O QUE ASSISTIR NOS CINEMAS EM MARÇO

terça-feira, março 01, 2016


Aqui estou, com as bochechas ainda inchadas da retirada dos sisos, mas muito alegre por ler cada mensagem linda enviada por vocês. Obrigada por tanto carinho maravilhoso e por essas trocas reflexivas incríveis que dão real sentido a tudo aqui partilhado para nossa evolução crítica. E, como prometido, vamos voltando agora para a nossa programação normal, enquanto vou voltando para minhas bochechas normais também! A maneira mais bacana para iniciarmos o mês e este retorno é falando de novas obras do cinema, concordam? Então, é só conferir abaixo o que cada filme do mês nos promete de forma primordial em suas reflexões. Ah, e uma observação: a trama "A Senhora da Van", que já foi citada aqui, mudou a data de lançamento no país para o dia 10 de março.março.

  • A Vingança Está na Moda


Trailer legendado ainda não disponível. Confesso que quando li o título do filme, fiquei um pouco desgostosa, achei o trocadilho fraco e sem vigor, mas fui procurar o nome original da obra (The Dressmaker = A Costureira), a sinopse completa e o trailer para observar do que realmente a trama tratava, e não é daqueles tipos de vinganças em que se perde os próprios princípios, em que comete o que cometeram de ruim apenas para "dar o troco", ficando, no final, sem centavos e sem liberdade. Não é do tipo que nos diminui no fim das contas, nos torna a cara do agressor, nos mata em vida depois de apontar uma arma só porque enfiaram um espinho da nossa clavícula. O que mais faz valer a lágrima de um criminoso, é quando a vítima comprova firmeza em seus valores, podendo usar deles, inclusive, como provas de que merecia melhor. A estória gira em torno de uma filha pródiga (Kate Winslet) que retorna à sua pequena cidade na Austrália rural para cuidar da mãe doente, depois de ser julgada em sua cidade natal por um ato não feito com intenções e de viajar o mundo colhendo experiências, conhecimento e autoconhecimento. Seguir em frente é a melhor "vingança", e foi isso o que ela fez. A palavra deve ficar entre aspas, porque assim é que ela é correta. A protagonista, ao voltar, começa a "transformar" as mulheres da cidade com suas habilidades de costura (não as induzindo a um certo padrão, mas abrindo os olhos das tais para outras possibilidades de como entender e encontrar a si), porém boatos de que ela assassinou um jovem rapaz, quando tinha 10 anos, continuam a prejudicar sua convivência com os moradores do local. Com sua máquina de costura e estilo haute couture, ela demanda a doce "vingança" de quem não acreditou em seus feitos, não rebaixando outros e maltratando alheios, mas apenas alastrando sua contribuição social com seu próprio talento. Crescendo com o que pode fazer de melhor. O vitorioso é aquele que caminha plantando e não o que caminha cortando as árvores das plantações paralelas. A obra promete diversas lições como essa, de formas aprofundadas e com tons leves simultaneamente, nos fazendo refletir ainda sobre preconceitos, sobre o quanto uma vingança "de mesma moeda" não tem valor e sobre distorções por falácias e suas consequências. As pessoas da pequena cidade representam a nossa sociedade mundial e diversas linhas tortuosas que devemos aprender a reformular. Apesar de aparentar ser do tipo de filme bem previsível, o desenrolar nos deixa as juras das suas valias. Roteiro: P. J. Hogan. Lançamento: 17 de março.


