O QUE ASSISTIR NOS CINEMAS EM AGOSTO

segunda-feira, agosto 01, 2016


Enquanto diversos dos filmes analisados em "O que assistir nos cinemas em julho" ainda estão passando nas telonas, um novo mês surge carregando variadas novidades com interessantes pesos reflexivos. Muitas críticas sociais e políticas estão marcando presença em entrelinhas, enquanto não ficam de fora em outras bases as mensagens sobre autoconhecimento e relacionamentos mais íntimos de diversos teores. Confira abaixo as análises das reflexões que podem ser esperadas a partir dos pilares de tantas das obras. Lembrando que os títulos não estão em ordens de "possíveis favoritos".

  • Esquadrão Suicida (Lançamento: 04 de agosto / Roteiro por David Ayer)

Viver intensamente não é sair por aí "não ligando". É ir podendo voltar. É lembrar que o mundo é gigante! Mas só para quem pode voar sabendo que tem ninho de aterrissagem. Só para quem se preocupa em escolher, abdicar do trivial, manter promessas. Porque para os maus, analise, o mundo é pequeno. "Esquadrão Suicida" chega para ratificar essas teses e ir além em entrelinhas críticas. Na sinopse, a A.R.G.U.S., uma agência secreta do governo dirigida por Amanda Waller, cria uma força tarefa composta de "super-vilões" (a qual será chamada de "Esquadrão Suicida"). Eles são designados, no intuito de reduzirem suas penas, a execução de tarefas perigosas que são constadas como boas para a sociedade, porém cada uma delas é um risco suicida. O filme promete nos levar para o conhecimento de lados mais pessoais dos vilões, concretizando a ideia dos ângulos diversos que em tudo coexistem  apenas sendo mais aflorados em um lado selecionado da moeda. E a pergunta permeada é: por que alguns acabam abraçando com tanto gosto o que sabem não ser correto? , e expelindo mensagens de alertas em relação aos julgamentos cotidianamente feitos por nós. "A justiça tem um lado mal" (a frase é expelida com finalidade mais aprofundada do que somente em conexão com o lado literal da obra). Tudo tem reflexos de lados opostos sendo corrompidos por interesses ou acrescidos por índoles. Análises sobre como por trás dos atos políticos têm existido cobiças acima do bem geral, estarão presentes. A trama deixa a jura de unir temas como pontos absurdos das ambições humanas, culpas invertidas pela mídia e sociedade por conta de "conveniências", busca dos motivos de traumas possíveis que percorrem a raça como um vírus e mais. Em um dos diferentes trailers liberados, o discurso de uma das "vilãs" é dado pela frase "nós somos maus, é isso o que fazemos", após quebrar o vidro de uma loja. Mas por que esse gosto em ser assim e por que isso é visto como o que devem fazer? A crítica fica para os esteriótipos implantados pela sociedade e pelo que ela alimenta em preconceitos. Se um cidadão comete um erro – e aqui a discussão não é focalizada em relacionamentos a dois, mas em um conjunto civil , não há a busca para entender motivos ou lidar de forma a impulsionar regeneração, como seria o mais plausível. A caça é pela tortura, pela penalidade eterna de forma a abastecer cegueiras ao invés de visões para raízes dos problemas. Muitos dos pontos negativos e mais discutidos mundialmente prosseguem pelo próprio abastecimento diário que ganham das mãos que mais deles reclamam. Existem habilidades úteis e admiráveis em todos os seres, existem arestas diferentes, a questão, mais do que como cada um escolherá usar tais dons e saberes, é como o coletivo incentiva o uso ao lidar com o caule. Um dos maiores problemas sociais está em encarar a realidade como sinônimo de negatividade e dar água aos transtornos ao invés de buscar perguntas e respostas. Em resumo, os pontos reflexivos de um dos filmes mais aguardados do mês, propõem meditações globais, abrangendo diversos teores governamentais e de atos individuais para indução de busca a maiores indagações e comutas em feitos diante dos horrores que alegam. Afinal, qual a sua responsabilidade na desordem da qual você se queixa? E qual a culpa da cultura que segue e busca honrar, sem lembrar que ela precisou de reformulações para ser mais respeitosa?   

