imaginação (criatividade e ousadia de pensar fora das zonas emitidas por alheios)! É uma história sobre procurar, além, os nossos próprios métodos à parte de acrescer saberes incessantemente e independente do que já aprendemos, saberes que englobem práticas e teorias em relação ao que vamos descobrindo adorar e em relação ao que vemos como utilidade. As críticas que ficam ao longo do vídeo, como a desvalorização causada por uma camada social repleta de julgamentos errôneos (que é o que fazemos diariamente em tantos casos), nos deixa com ainda mais reflexões além das inspirações já plantadas ao decorrer. Procurar a solução no interior, com o que tem ao seu redor, com o que pode fazer com o que já tem em mãos, deve ser sempre o primeiro passo. O externo só é válido como grandioso para quem sabe olhar para o simples e ver o complexo solucionável em qualquer lugar. Essa é uma das primordiais mensagens passadas pelo Roy. 

  • A história do fundador do China in Box

Robinson Shiba, fundador do China in Box, mostra que determinação e perseverança são algumas das chaves para o sucesso. "Mas só acreditar sem implantação, sem ação, não funciona", pode parecer clichê, mas quando ouvimos dentro de um contexto como a história do Robinson, podemos imaginar nas consequências de sonhos de papel, de ficar presos somente no que "vai dar para mim a segurança", sem lembrar que podemos investir no solo mais certeiro e naquele em que ninguém pisou para desvendar. O paranaense de Maringá formou-se em odontologia, fazendo assim seus planos com riscos calculados, ou seja, planejamento constante (revisão constante) e plantações em terras que nos deem árvores mais imediatas, sem deixar de, em paralelo, ir construindo novas fazendas e buscando, aos poucos, ir tirando-as do papel, entendendo alguns dos riscos e já buscando os solucionar (que é uma das maiores lições para abstrair da sua palestra). É preciso que o papel exista, para depois o ato, contanto que não seja o segundo tardio, ou seja, o papel deve conter prazos a serem cumpridos! O subjetivo deve sempre invadir o objetivo, contanto que um não perca o outro com totalidade. O risco calculado analisa se a ideia tem fundamento maior do que só para quem a teve (se ela não expele algo socialmente útil, precisa de reformulações), analisa as necessidades e busca em soluções para as tais os incrementos para a tese tida. Shiba exerceu a profissão, mas não desistiu de um sonho que surgiu após uma viagem aos Estados Unidos: abrir uma rede de delivery de comida chinesa na caixinha, já que seria uma inovação no seu país (o nosso!). Acima de tudo, o Shiba nos deixa a importante reflexão sobre o quanto é necessário mais do que dom e busca por inovações: é preciso aprimoramento, é preciso saber mais sempre, é preciso compreender até o que pode ser considerado fútil, porque tudo terá sua carga significativa na união dos seus pensamentos, ações e falas futuras. Ele buscou estudar mais, entender melhor sobre a área em que estava inserido, e foi então que decolou sem pousos de vez.

  • Palestra de Steve Jobs (parte 1 e 2)


Provavelmente o segundo vídeo (contando como um em dois) que mais adoro da lista, porque é preciso refletir além do que pode parecer mais um clichê espirrado. Uma curta palestra dada pelo Steve Jobs para formandos de uma universidade no curso de empreendedorismo. A primeira forte lição que nos é apresentada, é uma quebra de preconceitos, é sobre caráter, tanto dele, quanto da família que o adotou. Nada importa quando não somos livres e só o caráter pode nos libertar! Como gosto sempre de frisar sobre nesta frase aqui. Após, outra lição de grande carga emitida é sobre o sentido das conexões da vida, sobre jamais negar um aprendizado, já que sempre fará sentido aprender o que for e, sim, será algo aplicado futuramente, mesmo que não reparemos com tanta clarificação. Ao chegar nessa parte do vídeo, somente imagine: e se ele tivesse feito a faculdade? Quão mais longe certas ideias iriam só por ter ouvido uma frase "besta" de um professor que serviu de chave para a abertura de algo sendo matutando há tempos. Pois é. Aquele pedacinho de uma conversa monótona pode ser toda a porta do seu futuro. Além da mensagem de sempre procurar por novos meios, o Jobs nos deixa com a reflexão do quanto negativo e positivo sempre estão morando um no outro. É quando ele nos fala sobre como surgiu a Pixar, vindo através de um "considerável desastre de grandes perdas da sua vida" (será?). O que importa é o que fazemos a partir da cicatriz, e não somente com o que deixamos a vida ensinar sobre ela, importa lembrarmos de algum tesouro em cada besouro. Quando o Jobs fala da morte, pense então sobre o que os médicos falaram para que ele colocasse em ordem: estamos fazendo isso ao máximo no nosso cotidiano? Tentamos essa organização de âmbitos pessoais e profissionais e reparamos no quanto essas duas temáticas estão (e devem estar!) sempre conectadas? São variadas lições em cada entrelinha que pode até parecer clichê em primeiro momento, mas vai ganhando validação nas profundidades. "Continuem famintos. Continuem tolos!" (tolos aqui no sentido de sempre considerar que deve buscar mais conhecimento, que não sabe o suficiente, que precisa melhorar a receita já criada e não apenas colocar mais alimentos no prato).