  • A Série Divergente: Convergente


Uma obra sobre o quanto ninguém deve ser rotulado por apenas um ângulo de si, que, apesar, nos lembra que nossa profissão deve ter conexão com nossa vida pessoal (gostos e talentos), mas que não precisa ter enfoque em somente uma área inclusa na temática. Uma trama que relembra que a ganância é a mãe da inveja. Uma trama que ratifica que estamos sozinhos para estarmos juntos. Uma trama com lições de liderança, de empreendedorismo, de entrelinhas interessantes a serem discutidas. Uma saga que vai chegando ao seu desfecho (sua penúltima parte) com a promessa de uma carga forte de demais reflexões. Após a mensagem de Edith Prior ser revelada, Tris (Shailene Woodley), Quatro (Theo James), Caleb (Ansel Elgort), Peter (Miles Teller), Christina (Zoë Kravitz) e Tori (Maggie Q) deixam Chicago para descobrir o que há além da cerca. Ao chegarem lá, é comprovada a existência de uma nova sociedade e as dúvidas sobre as reais intenções desse mundo paralelo passam a pairar, nos fazendo indagar sobre o quanto vivemos assim cotidianamente, uns prendendo os outros em testes de entretenimento, plantando mais desconfiança para "conseguir confiança", e acabando de mãos vazias ou com sangue alheio. Roteiro: Noah Oppenheim; Bill Collage; Stephen Chbosky e Adam Cooper. Lançamento: 10 de março.


  • Tudo Que Amamos Profundamente


O trailer com legenda ainda não está disponível. Chalie (Brett Stewart) é um ex-mágico itinerante que assiste a seu casamento com Angela (Sia Trokenheim) ser destruído por conta de uma perda incomparável. Ela decide partir por um tempo, para lidar com a dor sozinha. Porém, quando volta, ainda com sua carga depressiva, Charlie não está mais sozinho. Um menino de cinco anos, Tommy (Ben Clarkson), surge na vida do casal, que parece ter, mais uma vez, a chance de reconstruir suas vidas. Mas o que existe por trás do aparecimento de Tommy pode ser o resultado de um ato desprezível, que faz o casal discutir sobre o que é certo e errado. Ao ser indagado sobre como chegou ao argumento de "Tudo que Amamos Profundamente", o roteirista afirmou: "Sempre me interessou entender como pessoas consideradas boas podem tomar decisões asquerosas: o casal do filme tem um coração generoso e, ainda assim, faz algo terrível. Mas existe algum ponto disso que os faz pensar que estão salvando algo além de si e não apenas cometendo uma irracionalidade? A ideia surgiu quando estava na academia e ouvi algumas pessoas conversando, de forma banal, sobre um crime que havia acontecido nos Estados Unidos". O diretor neozelandês Max Currie faz o aprofundado exercício de enxergar além da caixa. E assim entrega um filme que nos jura uma delicadeza pesada e que deixa a promessa de gerar conversas de horas e horas entre inúmeros profissionais da área de psicologia, direitos humanos, judiciais, mães, filhos e qualquer ser adentrado em áreas profissionais e pessoais. Inegavelmente, a obra está disposta a invadir o caminho da natureza humana e seus entrelaces de razão e emoção. Quem tem propriedade para julgar o egoísmo, ou pecado, ou ato inconsequente quando algo está sendo feito sem desrespeitar aqueles para os quais jurou lealdade? Um amor, profundo, mede seus atos e suas consequências? Cabe (ou é possível) confrontar o lado emocional contra o racional (e vice-versa)? E a compaixão, em algum momento deve ser considerada de alguma forma? O respeito deve existir para todos os lados e para todas as pessoas, só isso as liberta, mas quando a situação é mais complexa, envolvendo a tentativa de salvação de atos desrespeitosos através de outro tanto quanto, essa seria a melhor saída? Claramente, na teoria o correto é não abraçar o que não gostaria que com você fosse feito. A trama vem para nos fazer refletir sobre consequências de atos assim, sobre a necessidade de uma amizade firme em um relacionamento, de uma parceria forte que suporte traumas com as mãos dadas e sobre o real sentido de liberdade através dos erros cometidos pelo casal. A melhor saída é sempre a que nos faz procurar a chave, e não forçar uma qualquer na fechadura. Roteiro: Max Currie. Lançamento: março de 2016 (data ainda a ser divulgada, será informada aqui assim que houver confirmações).

