PLAYLIST + ÚLTIMAS ILUSTRAÇÕES QUE MEXERAM COM O MEU EMOCIONAL

terça-feira, maio 10, 2016


Assim como a minha arte terapêutica é a escrita, a leitura do âmago e dos arredores para diversas mentes e corações são os traços em papel. Ilustrações que tanto dizem, que carregam poesias intensas e podem nos levar a reflexões e identificações que gerem um ciclo de artes infindável, são maravilhosas de encontrar, salvar, reler. Durante a última semana descobri artistas incríveis, desenhos com mensagens fortes e variadas angulações a serem consideradas. Falei também no Snapchat (VanessaBrunt) para vocês, na semana passada, que estava em um "daqueles momentos" em que queria passar dias com as minhas séries, filmes e recompreensões do passado. Estive fazendo as minhas meditações mais implícitas e, para isso, além de escrever (e, antes de escrever), costumo buscar artes que leiam comigo a mim e ao que estou compreendendo e interrogando. Dentre músicas e ilustrações, expurguei mais dos meus desabafos e guardei mais das minhas verdades, e então, uni uma playlist com diversas das canções que mais tenho escutado (prepare-se para muitas antigas!) e dos traços metafóricos e intensos que mexeram com as minhas estruturas internas nos últimos dias. Acho uma delícia olhar e reler cada imagem ouvindo as músicas adiante, então fica a minha indicação para que possam mesclar as duas artes. 
                           
Abaixo temos uma primeira sequência de imagens, sobre as quais vou explicitar alguns quesitos (nas que considerei mais poéticas). Após, chegaremos nas incríveis sensibilidades de um artista que ganhou o meu coração com completude. As ilustrações não estarão em ordem de "favoritas" e as que não tiverem crédito e/ou assinatura, foram encontradas sem indicações de autoria. Você pode ajudar nos acréscimos dessas clarificações apontando nos comentários caso conheça o artista de alguma imagem que não está com a indicação. A figura acima (feita pela Henrietta Harris, na abertura da postagem), será analisada junto com outra de mesmo estilo que está na sequência abaixo. Você pode visualizar a imagem inteira clicando aqui.


Encontrei esse traçado maravilhoso acompanhando um texto em um blog de uma leitora daqui, a Lice. Corri para salvar como se o desenho pudesse ser desfeito e desaparecer bem ali na minha frente, em segundos. A obra mergulhou tanto nos meus cernes que passou a dar a sensação de só poder ser encontrada, de fato, lá dentro, aqui dentro. As ideias carregadas abrangem diversas metáforas sensacionais, mas vamos destrinchar algumas da maior base: As lágrimas coloridas representam as dores, alegrias e diversas emoções que sempre terão seus lados positivos, que sempre deixarão aprendizados a serem revisitados (como ratifico: "Nada nunca sara, porque tudo deve ser relido"), jamais sendo apenas fatores "pretos e brancos", jamais sendo somente "isso e/ou aquilo", mas com brilhos que carregam detalhes a mais sempre implícitos. Observar que algumas cores já estão secas no rosto da garota é uma forma ainda mais firme de enfatizar que as marcas de cada uma daquelas histórias que trouxeram algo à flor da pele, estão ajudando ela a mudar para continuar quem é, a entender mais da própria essência e captar o que faz ou não parte dos seus valores e do que faz mais bem do que mal dentre o que deseja como prioridade. Não adianta ela enxugar, vestígios das cores ali estarão, fora do que somente pareceu ser, mas sendo sempre algo além a ser compreendido e cicatrizado, pronto para ser futucado, em si. É o que faço a cada novo escrito, a cada vírgula que deságuo em letras, por isso, se tornou uma das minhas ilustrações favoritas.


Representação dos nossos mergulhos mais profundos em nós, em tantas casas que já tivemos e/ou temos (relacionamentos) e que sempre serão, de alguma maneira, moradas, partes do que nos tornamos e do que iremos ser. "Nem sempre onde o sol aquece é onde a liberdade anda / Nem sempre onde o sol escurece é onde o perigo anda", é o que já pus em um dos poemas mais simples do "Entre Chaves".  A obra recapitula, para mim, alguns trechos da minha composição favorita ("Clean"): "Quando eu estava me afogando, foi quando eu pude finalmente respirar". Nos momentos em que nos perdemos e nos achamos, saímos do que consideram "a luz" ou do que sabíamos ser uma falsa iluminação para acharmos a nossa própria, é que ficamos sóbrios. Veria essa imagem ouvindo Clean do começo ao final com gosto! Uma das mais cabíveis simbologias.


Tudo pesa quando aglomerado, quando não encaminhado para tentativas que façam jus ao: "Aceite o que não pode mudar. Mude o que não pode aceitar.". Pesam sonhos, pesam palavras não ditas, tudo o que não tentou mudar o jeito de tentar. E, a qualquer momento, o aglomerado vai fazer chover, a nuvem deixará de existir, as chances de transformá-las em algo além do que está na cabeça, vira apenas algo que foge dos nossos passos. Pode parecer um amontoado de clichês, mas quantas nuvens você vem carregando? Já pensou que todas elas acabam juntas? Por que não usá-las, juntas, para fazer sol? O problema no amor, quando conversado, pode ajudar no problema no trabalho que, quando ajustado, pode melhorar o problema do amor, e por aí vai. O que está, deve somar, porque o que faz parte de nós, deve fazer parte do que vai segurar as nossas nuvens. Uma sempre acaba segurando a outra, a questão é se você vai prosseguir com o que faz isso acabar em raios ou em pingos deleitosos. / Estou loucamente atrás do autor dessa ilustração (quem souber, grita nos comentários, por favor!).