  • "As conexões que movem a vida"

Marcelo Sales é um empreendedor e um nerd (assim como todos somos em diversos âmbitos diferenciados, naquilo que devemos saber que devemos mais aprofundar), e tem muito orgulho disso (como devemos ter). O primeiro negócio dele foi vender suco de uva na rua, e foi aí que as conexões começaram a mover sua vida, até virar fundador da Movile e fundador da aceleradora de negócios 21212.com. Sem dúvidas, essa é uma das histórias mais incríveis do empreendedorismo brasileiro, contada com maestria e bom-humor fantásticos, nos lembrando de saber ver a relação das minúcias (porque elas só aparecem quando queremos e fazemos com que sejam aprofundadas com atos a mais), valorizando as menores delas e de comparecer na busca por mais, mesmo quando parece que aquele compromisso vai ser pequeno demais em relação ao que queremos, mas é dali que pode surgir o contato de ouro, a conversa de ouro, o "day 1". Toda oportunidade, mesmo que não finde como desejávamos, vai servir de algo se soubermos não só sorrir para ela, mas sorrir nela! Uma obra sobre detonar as zonas de conforto.

  • "Faça poucas coisas nota 10 em vez de muitas nota 6"

"Quando você acabou de mudar, você acabou". E quando você acabou, você acabou de começar! Quem não acaba de mudar, não continua o mesmo, só continua estagnado e preso em ciclos de pouco autoconhecimento e evolução. Com essa primeira frase de Benjamim Franklin, o criador do Mercado Livre e da Kaszek Ventures, Hernan Kazah, explica sua busca por novos desafios. Segundo Hernan, a meta é sempre "não ter fim", e para isso, é preciso permitir finais. Construir empresas auto sustentáveis é o enfoque, e que existam muito além de seus fundadores. Conheça a história do argentino que começou numa garagem com muitos sonhos, ideias e motivações, e continua se reinventando como empreendedor.

  • Jandir Dalberto: de garçom a presidente (do Fogo de Chão)

Um intraempreendedor, que cresceu por não ter medo de passar seus conhecimentos para outros, por ter autoconfiança e conquistar a equipe na qual estava inserido, sempre com carisma e participação, ganhando destaque sem diminuir outros, mas por brilhar mais por si. Ele não teve estudos formais completos, mas não deixou de devorar livros, de não deixar passar oportunidades para aprender mais, seja sobre o que fosse (porque sempre há como conectar com o que precisamos) e de estar sempre presente nos seus negócios, mesmo após tanto crescer, porque só vendo de perto e acompanhando nossos próprios passos tão próximos das nossas realizações, é que podemos fazer reais autocriticas, que é o caminho primordial para o crescimento pessoal e profissional. Uma das maiores lições que o Jandir nos deixa, ademais, é a de que as experiências, para serem válidas e aprendermos com os erros, não precisam ser somente nossas, mas podem vir das nossas leituras de mundo, captando erros alheios e refletindo também com eles. Ou seja, sempre devemos olhar afundo não somente para a nossa casinha e seus defeitos e acertos, mas para como o mundo por fora está encaminhando e como a nossa casa está nesse cenário completo de tantas outras ao redor.  

  • "A escola da minha vida"

Fazer rir e chorar é com ele mesmo. Edivan Costa, dono da SEDI, empresa líder no ramo de regularizações, tem uma trajetória de superação inspiradora. Ex-jogador de futebol do Palmeiras, motoboy e, enfim, empreendedor, como todos somos. Mesmo com todos os obstáculos que a vida colocou em seu caminho nessa odisseia, ele nunca desistiu de sonhar grande, mas afirma: "Pensar em desistir faz parte do sonho". Assista à história de Edivan Costa, fundador da SEDI, um exemplo de busca constante por conhecimento e de otimismo. 

