O QUE ASSISTIR NOS CINEMAS EM JUNHO

terça-feira, junho 07, 2016


Um mês recheado de lançamentos aguardados desde 2015, um mês recheado de obras com entrelinhas enriquecidas e possibilidades reflexivas para palpitar mente e coração, um mês com cinebiografias, dramas críticos, romances que captam lições para muito além e muito mais. Confira abaixo as mensagens prioritárias que podem ser esperadas de diversas das tramas prometidas para junho de 2016.

  • Como Eu Era Antes de Você (Lançamento: 16 de junho / Obra escrita por Jojo Moyes)

Finalmente! Após uma tremenda espera, eis que surge a chegada da adaptação de um dos livros mais queridos da atualidade. A obra vai muito além dos quesitos de 'romance' e de lições agregadas sobre relacionamentos saudáveis e afins (o que não deixam de ser pontos imensamente válidos nas discussões aderidas e enriquecidas nas entrelinhas da estória), o ponto principal das mensagens está na tese 'do que é, de fato, viver intensamente': Viver intensamente é sentar em um novo restaurante e provar um diferente café. É assistir a filme legendado, mesmo achando que não gosta de legendas. É arriscar novamente o que achava ser ruim. É olhar o pôr do sol de um novo ângulo e lugar. É ir em um cinema com um bloquinho de anotações e sair analisando o que mais pôde refletir. É passear por uma rua da própria cidade como se fosse turista e reparar nas poesias que uma flor em frente a uma porta pode trazer. É lembrar que cada planta é regada e plantada por uma sessão de histórias por trás. É lembrar que algo sempre está acontecendo. Viver intensamente é aglomerar por dentro o que poderá expurgar. É não sair voando por aí sem nada semear. É ter uma zona de conforto por ter prioridades, mas lembrar de sair dela sempre que possível, contanto que não fira o fundamental. Viver intensamente é poder viajar mesmo sem pegar um avião e viajar literalmente da forma que a oportunidade der, mas sem perder os portos seguros. É ir podendo voltar. É lembrar que o mundo é gigante! Mas só para quem pode ir em qualquer canto sabendo que deixou o bem. Para os maus, o mundo é pequenoViver intensamente é lembrar que o que realmente tem valor é o que deixamos, é o legado, e ele é sempre construído de mundinhos em mundinhos que devem ser cuidados de forma a não destruir um ao outro, mas sim complementar. Viver intensamente é lembrar que um livro entrelaçado vale mais do que capítulos soltos. Viver intensamente é assistir aquele filme que parece que não vai ser bacana, é ir naquela festa que parece que vai ser chata, é ficar mais um pouquinho! É evoluir enquanto rega aquele ninho. Porque viver intensamente é recordar a todo instante que estar livre é saber ao que se prende. Intensidade não é sinônimo de imprudência. Liberdade não é sinônimo de excessos, de beijos sem significados, de toques que não mudam caminhos, de festas que serão esquecidas, de utilização do que faz mal ou é somente morno no amanhã. Os mais livres são os mais intensos, porque eles deixam marcas: intensidades que perduram em outros em gratidões e saudades, porque buscam fazer o pequeno que é grande em significados. Porque eles plantam flores na frente de uma porta! E olham isso não da maneira literal. E sabem olhar além, porque guardam sempre mais além. Guardam por não "sair voando". Porque só eles podem realmente voar  por ter onde pousar, por não ter consciência que pesa mais que o corpo. Mais toca o interior, ouvir sobre uma abdicação por valores, do que sobre uma loucura de carnaval. Mais toca ouvir sobre o sacrifício do que sobre a conquista sem caminho. Porque intensidade é saber que o mais fundo está sempre na superfície. É um lembrete de que ser livre é saber ao que se prende e respeitar isso, não se conformando. É o lembrete de que o intenso e livre não é o que "está nem aí", mas sim aquilo que se apega aos mínimos detalhes adentrados aos princípios próprios. As mensagens são para reflexões de autoconhecimento, principalmente, não sobre vida a dois, romances e afins. Viver intensamente é aprender. Aprender é cuidar mais das escolhas. Cuidar mais das escolhas é abdicar. Abdicar é ter mais do que escolheu. Viver intensamente é experimentar o sorvete cuidando do pote, não o tomando na mão. É bom observar que a vida do personagem Wil, que tanto simbolizava 'liberdade' e 'intensidade' para ele, não era baseada em não construir nada e sair de 'casa em casa' por aí. Ele cuidava do amor profissional, do amor romântico, dos amores pessoais, sem que um destruísse o outro: ele sabia das suas prioridades e do que deveria abdicar pelas tais. A obra aborda ainda teores firmes sobre a fundamentação do autoconhecimento para a base dos sentidos da vida, caça aos sonhos, superação pessoal e profissional em enlaces e amor-próprio. Mas não aquele amor por si que é prioridade única, a lição basilar fica para o fato de que amar a si fechando portas, sem lembrar que maturidade é não desistir de sentir, é não amar a si. Quem ama a si, permite a evolução, enxerga nos riscos as possibilidades de engrandecimento. Quem ama a si só não aceita permanecer no que já comprovou levar ao mesmo fim, com positivos que não suprem os negativos. Diversas das lições da obra lembram um dos poemas desta postagem ("Ao reparar que estamos sozinhos"). A obra faz um grande jus a afirmação de que devemos mudar para continuar os mesmos (caso a nossa essência já esteja descoberta e, caso não, mudar para encontrá-la) e certifica, ainda, mais uma frase do Depois Daquilo (próximo livro): "O amor, para ser amor, precisa de amizade. A amizade precisa de intimidade. A intimidade precisa de conexão. A conexão precisa de confiança. A confiança precisa de verdade. A verdade precisa de caráter. O caráter não precisa de nada, ou ele é ou não é". Para além, fatores sobre preconceitos com diversos 'abrir de olhos' para os receptores sobre o quanto nos falta tamanho respeito perante um olhar social maior, são impulsionados. A crítica enfatiza o quanto deixamos de nos colocar no lugar alheio antes de enxergar o que realmente estamos por ver. Um trecho deste resenha de 'Um Senhor Estagiário' já feita aqui, também é imensamente cabível para mensagens do novo longa: "nada disso (nem dinheiro e nem mesmo amor por alguém) é suficiente para o maior sentido de viver quando se não se tem a espera! E é aí que está uma das maiores mensagens do filme sobre objetivos de vida: Os passos têm que ter a ver um com o outro, tem que ser teia. O que não adianta é ficar no que não produz mais esperas. Quando você para de aguardar ou fica estático em algo que nunca fez aguardar nada, aí sim, não adianta organização ou o milagre que for. Aguardar e fazer para parar de aguardar, alcançando o que aguardou e vendo novas esperas, é o segredo para que ter disciplina valha a pena. Porque obstáculo muda de nome para etapa quando se está onde sente esse aguardo enquanto faz. É ter uma meta sempre, chegar nela, e ter uma nova. Porque além da intimidade de um relacionamento entre seres humanos, é preciso encontrar essa mesma sensação nas próprias aspirações. Todos precisamos sentir que fazemos parte de algo tão nosso, tão intrínseco, que faz valer esforço e conquistas. Como gosto sempre de ratificar: Se não tem amor (que engloba toda essa questão da intimidade), é tudo lixo não reciclável". Já deu para reparar quantas entrelinhas de valores deleitosos o filme pode emitir? Na sinopse mais enxuta (sendo que para muito além dela a obra vai): Will é um homem bem-sucedido e repleto de realizações pessoais, até sofrer um grave acidente que o deixa preso a uma cadeira de rodas. Ele está profundamente depressivo e contrata uma garota do campo para cuidar dele. Ela sempre levou uma vida modesta, com dificuldades financeiras e problemas no trabalho, mas está disposta a provar para Will que ainda existem razões para viver. Qual o poder que alguém pode ter no nosso caminho? O quanto podemos enxergar além através da chegada de um novo sentimento? O quanto devemos nos permitir mudar por outro ser? Somente enquanto continuarmos descobrindo mais de nós, com a balança nos permitindo estar presos ao que nos liberta. Mergulhe nas indagações que vão sempre findar na sua própria essência. Uma obra sobre busca de ser quem é, sobre realização, sobre sentidos que impulsionem a viver, sobre o lembrete de que ser louco é poder ter razão no fim, mesmo errando, porque foi louco por tentar o bem. O filme contará no elenco com Emilia Clarke, Sam Claflin e mais.