Os acontecimentos que deveriam ser os mais chocantes, têm se tornado os mais tratados como "comuns e bestas", como "uma realidade que 'é isso' mesmo e não dá para mudar agora" (pensando assim, quando mudaria?) e os acontecimentos que deveriam ser observados no cotidiano, valorizados, comentados, é que têm virado os mais chocantes. Uma morte torna-se "nada", vira reação do que "acontece todos os dias". Já uma notícia de entretenimento sobre 'quem se separou de quem', vira um baque maior do que o assassinato e/ou as lutas perante desigualdades. Deixando de olhar uns para os outros com respeito (pondo-se no lugar daquele outro ser), deixamos também de olhar os detalhes mais grandiosos da vida. Estamos vivendo em uma escuridão em que, em meio ao bombardeamento de informações e a péssima seleção, em geral, do que alastrar, ninguém nota que um pássaro raro passou bem ao lado ou que a lua estava brilhante ao extremo naquela noite. A crítica na imagem do artista polonês Pawel Kuczynski, surge, claramente, diante da disparidade do que hoje é visto como comum e, consequentemente, ignorado (quando deveria ser eternamente espantoso, porque só assim passaríamos a ir modificando a "realidade" e lembrando que ela é maleável e feita por nós), e o que não é sequer visto, dando "um susto" ao ser emitido de alguma maneira (quando deveria ser valorizado acima de quaisquer rotinas). Simples? "Batido"? Se fosse, a realidade seria menos tratada como algo tão endurecido. O problema todo está em confundir realidade com "algo normal", "que tem que ser assim", só porque já é. Quando algo se torna real, a ponto de virar comum, costuma virar banal. A indústria não-jornalística passa a ser chocante, enquanto fatos espantosos são apenas rotineiros. O que falta no mundo é a dúvida da realidade! É não encarar a realidade como a realidade, mas como um instante que precisa (e vai) ser evoluído para um outro. Ideia de realidade como algo natural deveria ser proibido. A verdade é relativa. A realidade, muito mais. A realidade é uma construção que pode ser baseada em inverdades já claras como tais. O que ocorre agora só acontece porque alguém fez, se é algo repetitivo, acontece porque alguém ou uma massa repetiu: não significa que é a realidade que tem que ser. O que tem que ser nem existe, mas o que pode ser abre portas para qualquer possibilidade. Dizem que "não deveria ser assim, mas é a realidade", como se isso fosse sinônimo de dever entrar em algum comodismo, conformação. Como diz a frase que gosto muito "Se é possível já está feito, se é impossível, vamos fazê-lo". Não desacredite só porque é raro. A raridade é feita por quem a enxerga como o certo, e não como o distante. E a segue. Seriedade e realidade costumam ser confundidas, realidade e correto não costumam ser difundidos, tudo isso em uma errônea ideologia. Quando criticam como incorreto, injusto, algo adentrado na realidade, dizem que é "assim mesmo", por ser e mais nada, mesmo que seja absurdo de aceitar. Realidade só é porque fizemos. E só quando olharmos como "fora do que deveria ser real", como real algo que sempre deve ser evoluído, acrescentado, remodelado... é que deixará de ser. Mas também espero que você ainda se contradiga muito com o "nada dura para sempre", o transformando apenas em "nada continua o mesmo sempre", mas acreditando na duração de uma vida inteira para muitas e muitas coisas (porque é como citei na análise do filme Poder Além da Vida, aqui). Estamos imersos em uma onda de inovações tecnológicas, mas a sociedade continua com diversos problemas enraizados há séculos, só porque, "sim, meu filho, esta é a realidade". Realidade é então o passado, já que não volta. O resto, deveria ser chamado apenas de atualidade e melhorando essas concepções. Porque o problema maior mesmo está em trocar a noção de realidade com negativismo. "Alguém morreu" - "Ah, mas é a realidade". "Alguém foi traído" - "Ah, mas é a realidade". "Aquele filme não teve um final feliz" - "Ah, então é um filme realista". Mas onde está o: "Eles casaram e passaram a vida inteira juntos, navegando nas ondas que a vida trouxe?" - "Ah, mas é a realidade"? Onde está o: "Aqueles amigos morreram sendo amigos, sendo leais um ao outro" - "Sim, é a realidade"? Porque não deixa de ser. Só porque aparece menos nas manchetes ou nos casos mais fofocados, não deixa de fazer parte do possível, do real. E é perdendo esse enfoque que vamos nos permitindo a menos do que merecemos, que vamos deixando nas nossas histórias menos do que poderíamos, que vamos sendo menos por ensinarmos menos para nós e outros. É nesse caminho que deixamos que os traidores saiam como apenas "mais uma consequência da realidade", ao invés de "mais um algo que vai contra os reais valores úteis". Tudo apenas pela ridícula mania de achar que o real não está fora da floresta.


O amor é preto e branco! O amor é "isso ou aquilo", o amor não é meio-termo, o amor vive nos extremos de ser amor ou não ser, de ser provado ou nunca ter sido. O amor mora junto com a verdade (ambas as palavras escritas nos anéis), que também vive entre o que é ou deixa de existir, deixa de ter existido. Em quesitos de sinceridade e amar, podem existir diversos lados da história, mas não existem "quases". O fato ou é ou não é, o amor ou é comprovado com respeito e verdade, com esforço e garra, com atos (!), sendo verbo, ou não é. Tudo o que não dói, não é sincero. Porque a urgência dói. A urgência, quando demorada de ser atendida, vai empilhando cicatrizes, lágrimas, ainda que internas, dores. A urgência dói porque agonia até o último segundo, até ser realizado o remédio necessário. O amor dói. O amor carrega uma preocupação diária, uma necessidade de bem-querer alheio em duas vias, é uma ambulância constante em meio a um trânsito de semáforo sempre amarelo. O amor é a prioridade que só dá espaço para outras quando não está em gravidade máxima. O amor é ou não é. Faltou respeito? Faltou amor. É preto e branco, é verdade e amor, ou não é nada que se preze. Adoro ratificar um pouco da temática com essa crônica (que estará completa no próximo livro): O Amor é Elegante. / Mais uma imagem encontrada vagando na internet sem créditos! Um(a) super artista trouxe a tese em traços belos e merece que achemos seu nome.


Não precisa muito ser dito, mas deixo o link do meu poema "Sempre vou saber de você", que sinto que foi muito bem representado por essa imagem da Kelly Monson englobando a ideia de pedaços que deixamos e recebemos em quaisquer relacionamentos.


Permita-se andar na chuva, aprender com ela, deixar ela ficar até que sinta que está pegando um resfriado, mas não deixe ir o que ainda tem de seguro apenas por estar se molhando. Tenha cuidado para cuidar do que vai continuar cuidando de você depois que a chuva for. Não deixe o que estava no topo da sua lista ser ferido apenas por uma chuva molhar o papel. Desenho de Igor Mudrov.


A subjetividade está em tudo, até nas coisas mais "exatas". Nada sobrevive sem o sentir, só ele leva à grandes lógicas. Essa imagem maravilhosa trouxe para mim a lembrado do filme Uma Mente Brilhante, que já resenhei aqui e tem detalhes muito bem representados em tais traços.


Quem cria cactos e não expectativas, acaba espetando o próprio olho (cegueira) e arrisca espetar todos em volta. Como digo: Quebra a cara é quem só vive de olho aberto, que ora arde a vista, não enxerga mais nada e tropeça! O problema não é criar expectativas, é alimentar ilusões. Qualquer brecha que exista para que possa ser verdade, qualquer impulso dado por outro algo ou alguém, faz ser válido para virar crença até que se prove o contrário. E se acabar sendo ilusão, aí sim é só não dar mais comida na boca, ao menos vai ter sido válido por ter alcançado expectativa em primeiro patamar, por deixar assim muito mais lição, intensidade, verdade. A expectativa é a mãe da esperança e a esperança é a avó dos sentimentos reais que valem a pena. O caso é que para chegar nos sentimentos reais, o começo tem que ser com esperança. O caso é que o erro não é de quem confia, é de mente. O caso é que muito mais ganha quem acreditou, manteve os valores e marcou o filme com o papel de quem merece créditos, do que quem fechou as portas e nem sequer apareceu entre cenas. O caso é que precisamos parar de inverter os culpados. / Ilustração de Choi Mi Kyung. 


O mais fundo está na superfície. / Nenhum tesouro do fundo vai estar realmente no fundo se não passa pela superfície.


A impressão que tive com essa imagem foi a de uma cidade abandonada, que pode ser a representação de qualquer interior. Mas "a dona" do interior resolve sair daquela "maneira de guiar" a própria vida e pausa tudo para reanalisar cada vestígio que ficou (não sai às pressas para "seguir em frente" sem antes buscar o máximo de aprendizados em cada etapa). É a imagem ideal para quem vive relendo o passado. Acho uma dica da vida para os cancerianos de plantão. O caranguejo em sua fase de estar na toca.


Agora vamos para uma leve sequência (com mais 5 imagens abaixo) da artista Kathrin Honesta. As ilustrações dela representam o nosso interior com uma leveza e peso simultâneos e maravilhosos de sentir e se identificar. No caso da que se encontra acima, a ideia é de que se deixarmos com que a chuva fique ao máximo, vamos entrando mais em nós, vai valendo a pena cada gota até a hora de ir. A imagem ficou para mim como uma mesclagem das letras das músicas Out Of The Woods e Clean, destrinchadas aqui.






