14 DOCUMENTÁRIOS REFLEXIVOS/CRÍTICOS PARA DAR PLAY AGORA MESMO

sábado, abril 16, 2016


Meios críticos e com estatísticas comprovadas sobre os sistemas em que estamos inclusos e destruições imensas que nascem como consequências; histórias terríveis sobre absurdos feitos pela raça humana, que vão degenerando a ela mesma, tais quais foram historicamente acrescidos; reflexões densas de autoconhecimento e ampliações para repertórios mais argumentativos e intensos e muito mais. São temáticas variadas assim que fazem parte dos documentários bem apurados e, muitas vezes, chocantes, emitidos. Desta vez, não fiz uma análise aprofundada na escrita sobre cada um (como sempre faço aqui, ampliando reflexões), mas citei o básico sobre as linhas abordadas e deixei, na maioria dos casos, as portas ainda mais abertas para que cada detalhe seja degustado por vocês em cada entrelinha com as singulares sensações tocadas. Já que os vídeos são mais diretos, nem todos tão metafóricos, as interpretações, apesar da possibilidade de serem mais bem desenvolvidas a partir de estudos a mais (lembretes sobre História e afins), podem ser facilmente captadas e desenvolvidas em diferentes pontos (seria como tirar os gostinhos mais bacanas ao aprofundar demais). 

  • Eu Maior

Quais são as suas maiores interrogações? O quanto elas estão interligadas com perguntas alheias? O quanto uma pergunta alheia pode responder à sua questão? Vivemos adentrados nas vertentes de  que somos tão originais e, simultaneamente, tão iguais; e é isso o que o vídeo aborda como fulgor de base. Como encontrar sentido no que parece perder sentidos? Como ler mais de mim sem ler mais do mundo? "Eu Maior" é um documentário sobre autoconhecimento e busca da felicidade. Foram entrevistadas trinta personalidades, incluindo líderes espirituais, intelectuais, artistas e esportistas. Independente das suas crenças, a obra traz reflexões para que possa elevar à sua maneira, desvendando mais de leituras próprias. Um meio sobre arte e a necessidade de cada forma de conhecimento em conjunção. Um vídeo para ampliar vontades de pesquisar, entender, interpretar, respeitar, engrandecer o interior, virando detetive do mundo. Afinal, toda felicidade necessita de pingos de melancolias, tristezas, sensações diversas: ela ser plena significa apenas ter significados que pesem como mais positivos do que negativos na balança, que nos façam lembrar que a vida só é inteligente e faz sentido para quem sabe ler nas entrelinhas. Se você não quiser que tenha sentido, nunca vai aparecer algum. Se você se prender no que não faz sentido, aquele "não sentido" vai sempre ser nenhum.

  • Criança: A Alma do Negócio

Assisti ao documentário no primeiro semestre da minha faculdade (de jornalismo) e lembro de ficar debatendo internamente a temática e pesquisando mais sobre por meses. A obra mostra como no Brasil a criança se tornou a alma do negócio para a publicidade. A indústria descobriu que é mais fácil convencer uma criança do que um adulto, então, as crianças são bombardeadas por propagandas que estimulam o consumo e que falam diretamente com elas (não que conosco seja diferente, porém, o caso que consta aqui como problema de base maior, é a fase de construção da personalidade que entra em maior jogo). O resultado disso é devastador: crianças que, aos cinco anos, deixaram de brincar de correr por causa de seus saltos altos; que sabem as marcas de todos os celulares, mas não sabem o que é uma minhoca; que reconhecem as marcas de todos os salgadinhos, mas não sabem os nomes de frutas e legumes, etc. Num embate desigual e desumano, os anunciantes ficam com o lucro enquanto as crianças arcam com o prejuízo de sua infância encurtada e do seu conhecimento desviado para angulações mais fúteis e de menores praticidades para suas reflexões entre autoconhecimento e suportes humanos. Contundente, ousado e real, o documentário escancara a perplexidade do cenário capitalista diante da infância, convidando você a refletir sobre seu papel dentro dele e sobre o futuro das nossas gerações.

  • Não Há Amanhã

Vivemos em uma era onde o consumo desenfreado de recursos naturais faz com que sejamos uma potencial causa da extinção de nossa própria espécie e de tantas outras, desequilibrando o ecossistema por completo. Pode parecer uma temática já até clichê, porém a animação amplia nossas aberturas de olhos com choques realísticos, mostrando com fatos estatísticos o quanto nos resta de recursos findáveis e quanto tempo demoraríamos para consumi-los até o esgotamento total. E ainda que seja possível pensar em alguns "substituintes" de certos fatores, nada seria totalmente reformulado após perdido, as consequências virão e a consciência mais aguçada e menos individualista é a nossa única salvação. Criatividade, conhecimento e prática sem princípios e sem foco nos resultados a longo prazo, não são meios de reais produtividades. Não esqueça de ativar a legenda em português.