  • Mais Forte Que o Mundo: A História de José Aldo (Lançamento: 16 de junho / Roteiro por Afonso Poyart)  

Sempre ratifico em comentários sobre filmes que contam com esportes adentrados em quesitos de luta, que enxergo o ato do 'combate' metaforicamente (como representações diversas que podem ser cabíveis a depender dos contextos: luta por superação e afins). Cada detalhe, cada machucado, respiração ou forma de mexer o corpo, acaba sendo uma lição de vida, acaba servindo de analogia para reflexões aprofundadas e isso enriquece de forma agigantada cada traço das obras. A discussão acaba não indo para um caminho sobre ser 'contra ou a favor' o tipo de esporte, mas sobre uma forma de mergulhar ainda mais nos atos. No filme que teremos em cartaz, portanto, diversas entrelinhas estarão disponíveis. A trama é a cinebiografia do lutador amazonense que se tornou o primeiro campeão peso-pena do UFC. As mensagens da sua história nos levam desde para críticas sociais e políticas a serem destrinchadas (como, inclusive, fatores sobre machismo e algumas das suas consequências), até para teores mais motivacionais, encaixáveis em quaisquer almejos de vida: José Aldo, forte rapaz de família pobre, marcada pela violência doméstica, deixa o Amazonas e parte para o Rio de Janeiro em busca de uma chance como atleta. Para vencer os oponentes no octógono, porém, ele terá antes que acertar suas contas com o passado e superar velhos traumas.

  • Raça (Lançamento: 23 de junho / Roteiro por Anna Waterhouse e Joe Shrapnel

Liberdade é saber ao que se prende. Liberdade é sinônimo de respeito. Liberdade é abdicar do trivial para ter o fundamental. Liberdade é focar em algo maior do que os egos momentâneos. Ser livre é poder escolher, e só pode escolher quem, de fato, escolhe. Ser livre é cumprir promessas, ser livre é deixar a sua marca por ter cumprido. A trama é a cinebiografia de Jesse Owens (Stephan James), atleta negro americano que ganhou quatro medalhas de ouro nas Olimpíadas de Berlim, em 1936, superando corredores arianos em pleno regime nazista de Adolf Hitler. Uma obra motivacional e repleta de críticas sociais que agrega lições imensuráveis sobre superação, autoconhecimento, legado (o que nos torna, afinal, imortais?), sentidos reais da liberdade (como citado inicialmente), impactos de cada ato próprio em vidas alheias (o que ocorre seja sobre quem for) e muito mais de maneiras que nos fazem enxergar cada corrida feita pelo atleta de forma metafórica, representando alcances da nossa própria vida e lições da única grandeza que realmente existe: ser e continuar sendo através dos pedaços que deixamos de nós para outros.

  • Mundo Deserto de Almas Negras (Lançamento: 16 de junho / Roteiro por Ruy Veridiano)