Essa imagem de Graham Franciose (também autor da última desta sequência), ganha forte contato com a frase: "Nenhum pássaro voa olhando para as próprias asas" (Carpinejar). Tentar captar os detalhamentos com novos ângulos é o que dá liberdade. Ver não somente com os próprios olhos é o que dá liberdade. Liberdade é sinônimo de respeito, como sempre friso. E respeitar é o ato simples de pôr-se no lugar do outro, é olhar de cima. Para mim, a ilustração é uma das melhores representações desta frase aqui


"Tentaram me matar. Mal sabiam eles que eu sou semente.". Tudo o que sai de nós é semente. Vai virar alguma coisa, ainda que não reguemos. Vai dar algum fruto, consequência, mudança extrema mesmo que pareça mínima. E vai virar mais ainda se formos regar. Tudo é semente e elas voltam para os nossos olhos. Depende do nosso ato o caráter para dar flor. Só vira flor, para nós, ainda que com espinhos, quando vamos em uma história até onde faz mais bem do que grande mal, onde lemos até não sobrar "e se..." e fazemos então jus à frase: "Os fracos se vingam, os fortes se protegem." (Cury). / Ilustração de Choi Mi Kyung.


Complementando com a ideia da imagem acima: "Quanto mais me despedaço, mais fico inteira" (Cecília Meireles).


Você já deve ter visto algumas sequências das ilustrações do artista Puuung, e se não viu, pode conferir algumas aqui e/ou aqui. O autor retrata, principalmente, os detalhes cotidianos nos quais o amor real se encontra, sendo comprovado. Afinal, amor é espelho (olhar para o outro como se fosse para si), é ser o assessor do par, é o que é visto, primeiramente, na pontinha do dedo e, só assim, no fundo do olho. A imagem selecionada muito lembra a crônica indicada na descrição da figura (mais acima) que contém a ideia do "True + Love" e, justamente por isso, a escolhi dentre tantas as bacanas dessa sequência que sempre ratifica os sentidos fundamentais de um sentimento tão sólido. O amor não começa pelo começo, ele começa no meio, quando existe algo já construído. Quando traz mais paz do que zunido. E esse suporte e cuidado às outras prioridades do outro como se fossem também as suas (por realmente passarem a ser!), impulsionando enquanto o outro trabalha, enquanto o outro encaminha seus outros sonhos, enquanto corre atrás dos seus outros alcances, é o que dá sentido para que o próprio amor também fique no topo da lista, é o que torna saudável o "abandono" de certas outras prioridades quando a prioridade em urgência acaba sendo o amor. Amor que não agrega em somas no que, além dele, dá sentido para as nossas caminhadas, não é amor (salvo os casos em que riscos de vida ou de respeito mútuo estão inclusos, obviamente). Outra crônica que a ilustração lembra bastante, para mim, é esta aqui.


A maior fonte para a juventude dos sentimentos, é o compartilhar. Entre dois, quem sofre calado, já desistiu de tentar.


Arte de Belhoula Amir, sobre estar só/sozinho e não em solidão. Só, é um mar de possibilidades.


É tudo questão de profundidade e de saber ter um olhar metafórico, aquele que não enxerga apenas o literal dos fatos. É olhar para algo e ver além do que está vendo, olhar para um sapato e ver uma casa. Isso é poesia e viver. Isso é buscar evolução. É mais peito com mente do que anos de vida. A maturidade depende mais de quem viveu a experiência do que a experiência de quem viveu.


Quanto mais nos fechamos para possibilidades, para relações, menos conhecemos a nós! Desamor mesmo é colocar o amor próprio como única prioridade. Um poema, de nome "Ao reparar que estamos sozinhos", do Depois Daquilo (próximo livro) representa de forma ideal esta imagem para mim:

Não merece o fundamental
Quem não sabe abrir mão
Do trivial.
Não merece ler o final
Aquele que fala
Que foi acidental.
Então vamos tirar os sapatos
Colocar os pés na calçada
Vamos encarar os fatos
De que tudo tem sua pancada
Vamos olhar para trás
Fazer cruz e dizer amém
Por ser hoje capaz:
De ver que fica o que faz bem.
Estamos abandonados o tempo inteiro
Mas nascemos sozinhos para estarmos juntos
Que um sonho precisa permitir outros sonhos
Abrir mais portas para outros assuntos.
Porque nada sobrevive só de si
Nada sobrevive só sendo
Para ser é preciso de troca
Só escreve quem começa lendo.
E ainda bem então que somos, que estamos, que seremos.
Ainda bem que fomos, que choramos, que riremos.
Ainda bem que assim, que daquele jeito, que não diferente:
Ainda bem que fica o que faz sentido e vai para frente.
Se não acabou a caminhada
Fica tranquilo, pega um champanhe
Se tudo parece mais nada
Foca naquilo que mais lhe ganhe
Que existe uma rua enorme
E sempre o que comemorar
Deixa que a vida informe
Quanto bem vem se instalar:
Cada fardo deixa um tesouro
Uma obra linda de contradição
Dentro de cada besouro
Ouro no final! Poesia e canção.
Quem vier querendo carinho
Espere mostrar a conduta.
Mas não precisa tão de mansinho
Fazer passo para ser astuta.
Um sonho precisa olhar
Para mais de um lado para ganhar vida!
Sonho que só aceita ser se for exatamente como sonhado
Vira no olho, fita.
É muito mais rica a prioridade
Que teve ajuda de outra para expandir
Muito maior a calamidade
De quem não soube pausar, distrair.
Que é necessário dar as mãos
Ao peso das portas, as novas janelas
Sonho sem oportunidades inesperadas
Morre no perfeccionismo das celas.


Assim como a imagem que abriu a postagem (tendo a mesma autoria, de Henrietta Harris), os significados de base que podemos encontrar aqui (e em ambas) agregam mais de uma vertente. Uma voltada para a ideia do que está saindo de nós para o mundo, do que será acrescentado em nós e em outro ser se permitirmos a conexão: Na imagem de abertura, era a mente (formas inovadas de pensar/refletir); aqui, a visão (formas inovadas de enxergar os detalhes, de "cheirá-los"). Tudo o que sai de nós ao ter contato com algo ou alguém (o "externo") e nos reformula. E a outra vertente é voltada para as máscaras sociais, para o que cada um tem em si de forma distorcida, influenciada por um mundo que faz com que a pessoa não consiga descobrir, de fato, a própria essência. Fico apegada à primeira tese e adoro a ideia da primeira imagem, a qual quero moldurar, inclusive, porque ratifica a afirmação de permitir a quebra de preconceitos, lembrar que a evolução nunca é finda, abrir a mente para outras instâncias e afins.


Quem muito se protege, só enxerga os pontos da luz, não a recebe inteira. Vê distorções, e não os fatos. "Tu fechas as portas, as janelas, pedes vento e inda choras. Enquanto a brisa tenta chegar a ti, e tu nem vês, tu só imploras.".


Ser maior do que o medo, afagar o medo, planejar por cima do medo, fazer o obstáculo virar oportunidade e todos esses possíveis clichês são representados pela ilustração acima. Ou, podemos enxergar de uma forma mais poética. A imagem lembrou bastante, para mim, uma simples poesia que escrevi nas notas do celular e postei esses dias no Instagram: 

Para os nãos, melhorias
Para os adeus, aprendizados
Para os choros, alegrias
Em alguns pontos revelados.
Para os aqui, a clemência
De saber continuar
Para os ruins, a inteligência
De nos memorizar.
Para todos, nossas marcas.
Para os bons, nosso esforço.
Para os sonhos, nossas barcas.
Para o medo, nosso esboço.
Para o ato, não ter dó
Que viver é por um triz.
Para quem não poetar,
Nossa eterna cicatriz.
Para a grandeza, paciência
E pós vitória, atividade
Para o que é morno, abstinência
Para o que ferve, eternidade.
Para o amor, a mudança
Para saber prosseguir
Que nada fica sempre igual
Mas nos merece se o "fe", RIR

As artes de Pascal Campion


As artes do Pascal invadiram as minhas reflexões e sensações com uma força tremenda! São ilustrações que representam o interior com "o exterior". A paz em meio ao caos. O caos que pode ser a paz. Onde as focalizações das luzes acabam por representar as sensações e respostas. São pequenos detalhes da vida mostrando a grandeza que têm. São imagens que trazem imensuráveis nostalgias para mim, daquelas que tiram cascões de feridas e logo as estancam novamente. O artista, que já fez trabalhos para clientes como a Disney, Nickelodeon, Cartoon Network, MTV e por aí vai, expele um estudo de sentimentos tão íntimos, sejam a dois, perante somente a si ou diante de diversos laços. É sobre como nos sentimos conosco, e como fica essa relação em conexão com quem partilhamos a vida e com as vidas "distantes" das nossas, que tanto acabam afetando as nossas iluminações, nos sentidos mais poéticos possíveis. Sinto que são artes com metáforas incríveis, mas daquele feitio que abre alas para que cada um análise à sua maneira, buscando a poesia de cada detalhe que pode encaixar na vida própria, captando o que pode trazer mais lição e reflexão ao que sente necessitar. Ah, e um detalhe a mais: não dá uma vontade imensa de viajar para novas cidades?