  • O Jeito Google de Trabalhar

Uma das maiores empresas do mundo e que faz parte dos nossos cotidianos, tem uma história que agrega lições incríveis e motivacionais. Em "O Jeito Google de Trabalhar" você conhecerá a trajetória empreendedora e inovadora do Google com detalhes curiosos, nos emitindo a cultura de trabalho flexível, divertida – e árdua – do gigante da internet que os funcionários elegeram. O desejo do Google? É organizar toda a informação dele mesmo. Descubra como o Google se tornou uma das maiores empresas do mundo em poucos anos após sua fundação. Grandes resultados e empresas bem sucedidas dependem de ideias audaciosas e planejamento diferenciado. Foi acreditando nisso que em 1998 dois jovens tiveram a ideia de organizar e tornar útil e acessível toda a informação mundial. Com esse objetivo, começaram a comprar discos de computadores, sem seus cases, e construindo suas próprias máquinas para armazenar livros, noticias e fotografias que eles mesmo digitalizavam. Sergey Brin e Larry Page projetavam uma árdua missão que levaria, segundo estimativas, 300 anos. Após 16 anos, a empresa que começou em uma garagem no Vale do Silício, na Califórnia, cujo o nome deriva da grafia errada de um termo matemático para "um seguido de cem zeros", a Google conta com 20 terabytes de informação, 130 bilhões de imagens e 5 bilhões de músicas para Ipod, além de contar com um bilhão de buscas por dia em todo o mundo. A receita de Sergey e Larry para o sucesso talvez venha, principalmente, da forma com que seus funcionários trabalham, contando com serviços de alimentação, lavanderia, massagem, barbearia, entre outros, no local de trabalho. É mais do que um jogo de confiança mútua, é uma abertura para as pausas, é a consciência de que é necessário espaço para a autonomia e lazer, para outras prioridades, para que grandes ideias surjam ou sejam amplificadas. É em uma mesa de bar, por exemplo, que uma frase dita pode mudar todo o futuro imaginado, apenas por ter uma mente que relaxou e abriu outras portas ao trocar novas ideias ali. A Google possibilita aos seus colaboradores dedicar 20% do seu tempo em projetos próprios, no que eles acreditam ser importante para empresa. Além disso, é comum observar nos corredores do Google quadros brancos e barracas de comida, o que acreditam estimular a criatividade. Foi graças a isso que surgiu o Gmail. Antes de ser lançado enfrentou muita desconfiança e objeção, por acreditar-se não ser possível ganhar dinheiro com e-mails. Porém, o e-mail da Google foi lançado dia 1º de abril, e mesmo parecendo uma brincadeira (pela data), suas ações receberam a maior oferta de publicidade da história. A grande sacada do Google foi rastrear os e-mails que cada pessoa recebe e poder oferecer publicidade direcionada à elas. Pela busca incessante por diferenciações assim, o Google fez seus fundadores milionários em apenas 6 anos, e em seu primeiro dia de negociações como capital aberto, centenas de novos milionários. O sucesso do site foi tanto que em pouco tempo entrou na cultura de outros jovens e até ganhou espaço em alguns dicionários. Com tamanha relevância, a empresa recebe mais de 1 milhão de currículos por ano. No dia a dia de quem trabalha lá, é comum haver reuniões de no máximo 5 minutos, onde um grupo se reúne, em pé, em uma roda, ou fazendo uma caminhada. Assim, as tornam mais rápidas, dinâmicas e deixam todos a par do que acontece na empresa sem pressões que "sufoquem as inovações". O Google está sempre à frente, buscando melhorias e acréscimos. Mas apesar de tanto sucesso, o Google, assim como tudo na vida, não tem rosas sem espinhos e enfrenta algumas dificuldades em países como a China, onde é necessário bloquear alguns resultados de busca por imposição do governo, além da dificuldade em vender alguns serviços pela forte presença da pirataria. O principal de tudo isso é que a empresa tem noção dos seus enfoques (acredita que através da informação e monitoração de dados e buscas, poderá melhorar e facilitar nossa vida, ajudando as pessoas e governos) e não os permite cair em acomodações. Muitas mensagens que fortalecem as tantas implícitas no caso, podem ser encontradas na postagem de vídeos para se inspirar com incríveis histórias empreendedoras.

  • Mulheres Invisíveis

O documentário expõe a enorme diferença, em geral, de reconhecimento entre o trabalho do homem e da mulher, mesmo quando em mesmas áreas. Ainda aborda a desconsideração perante o trabalho doméstico, por apenas não ter cifra no sistema capitalista. A diferença salarial entre os sexos desempenhando a mesma função, a dupla jornada de trabalho que é tamanhamente desvalorizada, principalmente quando diante das mulheres, e a teia de necessidades interligadas, porém ignoradas, por uma ideologia histórica e preconceituosa, mostram como, ainda, a sociedade brasileira está longe de ser igualitária (nos deixando, ademais, com uma visão mais ampla, sobre o quanto isso se alastra para fora do nosso país). Além de dados estatísticos, o vídeo apresenta soluções para um melhor encaminhamento de patamar mais respeitoso, como a tese de creches públicas mais bem elaboradas e fatores que ficam claros nas entrelinhas das críticas emitidas.

  • Terráqueos

Confesso que não aguentei assistir inteiro, apesar de achar fundamental para análises aprofundadas, para alertas do que podemos e devemos fazer em papéis que melhorem essas situações (algo que desejo demais que vocês assistam, por mais terrível que seja, para que possam fazer parte desse suporte é este vídeo). É muito doloroso de observar a capacidade de alguns seres humanos para machucar outras vidas por interesses que passam por cima de qualquer valor de bom caráter, esquecendo, inclusive, que o retorno futuro da bala perdida na direção do atirador, é que doerá mais. Terráqueos (Earthlings) é um filme-documentário sobre a absoluta dependência da humanidade em relação aos animais (para estimação, alimentação, vestuário, diversão, desenvolvimento científico e todo o processo de um ecossistema para se manter), mas também ilustra nosso completo desrespeito para com os assim chamados "provedores não-humanos". Com um profundo estudo dentro das pet-shops, criatórios de filhotes e abrigos de animais, bem como em fazendas industriais, no comércio de couro e peles, indústria de esporte e entretenimento, e finalmente na carreira médica e científica, Terráqueos usa câmeras escondidas e filmagens inéditas para narrar as práticas diárias de algumas das maiores indústrias do mundo, as quais dependem de animais para lucrar. Impactante, informativo e provocando reflexões aprofundadas, que vão para além dos quesitos capitalistas e de relações com os outros animais, mas problematizando tudo isso diante da essência humana sendo perdida, é de longe o mais completo documentário jamais produzido sobre a conexão entre natureza, animais, e interesses econômicos.