"Mundo Deserto de Almas Negras" é ambientado numa São Paulo fictícia e tematiza o racismo numa sociedade invertida, onde brancos são marginalizados e negros detêm posição privilegiada. Tendo como umas das principais locações do filme a "Faculdade Zumbi dos Palmares", a cidade de São Paulo em que se ambienta o longa é idêntica à real em muitos aspectos, entretanto, é oposta em um ponto crucial. Oscar (Sidney Santiago), advogado pertencente à elite paulistana, é negro, assim como quase todos que compartilham de sua classe social, enquanto os brancos sofrem com a falta de oportunidade e são relegados a empregos subalternos e à vida em guetos. O ator e ativista Sidney Santiago, que dá vida ao protagonista Oscar, produziu um elenco de atores negros igualmente ativistas que neste filme não representam papéis sociais subalternos, como Naruna Costa, Lucélia Sérgio, Edson Montenegro, Aldo Bueno, Kenan Bernardes, Paulo Américo e participações especiais de intelectuais afro-brasileiros. Na trama, o jovem Oscar planeja entrar em um presídio com celulares escondidos, mas é assaltado no trânsito e torna-se alvo de uma busca implacável. Vejo a obra como perigosa, já que pode acabar mitigando de fatores fundamentais para discussões que devemos manter vivas e cada vez mais firmadas (a partir de quesitos históricos e afins que nos trouxeram a uma realidade ainda imensamente machista, racista, entre outros pontos negativos). A questão de implantar ainda mais discursos racistas em uma sociedade que já é (ou deveria ser: cada vez mais) invertida por si só e não dividida de tal maneira, também paira no ar. Porém, fico na curiosidade crescente, porque por outra angulação, as críticas da obra podem ser bem bacanas, irreverentes, causando ainda mais 'choques' para o 'acordar social'  de uma maneira que siga a linha do vídeo (curta-metragem) "Amor é Tudo Que Você Precisa?", postado aqui nos '15 vídeos, incluindo curtas-metragens, para assistir e refletir' (o vídeo indicado inverte heterossexuais e homossexuais em teses de preconceitos e do que é visto como "normal" - e coloca aspas nisso!). Entre as duas pontas de possibilidades, ficamos com a certeza de que a tentativa do longa é ser crítico, reflexivo e repleto de entrelinhas bastante irônicas para que possamos nos deleitar e, independente da direção, argumentar ainda mais criticamente perante as temáticas abordadas.

  • Independence Day: O Ressurgimento (Lançamento: 23 de junho / Roteiro por James A. Woods, Roland Emmerich, Dean Devlin e James Vanderbilt)

Ainda não conferi o primeiro longa da sequência, mas a curiosidade já ganhou espaço. Tramas que agregam zumbis, extraterrestres e afins, ganham a minha atenção não exatamente por esses quesitos que também nos levam a certas interrogações interessantes, mas, principalmente, por aflorar os lados desesperados da sociedade e das particularidades de cada um (o desesperado sabe o que fazer, demonstra quem realmente ama e o que realmente tem dentro de si). Os lados mais humanos, ambiciosos, preconceituosos, orgulhosos, frágeis, fortes, e diversos outros em divergências e convergências que mostram os lados mais crus e tão diferentes de ser para ser. A força que temos em equipe, a grandeza que adquirimos utilizando a gratidão e a bondade, os alcances imensos que podemos ter através do respeito e ajuda ao próximo, a queda de máscaras, os sacrifícios por quem amamos, por quem descobrimos ir muito além do que imaginávamos e, do outro lado, as ganâncias que nos puxam para trás, são todos pontos possíveis de serem agregados, aglomerados, demonstrados e que comprovam que somos imensamente diferentes, que por isso o julgamento é sempre errôneo sem antes tentar e que somos imensamente semelhantes e que, por isso, a tentativa é sempre errônea sem antes olhar e fazer como gostaria que fosse olhado e feito por si. Nessa sequência, o planeta Terra volta a ser objeto de um ataque alienígena aproximadamente de 20 anos após o retratado em Independence Day (1996). Do ponto de vista dos aliens, no entanto, são passadas poucas semanas, mas o que para eles são dias de viagem no espaço, para a Terra são muitos anos. E a partir disso, a guerra pela sobrevivência, pelas famílias, pelos sonhos, pela vida, pela tentativa de sermos mais um só do que vários perdidos, (re)começa.

  • Procurando Dory (Lançamento: 30 de junho / Roteiro por Andrew Stanton, Victoria Strouse e Bob Peterson)

Aquele detalhe da infância está ganhando sequência, aquele do endereço que você nunca mais vai esquecer: "P. Sherman, 42 Wallaby Way, Sydney". Confesso que após assistir DivertidaMente, que contém tamanhas mensagens incríveis, que me fez chorar rios e que recomendo para todas as crianças e pessoas deste mundo, "Nemo" desceu um pouco na lista de animações favoritas. Mas é 'aquela coisa' imortal, que faz parte das nostalgias e, de qualquer forma, contém as suas belíssimas mensagens dentro das águas guiadas perante o público principal ao qual se destina. Então, podemos aguardar demais mensagens bacanas sobre amizade, família, persistência, força da união quando nos permitimos ser mais ao ajudar o outro também a ser (como muito enfatizada é no primeiro filme), entre tantas outras lições em linhas e entrelinhas. Nesse longa, um ano após ajudar Marlin a reencontrar seu filho Nemo, Dory tem um insight e lembra de sua amada família. Com saudades, ela decide fazer de tudo para reencontrá-los e na desenfreada busca esbarra com amigos do passado e vai parar nas perigosas mãos de humanos.Com as vozes no original de Ellen DeGeneres, Albert Brooks, Idris Elba, Eugene Levy, Diane Keaton.

  • Truque de Mestre: O 2º Ato (Lançamento: 9 de junho / Roteiro por Ed Solomon)

Uma obra que promete fazer ainda mais jus, literal e metaforicamente (que é o sentido principal) a frase que tanto ratifico: Nenhum tesouro do fundo vai estar realmente no fundo se não passa pela superfície. Assisti ao primeiro longa da sequência logo quando lançou e lembro que gostei de algumas das mensagens firmadas nas entrelinhas, o que faz com que a trama não seja feita somente de meios para um 'entretenimento vazio de reflexões a serem aprofundadas'. Existiram críticas políticas, por mais que não muito elaboradas, quesitos sobre superação, importância de planejamento e diversos pontos interessantes que ficam navegando pelo decorrer. Nessa sequência, senti a força de uma possibilidade ainda maior de cada lição em ainda mais agigantadas implicitudes, tanto nos diálogos, como nos feitos, que prometem ser ainda 'mais poéticos': desencadeando um no outro em mensagens a mais. O prosseguimento da obra relata que após enganar o FBI um ano antes, o grupo de mágicos será forçado a se reunir mais uma vez e realizar uma nova série de golpes elaborados que culminarão na maior ilusão que já fizeram até agora. E esses golpes acabam sendo, de fato, negativos (contando com falta de caráter e afins)? Na primeira obra eles resultam em críticas proveitosas. Aguardemos que seja para além, positivamente.