Curiosidades: Algumas personagens do ilustrador se repetem, então especulam que sejam ilustrações, de fato, autobiográficas! E a música Never Grow Up, da Taylor Swift, foi escrita para a criança interior dela, ratificando a noção de que maturidade é não desistir de sentir. Não é uma delícia ouvir cada metáfora vendo essas ilustrações? Várias playlists que já compartilhei aqui com vocês têm diversas músicas cabíveis para a postagem, então vamos relembrar cada uma clicando aqui? Basta descer a página!


Se tem algo que adoro é sempre colocar no plano de fundo do celular, computador e quaisquer meios tecnológicos possíveis que eu for utilizar, imagens que digam o que tanto expresso em palavras, que carreguem significados assim: firmes, poéticos e intensos; que acabem ratificando os meus valores e prioridades para mim, que instiguem meus caminhos, sensações e releituras. E você? Já conhecia algum artista ou imagem aqui emitida? O que sentiu através do compilado? Qual mais mexeu com você? Tem mais alguma ilustração que carrega significados intensos para você e que gostaria de compartilhar? E sobre as músicas da playlist? Muita nostalgia ocorrida? Descobriu alguma nova que entrou para as suas listas também? Não deixe de contar nos comentários as suas sensações, dicas e opiniões diversas!

LEIA TAMBÉM:

75 COMENTÁRIOS

  1. To em choque com essa playlist e com as imagens, principalmente as ultimas do Pascal. Nao conhecia varias das musicas e voce como sempre nos pondo pra refletir. Mas vou te dizer, o que mais gostei mesmo foram as poesias!! Obrigada por tanta arte brunt!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Rafa, que alegria que é ler cada pedacinho dessas suas palavras! Essas músicas ficaram no meu replay durante todas essas últimas semanas e é uma delícia saber que mergulhou em cada uma e nas imagens que tanto falaram comigo de formas aprofundadas também. Espero que cada uma possa ter levado reflexões diversas para você, viu? E fico ainda mais alegre por saber que doou a sua mente e coração para navegar nas entrelinhas de alguns dos meus desafogos. Obrigada a você, por ampliar os sentidos do nosso cantinho! Por explicitar as suas sensações, criando mais dessas trocas evolutivas. Obrigada por não colocar só a pontinha do dedo do pé!

      Excluir
  2. Oi Vanessa, tudo bem?
    Menina que post maravilhoso, nossa até agora não consegui decifrar o que senti ao ver algumas ilustrações, que coisa linda.
    Obrigada por esse post lindo. ♥
    Beijo

    www.tecontopoesia.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Mila, que delícia que é saber que mergulhou assim em cada significado intenso (e plurificado) que as imagens têm! Espero que cada uma possa ter gerado caminhos densos e deleitosos em seu âmago, viu? Que possa fazer releituras de várias delas, decifrando cada vez mais minúcias e ganhando muitas outras para ainda desvendar. Obrigada por navegar neste nosso cantinho e ampliar seus significados! Um super beijo!

      Excluir
  3. oi, oi.

    meldels. as imagens são bem impactantes, além de lindas, claro. confesso que fiquei um tempo olhando pras elas, sem reação alguma. perfeitas! <3

    assim como vc, tbm gosto de salvar toda ilustração que encontro bonitinhas. por mais que eu não a use pra nada, gosto de tê-las guardada numa pastinha. me faz bem, sabe?! é bom ter aquela imagem ali comigo...

    sobre a playlist, conheço praticamente todas as músicas e já imaginava que tu ia colocar Taylor no meio. o teu Snapchat é a prova de que tu curte ela demais. <3

    bjs!
    Não me venha com desculpas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Adri, é sempre tão maravilhoso sentir as suas sensações compartilhadas! Obrigada por sempre amplificar os sentidos deste nosso cantinho com os seus acréscimos e visões variadas. A delícia de guardar imagens assim é que depois de um tempo podemos as reler e é como ouvir uma música antiga e/ou saborear um texto que escrevemos "antes de", não é? É uma releitura de nós mesmos. Uma forma de relembrar significados, ratificar, reanalisar, reformular. São meios deliciosos de leituras. Adorei saber que tem essa "mania boa" também! E a Taylor é uma compositora de mão cheia, uma das melhores poetisas que tenho a alegria de admirar! Já fiz aqui algumas análises de letras e clipes dela. Sou fã dodói mesmo! Rs. E é uma alegria tremenda saber que acompanha os compartilhamentos que faço para e com vocês por lá também (no Snapchat)! Tanto a agradecer por ter suas mãos fazendo parte desta estrada... Obrigada!

      Excluir
  4. Nossa, quanta ilustra maravilhosa... e que mexem conosco, de fato! Também adorei o seu poema..
    "Para o morno, abstinência" - Frase para nunca esquecer <3

    =*
    Mani Piñeiro
    @Blog_ManiPineiro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Manu, como fico alegre por saber que mergulhou assim em cada arte tão intensa! Espero demais que possa ter relido mais de si com cada detalhe, viu? Que possa ter encontrado diversas angulações próprias, visões a mais de encaixe. E fico maravilhada por saber que navegou nas entrelinhas a mais de alguns dos pensamentos que uni às artes. São poesias simples, daquelas que escrevi andando em estacionamentos no bloco de notas do celular, rs. Mas sempre acabam fazendo parte de algo maior e o sentido real é que essas palavras sejam NOSSAS. Então, obrigada por aguçar esse sentido maior! O morno pode ser válido por um tempo, para que possamos dar a chance de se tornar frio ou quente, para que possamos aprender o que vier: mas continuar no morno? Vira abstinência de nós! Não é? Um super beijo!

      Excluir
    2. Leio sempre e adoro seu blog! Acho os posicionamentos sempre inteligentes e coerentes.
      E voltei aqui hoje pq lembrei que não tinha lido a frase do dia. <3

      =*
      Mani Piñeiro
      @Blog_ManiPineiro

      Excluir
  5. Vanessa, primeiro de tudo: você sempre consegue escolher músicas, imagens, documentários, filmes, séries e livros que nos atingem e nos fazem pensar de uma forma impressionante.
    No seu post de hoje as minhas ilustrações favoritas foram as do Pascal Campion, acho que justamente pelo que você falou de dar vontade de viajar para novas cidades, que é algo que eu amo fazer! ♥ Foram as que mais conversaram comigo, sem dúvidas!