  • A Educação Proibida

Muitas mensagens que podemos ter nas bases do documentário do Google (acima), podem ser ratificadas aqui. "A Educação Proibida" (título origianal La Educación Prohibida) é um documentário de 2012 que discute a educação normatizada e os valores que sustentam o sistema de ensino tradicional. Ele propõe o questionamento das lógicas da escolarização moderna e uma nova forma de entender a educação, apontando novas experiências educativas que são nada convencionais, apresentando um modelo de aprendizado mais lúdico e com mais experiências se comparado ao atualmente (ainda) utilizado, nos fazendo refletir, inclusive, sobre o quanto de interesses políticos e quesitos de fragilidades sociais está por trás dessas "maneiras rígidas e convencionais" de ensino/estudo. O filme é um projeto realizado por jovens alunos que passaram a questionar a maneira que as pessoas são preparadas para viver em um mundo "adulto". Em uma pesquisa que cobre 8 países e com mais de 90 educadores entrevistados, A educação Proibida é eficiente ao passar um imenso panorama da atual situação do ensino a qual tem conservado comportamentos de competição, rivalidade e a super valorização do lucro. Estruturado em cenas ficcionais e as entrevistas com educadores, o documentário desvenda as bases do nosso ensino "Prussiano", originado do padrão militar de educação da Prússia, no século 18, que doutrina crianças e jovens a viver no sistema vigente, treinadas a "guerrear". Na contramão desse ensino engessado que vivemos, A Educação Proibida mostra as possibilidades de uma nova escola, livre, que respeita o processo de aprendizagem, o ensino prático, a integração, e a construção própria do mundo pelos alunos, em que a escola oferece ferramentas para que esses futuros adultos possam construir suas próprias opiniões e visões sobre a sociedade, sem doutriná-los a aceitar tecnicamente valores e costumes sociais instituídos. Nessa nova escola, proibida porque vai contra interesses dominantes, a postura do professor também deve mudar. O documentário mostra como a hierarquização vivenciada hoje através do medo e sentimento de inferioridade do aluno não ajuda no aprendizado, mas o desinteressa pela busca do conhecimento. A Educação Proibida é clara: entre a figura do educador e seus alunos o respeito e a troca de ideias formarão uma nova via de comunicação e uma sociedade mais justa e menos autoritária. Não esqueça de ativar a legenda em português.

  • A História Secreta da Obsolescência Planeada

"Comprar; jogar fora; comprar". Onde fica o reciclar em meio a toda essa ideologia hoje tão aderida e impulsionada pelas maiores empresas diante do capitalismo? O documentário é feito para aprofundar o entendimento perante o tema, clarificando como os produtos são projetados e construídos para durarem pouco já há um bom tempo (não são só os smartphones) e como essa "regra" do sistema gera lixo para o planeta (além de, obviamente, causarem muitos impactos negativos nas nossas formas criativas, de autoconhecimento, de personalidade mais firme, de menos seres influenciáveis e por aí vai). Quem nunca quis descobrir os grandes segredos por trás das atuais empresas, os formatos que nos fazem "guela abaixo" ter que consumir desenfreadamente, "por que vários dos produtos de hoje têm a duração muito menor do que os de antigamente?". No documentário, é mostrada uma lâmpada de mais de 100 anos que comprova que a duração das lâmpadas de hoje poderiam ser muito maior, não só as lâmpadas, mas muitos outros produtos estão tendo suas possíveis qualidades reduzidas. Essa é a maior arma estratégica do capitalismo, e é preciso que observemos além do papel de consumidor, mas, principalmente, nos papéis de humanos, observando como isso tudo afeta o nosso Planeta, as futuras gerações e as construções psíquicas humanas (que foi um único ponto que esperava ser mais mergulhado na obra, mas podemos fazer então por nós mesmos tal angulação da análise).

  • Ilha das Flores

Apesar de ter sido produzido em 1989, o documentário aborda questões que continuam bem atuais e que ainda são problemas em nossa sociedade: a enorme produção de lixo e os locais inapropriados para seu descarte, mostrando a vida de pessoas que sobrevivem daquilo que é considerado resto para outros. A miséria é o tópico central do premiadíssimo trabalho do diretor Jorge Furtado. A utilização de um título que contradiz a trama desenvolvida ao longo dos 13 minutos de duração do curta-metragem/documentário foi uma das ótimas ideias apresentadas nesse trabalho. Mas não é a única. A exposição didática das teses, de forma encadeada, amarrada as informações, na medida em que elas aparecem na narração sólida e segura do ator Paulo José, constituem o eixo em torno do qual acabam gravitando os espectadores. O ritmo alucinado utilizado para que fiquemos sabendo sobre os tomates do Sr. Suzuki, o perfume de dona Anete, o surgimento do dinheiro e as peculiaridades dos seres humanos (o polegar opositor e o tele-encéfalo altamente desenvolvido), nos deixa uma metáfora ritmizada e crítica sobre como funciona o nosso sistema. Outra característica marcante de Ilha das Flores é a profusão de imagens. É como se tudo fosse uma verdadeira colagem feita pelo diretor e pelos editores do filme. As imagens se sucedem na medida da necessidade de explicação de um conceito apresentado no texto. Chega a ser um tanto quanto enlouquecedor e, nesse aspecto, residem metáforas sobre os empasses frenéticos nos quais estamos inseridos, piorando a cada dia o que já é absurdo. O mais bacana é levar em conta o ano de produção da obra, para perceber que as coisas não mudaram muito entre o Brasil daquela época e o de hoje.