Atualização após assistir: O filme deixou a desejar. Ele emite basicamente todas as noções críticas destrinchadas acima a partir das prévias, porém não de maneiras aprofundadas e com ainda mais entrelinhas. Os trailers trazem uma sensação argumentativa imensuravelmente maior; o ar de perspicácia é basicamente perdido no longa. Tudo durante as horas é feito através de respingos e não em mergulhos. Uma crítica ocorre superficialmente e logo é findada, sem uma construção de tese enriquecida. Faz alguns atiramentos de ideias, mas não cria impactos além. Os clímax são nascidos da visão de um 'entretenimento barato'. Momentos em que mais reflexões poderiam ocorrer são sufocados por tentativas de criar respiros cômicos, os quais não são bem-sucedidos. Um dos pontos mais desagradáveis da trama, sem dúvidas, foi a construção do relacionamento entre o Coringa e a Arlequina. A relação é claramente abusiva, porém a obra tratou disso da pior forma: romantizando os terríveis pontos dos vestígios deixados por uma cultura patriarcal, como a visão absurda de submissão da mulher. A ligação paradoxal que ocorreria entre os dois fica então mitigada. O roteiro, portanto, enfraquece o que poderia ser linha firme para lutas e discussões importantes. Debilita o que poderia criar enlaces interessantes nas cenas e acaba, ao invés, tornando seus próprios bons momentos em mais rasos pelas desconexões impulsionadas. Muita brecha para trazer boas mensagens, pouco aproveitamento disso: assim podemos resumir "Esquadrão Suicida". O elenco é sensacional, a entrega é convincente, a trilha sonora é de aplaudir, mas o principal, o decorrer total do longa, não é deleitoso e sequer pensante. Os diálogos são inconsistentes e poucos cavam mais as análises políticas e sociais que poderiam. Decepção. Algumas passagens acrescentam e ratificam toda a proposta crítica deixada antecipativamente, mas colocando todas em conjunto com as cenas dos trailers propostos, já teríamos o suficiente em, quiçá, 40 minutos. O filme de mais de 2 horas não merece atenção ao tempo que tem. Obviamente, tudo vale a pena e carrega traços implícitos que podem aproveitados através do desejo de dar mais sentido ao 'dê pois'. Mas, friamente, os aprofundamentos mais válidos da trama ficam mesmo em pouquíssimas das suas bagagens  que são, na maior parte do tempo, de poucos pesos ou irritantes, por matarem ridiculamente as críticas somáticas que poderiam trazer.

  • Nerve (Lançamento: 25 de agosto / Roteiro por Jessica Sharzer)