  • Estive Em Lisboa e Lembrei de Você (Lançamento: 16 de junho / Roteiro por José Barahona)

Baseado no romance homônimo de Luiz Ruffato, Sérgio de Souza Sampaio (Paulo Azevedo) mora em Minas Gerais e trabalha na Companhia Industrial de Cataguases. Levando uma vida modesta, ele tem uma reviravolta amorosa e profissional no ano de 2005 e decide emigrar para Lisboa, em Portugal, buscando demais realizações a partir das promessas que tanto ouve sobre as 'grandes possibilidades' na Europa. E é aí que promete morar a base de lições da obra! Os mares que são feitos só de rosas acabam sendo os de maiores espinhos. O filme nos deixa a jura de abordar a quebra de estereótipos e preconceitos, exibindo que todo local (e pessoa) terá problemas, assim como pontos positivos que são desconhecidos por quem "está do lado de fora". Não podemos conhecer sem mergulhar, falar da temperatura da água sem colocar mais do que os pés, sem ficar nela de corpo inteiro por alguns minutos. Dentro do nosso próprios país temos diversos conceitos prévios de cada estado perante outro estado, de como um local é ou se porta, e o quanto tomamos "choques" ao viajar pelo nosso Brasil e reparar o quanto todo canto é semelhante e divergente em pontos não imaginamos sem antes pôr os pés? E isso acaba servindo como alerta para julgamentos em relação a quaisquer detalhes. É por esse caminho que a obra deixa a ideia de perdurar. Por essa riqueza crítica é que estou imensamente ansiosa para ler o livro antes de conferir nos cinemas!

  • Warcraft: O Primeiro Encontro de Dois Mundos (Lançamento: 2 de junho / Roteiro por Charles Leavitt e Duncan Jones)

Filme baseado no jogo "World of Warcraft". Confesso que nunca joguei, mas imagino que os fãs do game irão adorar, porque as problematizações chamaram bastante a minha atenção pelas mensagens que parecem emitir. E nada melhor do que uma estória com lições, de fato, reflexivas (que é aqui sempre o nosso enfoque), não é? Na trama, a região de Azeroth sempre viveu em paz, até a chegada dos guerreiros Orc. Com a abertura de um portal, eles puderam chegar à nova Terra com a intenção de destruir o povo inimigo. Uma saga espetacular de sacrifício e luta por poder começa, onde a guerra tem muitas faces (como sempre é em cada detalhe do cotidiano e precisamos visualizar) e cada um luta por algo mais próprio. Dois inimigos então, irão se juntar e descobrir que unidos podem muito além, reunindo o que desejam salvar em convergência e desvendando semelhanças que não imaginavam. Logo, rupturas de pré-julgamentos ocorreram, firmando mensagens perante a frase: "Não gosto daquele homem, preciso conhecê-lo melhor" (Abraham Lincoln).

  • Campo Grande (Lançamento: 2 de junho / Roteiro por Sandra Kogut e Felipe Sholl)

Uma trama sobre enxergar que o mundo é gigante e repleto de possibilidades, sobre lembrar que as nossas dores nunca são maiores ou menores que as de outro alguém, sobre lembrar que, se achamos que não podemos fazer algo na nossa vida perante o que 'não depende de nós', podemos fazer por outro alguém que se sente em mesma situação, e só assim um ciclo de 'mãos para além do destino' pode ser iniciado. No filme, Regina é mulher de 50 anos que mora na privilegiada Zona Sul do Rio de Janeiro. Certo dia, ela encontra na sua porta Rayane, uma menina de cinco anos que claramente não é da região e Ygor seu irmão mais novo. A garota explica que a mãe pediu que eles a esperassem no mesmo lugar até ela voltar. Regina, sem saber o que fazer, pensa em levá-los ao orfanato, mas é convencida pela filha adolescente de deixá-los passar a noite. Assustados com a imensidão da casa, os dois ficam juntos e Regina percebe que eles só possuem um ao outro. Decidida a ajudá-los a encontrar sua família, Regina tem contato com um mundo que não conhecia, nos encaminhando para mensagens que abordam valorização familiar, impactos de divergências sociais extremas (críticas sociais do nosso país) e muito mais, cabendo, principalmente, no fator de que: se algo aparecer para que ajudemos, que façamos, e ganharemos muito mais assim (em tópicos evolutivos e de oportunidades inimagináveis que vão aparecendo no caminho). Li, porém, algumas críticas que afirmam que cada uma das mensagens que poderiam ser tão bem aproveitadas, ficaram mesmo pelas superfícies, o que tornou a obra massante e menos reflexiva do que teria chances de ser. O que nos resta é conferir para observar se não existem nessas 'redundâncias', entrelinhas ainda maiores do que podemos imaginar.

  • Porta dos Fundos  Contrato Vitalício (Lançamento: 30 de junho / Roteiro por Fábio Porchat)

Confesso que, pelo trailer, achei o filme 'vazio' perante alguns vídeos tão bacanas que o Porta dos Fundos já fez. A capacidade crítica e irônica em simultaneidade dessa equipe (e, ressaltando aqui, do Porchat, que nos apresentou obras metafóricas bem incríveis como Entre Abelhas) é super interessante e senti que a trama não está em encontro com tais pontos de força para reflexão. Porém, pela possibilidade de, no decorrer, surgirem tais formas de emissão de teses mais aprofundadas em que são criticados quesitos como política e problemas sociais diversos, estarei por dar a chance. Na sinopse de base: Miguel e Rodrigo são dois amigos que costumam realizar filmes juntos. Certa ocasião, um de seus filmes ganha um prêmio importante em um festival internacional. Animados com a premiação, os dois saem para comemorar e Rodrigo assina, em um guardanapo de bar, um contrato vitalício que garante que ele estaria em todos os filmes de Miguel dali para frente. No entanto, Miguel desaparece e só retorna dez anos depois; quando reaparece, ele leva para Rodrigo, agora um ator consagrado, a proposta de um filme insano que pode destruir a carreira e a vida do ator. Algumas mensagens ficam clarificadas desde então, como o alerta sobre impulsividades que podem 'tirar de nós' possibilidades e prosseguimentos do que realmente importa. Algumas lições podem ser visadas, como a da frase que sempre ratifico: 'Não merece o fundamental quem não sabe abrir mão do trivial'. Porém, aguardo que vá para além dessas superfícies nem tanto impactantes pela forma apresentada. 