  • Um Homem Entre Gigantes


O longa-metragem é baseado em uma história real, onde Will Smith vive o Dr. Bennet Omalu, neuropatologista forense que descobriu a Encefalopatia Traumática Crônica, uma doença que desgasta o cérebro, resultado de golpes repetitivos na cabeça. Determinado a reverter o quadro e expôr para o mundo a grave situação, ele trava uma guerra contra a poderosa NFL. Ele não vai desistir enquanto não alcançar o seu objetivo, que é fazer a NFL reconhecer o problema e assim não matar mais jogadores e não destruir mais famílias. Mas a organização entrará com todas as forças que tem para acabar com o médico em detrimento do que eles chamam de "magia" para o povo americano (entretenimento, dinheiro!). Bennet vai enfrentar pressões de diversos âmbitos, da política, dos próprios americanos e até dos profissionais de medicina. Estamos diante de uma grande caminhada de decepção de um homem contra o país em que vive. A história de um homem com paixão pelo que faz e acredita, além de querer tornar o mundo a sua volta um lugar melhor. O drama vivido por todos no filme, no entanto, vai além do que apenas uma biografia que contém mensagens de perseverança, autoconhecimento e liderança, mas agrega ainda críticas relacionadas a fatores que permanecem na nossa atualidade com apenas outras formas de apresentação. A "guerra" da obra pode ser vista como a representação de uma luta que todos os cidadãos deveriam travar contra os sistemas corruptos, contra os becos capitalistas que ferem ética e moral, mas que vivem sendo alimentados, principalmente, pelo próprio povo ferido! Críticas feitas também, de forma metaforicamente maravilhosa, pelo filme Jogos Vorazes, como citei aqui. A questão do entretenimento ficar acima, em diversos momentos, de quesitos sérios, de problemas sociais que passam a ser considerados "comuns" e perdem atenção e discussão, é um ponto que deve ser puxado da obra como forma reflexiva. A trama é um 
dedo nas feridas globais, assim como Spotlight, que faturou o maior prêmio da academia, o Oscar de Melhor filme. Roteiro: Peter Landesman. Lançamento: 3 de março.


  • Batman vs Superman: A Origem da Justiça


Já havia falado sobre esse filme na lista de 8 filmes que vão lançar neste anoe que não aguento mais esperar: Após os eventos de O Homem de Aço, Superman (Henry Cavill) divide a opinião da população mundial. Enquanto muitos contam com ele como herói, vários outros não concordam com sua permanência no planeta. Bruce Wayne (Ben Affleck) está do lado dos inimigos de Clark Kent, por não confiar nele, acreditando que pode ser uma ameaça para a raça humana, e decide usar sua força de Batman para enfrentá-lo. Enquanto os dois brigam, porém, uma nova ameaça ganha força. Essa é a sinopse de base da obra. Disputa de poderes que acabam refletindo em sérias consequências quando não visam sentimentos à parte e reflexões sobre o medo do novo, tal qual faz com que a sociedade deseje expulsar o pouco conhecido ao invés de tentar o desvendar, o estudo, a compreensão, que é como ganharíamos mais, principalmente pela evolução (e isso é cabível para qualquer caso humano). Esses são alguns dos pontos reflexivos que já podemos imaginar como abordados. Adoro o Batman, por passar a mensagem, dentre tantos os super-heróis, que a mente é o nosso maior poder, contanto que saibamos aproveitar dos recursos que temos para firmar um legado. A maior reflexão é retirada de quem vence essa disputa! Roteiro: Chris Terrio e David S. Goyer. Lançamento: 24 de março.


  • Mogli  O Menino Lobo 


Quem não lembra do filme da Disney? Assisti quando era muito pequena e não me recordo muito das lições da obra e dos seus detalhamentos, o que é super bacana, porque assim o filme vai poder surpreender. Adoro ver filmes infantis que tem suas cargas de mensagens a serem aprofundadas de diversas maneiras, como ocorre com maestria em Divertida Mente. Nesse filme, de Mogli, tudo se passa através de uma aventura épica inédita sobre um menino criado por uma família de lobos. Mas Mogli sente que não é mais bem-vindo na floresta quando o temido tigre Shere Khan (voz de Idris Elba), que carrega cicatrizes causadas por caçadores, promete eliminar o que ele considera uma ameaça. Cada um desses personagens podem ser vistos como fortes representações humanas, como o tigre traumatizado pelo que o homem é capaz de fazer, inclusive um com o outro. Forçado a abandonar o único lar que conhece, Mogli embarca em uma cativante jornada de autoconhecimento, guiado pelo seu amigo pantera bagheera (ben kinsgley ) e pelo alegre urso Baloo (voz de Bill Murray). Pelo caminho, Mogli encontra criaturas da selva que não são exatamente bondosas, incluindo Kaa (voz de Scarlett Johannsson), uma cobra cuja voz sedutora e olhar penetrante hipnotizam o menino-lobo, e Rei Loiue (voz de Christopher Walken), o nobre de fala mansa que tenta convencer Mogli a contar o segredo da ilusória flor vermelha mortal: o fogo. Um filme que nos deixa a ideia de mensagens não só sobre amizade, mas de reflexões em que possamos enxergar a floresta como o nosso mundo por completo, e o menino como o bom caráter que nós mesmos vamos corrompendo de certas maneiras com hábitos terríveis de competição adquirida, inclusive, como meio de defesa de um para com o outro. Defesa essa, causada pelo temor. Temor esse, causado por como temos conduzido as diferenças sociais e as lutas adormecidas. Roteiro: Floyd Norman. Lançamento: 14 de abril.