    Um beijo! ♥
    www.daniquedisse.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dani! Que delícia que é encontrar sempre essas suas sensações e visões aqui compartilhadas, amplificando os sentidos do nosso cantinho. Obrigada por cada detalhe que acresce através de cada mergulho que faz nas emissões feitas para que possamos refletir de mãos dadas. Fico imensamente alegre por receber esse carinho tão lindo e poder retribuir com gosto! Isso dá um impulso imensurável para ampliamento das sensações e sentidos. Obrigada! Tudo o que aqui transmitido para vocês é para que possamos aprofundar detalhes nas nossas mentes e corações em mesclagens, encontrando mais de nós e dos nossos caminhos. E que alegria que é também saber que sentiu tanto as ilustrações do Pascal assim! Elas carregam uma leitura de interior tão densa, não é? Capta os mínimos detalhes com intensidades firmes, que nos fazem refletir sobre além do nosso cotidiano, mas principalmente sobre nossas relações, conosco e com os demais, com o que temos e o que queremos... nos fazendo ir para caminhos de maiores valorizações e prioridades. É incrível! E essa vontade de viajar é inegável também, rs. Um super beijo!

      Excluir
  6. Nossa, fiquei viajando nessas imagens haha achei muito interessante todas elas, e bem bonitas também é claro! Arrasou muito <3

    www.outrodetalhe.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que alegria imensa por ler isso e saber que mergulhou em artes de tamanhas poesias, Va! Espero que cada uma possa ter aglomerado em seu interior releituras sobre si, seus laços e caminhos diversos, viu? Que possa ter encaixado mais das suas próprias visões, recebendo reflexões densas e singulares. E tomara que as músicas possam ter tido impactos de acréscimos também. Um super beijo!

      Excluir
  7. Show de imagens e musica arrasou amei toda postagem
    Blog: http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br/
    Canal:https://www.youtube.com/watch?v=DmO8csZDARM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que alegria é ler isso, Ne! Espero que cada arte possa ter aberto portas para muitas releituras internas e descobertas a mais. Obrigada por mergulhar com cada sensação aqui e emitir alastros para o sentido deste nosso cantinho. Um super beijo!

      Excluir
  8. Meu Deus, parece que a cada imagem a gente viaja de um jeito. Amei esse teu post amôura !

    Beijão !

    | O Blog Que Não é Blog |

    | Instagram: @aquelenaoblog |

    | Julinha e os Vídeos - Canal do Youtube |

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba! É uma alegria imensa saber que mergulhou em cada arte assim, Anna. Espero demais que cada uma possa ter aberto alas para mais das suas descobertas, releituras interiores e inspirações, viu? Um super beijo!

      Excluir
  9. Me apaixonei pela imagem do Igor Mudrov, interpretei ela de outra forma, talvez seja porque me identifiquei com a imagem de certo modo, tem fazes na vida da gente que tudo é tão conturbado, corrido, intenso e há tantas coisas para fazer ou decidir que parece que a gente esta sendo açoitada por uma tempestade. Amei o posto e me passou bastante energia positiva!
    bjoss
    www.gizahcastro.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gi! Que alegria que é observar que mergulhou assim nas artes, podendo reler mais de si, abrir alas para inspirações e descobertas diversas. A noção da tempestade na imagem é justamente por esse viés, ele não foi anulado na descrição. A tempestade vai caber em interpretações diversas, dependendo do peso que cada um de nós tem para interpretar no momento (e reler). O guarda-chuva é o que nos mantêm "protegidos" da chuva, por isso a vertente a mais foi explicitada. Mas a delícia é poder encaixar o que mais sente como próximo aos seus sentimentos, fazendo a própria poesia nas metáforas e compreendendo mais do que sente necessitar. Espero que cada arte possa servir de mais portas para suas inspirações e afins, viu? Um super beijo!

      Excluir
  10. adorei a play! gosto de várias músicas! quanto as ilustrações, uma mais incrível que a outra, nos fazem refletir de uma tal maneira.. amei demais!

    www.blogamorarosa.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, como é maravilhoso ler isso e saber que mergulhou em cada uma das artes com intensidade e todas as partes de si, Gra! Espero demais que possa ter entrado em releituras proveitosas e descobertas incessantes, viu? Um super beijo!

      Excluir
  11. Uau, que ilustrações maravilhosas! O seu olhar sobre algumas também.. Perfeito!

    www.ingridbaranjak.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, In, que alegria imensa é saber que mergulhou assim em cada arte e metáfora abordada. Espero demais que possa ter navegado em releituras sobre si, sobre o que sente, o que está passando e ganhando, de tal forma, novas inspirações e descobertas, viu? Um super beijo!

      Excluir
  12. To chocada com a playlist e tô no chão com essas ilustrações! Sinceramente, tô sem palavras... Só sei que ainda estou aérea com todas essas imagens... Parabéns, esse post tá increível!

    www.antesdaprimavera.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vi! Que delícia é saber que mergulhou assim em cada arte. A playlist todinha, entre as letras mais simples e mais poéticas e fortes, mexem com o meu emocional de uma forma intensa e como as ilustrações conseguiram o mesmo feito, as duas vertentes em conjunto conseguiram um impacto sem igual. E é maravilhoso saber que pôde conferir ambos os lados em conjunto. Espero que possa ter captado reflexões diversas, assim como descobertas e inspirações a mais, viu? Um super beijo!

      Excluir
  13. "O problema não é criar expectativas. É criar ilusões" - Porque essa foi a minha frase favorita da postagem? Realidade pura... as vezes nos prendemos a sonhos e não vemos a realidade pela frente! O importante é não desistir na primeira dificuldade, colocar OS PÉS NO CHÃO e seguir em frente!

    Blog AmigaDelicada.com ❥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É algo simples, mas de peso no cotidiano, não é? Pode até parecer um clichê batido, mas o fato é que criar expectativas nos faz lembrar (e colocar em prática) do quanto amadurecer é não desistir de sentir. Se existe qualquer pedacinho que nos faça sentir a fé possível naquilo, mergulhemos! Melhor cair do que nem andar. O problema é cair sentindo desde o começo que nem tinha chão. Adorei saber que mergulhou assim em cada arte e pedacinho reflexivo. Obrigada por ampliar os sentidos deste nosso cantinho! Um super beijo!

      Excluir
  14. O que eu gosto de ilustrações é que cada uma carrega traços do ilustrador e, ao mesmo tempo, cada uma causa um sentimento diferente em quem a recebe. São sensações diferentes e únicas.
    Algumas das que você postou mexem mesmo com a sensibilidade

    beijo
    beinghellz.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que delícia que é ler isso e saber que mergulhou assim em cada meio de inspiração e releitura própria! A graça é justamente encontrar a si em cada metáfora formulada, sentindo à sua maneira cada mensagem que deve ser refletida, não é? Espero que cada traço possa ter sido um meio de descobertas a mais. Um super beijo!

      Excluir
  15. as imagens sao lindas, espero que vc continue sempre com esse entusiamo de escrever no blog, acho lindo tudo! Adorei!

    ♥ www.jackblog.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Ja, que delícia é receber e sentir esse carinho tão incrível e poder retribuir com toda a intensidade e gosto! Obrigada por ampliar os sentidos deste nosso cantinho em cada mergulho que faz nas reflexões diversas. Espero demais que possa ter aglomerado reflexões de autoconhecimento e inspirações diversas com cada arte emitida, viu? Um super beijo!

      Excluir
  16. Eu ADOOORO ver ilustrações, eu queria muito muito muito aprender. Tem gente que já nasce com um dom, já eu tenho que treinar. Mas acho super lindo demais, sigo vários perfils do tipo no insta.

    Beijos, Love is Colorful

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma delícia mergulhar em artes que tanto dizem e tanto agregam em reflexões singulares com sentimentos de peso, não é, Bá? Adorei saber que tem essa paixão por "caçar" diversos meios desse universo incrível também! Espero demais que cada ilustração e música indicadas possam ter aberto alas para mais das suas releituras próprias e descobertas incessantes, viu? Um super beijo!

      Excluir
  17. Quantas ilustrações maravilhosas, mas confesso que amei a da menina caindo do céu/seafundandonomar. Dá vontade de fazer uma releitura de todas elas com Nankin. Imagens para refletir e sonhar e recriar. E ouvindo a playlist então.