  • Uma Loucura de Mulher (Lançamento: 2 de junho /  Roteiro por Marcus Ligocki, Kirsten Carthew e Angelica Lopes)

Uma comédia leve com mensagens bacanas que podem acabar para abrir olhos através das sensações para aqueles que puderem encontrar identificação. Lúcia é casada com Gero, político que está deslumbrado com a possibilidade de virar governador. Lúcia está disposta a apoiá-lo, mas um grande vacilo dele (que, inclusive, nos leva a possíveis reflexões sociais sobre problemas como o machismo e outros encubados pela política corrupta) a faz fugir para o Rio de Janeiro. Lá, ela redescobre a alegria de estar solteira e de perseguir os próprios sonhos. Gero precisa dela para se eleger e Lúcia tem que se livrar dele para ser feliz. Mensagens sobre um relacionamento, de fato, saudável (como indicadas aqui) e sobre a fundamentação do autoconhecimento e de tantos outros fatores como citados nas percepções do primeiro filme da lista, prometem ser abordadas com fulgor.

  • Trago Comigo (Lançamento: 16 de junho / Roteiro por Willem Dias e Thiago Dottori)

Telmo (Carlos Alberto Riccelli), um diretor de teatro aposentado, foi membro da luta armada durante a ditadura militar e chegou a ser preso por seis meses por conta disso. Porém, ele não consegue se lembrar de nada desse período, além de alguns lapsos momentâneos. Para tentar reativar sua memória e descobrir o que aconteceu, ele decide criar uma peça de teatro. Contando com um jovem elenco de atores, Telmo vai reconstruir a sua própria história. Trago Comigo tem uma relação temática bastante óbvia com O Último Metrô, de François Truffaut. Os dois filmes tratam a arte (mais especificamente o teatro) como reduto da liberdade em meio à opressão, local de manutenção da memória. O francês mostra a preparação de uma peça judia durante a ocupação nazista de Paris; o brasileiro, uma peça dirigida nos tempos atuais por um exilado da ditadura militar. O foco aqui está na importância de se relembrar o passado, debatê-lo com as novas gerações e analisá-lo sob novas perspectivas. Seu filme, baseado na minissérie homônima produzida pela TV Cultura e SescTV em 2009, é relevante para diversas discussões sociais do nosso país e até para além. O contraponto é mostrado a partir de depoimentos reais de pessoas perseguidas pelos militares, inseridos ao longo da trama. Ali está a realidade desnudada da falta de liberdade, da truculência, do autoritarismo. Difícil julgar à distância quem, como eles, escolheu o radicalismo durante uma era de radicalismos. A principal virtude de Trago Comigo é levantar essas questões e deixar as respostas para o público. A lição que fica: deve-se sempre estudar o próprio país, buscar boas referências históricas. Não somente repetir o que se vê na mídia e internet. Em uma época como a atual, marcada por opiniões políticas e escolhas morais extremistas, Tata Amaral revela uma forma eficiente de debater-se o Brasil. Além de tantas lições bacanas que enriquecem argumentos e visões sobre problemáticas sociais, a trama ainda nos promete entrelinhas em que abordam mensagens sobre busca de autoconhecimento de maneira imensamente metafórica (o que torna ainda mais enriquecido), aglomerando com mensagens sobre relacionamentos diversos em enlaces que exibem as consequências de detalhes, sempre maiores do que imaginamos no momento feito.

Outros filmes que temos prometidos para o mês de junho são:

Paulina: Destaque da lista! (16 de junho)
A Odisseia de Alice (09 de junho)
A Despedida (09 de junho)
O Outro Lado do Paraíso (02 de junho)
Rock em Cabul (02 de junho)
As Tartarugas Ninjas: Fora das Sombras (16 de junho)
Casamento de Verdade (09 de junho)
Tini: Depois de Violetta (16 de junho)
Vida Selvagem (16 de junho)
Paz para Nós em Nossos Sonhos (02 de junho)
Tudo Sobre Vincent (02 de junho)

O Caseiro: Suspense brasileiro (23 de junho)
Invocação do Mal 2 (09 de junho)
A Última Premonição (16 de junho)


Lembrete: Algumas das datas de lançamentos ficam suscetíveis a modificações, o que, caso ocorra reposicionando alguns dos filmes para após o mês indicado, será informado aqui na postagem de lançamentos do mês de julho.

Qual das obras mais chamou a sua atenção? Estava aguardando alguma há muito tempo? O que espera a mais das possíveis reflexões/mensagens a serem emitidas por cada uma? Não deixe de compartilhar as suas visões aqui nos comentários!

LEIA TAMBÉM:

46 COMENTÁRIOS

  1. Eu estou super ansiosa pra ver Warcraft, Independence Day e Invocação do Mal 2 \o/

    Mas, acho que nunca me senti tão por fora do mundo do cinema, EIUHAUIHEUIHAUHEUHUIA! Meu deeeeus. Não conheço metade dos filmes e já fiz uma lista enorme do que quero assistir, HAHAHAHA, apenas obrigada <3 <3 <3.

    Beijo ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Pa, que delícia é saber que pôde mergulhar assim em cada análise mais direta e prévia de obras reflexivas e repletas de entrelinhas. Espero que detalhes possam ter impulsionado a releituras desde já, viu? Não consigo ficar muito apegada a filmes de terror (ou ansiosa para), porque sinto aquele 'vazio reflexivo' de clímax puramente 'baratos' - focalizados em vendas. Mas é claro que podemos encontrar momentos para e puxar reflexões inimagináveis de quaisquer detalhes. Adorei saber os seus maiores aguardos atuais! Tomara que diversos outros possam também impulsionar demais das suas visões. Um super beijo!

      Excluir
  2. e la vem voce com essas reflexoes incriveis de sempre, fico sempre anotando as suas frases, ja entro aqui no sem quases com uma nota aberta no computador pra ja ir salvando as mensagens maravilhosas kkkkkkkk to querendo mais daquelas resenhas que voce faz depois de assistir um filme, mas adoro tambem essas "anteriores"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Lu, que delícia é receber esse carinho tão maravilhoso e poder retribuir com imenso gosto! Obrigada por alimentar os maiores sentidos deste nosso cantinho ao transbordar assim em cada reflexão de base emitida. É incrível saber que pedaços partilhados de tantos sentimentos palpitantes descritos em teses, viram também seus. Em breve teremos mais resenhas assim, viu? Espero que as obras prometidas para o mês, desde já, tenham impulsionado certas releituras internas para você. Um super beijo!