  • Invasão a Londres


Invasão a Londres é continuação de Invasão a Casa Branca. A sequência colocará a trama na capital inglesa, onde ocorre um novo atentado durante o funeral do primeiro-ministro britânico. Com a morte misteriosa do primeiro-ministro britânico, a presença dos líderes mundiais no seu funeral é indispensável, tornando o evento uma ótima oportunidade para destruir grandes monumentos e assassinar os governantes mundiais. É o que acontece, mas, com sorte e a ajuda de Mike Banning (Gerard Butler), o presidente dos EUA, Benjamin Asher (Aaron Eckhart), consegue escapar. Responsável pelo ataque, um dos terroristas mais procurados do mundo não se dá por vencido e, enquanto Benjamin luta pela sobrevivência, o vice-presidente Trumbull (Morgan Freeman) se esforça para derrotar o criminoso. As apresentações do longa nos deixam com a ideia de que as reflexões maiores virão através da força interna e perspicácia do Mike (e da equipe por trás do suporte, trazendo ainda lições de trabalho em conjunto e do quanto não conseguimos nada grandioso totalmente sozinhos!), além da preocupação com um legado vindo do presidente. Roteiro: Creighton Rothenberger e Katrin Benedikt. Lançamento: 10 de março.

  • Conspiração e Poder


Baseado em fatos reais, Conspiração e Poder retrata a história da produtora da CBS, Mary Papes (Cate Blanchett), juntamente com o âncora Dan Rather (Robert Redford), que suspeitam de que o presidente George W. Bush foi um dos muitos jovens privilegiados que usou os seus contatos para não combater na Guerra do Vietnã. Armando uma exposição, os dois pretendem levar a história ao ar, mas o fato só começa uma guerra entre o poder constituído na tentativa de tirar o crédito das informações, o que abala o emprego dos dois contratados da CBS, quase altera as eleições e quase leva toda a CBS News abaixo. Fica óbvio o fato de que mensagens aprofundadas sobre corrupção e sobre uma boa apuração jornalística estarão permeando toda a obra! Apuração essa, que de forma diferenciada ou não, qualquer pessoa deveria se estimular sobre fazer. Nas entrelinhas, entramos ainda na vida pessoal da pressão girando em torno de uma produtora e para saber quais reflexões a mais teremos, só assistindo, já que o trailer e demais informativos não nos passam muitas brechas para apontar as possíveis principais vertentes das lições. 
O filme é baseado nos fatos narrados no livro "Truth and Duty: The Press, the President, and the Privilege of Power", de Mary Mapes. A trama recebeu críticas extremamente positivas nos USA e promete nos surpreender indo muito além do que apenas apontamentos políticos de um caso à parte, mas adentrando em quesitos encaixáveis em quaisquer críticas politico-sociais. Roteiro: James Vanderbilt. Lançamento: 24 de março.