    Ahhh e sabe o filme que tu indicou? Poder além da vida? Eu disse que ia ver e vi hoje, meu, que filme maravilhoso. Eu chorei no final e com certeza irei levar ele pra minha vida. Obrigado por ter me apresentado ele, sério.

    http://www.agindodiferente.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dani, vem aqui e dá aquele abraço que poderia durar minutos seguidos? Ai, que alegria gigantesca que você trouxe com cada pedacinho dessas palavras! Primeiro pela informação do quanto mergulhou em cada arte reflexiva indicada (e espero demais que possa ter navegado em novas descobertas que levem a tantas outras e em reflexões de autoconhecimento com intensidades deleitosas, viu?). E, segundo, por ter devorado um filme indicado que é tão bacana! O mais legal dele é que pode parecer clichê para quem enxergar de maneira superficial, mas reparamos a nossa profundidade ao cavar mais além cada detalhe lá emitido, não é? Espero que diversas outras indicações de filmes e afins aqui abordadas possam ainda entrar nos seus atos, viu? E essa imagem também é uma das minhas favoritonas da vida! Está no fundo do meu celular, rs. Um super beijo!

      Excluir
  18. Olá brunt! <3
    O que dizer sobre essa explosão de arte que acabei de ver, olha eu sinceramente não consegui prosseguir com os textos até o fim pois quando me deparei lendo a ultima frase do texto referente a imagem sobre: "realidade e atualidade" escutando a segunda canção da sua playlist eu já me encontrava em lagrimas, sinceramente você conseguiu tocar meu coração logo com o primeiro trabalho que tive a honra de apreciar vindo de você, ironico ao se pensar que vim parar aqui por um comentário seu em uma playlist do meu blog e agora aqui estou comentando nessa playlist, bom eu sinceramente não irei prosseguir agora, porque essa emoção forte que sinto aqui nao permite, mas voltarei com certeza para ler os demais textos desse post, e estou realmente ansioso para ler algum livro seu, pois vejo que assim como eu, você é muito profunda, e se preocupa com a qualidade emotiva de seu trabalho qualquer que seja ele, a sua arte grita, e seus pensamentos falam, você transmite a todos o que deseja mas a sua mensagem não nos chega aos olhos nem mesmo sequer aos ouvidos ela vem como um baque no coração despertanto a genialidade do cérebro a se colocar para refletir o porque aquilo te toca tanto, estou indo ler sua biografia agora, pois acho que nunca me identifiquei tanto com a arte de alguem como foi agora, parabens, pois era como seu eu estivesse lendo algo que eu mesmo escrevi sabe... eu realmente estou admirado com tamanha profundidade e emoção, Parabéns e Obrigado por esse momento proporcionado a mim, ganhou sim mais um leitor.


    http://www.meninocomestilo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, como queria um abraço seu daqueles que a gente começa balançando de um lado para o outro e depois para por tempos afio até sentir a gratidão imensa do conforto. É o que já senti só ao ler cada pedacinho dessas suas palavras. Obrigada por trazer tamanho maior sentido para este nosso cantinho, obrigada por mergulhar em todas as partes de si, por não colocar somente os dedos do pé. Obrigada por mesclar sua mente e coração com cada reflexão emitida, com a tese de que viemos sozinhos para estarmos juntos. Obrigada. Esse tipo de troca evolutiva é o que dá impulsionamento imensurável para cada compartilhamento aqui emitido, é o que dá aquele tipo de alegria que emociona, é o que torna a intensidade com valor para além de uma angulação. Obrigada imensamente pelo presente que foram essas linhas suas. Espero demais que possa continuar acompanhando e alargando tanto os motivos deste nosso espaço. Que sua sensibilidade abra alas para diversas releituras internas de outros tantos, viu? Um super beijo!

      Excluir
  19. adorei as imagens que vc separou, a maioria bem profunda mesmo!

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Lí! Como é maravilhoso saber que mergulhou assim em cada arte tão intensa e reflexiva. Espero imensamente que possa ter encontrado mais de si e de diversas inspirações em cada ilustração tão representativa, viu? Assim como espero que as músicas possam ter seus fortes papéis. Um super beijo!

      Excluir
  20. Oi, tudo bem? Você me fez uma visitinha no meu blog e fiquei encantada com a sua percepção no comentário que fez. Ao visitar seu blog fiquei encantada, só nesse primeiro post, imagina nos outros. Você tem uma sensibilidade que é linda de ver. As imagens realmente mexem com a gente... São retratos do cotidiano que visualizamos diariamente e também de coisas que vivenciamos internamente... Amei muito e já virei seguidora! Beijinhos… Au Revoir!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que alegria gigantesca que é ler cada pedacinho dessas suas palavras, Pa! É maravilhoso saber que mergulhou com mente e coração em mesclagem em cada arte tão intensa e reflexiva. Espero demais que possa ter tido encontros de autoconhecimento consigo e meios de novas descobertas que gerem tantas outras! O exterior como meio de abertura para o interior e o interior como forma de atos e visões para o exterior é o que guia uma vida mais conectada aos âmagos e, assim, à verdadeira forma de compreensão: a que nasce das subjetividades, não é? Um super beijo!

      Excluir
  21. Quantas ilustrações fortes Vanessa. Já conhecia aquela do pintor ferido/pessoas preocupadas com a tinta perdida e toda vez que vejo novamente sinto aquele aperto. Por mais triste e cruel que seja, dói pensar que é algo tão real :~

    E sobre essa frase que você comentou: "Quando eu estava me afogando, foi quando eu pude finalmente respirar", fiquei um tempão com ela na minha cabeça enquanto ia devorando o post. Como é verdadeira!!!

    beeijos, Ja fomos legais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Lo, como é maravilhoso saber que mergulhou assim em cada arte com seus significados tão intensos, críticos e reflexivos. Essa ilustração acaba abrindo olhos para diversas vertentes de criticidades fundamentais, como a que foi citada na descrição logo abaixo, não é? Dói, mas nos abre portas para dar petelecos nas próprias testas e em tantas outras. Espero que diversas das ilustrações possam ter servido como meios para releituras internas suas, incluindo através das que já conhecia e para descobertas que geram várias outras, viu? E essa frase deleitosa é da minha música/composição/letra favorita: Clean, da Swift. Recomendo muito que veja a letra inteirinha, ouça a música se possível e veja também a análise (feita aqui) do clipe de Out Of The Woods, que tanto aborda sobre a poesia de Clean também. Creio que vai adorar e mergulhar fundo. Um super beijo!

      Excluir
  22. Gente como as pessoas conseguem expressar suas emoções tão delicadamente através dos desenhos!
    É um verdadeiro dom os traços e cores que utilizam e nos faz sonhar e participar da cena de uma forma inexplicável!
    Achei mto pertinente suas observações sobre os desenhos e os que mais gosto são olhando através da janela, pois costumava fazer muito isso afim de refletir sobre a vida!

    http://naybianchi.blogspot.com.br
    Bjoos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que delícia que é saber que mergulhou assim em cada arte, abrindo grandiosamente sua mente e coração em mesclagem para reler mais de si com os impulsionamentos dados, Nay. Espero demais que tenham sido formas de maiores inspirações e portas para reflexões abrangentes e diversas, viu? E que as músicas possam ter dado ainda mais força para cada encaminhamento. Obrigada por alargar os sentidos do nosso cantinho compartilhando suas sensações! Um super beijo!

      Excluir
  23. As imagens são muito profundas e fazem a gente pensar bastante olhando cada uma delas.
    Adorei a lista de músicas :)
    Beijos
    BlogCarolNM
    FanPage

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que alegria imensa que é ler isso, Ca! Espero demais que cada arte em cada singularidade possa ter aberto alas para as suas reflexões mais aprofundadas e intensas, dentre autoconhecimento e demais inspirações, viu? Espero que possam gerar descobertas que abram alas para muitas outras, em ciclo incessante. Um super beijo!