      Excluir
  3. Que massa.
    Eu já abri o blog amando a primeira frase, então creio que tem coisa por aqui que me interessa demais. adorei as dicas de filmes, alguns já até estava mesmo curiosa para ver, só me ajudou a decidir.
    Parabéns, você escreve de forma que nos fazer dar vontade de continuar.
    Beijos grande

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como é incrível receber seu carinho tão maravilhoso e retribuir com tamanho gosto, Ja! Obrigada por chegar mergulhando e transbordando em cada reflexão. Espero que cada detalhe analisado possa já ter impulsionado diversas das suas reflexões em releituras internas e demais pontos de inspirações e afins, viu? Espero ver mais de você por aqui! Um super beijo!

      Excluir
  4. É muito filme para pouco dinheiro haha.
    Os que mais estou ansiosa para assistir são, Como eu Era Antes de Você <3, Procurando Dory (sim, Procurando Nemo fez parte da minha infância rs), e Truque de Mestre 2, eu amei o primeiro e entrou para minha lista de filmes favoritos.

    Beijos
    Larissa | www.feminicesdalari.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Lari, a carteira chora e a mente e coração imploram, não é? Rs. Estou louca para conferir cada um dos que citou, apesar de algum receio de que 'Dory' não seja tão rico em detalhes reflexivos como 'Nemo', mas as premissas parecem muito valer, ainda agregando demais pontos bacanas. E os detalhes já emitidos de Truque de Mestre 2 deixaram para mim a ideia de que pode ser até melhor que o primeiro! As entrelinhas parecem estar mais enriquecidas e espero uma obra ainda mais crítica. Adorei saber os seus maiores aguardos atuais. E 'Como eu era' nem se fala, não é? Um romance que não se trata do romance no fim das contas. Maravilhoso!

      Excluir
  5. Alguns eu não conheço, mas me despertaram interesse!
    Vou fazer minhas continhas para tentar multiplicar os dois reais que sobraram do meu salário. kkkkk
    'Como eu era antes de você' já esatava na minha lista. ♥
    Beijos
    https://vestibulandaguerreira.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba! Como é maravilhoso saber que pôde mergulhar previamente em cada obra, Va. Espero que possa ter já ter agregado reflexões e aprofundamentos a serem destrinchados ainda mais, viu? Que possamos ser surpreendidas com ainda maiores teses, não é? Um super beijo!

      Excluir
  6. Quero muito ver Dory <3
    Esses dias que fui descobrir esse filme do Porta dos Fundos hahaha

    Blog.
    Facebook.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, estou louca para conferir esse prosseguimento que aparenta ter mensagens super bacanas ratificadas e até para além de 'Nemo'. Nostalgia que dá! Sobre o filme do Porta dos Fundos estou receosa, como destrinchei... espero demais que nos surpreenda com críticas reflexivas como costumam fazer em tons deleitosos de ironias. Tomara! Espero muito que cada prévia análise possa ter impulsionado em certas reflexões desde já, viu? Um super beijo!

      Excluir
  7. COMO EU ERA ANTES DE VOCÊ!!!!!!!!!!!!!!
    Só espero por ele desde o primeiro momento kkkkkkk.

    beijão!

    Isa | http://isabellalessa.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Isa, estou louca para conferir logo a adaptação desde que saiu a notícia de que ela seria feita também, rs. Adorei loucamente saber que está assim nos aguardos de mesma maneira. A estória é repleta de entrelinhas enriquecidas, de mensagens agigantadas que vão para muito além de qualquer 'sinopse' emitida, não é? Os pontos cruciais de lições acabam sendo para muito além dos quesitos de romance. Espero que o filme faça jus. E que demais das obras do mês possam também entrar para as suas listinhas em teores reflexivos somáticos, viu? Um super beijo!

      Excluir
  8. De todos, os que eu realmente quero ver é o truque de mestre 2. Tipo ansiedade a mil. Vi o primeiro e quase morri e virou meu amor desde então. Um dos filmes de mágica mais perfeito da história. Também quero ver como eu era antes de você e a história do Zé aldo.

    http://www.agindodiferente.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba! Que delícia é saber que mergulhou nas prévias reflexivas das obras, ainda que tendo sido emitidas de formas mais diretas, mas com muitas entrelinhas para nos deleitarmos desde já, não é, Dani? Adorei saber as que já ganharam lugar na sua lista! Os detalhes já emitidos de Truque de Mestre 2 deixaram para mim a ideia de que pode ser até melhor que o primeiro. As entrelinhas parecem estar mais enriquecidas e espero uma obra ainda mais crítica. E o 'Como eu era' é uma obra que vai para muito além de qualquer sinopse emitida, captando, como citei, entrelinhas e linhas com base em lições e reflexões para além dos teores de romances. Espero muito que o filme faça jus! E a cinebiografia do José Aldo nos traz diversas mensagens críticas, além de um gosto motivacional incrível desde já, não é? Espero que cada reflexão implícita possa já ter despertado alguma releitura interna para você e que possa mergulhar em demais das obras, viu? Um super beijo!

      Excluir
  9. Ai como eu estou por fora do cinema! Andei assistindo só os Blockbusters ultimamente e dá uma tristeza, porque estou perdendo tanta coisa boa... Vou me apegar a essa listinha aí com todas as forças e tentar ver tudo! Obrigada pelas indicações! Beijos!
    Blog Vintee5 | Canal Vintee5

    ResponderExcluir
  10. Só filmes legais, tem vááários aí que quero muito ver *---*
    Só em falta companhia pra ir ao cinema :(

    http://heyimwiththeband.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. OOooi, bom dia!
    Eu estou muito ansiosa para assistir "Como eu era antes de você", estou contando os diaaaas já.. hahhahha

    http://www.blahoestraich.com.br

    ResponderExcluir
  12. Oi Vanessa, de maneira geral, me interessei por poucos títulos esse mês. O Estive Em Lisboa e Lembrei de Você me pareceu ser bem interessante e, assim como você, fiquei com vontade de ler o livro antes (imagino que seja incrível).