  • A Linguagem do Coração


Baseado em uma história real do final do século XIX, "A Linguagem do Coração" é um filme sobre Marie Heurtin (Ariana Rivoire), uma menina de 14 anos que nasceu cega e surda e que, por isso, não consegue se comunicar com o mundo ao seu redor. Sem conseguir mais lidar com o comportamento violento da filha, o pai de Marie a leva a um médico que o aconselha a interná-la num asilo, mas ele a leva ao Instituto Larnay para meninas surdas, onde a menina conhece a irmã Marguerite (Isabelle Carré), uma jovem freira que a adota como filha. Mesmo com um grave problema de saúde, irmã Marguerite luta incansavelmente para tirar Marie de seu universo particular de solidão, silêncio e escuridão. Jean-Pierre Améris, conhecido por "Românticos Anônimos" (2010), repete pela segunda vez a parceria no roteiro com Philippe Blasband e como diretor com a atriz Isabelle Carré depois de quatro anos. Em "Marie Heurtin" (no original), o cineasta explora a relação maternal desenvolvida entre Marie e Marguerite com enorme sensibilidade, assim como a melhora progressiva e a evolução constante da garota. A irmã Marguerite foi a única pessoa a acreditar que Marie poderia aprender a se comunicar com outras pessoas e ter uma vida normal, apesar do ceticismo das outras freiras e internas do Instituto Larnay. Marie é um daqueles casos complicados, considerados perdidos até que alguém lhes dá uma chance de redenção, com a diferença de que ela nunca fez nada de errado, apenas nasceu sem ouvir e sem enxergar. Exibido no Festival de Locarno 2014, "A Linguagem do Coração" é uma bonita história de amor entre duas mulheres que tiveram suas almas conectadas como se fossem mãe e filha. Uma narrativa que nos deixa a promessa de ser emocionante, nos levando a diversas mensagens de amizade, persistência, lealdade e autoconhecimento, e com enfoque no ângulo principal que aborda sobre como uma pessoa pode fazer a diferença e mudar completamente a vida de outra se não desistir da evolução mútua, contanto que haja respeito sendo cativado. Roteiro: Jean-Pierre Améris e Philippe Blasband. Lançamento: 17 de março. Outro filme do cinema francês que parece ser bastante intenso e reflexivo e lançará neste mês (dia 3) é o Fique Comigo.

Ademais, teremos ainda nas telonas do mês os filmes "Tudo Vai Ficar Bem" (10 de março),"Especialista Em Crise" (31 de março), "O Amor é Estranho" (12 de março), "Meu Rei" (3 de março), "Apaixonados" (3 de março) "O Presidente" (10 de março).

O filme "Os Últimos na Terra" (que parece ser muito bacana! Estou super curiosa para ver) tem ganhado rumores de que será lançado neste mês, mas ainda não há nenhuma confirmação.


Atenção: As animações "O Menino e o Mundo" (que concorreu ao Oscar 2016 de Melhor Animação) e "Anomalisa" estarão sendo recolocadas em alguns cinemas neste mês: confira se estarão passando na sua região, porque há grandes possibilidades.

E então, qual dos filmes programados para este mês mais chamou a sua atenção? Quais reflexões a mais espera deles? Não deixe de contar nos comentários!


  • Veja os comentários dos leitores (e respostas) desta postagem na versão antiga do blog clicando aqui.

LEIA TAMBÉM:

1 COMENTÁRIOS

Obrigada por chegar até aqui para deixar a sua opinião. É fundamental para mim. O que dá sentido com ratificação para cada reflexão entre análises, dicas, informações e sentimentos aqui escritos são essas nossas trocas evolutivas de sensações e pitacos.

Não esqueça de clicar em "notifique-me" abaixo do seu comentário para receber por e-mail a resposta dada.

Posts Recentes Mais Posts

TRANSBORDOU NESTES?

Direitos Autorais

Todos os escritos aqui postados são de autoria da escritora, poetisa, compositora e blogueira Vanessa Brunt. As crônicas, frases, poesias, análises e os demais diversos escritos, totais ou em fragmentos, podem ser compartilhados em quaisquer locais e sites (quando não para fins lucrativos: criação de produtos para vendas, entre outros), contanto que haja o devido direcionamento dos direitos autorais. Ademais, as imagens utilizadas no blog para as postagens não são, em sua maioria, feitas pela autora. Portanto, para qualquer problema envolvendo os créditos das fotos, basta entrar em contato e o caso será resolvido prontamente.