Atenção! O trailer claramente contém muitos spoilers, então o indicado é que seja assistido somente até: 1:10Liberdade e intensidade não são sinônimos de imprudência, são opostos a isso, estão nos detalhes que quase ninguém lembra que são fundos do mar. Liberdade não é sinônimo de excessos, de beijos sem significados, de toques que não mudam caminhos, de festas que serão esquecidas, de utilização do que faz mal depois ou é somente algo a ser lembrado como morno no amanhã. Os mais livres são os mais intensos, porque eles têm preocupação com os feitos, deixam marcas: densidades que perduram em outros em gratidões e saudades, porque buscam fazer o pequeno que é grande em significados. Porque intensidade é saber que o mais fundo está sempre no que parece ser só a piscina, sem água. A água depende de quem vai colocar, a água depende de como resolve usar a piscina que parece pouca coisa. Viver intensamente depende mais do olhar do que da coisa vista. É lembrar que renúncias não querem dizer não viver, querem dizer viver ainda mais, porque só quem seleciona e cuida, não morre tanto por aí. Viver intensamente é continuar descobrindo mais de si, com a balança permitindo estar preso ao que liberta. Quem vive como se fosse morrer amanhã, mas não cuida de tudo como se fosse viver para sempre, não acumula nada além de saudade do que não viveu. Porque no fim, o que lembramos sorrindo de ter vivido, querendo mais, é o que vivemos na serenidade de lembrar do que estamos marcando em tantos outros e nas nossas bagagens reflexivas – em cada acúmulo que, no desfecho, deu em um livro completo e não em algo que serve apenas de prefácio. Pensamos só no que foi gigante. No amor, na paixão, nas conquistas. O gigante é feito de pequenos detalhes, da junção deles, não da mentira de estar sendo forte por viver apenas algo que depois, não se soma para formar um resultado. E esses são quesitos firmados pelas bases da trama "Nerve". No filme, a tímida Vee DeMarco (Emma Roberts) é uma garota comum, prestes a sair do ensino médio e sonhando em ir para a faculdade. Quando conhece o jogo online "Nerve – Are you a Watcher or a Player?" (Você é um observador ou um jogador?), decide, por pressões, sair dos limites que impõe para si e entrar 'na brincadeira'. E é aí que entram os pontos destrinchados dentre a linha tênue de liberdade e prisão. Perder os princípios não para descobrir mais de si com cautela, mas para "ser o que julgam como alguém que vive intensamente" de forma tão errônea, é já começar a usar cadeados. Vee descobre que a situação é muito mais complexa, e se vê presa dentro da competição, onde seus passos são observados e até manipulados. E então, uma segunda vertente reflexiva da obra (e mais literal) é alargada: a de alertas voltados a quesitos tecnológicos e prevenções a serem tomadas diante do uso das redes sociais e afins. O único temor que fica perante tal ângulo, é de que não seja feito com críticas mais singulares para aberturas de olhos, mas sim de avisos clichês/batidos, ainda que esses não percam importância, principalmente para quem não está habituado aos tipos de advertências fundamentais da temática. O fato é que a ideia mais metafórica das mensagens, deixa a impressão de que fará valer.

  • Vidas Partidas (Lançamento: 04 de agosto / Roteiro por José Carvalho)

"Vidas Partidas" é um longa metragem de aproximadamente 90 minutos e conta a história do casal Graça e Raul, que ao se apaixonarem perdidamente, num Brasil da década de 80, casam-se e tornam-se pais de duas meninas. Os dois possuem uma relação ardente, onde há uma simbiose existencial provocada por alta passionalidade. Tudo vai bem, até que Graça avança em sua carreira, ficando Raul desempregado. Para não desequilibrar o relacionamento, Graça pede um favor a um amigo e ex-marido, que secretamente indica Raul a uma vaga de professor na Universidade, garantindo a ele um emprego. Ao igualar-se financeiramente a Graça, Raul, gradativamente torna-se agressivo, tratando-a cada vez com mais possessividade. As cenas de ciúmes tornam-se frequentes e começam as agressões físicas e psicológicas, resultando num crime de violência doméstica. O filme é livremente inspirado nas alarmantes estatísticas de crimes praticados contra a mulher no Brasil e no mundo, deixando reflexões sobre atos e entrelinhas cotidianas ainda repletas de resquícios fortes da cultura patriarcal. As discussões, portanto, não ficam restritas a base apresentada de violência doméstica, mas agregam todas as questões desrespeitosas que envolvem qualquer tipo de ideia de submissão do sexo feminino, desde em relação as próprias mulheres até em fatores voltados aos gostos obtidos por homens, como o apreço por certos tipos de hobbies, cores e afins, que quando próximos ao que é dito como "coisa de mulher" (geralmente em tom depreciativo), causa preconceitos e desavenças, sendo teores que não definem caráter ou pontos, de fato, importantes. De tal forma, nos aspectos implícitos, cargas para questões sobre respeito necessário (em visões de igualdade: em noções de poder e afins) perante qualquer ser humano que não está fazendo mal a outros, podem ser obtidas.