    Outro filme que me chamou atenção foi o Trago Comigo, especialmente pela época conturbada de golpe que a gente está vivendo. Acho interessante repassar alguns momentos cruciais da história para entendermos melhor o que está acontecendo no presente. Só vou discordar (bem levemente) em relação ao que você disse sobre a abordagem "puramente artística" do Truffaut em O último Metrô. Por mais que o próprio discurso do cineasta seja sempre em defesa do esteticismo puro nos seus filmes, acho que suas obras tem sim um caráter social e político fortíssimo (e desconfio que essa resistência ao social seja em parte um contraponto ao radicalismo do Godard, que chegou a negar o aspecto estético e de entretenimento do cinema como um todo).

    Sempre uma delícia ler suas análises Vanessa! Beijo querida :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mila, que delícia é sempre sentir esses seus mergulhos e transbordamentos a cada reflexão partilhada! Obrigada por tanto alimentar os sentidos prioritários deste nosso cantinho ao navegar imensamente com mente e coração em mesclagem. Os títulos que citou são alguns dos que mais estou ansiosa para devorar! Algumas das obras como o 'Como Eu Era Antes de Você' ganharam o meu coração por detalhes anteriores que mostraram o quão vão além das sinopses emitidas (como é o caso do livro que discorre a trama e apresenta lições que captam detalhes como os citados nas reflexões mais prévias já emitidas que podem ser destrinchadas na adaptação). Mas poucas são as obras com teores mais firmes e tão singulares, ainda mais no mês indicado, que tenham as entrelinhas já prometidas pelos que ganharam também a sua atenção e adorei saber disso!

      Sobre o detalhe alertado, como sempre enfatizo: o que é arte? Arte é ter o que dizer. É uma verdade a emitir, uma reflexão a elevar. Arte é tirar o entalado da garganta, uma singularidade do que é visto mais por dentro. Logo, ser artístico é muito dizer! É criticar, é falar mais metaforicamente, é ter mais entrelinhas, mais sensibilidade nas conexões feitas, é deixar nas implicitudes tão mais do que pode ser visto por quem só 'passar os olhos' sentir 'passar o coração e a mente' em enlaces. A obra tem teores de críticas firmadas, imensamente, e a estética dá suportes enriquecidos e poéticos para tais detalhamentos. Essa é a graça da arte! Falar em um tom mais baixo que pode gritar mais do que tantos outros altos, apenas por falar em um tom muito mais do que parece dizer. O 'puramente artístico' seria uma noção de que as entrelinhas ficam mais firmadas, e o filme deste mês seria mais direto, com menos 'poesia' na emissão (o que pode até fazer com que perca alguns enriquecimentos tão incríveis que só metáforas podem emitir!). O ponto seria positivo para O Último Metrô. Na confusão que poderia causar para certas interpretações, reformulei a parte. Mas espero que consiga captar o que foi indicado de melhor maneira agora que pude destrinchar de maior forma, porque a tese era bem adentrada no que você alastrou, só que, novamente: de uma maneira mais artística, rs.

      Sempre uma delícia receber as suas belas somas, mergulhos e cada linha e entrelinha que emite, Mi! Obrigada, novamente, por tanto alargar o que é aqui fundamental. Um super beijo!

      Excluir
  13. Gente, quanto filme *-* Procurando Dory e Como eu Era Antes de Você eu já não vou perder de nada <3 adorei!

    http://www.leitorasvorazes.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Louca pra ver os trailers são otimos bjs https://blogbrilhodasestrelas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Oi Vanessa!
    Estou ansiosa pra ver ''Como Eu Era Antes de Você''
    Mas, procurando Dory também gostei da ideia de assistir rs

    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Apenas muito ansiosa pra lançar Procurando Dory <3

    www.meujardiminterior.com

    ResponderExcluir
  17. Eu estou louca para ver "Como eu era antes de você"! Deve ser fofo haha e esse trailer de "Mais Forte Que o Mundo" está muito bem feito, deu muita vontade de ver! :D
    E eu juro que não entra na minha cabeça como "Mundo Deserto de Almas Negras" vai conseguir inverter a realidade de brancos e negros, o preconceito é tão cotidiano e enraizado que não consigo imaginar os traços mais internalizados e sutis desse aspecto da nossa sociedade sendo invertidos no cinema. Das duas uma: ou vai ser muito bem feito, ou eles irão mostrar de um jeito mais agressivo para conseguir marcar bem o seu ponto. O trailer me deixou bem confusa, vou precisar ver o filme para tirar minhas conclusões :p

    Um beijo,
    Foca no Glitter

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que delícia saber que mergulhou nas análises prévias, ainda que mais diretas, e que agregou obras com promessas tão repletas de reflexões bacanas nas listas! Os teores críticos de "Mais Fortes Que o Mundo", assim como os mais motivacionais, parecem enriquecer ainda mais com os quesitos mais metafóricos nas entrelinhas que a obra pode abordar, como citado no leve destrinchar de visão já imaginada, não é? E o livro 'Como eu era antes de você' deixa tantos pontos como base das reais lições mais firmadas na obra, tais que vão para muito além e qualquer sinopse, como os que foram citados, e nos resta esperar que a adaptação faça jus a tamanhas entrelinhas deleitosas e de valores imensuráveis.

      Sobre "Mundo Deserto de Almas Negras" indico que veja o vídeo que indiquei da postagem de '15 vídeos, incluindo curtas-metragens para assistir e refletir' que tivemos por aqui. Creio que a intenção é justamente a de firmar ainda mais as críticas de uma maneira a 'abrir ainda mais olhos', como o curta indicado fez com fulgor. Caso assim seja, imagino que os fatores serão merecedores de aplausos. É como destrinchei na leve análise: pode cair para duas angulações em maiores extremos, ou para essa ou para uma que acabe 'diminuindo' o caso e as críticas e, então, saíra sendo uma decepção e tanto. Mas se há a chance de ser algo adentrado na ideologia dessa inversão de papéis para firmar ainda mais os pontos reflexivos, demonstrando o quanto a realidade poderia ser diferente para qualquer um e que não são as cores, as terras e afins que determinaram nada, mas nós mesmos e os nossos próprios preconceitos enraizados, principalmente, por 'guerras por poder', aí então será mais do que válido e imagino que indo para até além em ironias super bacanas. Nos resta aguardar para devorar e esperar que seja o caso mais aprofundado e válido, que realmente nos enriquece em análises e em debates que merecem mais espaço e não retrações. Creio que vendo o vídeo, vai esperar também que seja algo dentro do que lá foi abordado! Um super beijo!