  • O Riso dos Outros

Tudo precisa de limites para ser saudável. Precisa de princípios e pontos de respeito. O que é, então, o humor politicamente incorreto? Uma piada tem o poder de ofender, de disseminar preconceitos historicamente ampliados de formas imensamente injustas. São essas questões que o "O Riso dos Outros" discute a partir de entrevistas com personalidades como os humoristas Danilo Gentili e Rafinha Bastos, a cartunista Laerte e o deputado federal Jean Wyllys, entre outros. O documentário mergulha no mundo do Stand Up Comedy para discutir esse limite tênue entre a comédia e a ofensa, entre o legal e aquilo que gera intermináveis discussões judiciais. O filme foi dirigido por Pedro Arantes, diretor de séries de humor como "As Olívias", do canal Multishow, e "Vida de Estagiário", da TV Brasil.

  • Muito Além do Peso

Hoje em dia, um terço das crianças brasileiras está acima do peso. E isso, geralmente, implica em graves problemas de saúde. Não se trata de "padrões de beleza" erroneamente impostos, não se trata de forma física (que, por vezes, tem quesitos genéticos que não implicam na saúde, sim), mas da qualidade de vida. Esta é a primeira geração a apresentar em grandes porcentagens doenças antes restritas aos adultos, como depressão, diabetes e problemas cardiovasculares. O documentário estuda o caso da obesidade infantil principalmente no território nacional, mas também nos outros países no mundo, entrevistando pais, representantes das escolas, membros do governo e responsáveis pela publicidade de alimentos.

  • A História das Coisas

Desde a sua extração até à venda, uso e disposição, todas as coisas em nossas vidas afeta comunidades em casa e no exterior, mas a maior parte desta está escondido da vista. The Story of Stuff é um fast-paced olhar cheio de fatos sobre a parte "inferior" da nossa produção e padrões de consumo. A História das Coisas expõe as conexões entre um enorme número de questões ambientais e sociais, e nos chama para criar um mundo mais sustentável e justo. Ele pode fazer você rir, refletir e indagar, mas o principal é que permita que possa não só mudar a maneira como você olha para todas as coisas em sua vida para sempre, porém, principalmente, seus atos diante delas.

  • A Dieta do Palhaço (Super Size Me)

Para demonstrar os malefícios que a comida servida em fast food pode fazer ao seu organismo, Morgar Spurlock resolve adotar a "dieta do palhaço". Comendo apenas alimentos servidos em grandes redes de lanches e outros alimentos hipercalóricos, o rapaz nos permite acompanhar as mudanças que ocorrem em seu corpo e saúde ao mudar os hábitos alimentares. Um documentário para repensar a própria saúde e ir para além do "é meu corpo, não ligo para padrões", vestindo o "é meu corpo, não ligo para padrões, só ligo para a saúde!".

  • As Emoções Humanas: Repensando a Felicidade

Sabemos bem que cada emoção tem um papel diferente e fundamental na nossa vida, que precisam ser mesclados, analisados e, principalmente, sem excessos em uma única fase. Sabemos de muitas das teses do que buscamos ler e ouvir, mas ainda assim, catamos esses meios de identificação para ratificar em leituras interiores, entendendo de melhor maneira o que estamos sentindo. As Emoções Humanas é uma série com três capítulos, que vai nos mostrando a importância, por exemplo, dos relacionamentos e valorização de cada ocorrência de vida para que as produtividades e momentos de alegria sejam ainda mais intensos e proveitosos. E no "Repensando a Felicidade", somos apresentados a essas temáticas de uma maneira diferenciada, com pessoas que procuram pela felicidade e também aos cientistas e médicos que os ajudam a encontrá-la. São críticas sobre ciência, seus impactos, as artes e seus também alcances e visões dos papéis fundamentais de cada meio de releitura humana.

Outros documentários super bacanas para conferir são Lixo Extraordinário, que mostra a produção de obras de arte com material coletado no aterro do Jardim Gramacho. Ao longo da produção dessas obras, entre 2007 e 2009, transformações se produzem na vida e nas visões de mundo dos sete catadores participantes do projeto. O documentário relata o trabalho do artista plástico brasileiro Vik Muniz com catadores de material reciclável em um dos maiores aterros controlados do mundo, localizado no Jardim Gramacho, bairro periférico de Duque de Caxias. E Food Matters (no link, somente o trailer): Lançado em 2008, o doc australiano comprova aquela frase que você já escutou algumas vezes: você é o que come. Durante o filme, você vai entender como os alimentos podem afetar a sua saúde tanto para o bem quanto para o mal. O documentário também confronta a indústria de medicamentos e tenta provar que as pessoas precisam muito mais de informação do que de medicação. Está disponível na Netflix!

E então, já havia conferido algum desses? Qual mais chamou a sua atenção e mais impactou nos seus repertórios? Tem mais algum para indicar? Não deixe de contar nos comentários!

LEIA TAMBÉM:

52 COMENTÁRIOS

  1. Gostei da dica, vou assistir todos!
    Beijos
    www.jessicarcoelho.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Je, que alegria imensa ler isso. Espero demais que cada obra possa abrir portas para mais críticas e análises geradas, que captem aberturas de alas para âmbitos mais pessoais, tanto quanto mais sociais, elevando as noções de ligações entre cada um desses tópicos. É uma delícia sempre encontrar suas visões por aqui! Um super beijo!