  • A Intrometida (Lançamento: 04 de agosto / Roteiro por Lorene Scafaria)

Para Marnie Minervini (Susan Sarandon) a maternidade não é um dever, mas sim uma vocação. Mesmo após a recente morte do marido, ela não deixa de ser alegre, sempre mandando mensagens, ligando e aparecendo sem avisar na casa da filha, Lori (Rose Byrne). A jovem tenta sair das asas da mãe, mas Marnie segue a filha até Los Angeles e acaba desenvolvendo uma conexão com um policial (J.K. Simmons). O filme circunda reflexões que deixam premissas nitidamente muito próximas as da trama "Estão Todos Bem", já analisada aqui. A esperança é de que a comédia dramática, que tem em sua intencionalidade muito mais meios de lições do que de clímax cômicos para entretenimentos rasos, alcance a maestria das rechonchudas entrelinhas do filme em comparação.

  • A Comunidade (Lançamento: 18 de agosto / Roteiro por Thomas Vinterberg e Tobias Lindholm)

Na década de 1970, Erik (Ulrich Thomsen) e Anna (Trine Dyrholm) são um casal de acadêmicos cheio de sonhos. Junto com a filha, Freja, eles montam uma espécie comunidade em um elegante bairro de Copenhague para dividir a casa e viver em conjunto com outras pessoas. Querendo estar no centro da história e realizar o sonho de viver em grupo, eles realizam jantares, reuniões e festas. Levados pelo mesmo sonho, um caso de amor abala a pequena comunidade, fazendo com que esse grupo de sonhadores e idealistas despertem para outras questões. Apesar do trailer não tão basilar, é possível observar que "A Comunidade" abordará lições sobre família, amizade, romance e, acima de tudo, conterá como enlace para cada uma dessas temáticas: noções de respeito, de lealdade e da importância de limites combinados no relacionamento, os quais devem seguidos até que sejam conversados para alguma reformulação. Já que não adianta o reclamar enquanto, em casos assim, sofreu e tentou calado: que é o mesmo que já desistir. Muito das teses do texto "O que acontece fora da briga a define mais do que o insistir" e "Não é o que parece" aparentam marcar presença na trama. A comunidade emitida serve, claramente, como metáfora para a sociedade e para as faltas de buscas por compreensões que nos cercam.

  • Águas Rasas (Lançamento: 11 de agosto / Roteiro por Anthony Jaswinski)

Nancy (Blake Lively) é uma jovem médica que está tendo de lidar com a recente perda da mãe. Seguindo uma dica sua, ela vai surfar em uma paradisíaca praia isolada, onde acaba sendo atacada por um enorme tubarão. Desesperada e ferida, ela consegue se proteger temporariamente em um recife de corais, mas precisa encontrar com urgência uma maneira de sair da água. Um ponto interessante a ser visado é o de não enxergar, no literal, o tubarão como "um vilão". Ele está em seu habitat, não costuma comer carne humana e muitos desses animais sofrem com os descuidos sociais que a nossa raça têm perante o próprio planeta; causando, inclusive, mudanças nas regiões pelas quais alguns peixes costumavam permanecer. O mais bacana seria captar as mensagens da obra de maneira mais metafórica, enxergando o tubarão como representação de um obstáculo da vida, o qual requer planejamento, pausas para reflexões e afins  como abordará a trama de maneira interessante.

  • Café Society (Lançamento: 25 de agosto / Roteiro por Woody Allen)