      Excluir
  24. Dei o play e fui vendo as ilustrações, nossa... Amo Let Her Go, Nobody's Home, I'm With You, How Long Will I Love You, Photograph, Breakaway <3, Carry You Home <3 socorro, Human, Shelter, Just Give Me A Reason e Say Something <3 nossa, são muitos feelings ouvindo essas músicas! *-*
    Que linda essa primeira ilustração, amei o traçado, o uso das cores e o significado por trás da ilustração, é aquela coisa "eu não guardo mágoas, mas também não tenho amnesia". Uau! Que ilustração incrível essa da menina mergulhando profundamente na noite com apenas algumas luzes para te guiar. Incrível essa outra ilustração do peso das coisas sob nós mesmos, coisas essas que podem ser até nós mesmos que colocamos em cima né? Eu amo essa ilustração da menina na chuva da Kathrin e gostei da sua analogia da ilustração, não tinha parado pra pensar dessa forma quando encontrei a ilustração no Pinterest. E as ilustrações dela tem uma cor viva e um traçado simples porém que dizem muito né? Adorei! Eu sou louca pra pagar um(a) ilustrador(a) pra ilustrar o cabeçalho do meu blog, porque as vezes acho que o nome do meu blog diz muita coisa e seria muito legal representar isso com uma ilustração, mas falta dinheiro pra eu achar alguém e pedir o serviço, haha!

    Beijos!
    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Thami, como é maravilhoso mergulhar em cada pedacinho das suas sensações emitidas, observando que mergulhou de mãos dadas em cada intensidade emitida. Espero demais que possa ter aglomerado releituras densas internamente a ponto de reler mentalmente em muitas outras ocasiões, viu? Adorei saber que já conhecia algumas dessas músicas tão deleitosas. Espero demais que as que não conhecia ainda possam também fazer seus papéis de muitas sensações futuras, marcando de alguma maneira desde já a sua mente e coração em mesclagem, viu? E é uma maravilha ainda maior observar e sentir as suas formas de captar as densidades de cada ilustração citada! Espero que cada uma possa fazer parte de um pacote intenso de reconsiderações e ratificações diversas, viu? É incrível sentir a sua sensibilidade e o tanto de alastro que traz a cada emissão dada neste nosso cantinho! E seria INCRÍVEL uma ilustração com o nome tão carregado de sentidos que tem o seu blog. Você pode ir imaginando cada metáfora que colocaria para fortalecer e ir planejando aos poucos como fará. É isso o que mais conta: colocar os nossos sentimentos o quanto antes e ir acrescentando e planejando até que possamos fazer de fato, não é? Um super beijo!

      Excluir
  25. Que ilustrações mais lindas, Vanessa! Amei!
    Mil beijos, www.simvini.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba! Que delícia é saber que mergulhou em cada arte e reflexão agregada, Vini! Espero que possa ter ratificado diversas teses e reconfigurado diversas em descobertas que levem a tantas outras, viu? Um super beijo!

      Excluir
  26. Gente, que ilustrações maravilhosas. Tão cheias de detalhes, de significados, que ficam na cabeça mesmo. Só achei que post ficou muito extenso, minha barra de rolagem ficou pequenininha e ficou meio cansativo, apesar de lindo e tão inspirador. Seria legal se você fizesse ele em partes, separando por temas, só uma sugestão :D


    Beijos
    Brilho de Aluguel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thay, que delícia saber que mergulhou em cada minúcia e arte reflexiva indicada e analisada. Obrigada por alargar os sentidos do nosso cantinho emitindo sensações afirmadas e ratificadas. Por vezes, as postagens acabam sendo um pouco mais extensas, de fato, como foi o caso dessa, mas a intenção é justamente ser SEM QUASES! A tese de base do post era mesclar um aglomerado de artes que encaminharam as minhas releituras mais internas para que vocês pudessem fazer o mesmo, então reuni as músicas e cada ilustração principal, com algumas análises e reflexões, não deixando, assim, nada da base de fora. Dividir em duas partes cortaria grande parte da intensidade, sentido e aguçamento. Quando estamos sentindo, se paramos por algum motivo, se recebemos um "corte" em meio, perdemos a honestidade daquilo, a singularidade, a intensidade, a força, não é? É o mesmo caso. A explosão dessas sequências foi algo que veio consecutivamente nos meus dias e assim desejei emitir, como tudo aqui: transbordando. Sinceramente. Imensamente. Por isso não houve o corte, a pausa e afins, entende? Em casos do tipo, caso prefira, é bacana também que possa pausar por si, ver um pouco, ouvir um pouco, ler um pouco e ir voltando para continuar e mesclando até com mais intensidades e releituras das pausas. Obrigada imensamente pela indicação opinativa e espero que compreenda o caso. O estilo deste nosso cantinho é justamente não se prender a certos fatores de fórmulas que se preocupam com padrões e medos de extensões. Um super beijo!

      Excluir
  27. Socorro, que post longo. Quando for assim, acho que é melhor dividir em 2, colocar uma galeria só pras imagens ou usar "Leia mais" na página inicial, hahaha.
    À parte disso, sempre fico de cara com o seu bom gosto. Amei as ilustrações, especialmente as mais coloridas, a dos cactos de Choi Mi Kyung e a da menina com as flores e a mão no rosto. Dá vontade de imprimir e enquadrar pra colocar na parede do quarto <3

    Beijinhos, faça mais posts com playlists, please!

    blogdeclara.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cla! Que delícia é saber que mergulhou assim em cada pedacinho reflexivo e denso emitido! Espero demais que possa ter adentrado em reflexões e inspirações diversas e de descobertas que desencadeiem em diversas outras, viu? As ilustrações que citou são de pesos incríveis e adorei imensamente saber que navegou assim pelos significados de poesias diversas. Ai, que alegria é ler isso! Sobre a opinião de indicação citada, é como falei para a Thay logo acima: Por vezes, as postagens acabam sendo um pouco mais extensas, de fato, como foi o caso dessa, mas a intenção é justamente ser SEM QUASES! A tese de base do post era mesclar um aglomerado de artes que encaminharam as minhas releituras mais internas para que vocês pudessem fazer o mesmo, então reuni as músicas e cada ilustração principal, com algumas análises e reflexões, não deixando, assim, nada da base de fora. Dividir em duas partes cortaria grande parte da intensidade, sentido e aguçamento. Quando estamos sentindo, se paramos por algum motivo, se recebemos um "corte" em meio, perdemos a honestidade daquilo, a singularidade, a intensidade, a força, não é? É o mesmo caso. A explosão dessas sequências foi algo que veio consecutivamente nos meus dias e assim desejei emitir, como tudo aqui: transbordando. Sinceramente. Imensamente. Por isso não houve o corte, a pausa e afins, entende? Em casos do tipo, caso prefira, é bacana também que possa pausar por si, ver um pouco, ouvir um pouco, ler um pouco e ir voltando para continuar e mesclando até com mais intensidades e releituras das pausas. Obrigada imensamente pela indicação opinativa e espero que compreenda o caso. O estilo deste nosso cantinho é justamente não se prender a certos fatores de fórmulas que se preocupam com padrões e medos de extensões. O "Leia Mais" poderia ser uma saída bacana o caso, porém, justamente pelos motivos citados, acaba ficando tudo mais explícito, porém pensarei em situações assim sobre esse detalhamento. Obrigada, mais uma vez, pelo pitaco fundamental! E temos diversas playlists por aqui, viu? Indiquei, inclusive, a tag! Para que possa achar com mais facilidade as diversas outras. E muitas futuras virão, com certeza! É uma imensa alegria saber que apreciou assim. Um super beijo!