      Excluir
  2. Brunt, quantos vídeos incríveis, chocantes mesmo! Esse da criança vou até levar pra minha sala de aula, faço publicidade. E suas reflexões sempre sendo puxadas de alguma meneira, mesmo quando voce fala que nao vai analisar tao profundamente no caso, ne? Amei demais! Obrigada por tanto conteudo maravilhoso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Thai, que delícia ler cada pedacinho de cada uma dessas suas palavras! Obrigada por esse carinho tão lindo de receber, sentir e retribuir. Obrigada por fortalecer os sentidos deste nosso cantinho! Adorei saber que faz publicidade e vai levar uma das abordagens como acréscimos reflexivos para os seus conteúdos. Por mais que certos pontos sejam super tristes de serem lembrados e futucados, são necessários para que busquemos melhorias, para que façamos nossas partes em meio a cada reflexão, observação e problemas ainda mais desvendados. Espero demais que cada obra possa abrir alas para mais da sua cidadania, criatividade e fortalecimento grandioso de mais autoconhecimento, levando para escolhas cada vez mais firmes e positivas, viu? E, no caso, as análises foram bem superficiais mesmo, mas como as obras são mais "diretonas", a ideia é que sejam digeridas mais a seco. Mesmo assim, é MARAVILHOSO saber que, ainda com o pouquinho a mais passado, pôde receber acréscimos interessantes. Um super beijo!

      Excluir
  3. Finalmente post novo e genial ! Por que demorou dessa vez, Brunt ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jé! Que alegria por saber que mergulhou nas indicações e reflexões críticas, espero que possam agregar em acréscimos incríveis para meios de maiores análises, inspirações e soluções, viu? A última semana (assim como esta) ficou um pouco complicada por conta da doença do Flocos. Ele ficou internado, fiquei muito abalada, preocupada (desesperada!) e só agora ele voltou para casa; mas ainda não está bem, continua me dando uns sustos ao ter falta de ar, etc. Falei um pouco sobre a doença do carrapato (que é o que ele tem) no Snapchat e explique para vocês o caso. Não estou abandonando (e nem vou) o nosso cantinho e nem vocês, viu? É só uma fase um pouquinho complicada em que o ritmo daqui ficou mais lentinho, mas vai dando tudo certo e parar de postar: jamais. Compartilhar cada reflexão com vocês dá mais sentido a tudo! Espero que possa compreender e que tenha esclarecido melhor. Um super beijo!

      Excluir
  4. Já vi a Dieta do Palhaço e também esse da Obsolescência Programada! Mas fiquei curiosa pra ver esse do jeito Google de trabalhar, que interessante. Amei saber dos documentários, gosto bastante de assistir de vez em quando *-*


    Beijos
    Brilho de Aluguel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que alegria por saber que já tinha navegado nas reflexões de alguns super bacanas, Thay! E mais ainda por saber que pôde conhecer novos meios críticos e reflexivos através dos indicados. Espero demais que possa ter feito releituras aprofundadas dos que já conhecia, interligando com as análises dos novos, viu? São meios deliciosos para abrirmos mais os olhos, às vezes até para detalhes que por acharmos "batidos demais", poderíamos até desvalorizar no cotidiano, sendo de tamanha importância, não é? Tomara que cada um faça seu papel para abrir alas para mais das suas inspirações e análises próprias, viu? Um super beijo!

      Excluir
  5. Assisti a História das coisas pra fazer um trabalho da faculdade! Fiquei super curiosa pelo Não há amanhã, já até coloquei na lista de reprodução!
    Ótima seleção de documentários. bjuxx
    www.taayvargas.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba! Que alegria imensa por ler isso e saber que já navegou em um super bacana dos indicados, Tay. Qual o curso que você faz? Espero demais que o Não Há Amanhã e diversos outros possam abrir alas para mais das suas visões críticas (históricas e atuais em mesclagem), pessoais e sociais, empurrando novas portas para inspirações diversas, viu? Um super beijo!

      Excluir
  6. De todos, só conhecia a História das Coisas. Você e suas dicas incríveis. Cada visita no Sem Quase deixa minha listinha de coisas para ver um pouquinho maior ;) Beijos!
    Blog Vintee5 | Canal Vintee5

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Lu, como é maravilhoso ler cada palavra sua! Obrigada por trazer ainda mais sentido para este nosso cantinho! É uma delícia saber que cada emissão de detalhes para que possamos refletir de mãos dadas, alcançam sua mente e coração. Esse é todo o propósito de cada minúcia aqui abordada. Obrigada por esta alegria! Espero demais que cada obra eleve as suas inspirações diversas e meios argumentativos/críticos, viu? Um super beijo!

      Excluir
  7. Gostei, vou assistir
    http://www.charme-se.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba! Como é maravilhoso ler isso, Si! Espero demais que cada obra possa abrir alas para aguçar diversas das suas reflexões, inspirações e afins, viu? Incluindo muitos meios para descobertas incessantes após. Um super beijo!

      Excluir
  8. Já assisti alguns destes documentários e são incríveis!
    Adorei seu post, parabéns!

    www.raposalaraja.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Fe, são meios que, apesar de muito nos entristecerem ou até chocarem, nos permitem ter "choques" que, no fundo, já existiam em nossas consciências, nos fazendo reparar o quanto de detalhes críticos podemos e devemos acordar melhor no nosso cotidiano, não é? É uma delícia pensar nas melhorias que podemos ter através das análises aprofundadas de cada uma dessas obras, incluindo as mais leves, aprofundadas e até com tons metafóricos, que nos levam a enlaces com todas as outras. É uma maravilha saber que já mergulhou assim em diversos dos documentários, e espero demais que possa os aprofundar em releituras, abrindo alas criativas. Um super beijo!

      Excluir
  9. Adorei as dicas e já fiquei bem curiosa pra ver Mulheres Invisíveis e A Educação Proibida. São temas que me interessam bastante, sabe? De todos que você citou já vi três: A Dieta do Palhaço (que achei assustador e me fez gostar mais de comida saudável), A História das Coisas (as pessoas realmente deveriam saber mais sobre a cadeia de produção) e Lixo Extraordinário (meu documentário favorito da vida, admiro muito o Vik Muniz e o Tião).
    Beijos!