A primeira coisa que vem em mente ao devorar prévias de "Café Society": bons diálogos! Frases interessantes e reflexões bem enlaçadas que acrescem umas as outras deixam suas impressões. O filme se passa em 1930. Bobby (Jesse Eisenberg) é um jovem aspirante a escritor, que resolve se mudar de Nova York para Los Angeles. Lá ele deseja ingressar na indústria cinematográfica com a ajuda de seu tio Phil (Steve Carell), um produtor que conhece a elite da sétima arte. Após um bom período de espera, Bobby consegue o emprego de entregador de mensagens dentro da empresa de Phil. Enquanto aguarda uma oportunidade melhor, ele se envolve com Vonnie (Kristen Stewart), a secretária particular de seu tio. Só que ela, por mais que goste de Bobby, mantém um relacionamento secreto, o qual deixa claro para Bobby. O caráter de Vonnie deixa a ideia de algo interessante a ser analisado, já que, aparentemente, ela busca a verdade não só para si (afinal, quem respeita a si, deixa escancarada a honestidade de qualquer fator que pode magoar o outro quando escondido), apesar dos atos ambíguos. Algumas resenhas já feitas sobre a trama, indicam que fica a sensação de que, o roteirista e diretor busca soluções fáceis para problemas mais complexos, talvez por comodidade ou pela pressa auto-imposta para que possa logo partir para a próxima produção. O afirmado é que pode até ser suficiente para um mero entretenimento de momento e para que o telespectador mais interessado possa, por si, cavar mais reflexões através das boas falas, mas que disso não vai muito além. Resta o conferir e a busca pelo aprofundamento próprio.

  • Fome (Lançamento: 04 de agosto / Roteiro por Cristiano Burlan e Henrique Zanoni)

Em São Paulo, um morador de rua vaga pelas ruas da cidade, buscando um lugar onde dormir, e água para se lavar. Aos poucos, conhecemos mais sobre o homem que já foi um renomado professor da USP, e hoje mora nas ruas por opção. Uma jovem pesquisadora, fascinada com o caso do homem que batiza de "Malbou", começa a refletir sobre as maneiras de ajudar pessoas nessas condições. No filme A Idade do Ouro (1930), um homem passeia pela cidade e, sem razão aparente, agride um morador de rua. O diretor Luis Buñuel confessou, mais tarde, que sempre foi perturbado pela presença de mendigos, porque eles o faziam sentir culpado por ter uma boa condição de vida. O incômodo, de certo modo, constitui o tema de Fome. Os longos planos acompanhando o personagem indicam um registro realista e a fotografia em preto e branco impecável engrandecem dramatização. Por um lado, moradores de rua reais prestam depoimento à câmera, em tom documental, mas os registros são feitos a uma pesquisadora fictícia (Ana Carolina Marinho) coletando dados para uma tese. Os três depoimentos de moradores de rua reais já foram imensamente elogiados em resenhas, de modo que sabotam a própria ficção. A colagem de linguagens permite ao público comparar e refletir sobre problemas sociais diversos a partir dos casos abordados. Em termos de poesia, a promessa é que Burlan apresente cenas comoventes, como a dança de Bernardet com seu xale, ou a música com um colega cantada no Minhocão. Por fim, o filme fica como jura para alastrar críticas e ganha destaque por sua liberdade de construção e pelo lirismo das imagens. Uma poesia que a cada nova cena, engloba mais uma alfinetada sobre uma realidade que envolve a todos e temida e/ou ignorada por tantos, enquanto só mudará a partir de gestos individuais: um deles, pode tornar todo um futuro diferenciado. "A sua liberdade não termina quando a do outro começa. A sua liberdade termina quando a do outro termina".

  • Conexão Escobar (Lançamento: 11 de agosto / Roteiro por Ellen Furman; original de Robert Mazur)

Flórida, 1985. Robert Mazur (Bryan Cranston) é um oficial da alfândega que recebe a missão de trabalhar infiltrado, com o objetivo de eliminar um cartel de drogas cuja origem está em Pablo Escobar, chefe do tráfico em Medellín. Para tanto ele recebe a ajuda de Emir Abreu (John Leguizamo), seu colega de trabalho, e se apresenta como alguém capaz de lavar o dinheiro gerado pelas drogas nos Estados Unidos. Usando o pseudônimo Robert Musella, ele aos poucos ascende na hierarquia do tráfico, contando ainda com a ajuda da agente Kathy Ertz (Diane Kruger), que se faz passar por sua noiva. Não há tanto o que aprofundar além do já visível (que deixa, por si só, certas temáticas interessantes para continuar a debater) até que o filme seja conferido, mas críticas relacionadas a quesitos sociais e econômicos bem cabíveis em comparações próximas a realidade brasileira, estarão claramente inclusas.