      Excluir
  28. P.S.: Poder além da vida é muito bom mesmo. Bela indicação!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que alegria imensa por saber que já navegou na obra, Cla! É uma delícia de filme, e o mais bacana é que pode parecer super clichê para alguns, mas testamos nossa capacidade atual de aprofundamentos e percepções cavando para além cada entrelinha e mensagem emitida, não é? Indico muito que veja Uma Mente Brilhante e Sociedade dos Poetas Mortos (ambos têm resenha por aqui)! Um super beijo!

      Excluir
  29. Ilustrações bem fortes e cheia de reflexão.
    Adoro quando uma imagem faz a gente pensar.
    kisses
    http://www.colecionadorademoda.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que delícia é ler isso! Espero demais que cada letra e melodia das músicas possa ter fortalecido ainda mais as reflexões, viu? A maravilha de ilustrações assim é que as metáforas são basicamente palavras a bailar em nosso âmago, não é? Uma caminhada de autoconhecimento e inspirações é o que nos transmitem em primeiro patamar, e é uma alegria saber que pôde navegar assim. Um super beijo!

      Excluir
  30. Nossa, que post maravilhoso! Tantas e tantas ilustrações tocantes, fiquei alguns minutos observando. A que mais me encantou foi a do mergulho profundo em nós mesmos... alguma coisa relacionada ao meu momento, não sei. Gostei muito, salvei aqui, inclusive. Beijos!

    www.chezb.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba! Que alegria imensa é saber que mergulhou assim em mais do próprio interior através de cada arte tão poética e intensa, Bru. Espero demais que as descobertas geradas possam desencadear em imensas inspirações, viu? Essa imagem é uma das minhas favoritonas também! Do tipo que valoriza todos os pontos que passamos como aprendizado. Um super beijo!

      Excluir
  31. Eu gostei das ilustrações de casais, porque sou uma romântica incurável. kkk
    O que eu acho curioso sobre ilustrações é que a visão de uma pessoa nunca é igual a de outra. Bem interessante isso. Tiveram desenhos que eu imaginei coisas totalmente diferentes de você.

    Beijos!

    Chiquereza

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Nah, como é maravilhoso saber que mergulhou assim em cada arte. O bacana das imagens dos casais é que diversas fases e tipos de relacionamentos acabam sendo abordados e abrindo portas para que encaixemos e captemos nossas próprias atualidades e reflexões a mais em cada sensação e metáfora emitida, não é? E a maior graça é que possamos, justamente, encaixar mais de nós e mergulhar em nossas releituras interiores. Para cada ilustração existem diversos caminhos, e um puxa do outro, apenas expeli alguns dos mais marcantes ao descrever, mas com certeza são diversos, incluindo os mais simples (que são mais óbvios e não precisaram ser destrinchados) e o que cada um colocará diante das próprias identificações. É maravilhoso saber como mergulhou assim no próprio âmago! Um super beijo!

      Excluir
  32. Olha eu aqui novamente, sim eu voltei! e agora consegui concluir a leitura de todos esses textos maravilhosos, é realmente interessante como eu me identifico em suas palavras. Uma ilustradora me chamou muito a atenção, Kathrin Honesta, eu não a conhecia mas simplesmente adorei as ilustrações dela, além de também este ultimo ilustrador com todas aquelas luzes <3 que fez chover em mim felicidade e transbordar esperança, e sim, a sensação de querer viajar para outro lugar é real ao observar as obras. Mais uma vez obrigado por esse momento <3

    Beijo Grande,
    Menino com Estilo

    ResponderExcluir
  33. Primeira vez no seu blog mas já amei!! As ilustrações são lindas demais *-* Sou fã de ilustrações, infelizmente não tenho o dom do desenho mas acho que as imagens nos passam tantos significados...
    Já me tornei leitora fiel :)
    Beijos,

    Amanda
    http://talesandtalks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  34. Ilustrações maravilhosas!
    Queria eu ter esse dom!

    Bjs
    www.garotadebotas.com

    ResponderExcluir
  35. Acho que a beleza das ilustrações, principalmente as que tem um fundo emocional é que cada um vê uma coisa.
    Não exatamente o que você quer ver, ou o que é, mas o que nós precisamos ver.
    Em várias imagens eu vi algo diferente de você, mas também consigo ver o que você disse (após sua explicação). Esta é a beleza das artes, elas mudam de acordo com quem observa...


    Beijos!
    Andréia Campos
    http://petitandy.com

    ResponderExcluir
  36. Que lindo, eu amo ilustrações acho encantadoras, não consegui escolher minha favorita... Tudo perfeito!
    www.cantinhob.com

    ResponderExcluir
  37. Hello Hlleo confesso que no começo fiquei meia intendiada de ler tanto kk mais depois fiquei viajando nas ilustraçao que louco amei amei amei !
    Migaa fica com deus ta um beijo da Juh Margarida!
    juizo no corpo e na alma! A nao se esqueça de vim me ver ok:
    www.politicamenteincorreta.com

    ResponderExcluir
  38. Amei essas ilustrações, elas mexeram até comigo c:
    gostei muito da playlist - algumas musicas me fizeram chorar! oi?- kkkkkk
    Achei o post bem completo <3

    www.seteprimaveras.com

    ResponderExcluir
  39. O post já começou bem, indicando Taylor e depois essas ilustrações incríveis? Nossa. Nossa.
    Nem sei o que dizer, sério. Minha favorita foi a da menina caindo no mar e estando no céu de uma cidade que pensei ser Paris. Realmente me fez pensar em Clean.
    As outras também são lindas e adorei as metáforas (elas sempre me chocam, de uma forma ou outra e deve ser por isso que as amo tanto), mas, mesmo depois de ver tantas fotos, a primeira ainda estava na minha mente.
    Muito talento para um post só, né?
    Amei.

    Beijos,
    Bi.

    - www.naogostodeunicornios.com

    ResponderExcluir
  40. Cara, acabei de conhecer seu blog e só tenho que dizer que eu estou sem palavras. Acho que nunca um post me prendeu tanto. Meus parabéns, muito sucesso pra você! Com certeza vou estar sempre por aqui. Beijo <3
    www.espelhodabia.com.br

    ResponderExcluir
  41. Taylor swift é sempre uma boa ideia hahaha. O que acho mais legal nas ilustrações é como a criatividade ganha vida e se mistura com as emoções, cotidiano, enfim, incrível! Bj, Blog B de Bia

    ResponderExcluir
  42. Coloquei a playlist para tocar enquanto rolava o post e apreciava as ilustrações e lia os seus comentários.
    Imagens lindas, muitas delas bem fortes e que falaram muito comigo!

    Blog do Sofá
    do Sofá

    ResponderExcluir
  43. sério, que interesante! essas ilustrações mecheram mesmo com meu psicologico, e nem se fala nas músicas né? <3 post incrível, que amei muito <3

    www.simplesmentecriativa.com.br

    ResponderExcluir

Obrigada por chegar até aqui para deixar a sua opinião. É fundamental para mim. O que dá sentido com ratificação para cada reflexão entre análises, dicas, informações e sentimentos aqui escritos são essas nossas trocas evolutivas de sensações e pitacos.

Não esqueça de clicar em "notifique-me" abaixo do seu comentário para receber por e-mail a resposta dada.

Posts Recentes Mais Posts

TRANSBORDOU NESTES?

Direitos Autorais

Todos os escritos aqui postados são de autoria da escritora, poetisa, compositora e blogueira Vanessa Brunt. As crônicas, frases, poesias, análises e os demais diversos escritos, totais ou em fragmentos, podem ser compartilhados em quaisquer locais e sites (quando não para fins lucrativos: criação de produtos para vendas, entre outros), contanto que haja o devido direcionamento dos direitos autorais. Ademais, as imagens utilizadas no blog para as postagens não são, em sua maioria, feitas pela autora. Portanto, para qualquer problema envolvendo os créditos das fotos, basta entrar em contato e o caso será resolvido prontamente.