    PS: Indiquei um post seu lá no blog <3

    claramenteinsana.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Du! Ai, é tão maravilhoso saber que já havia mergulhado em diversas das obras com reflexões tão variadas (e que podem ganhar enlaces incríveis de bons pontos de melhorias uns pros outros). Adorei saber que Lixo Extraordinário é seu favoritão! Acho que você pode adorar também Ilha das Flores. Espero que através dos novos indicados, possa mesclar fatores reflexivos de cada um, fazendo releituras proveitosas, viu? As temáticas de Mulheres Invisíveis e A Educação Proibida são duas que, infelizmente, em meio a tantos debates, acabam, por vezes, parecendo não tão importantes para alguns (e são fundamentais!). É sempre incrível poder discutir mais, e de formas originais, com fatos e teses frescas, nos lembrando que sempre há mais o que captar, sentir e fazer, não é? Espero que possa ter portas abertas para muitas novas descobertas e inspirações através de cada um dos indicados, viu? Um super beijo! Ah, e vou visitar seu cantinho com gosto. Obrigada pelo carinho tão lindo!

      Excluir
  10. A história das coisas e a dieta do palhaço eu já assisti, achei os dois documentários bem interessantes, me fizeram pensar bastante.
    Sobre os outros, tem alguns que me chamaram bastante atenção, preciso pegar um tempinho pra assistir.
    Muito bom e completo seu post, parabéns !
    Beijos,
    #fiquerosa

    Fique Rosa | Meu Canal YT

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba! Fico imensamente alegre por saber que já mergulhou em reflexões e análises intensas com algumas das obras e espero que os novos para você possam ter impactos que engrandeçam cada crítica já pensada, trazendo mais delas, viu? Obrigada por compartilhar suas sensações e visões, dando mais sentido ao nosso cantinho. Espero ver mais de você por aqui! Um super beijo!

      Excluir
  11. Que post incrível!!!
    Eu gosto de mais de assistir documentários e ver um post listando vários me deixou muito empolgada! Acabei de assistir o documentário do google e já salvei o link nos favoritos pra acessar de novo e assistir os outros.
    Um beijo!

    www.impulsofeminino.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Thai, que delícia ler cada pedacinho dessas suas palavras! É tão maravilhoso sentir a sua empolgação por refletir, navegar em meios críticos com cargas de realidades que, mesmo das mais antigas, nos abrem visões atuais... Espero demais que cada obra possa servir de portas para muitas descobertas incessantes e novos meios de inspirações, viu? A história do Google é daquelas que podemos encaixar nas nossas vidas pessoais e profissionais como forma não só de motivação, mas de vários alertas do que podemos prevenir também, não é? Um super beijo!

      Excluir
  12. Salvei este post nos favoritos porque quero ver todos que não vi ainda, da lista eu já conhecia alguns como O Jeito Google de trabalhar, a Dieta do Palhaço e Muito Além do Peso. Todos excelentes na proposta, na mensagem e na produção ♥

    Um beijo,
    Quase Mineira | FB do blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que alegria imensa por ler as suas visões, Ste! É sempre maravilhoso receber as suas palavras por aqui, viu? Muito obrigada por compartilhar suas sensações! O da Dieta do Palhaço nos dá aquele "choque do que já sabemos", mas é sempre super válido e com detalhamentos curiosos, não é? E o O do Google, como falei para a Thai, acima, é daqueles que podemos encaixar nas nossas vidas pessoais e profissionais como forma não só de motivação, mas de vários alertas do que podemos prevenir também, não é? As inovações deles nos formatos de produção são repletas de "abrir de olhos" para todos. Espero que os novos também possam emitir linhas que se entrelacem e carreguem diversas descobertas de meios críticos que abram as suas inspirações, viu? Um super beijo!

      Excluir
  13. Não vi todos, mas aqueles que deram tempo de ver achei muito interessantes, parabéns pelo lindo artigo. Beijos.
    http://www.cinderelaelegante.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba! Que alegria por saber que pôde mergulhar em diversos meios reflexivos e críticos. Espero demais que possa conferir os outros depois e que cada um abra alas para mais das suas descobertas e inspirações, viu? Obrigada pelo carinho tão lindo e espero também ver mais de você por aqui. Um super beijo!

      Excluir
  14. Tantas indicações maravilhosas, já deixei seu post separado para assistir mais tarde alguns vídeos!
    Eu simplesmente adoro "A História das Coisas", sempre que posso indico! Assisti pela primeira vez no cursinho pré-vestibular e abriu meus olhos para como somos "manipulados" a comprar as coisas e como TUDO tem um prazo de validade. Até algo que gosto tanto, como moda! Foi chocante.
    E assisti Super Size Me durante a escola, é chocante também o que a fast-food causa no nosso corpo! Mesmo assim, continua comendo por lá, acredito que a palavra certa seja moderação! Não vou deixar de comer as coisas pq fazem mal (até pq eu AMO McDonalds), mas devem ser equilibradas com o que faz bem pro nosso corpo e mente! :)

    Um beijo! ♥
    www.daniquedisse.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dani, como é sempre maravilhoso ler cada pedacinho das suas visões e sensações por aqui! Ai, sempre. Também assisti o Super Size Me na escola, creio que quando tinha 13 anos, e concordo plenamente, viu? Não significa o abandono de algo, até porque tudo tem seus pontos negativos e positivos, nos abre os olhos para a noção da cautela, para que possamos buscar uma balança em que o que sabemos ser mais positivo, fique em maior peso, apenas. Buscar um nutricionista, por exemplo, é uma saída maravilhosa para ver como equilibrar, e não exatamente retirar aquelas "besteirinhas que adoramos" do cardápio, não é? E acho "A História das Coisas" um choque de realidade incrível, que nos faz, inclusive, observar muita coisa que já sabíamos, mas pouco incluirmos em discussões. Acho que você vai adorar o documentário A História Secreta da Obsolescência Planeada! E espero que cada um abra alas para mais da suas descobertas, críticas e inspirações, viu? Um super beijo!