  • Ben-Hur (Lançamento: 18 de agosto / Roteiro por Keith Clarke e John Ridley)

Depois que o nobre Judah Ben Hur (Jack Huston), contemporâneo de Jesus Cristo (Rodrigo Santoro), é injustamente acusado de traição, ele é condenado à escravidão. Ele sobrevive ao tempo de servidão e descobre que foi enganado por seu irmão, Messala (Toby Kebbell), partindo, então, em busca de vingança. Não sou adepta a temáticas que envolvem 'sede por vingança' (na grande maioria dos casos e, principalmente, quando a vingança inclui a ideia de dar o mesmo troco ao primeiro culpado, igualando a "até então vítima" a ele), mas a obra em questão deixa a jura de ser encaminhada para um diferente viés, servindo como caminho de autoconhecimento e do entendimento maior sobre a tese de que "os fracos se vingam e os fortes se protegem".

  • A Corte (Lançamento: 11 de agosto / Roteiro por Christian Vincent)

Michel Racine (Fabrice Luchini) é um juiz rígido e impiedoso, conhecido pela atitude extremamente profissional nos tribunais. Isso muda quando a jurada de um de seus casos é Ditte Lorensen-Cotteret (Sidse Babett Knudsen), uma mulher por quem foi perdidamente apaixonado muitos anos atrás, mas que o abandonou. Enquanto A Corte se delicia com a estrutura de um road movie estático, começa a se desenhar um apaixonante retrato dos códigos e regras da vida em sociedade. O diretor aborda cada passo da educação, da diplomacia, dos jargões ligados à idade, ao sexo, à profissão. O meio extremamente regrado dos tribunais de justiça é retratado com suas repetições, seu vocabulário típico, suas frases de efeito e suas implacáveis relações hierárquicas. Descobre-se quem entra primeiro na corte, quem se senta primeiro nas cadeiras, quem deve falar, como se dirigir a um advogado, a um juiz etc. A presença da filha adolescente de Ditte também apresenta novos códigos de comportamento incompreensíveis aos adultos. Mesmo fora do ambiente de trabalho, percebe-se que todos estão sendo julgados por sua conduta, sua postura, seus relacionamentos amorosos, ou a cor do cachecol e a maneira de encostar a mão num paciente doente e são a partir dessas críticas que o filme ganha vida e abraça lições. A Corte, entendido como palácio e como flerte, preocupa-se com a questão da imagem, da dificuldade da inserção na sociedade devido às expectativas de cada meio específico. O interesse está escondido, microscopicamente, nos instantes de silêncio e insinuações trocados pelas pessoas no tribunal. Mesmo a rápida presença de um vestido branco, na conclusão, se transforma numa pérola de significados latentes, como afirmam algumas resenhas já elaboradas.

  • Demolição (Lançamento: agosto  data não determinada / Roteiro por Bryan Sipe)

O filme corre riscos de ter o mês de lançamento modificado, já que não firmou a data de estreia, mas está, até então, na lista dos prometidos para agosto. Na trama, um homem bem sucedido (Jake Gyllenhaal), que trabalha em um grande banco de investimentos, entra em processo de colapso emocional depois de perder a sua esposa em um trágico acidente de carro, do qual sobreviveu. Um dia, ele recebe uma ligação da atendente (Naomi Watts) de uma empresa para qual ele continuamente envia cartas de reclamação. Ele não sabe, mas esse encontro poderá mudar o rumo da sua vida daquele momento em diante. O filme nos deixa com linhas e entrelinhas desde o trailer, demonstrando reflexões do personagem principal perante detalhes do seu cotidiano que não ganharam a devida valorização. Durante o luto e com a vida empurrando prosseguimentos, poderemos acompanhar diversos pontos de aprofundamentos que nos deixaram com a tese de que "nenhum tesouro do fundo vai estar realmente no fundo se não passa pela superfície". A caminhada de autoconhecimento e da busca por ser mais intenso, detalhista e respeitoso ao que obtém em seu torno, pode tornar as lições deixadas pelo protagonista bastante interessantes, nos deixando ainda com a mensagem de que devemos sempre caçar primeiro as soluções dentro que já temos em mãos, ainda que sejam, aparentemente, apenas problemas.