  • Do caixa da loja à bolsa de valores

Luíza Helena Trajano, a fundadora da Magazine Luíza, aprendeu a inteligência emocional (do tipo que não deixa de sentir e seguir o coração, mas que une com a razão as decisões cruciais; impulsionando a ir para frente do trilho sabendo pegar o trem e não deixando o trem nos pegar) com a mãe, e o empreendedorismo e o espírito de vendedora com a tia, também Luiza. Somando valores como honestidade, sonho grande, generosidade e aprendizado constante, transformou a loja fundada pelos tios em um dos maiores varejistas do país. "Eu sou vendedora. A minha família é vendedora. Eu não tenho vergonha de dizer isso. Comecei a trabalhar no varejo aos 12 anos porque queria comprar presente de Natal para as pessoas que eu gostava. Com o dinheiro das comissões eu consegui. Todo mundo que trabalha vende algo para alguém. No Magazine Luiza, durante cinco anos, todo mundo tinha o cargo de vendedor no crachá. Isso é motivo de orgulho e não de vergonha.", diz nos levando à lembrar desses pontos que podem ser os nossos tesouros de ponta-pés. Conheça e emocione-se com a história de Luiza Helena Trajano, que nos lembra também que é desejando o bem alheio que vamos transformando o "em frente" no "enfrente", criando linhas de contatos fundamentais que não precisam estar ligados somente a interesses certeiros, porque é só quando passamos deles que os contatos realmente firmam. O carisma é a arma para ser ouvido, ser ouvido é a arma para o sucesso (seja o seu qual for) e a arma para chegar no carisma é a humildade.

Extras: Nos extras abaixo podemos conferir diversos vídeos com inspirações informativas a mais, como, por exemplo, o "De onde vêm as ideias?", que de forma simples e clara, nos relembra da necessidade das trocas humanas, dos diálogos, para que possamos alcançar portas travadas para nossa área criativa; temos que permitir a invasão de outros no nosso universo, o compartilhamento, ainda que cauteloso, de ideias, para nos aprofundarmos mais em nós mesmos, porque isso só é possível ao mergulharmos em outros interiores, exteriores. Temos ainda mais duas histórias empreendedoras bem bacanas, com mais algumas lições e super inspirações a serem guardadas nas bagagens relidas.


O que nos motiva é dinheiro? Lembra do que falei sobre sucesso no início da postagem? E mesmo aqueles que veem sucesso como algo puramente financeiro, se motivariam somente por isso? Tem como sucesso ser só focado em grana? Não seria para "provar algo" através do dinheiro? Não seria para criar algo através de tal suporte? Não seria para plantar feitos que causassem reconhecimentos a mais? Não seria para então descobrir o que é, para si, sucesso? E o que é de fato ter autonomia? É somente ter destaque e "lugar de fala" dentro de uma equipe? Mas todos não deveriam ter então? Autonomia é algo que devemos nos dar com autoconhecimento e, principalmente, que vem quando lembramos de nos presentear com "tempos livres", liberando mais a mente para ler o mundo (sem isso, morremos no aquário). O que é equilíbrio entre ganho e propósito?  O vídeo acima é muito bacana e fiz questão de deixar essas perguntas aqui, porque as respostas aparecem nas entrelinhas dele e adoraria que pensassem de forma particular sobre cada uma.




Como vocês puderam perceber, diversos dos vídeos vieram do projeto "Day One", que contém diversas palestras super interessantes de empreendedores, para conferir mais delas e acompanhar o canal que as exibem e o vídeo de introdução dele, basta clicar aqui.

E então, qual vídeo mais trouxe lições proveitosas em suas visões? Não deixe de contar nos comentários! Não teve tempo de conferir todos inteiramente agora? Então a dica é que coloque a postagem nos favoritos e vá deleitando aos pouquinhos. A graça é ir refletindo e unindo as mensagens de cada vídeo, tornando tudo um pacote bem recheado e interligado com mais criticidade e evoluções das teses.


  • Veja os comentários dos leitores e respostas desta postagem na versão antiga do blog, clicando aqui.

    LEIA TAMBÉM:

    1 COMENTÁRIOS

    1. oi, oi.

      tu e essas dicas maravilhosas! <3 eu só vi o vídeo do David Portes e foi ao lado dos meus pais aqui em casa. lembro que na época, eles encontraram o vídeo num DVD cheio de palestras e mensagens motivacionais, daí resolveram me mostrar... acho que pq eu adoro conhecer novas histórias, sabe?! amo ver que não é fácil vencer na vida e que a gente tem que continuar firmes e fortes, batalhando por um futuro melhor.

      bjs!

      Não me venha com desculpas

      ResponderExcluir

    Obrigada por chegar até aqui para deixar a sua opinião. É fundamental para mim. O que dá sentido com ratificação para cada reflexão entre análises, dicas, informações e sentimentos aqui escritos são essas nossas trocas evolutivas de sensações e pitacos.

    Não esqueça de clicar em "notifique-me" abaixo do seu comentário para receber por e-mail a resposta dada.

    Posts Recentes Mais Posts

    TRANSBORDOU NESTES?

    Direitos Autorais

    Todos os escritos aqui postados são de autoria da escritora, poetisa, compositora e blogueira Vanessa Brunt. As crônicas, frases, poesias, análises e os demais diversos escritos, totais ou em fragmentos, podem ser compartilhados em quaisquer locais e sites (quando não para fins lucrativos: criação de produtos para vendas, entre outros), contanto que haja o devido direcionamento dos direitos autorais. Ademais, as imagens utilizadas no blog para as postagens não são, em sua maioria, feitas pela autora. Portanto, para qualquer problema envolvendo os créditos das fotos, basta entrar em contato e o caso será resolvido prontamente.