      Excluir
  15. Puxa, quantos!!! Desses já assisti Supersize me (é até meio assustador), A historia das coisas (gosto, mas acho meio "forçado"), Eu Maior (maravilhoso!) e Lixo Extraordinário (ótimo tambem). Terraqueos eu ainda não tenho esômago pra ver (vi só A Carne é fraca, é sobre a mesma coisa, não recomendo ._.). Fiquei querendo ver A Educação Proibida!!
    boa semana :)

    Red Behavior

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Du! Que alegria receber as suas visões firmes por aqui! Obrigada por compartilhar cada pedacinho das suas palavras, viu? E sou louca pelo Eu Maior também! E não consegui MESMO terminar Terráqueos, chorei rios e não aguentei, apesar de não poder deixar de fora da lista, como citei na descrição. Espero demais que cada um dos que ainda não viu possam abrir portas para mais descobertas que mesclem com as que já teve nos outros em reflexões, viu? E que abram mais das suas alas de inspirações. Um super beijo!

      Excluir
  16. Respostas
    1. Oba! Que alegria por ler isso, Ka. Espero demais que cada um possa abrir alas para muitos dos seus meios críticos, de descobertas incessantes a mais e para mais das suas inspirações, viu? Um super beijo!

      Excluir
  17. Cara, tive que ver "O Jeito Google de Trabalhar" completo. Cara esse post foi genial, já salvei vários para ver depois, porque estou cando de sono. Mas sério Van, animal.

    Beijos, Love is Colorful

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bá, as mensagens super bacanas do documentário e da história do Google como um todo (como descrevi um pouquinho no que citei sobre o vídeo) são mesmo a sua cara! Suas linhas motivacionais, inovadoras e que toma riscos se incluem de formas ideais e espero que a temática possa ter aberto alas para mais das suas inspirações, para mais meios de alertas (do que pode ser prevenido) e para muitos meios mais críticos. Tomara que os outros possam também ter esses papéis e abrir novas portas reflexivas para você, viu? E obrigada por esse carinho maravilhoso, por mergulhar em cada reflexão aqui emitida e por sempre emitir suas sensações sobre. É uma delícia cada pedacinho das suas animações e visões sendo aqui compartilhados, viu? Obrigada por dar mais sentido ao nosso cantinho! Um super beijo!

      Excluir
  18. Olha, fazia bastante tempo que eu não lia um post tão interessante como esse seu. Salvei até aqui nos meus favoritos pra eu lembrar de assistir com meu namorado. Era justamente de indicações assim que eu precisava. Adorei *o*
    Parabéns pelo blog, é muito rico e cheio de conteúdo. ;)
    Valeu a pena esperar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jé! Que delícia ler cada pedacinho dessas suas palavras! Obrigada por esse carinho tão maravilhoso de ler, sentir e retribuir. Obrigada por alargar os sentidos deste nosso cantinho! Tudo aqui emitido é para que possamos refletir de mãos dadas, ter mais meios de inspirações, criatividades e autoconhecimento, de aprofundar sentimentos e visões. E é maravilhoso saber que está mergulhando em cada uma das dessas linhas em conjunto. Espero demais ver diversas das suas opiniões ainda por aqui, viu? E que cada uma dessas obras possam abrir alas para que você e seu namorado reflitam juntos, critiquem sem linhas de chegadas totais (sempre indo além) e encontrem mais de si. Um super beijo!

      Excluir
  19. excelente dicas. Eu já assisti a maioria e acho documentários uma forma ótima de aprender coisas novas.

    vou te indicar um que assisti há 2 anos e fez eu repensar toda minha vida "vanishing of the bees", é sobre como a falta de abelhas pode impactar todo nosso mundo. é estranho pensar q uma coisa tão pequena e simples está intimamente ligada com a nossa sobrevivência. foi a porta de entrada para reflexões profundas.

    excelente post! obrigada por compartilhar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Jess, que delícia de comentário! Obrigada a você, por trazer mais sentido para este nosso cantinho, por acrescer indicações reflexivas, por aprofundar as visões em compartilhamentos. Obrigada! Super vou conferir o documentário que citou, viu? Parece ser incrível e deixar analogias imensamente fundamentais para reflexões mais amplas. Espero que cada detalhe citado sobre e emitido em cada um dos documentários possa ter aberto alas para releituras aprofundadas e novidades variadas para você, viu? Um super beijo!

      Excluir
  20. Tá na listinha pra assistir todos esse fim de semana \o/

    anadesignn.wix.com/portfolio
    https://www.colab55.com/@anabanana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana! Antes de qualquer coisa nesta vida: Você é artista no Colab55, ai, socorro, alegria demais! Adoro esse site lindão, com propósito maravilhoso! Sim, estou dando crise de felicidade aqui. E adorei saber do seu mergulho perante cada reflexão emitida! Espero que possa ter sido inspirada e que suas visões críticas possam ter ganhado excelentes alastros, viu? E espero ver mais de você por aqui! Um super beijo!

      Excluir
  21. eu fui descobrir muuito recentemente que adoro documentarios (quando vi making a murderer) e ja quero ver essa lista toda praticamente! essa da duração das coisas já tinha lido um pouco sobre, que as coisas já vem pre-programadas para o fim :~ e do Google, quanto mais leio/vejo sobre mais curto! beeeijo :*** Ja fomos legais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lo, você acredita que ainda não vi Making a Murderer? Preciso, apenas preciso, conferir! E vou. Você trouxe um impulso a mais para isso agora, rs. Obrigada! Espero demais que cada indicado e detalhes de somas escritos sobre, possam ter aberto incríveis alas para as suas inspirações diversas, reflexões e argumentos críticos a mais, viu? Um super beijo!