      Excluir
  18. A criança aqui está contando os dias para ver procurando Dory <3
    Sábado vou assistir Warcraft, meu marido é viciado no jogo e me pediu para ir com ele hehe
    Beijos
    BlogCarolNM
    FanPage

    ResponderExcluir
  19. AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAMMMMMMMEI!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! sem mais, sucesso *guardei seu blog nos meus favoritos <3*
    http://www.karoltomaz.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Aaaaaaaah, eu estou alucinada pra ver Como eu era antes de você!!!!!!!!! Li o livro e morri de amor, vi o trailer 507363937x e morri de amor de novo! Ansiosissima <3 já estou me preparando pra chorar! haha

    ResponderExcluir
  21. Olá lindona,
    Eu estou ansiosa para assistir como eu era antes de você e procurando Dory. Eu gosto demais de filmes. Amo cinema!
    Gostei demais dos lançamentos e suas indicações.
    Beijocas lindona.

    meumundosecreto

    ResponderExcluir
  22. Tô muito, muito ansiosa para assistir Como eu era antes de você!

    Beijinhos

    www.chezb.com.br

    ResponderExcluir
  23. Muito filme bom esse mes.. quero ver quase todos. Como eu era antes de vc, no topo da lista. Bjs

    www.deboradahl.com

    ResponderExcluir
  24. Resenhas maravilhosas amei as dicas dos filmes
    Blog:http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br/
    Canal:https://www.youtube.com/watch?v=DmO8csZDARM

    ResponderExcluir
  25. adorei ver tds esses lançamentos! quero mt assistir como eu era antes de vc e procurando dory!

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  26. Ainda bem que vi aqui hoje! Tenho andado tão ausente com o cinema, logo cinema que gosto tanto!
    Tenho que ficar atenta nessas estreias!
    Obrigada por me "obrigar" a sair da desculpa "falta de tempo".

    Beijinhos**
    http://www.ofabulosodestinodemariaamelia.pt/

    ResponderExcluir
  27. Como eu era antes de você, Procurando Dori, Uma loucura de mulher... eu vou falir nos cinemas este mês! Hahahah
    Adorei o post!
    Beijos,
    Júlia (Invisível Como Ar)
    http://invisivelcomoar.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  28. Muitos lançamentos bons esse ano né? Estou super ansiosa pra ver Como eu era antes de você e Procurando Dory!
    Beijos

    http://www.rabiskos.com.br/

    ResponderExcluir
  29. Assisti o Truque de Mestre 1 e achei sensacional e se o 2º seguir a mesma linha, será ainda melhor. Queria assistir também o filme da Dori, pois não tem como não se divertir com ela né kkkk
    As outras indicações também são bem interessantes, vou passar a listinha para meu namorado, pois ele ama filmes também <3

    bjs

    www.tpmbasica.com.br
    youtube.com/tpmbasica

    ResponderExcluir
  30. Estou doida pra ver Procurando Dory hahahahah sdds infância.
    E Como eu era antes de você também, mas antes ainda quero ler o livro.
    Adorei o post
    beijos

    www.jucatunda.com.br

    ResponderExcluir
  31. É tao bom ler suas reflexoes, amo suas analises. Se eu pudesse via todos esses filmes só pelo que voce apontou deles kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  32. Terminei de ler "Como eu era antes de vc" essa semana e já estou louca para ver o filme. Mas acho que aqui no interior ainda vai demorar um pouquinho. Mas estou esperando ansiosamente.
    Beijos

    ResponderExcluir
  33. Oi, Vanessa!
    Eu não sabia que tinha tantos filmes assim pra estrear esse mês. ;)
    Sem sombra de dúvidas, o que estou mais ansiosa para assistir é "Como eu era antes de você". Acho que esse é um dos filmes mais esperados mesmo desse ano. Espero que seja tão bom quanto o livro.

    Um beijo,
    http://helendutra.com/

    ResponderExcluir
  34. Queria muito ver '' Como eu era antes de você'', só que depois de ver o trailer do filme do Aldo, a gente fica na dúvida de qual ver. haha um dos melhores trailers de filme brasileiro que eu já vi. Parabéns pelo post, ficou demais!
    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  35. Quero muito ver o filme do José Aldo!! (;
    Beeijos
    www.ape302.com

    ResponderExcluir
  36. Eu estou super ansiosa para assistir "Procurando Dory", "Como eu era antes de você", e "Truque de Mestre 2"! Também estou ansiosa para ver "Mais Forte que o Mundo" - a Pugliesi falou muito sobre esse filme, e me deixou bem curiosa!

    Excelente postagem querida Vanessa! Eu amo o seu blog, amo meeeeesmo, amo demais!

    Blog Senhorita Deise

    Instagram

    ResponderExcluir

Obrigada por chegar até aqui para deixar a sua opinião. É fundamental para mim. O que dá sentido com ratificação para cada reflexão entre análises, dicas, informações e sentimentos aqui escritos são essas nossas trocas evolutivas de sensações e pitacos.

Não esqueça de clicar em "notifique-me" abaixo do seu comentário para receber por e-mail a resposta dada.

Posts Recentes Mais Posts

TRANSBORDOU NESTES?

Direitos Autorais

Todos os escritos aqui postados são de autoria da escritora, poetisa, compositora e blogueira Vanessa Brunt. As crônicas, frases, poesias, análises e os demais diversos escritos, totais ou em fragmentos, podem ser compartilhados em quaisquer locais e sites (quando não para fins lucrativos: criação de produtos para vendas, entre outros), contanto que haja o devido direcionamento dos direitos autorais. Ademais, as imagens utilizadas no blog para as postagens não são, em sua maioria, feitas pela autora. Portanto, para qualquer problema envolvendo os créditos das fotos, basta entrar em contato e o caso será resolvido prontamente.