      Excluir
  22. Eu não curto muito documentários, mas teve um que eu gostei bastante foi o da Ellen Page, mas especificamente o episodio que ela fez aqui no Brasil, muito bonito e mostrou o que os LGBT sofrem.

    Dany Guimarães| Legalmeente Ruiva | Legenda da Trindade
    www.legalmeenteruiva.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba! Uma indicação maravilhosa a mais! Muito obrigada por compartilhar esse achado por aqui, Dany! Super vou procurar para conferir, viu? Deve ter reflexões que cabem em incríveis aprofundamentos sobre preconceitos diversos. Espero que possa ter mergulhado em alguns dos indicados, de qualquer maneira, porque são super válidos e cada um é feito de uma maneira diferenciada, além das temáticas bem diversas. Um super beijo!

      Excluir
  23. Assisti terráqueos há alguns anos e fiquei muito chocada e sensibilizada. Agora vou assistir O Jeito Google de Trabalhar. Adorei as dicas.
    Beijos
    BlogCarolNM
    FanPage

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda não consegui ver Terráqueos até o final, dói demais. Mas é super fundamental o compartilhamento da noção de que essas atrocidades existem para que possamos pensar em soluções diversas e na necessidade de discutir sobre essas temáticas "abafadas" no nosso cotidiano, não é, Ca? Espero demais que os outros tantos possam ter aberto alas para mais das suas reflexões diversas, viu? Um super beijo!

      Excluir
  24. Amo documentário mas estou em falta com eles.
    Vou salvar esse post para ir assistindo aos poucos.
    Obrigada por compartilhar.

    beijos!
    www.jeniffergeraldine.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba! Que delícia ler isso, Je. Por saber que pôde conhecer novos meios críticos e inspiradores para que tomemos novas atitudes. Espero demais que possa mergulhar nos diversos, ainda que aos poucos, e ir fazendo as conexões das variadas temáticas e reflexões que podem abrir alas para tantas outras, viu? Obrigada a você por agregar ainda maior sentido ao nosso cantinho com o compartilhamento das suas visões e sensações. Um super beijo!

      Excluir
  25. Desses, eu já tinha ouvido falar de Super Size Me e de Terráqueos. Super Size Me quero muito assistir. Terráqueos eu prefiro nem ver, morro de dó de animais e sempre tento fazer coisas para ajudá-los (sou vegetariana há anos, tenho pets adotados - 4 gatos e um porco -, ajudo a cuidar de animais de rua, e ultimamente tenho feito muitas refeições veganas), então acho que não ia conseguir ver. Mas obviamente é um vídeo que tem sua importância na conscientização das pessoas para o sofrimento que o ser humano causa aos animais.
    Já favoritei o post pra assistir depois, são temas muito interessantes!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Anne, eu também não consegui até hoje finalizar Terráqueos, acredita? Tento ir vendo aos poucos, mas sempre dói demais observar as barbáries, que inclusive nos levam a pensar em tantas outras que ocorrem em "pequenos" atos do nosso cotidiano, de ser humano para ser humano também, não é? Mas é tão maravilhoso observar pessoas como você, uma delícia saber que tem tantos seres incríveis por perto, recebendo seu amor e conscientização alastrada! Que assim sempre prossiga. Espero que os outros tantos documentários indicados possam abrir alas para reflexões críticas diversas e análises aprofundadas em que um vídeo possa agregar acréscimos para o outro em tantos pontos, viu? Um super beijo!

      Excluir
  26. Documentários sempre nos trazem uma ótica mais real das coisas, né? Embora nem todos sejam o tipo de conteúdo que gosto de me aprofundar, alguns me interessaram MUITO! e adorei a lista porque ás vezes me dá vontade de assistir algo mais do que um filme. A dieta do palhaço foi o primeiro documentário que digamos, marcou minha vida. A história das coisas eu vivo adiando, mas vou salvar esse post. - Utilidade pública! Bj, Blog B de Bia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Bi, que delícia de ler cada pedacinho dessas suas palavras! É uma maneira deleitosa para que possamos mesclar reflexões críticas e impactantes perante o nosso cotidiano, com mais proximidade e, o mais bacana, é pegar as teses de um documentário e somar em outro, ainda que a temática pareça "distante", porque reparamos o quanto uma base crítica de um serve para muito além do "tema principal" que aborda. Espero demais que possa refletir assim com diversos dos indicados, viu? Um super beijo!

      Excluir

Obrigada por chegar até aqui para deixar a sua opinião. É fundamental para mim. O que dá sentido com ratificação para cada reflexão entre análises, dicas, informações e sentimentos aqui escritos são essas nossas trocas evolutivas de sensações e pitacos.

Não esqueça de clicar em "notifique-me" abaixo do seu comentário para receber por e-mail a resposta dada.

Posts Recentes Mais Posts

TRANSBORDOU NESTES?

Direitos Autorais

Todos os escritos aqui postados são de autoria da escritora, poetisa, compositora e blogueira Vanessa Brunt. As crônicas, frases, poesias, análises e os demais diversos escritos, totais ou em fragmentos, podem ser compartilhados em quaisquer locais e sites (quando não para fins lucrativos: criação de produtos para vendas, entre outros), contanto que haja o devido direcionamento dos direitos autorais. Ademais, as imagens utilizadas no blog para as postagens não são, em sua maioria, feitas pela autora. Portanto, para qualquer problema envolvendo os créditos das fotos, basta entrar em contato e o caso será resolvido prontamente.