  • Negócio das Arábias (Lançamento: 04 de agosto / Roteiro por Tom Tykwer)

Durante a recessão nos Estados Unidos, um homem de negócios falido (Tom Hanks) procura recuperar suas perdas financeiras viajando para a Arábia Saudita, a fim de vender sua ideia "genial" para um monarca que está construindo um enorme complexo no meio do deserto. Uma obra sobre autoconhecimento (que pode flertar com tramas como "Comer, Rezar e Amar"), família, persistência e quebra de preconceitos, daquelas que nos impulsionam a lembrar da importância de "ficar mais um pouquinho para ver se algo acontece". Uma obra sobre o fato de que quem está tentando, já está fazendo. Apesar de algumas críticas que afirmam sobre a ocorrência de momentos em que muitos esteriótipos são pregados até que 'a quebra de prejulgamentos' realmente passe a ocorrer e de outras tantas que se queixaram da pouca elaboração perante vidas de personagens secundários interessantes, o filme parece não deixar a desejar em relação aos pontos reflexivos prometidos em suas bases.

  • A Loucura Entre Nós (Lançamento: 04 de agosto / Roteiro por Fernada Vareille)

Um documentário reflexivo desde os pontos mais explícitos. Através dos corredores e grades de um hospital psiquiátrico, busca-se personagens e histórias que revelem as fronteiras do que é considerado loucura. Por meio de, principalmente, personagens femininos, o documentário exala as contradições da razão nos fazendo refletir nossos próprios conflitos, desejos, erros e culpas perante a sociedade. Em entrelinhas, fatores sobre interesses que podem levar a ciclos de preconceitos, ficam inclusos. Uma obra para indagar sobre até onde vai o poder de afirmação quando se trata de uma contradição alheia, enquanto tanto do que se tem como ponto argumentativo, é uma imposição social. "Eu não gosto daquele homem. Eu preciso conhecê-lo melhor" (Abraham Lincoln).

  • Observações  sobre dois filmes do mês que deixaram pulgas grandiosas atrás do coração:
1. O filme "Perfeita é a Mãe" (Lançamento: 11 de agosto), pode aparentar em seu trailer duas vertentes: a bacana, que envolve críticas construtivas perante os julgamentos sociais tão firmados sem que seja almejado o saber dos esforços e problemas alheios e, por outro lado, a angulação (negativa) que é tão dita em comentários atuais já feitos sobre a obra, como a que mais percorre. A ideia de base do filme poderia ser interessante e reflexiva, tendo como pilar o pensamento de reunir um grupo de mulheres atarefadas para encontrarem mais de si enquanto refletem sobre pressões sociais pouco compreensivas que ocorrem (incluindo pelo lado dos filhos). Mas pelo que é muito firmado, não é por aí que o caminho ganha desenlaces. A premissa parece apontar para um caminho progressista (o slogan brasileiro "Lugar de mulher é onde ela quiser" sugere o contexto de liberação feminina), mas o roteiro confunde consciência política com baderna. Assim, as mulheres não se revoltam contra o trabalho liderado por homens, elas simplesmente deixam de ir ao escritório. Elas não mudam a estrutura dos cuidados com os filhos, somente deixam de cuidar deles. Ao invés de fornecer uma transformação na maternidade, a comédia propõe uma trégua às funções de mãe. O humor consiste em ver um grupo de adultos agindo como irresponsáveis. O resultado é ainda mais conservador por acreditar que toda mulher precisa encontrar um homem (sim! Algumas resenhas têm afirmado que é como o filme faz seus destrinchares): [spoiler] uma das personagens sai de um casamento repleto de tons autoritários (um ponto bacana, finalmente!) e em vez de focar em autoconhecimento e demais buscas engrandecedoras, só parece feliz novamente ao encontrar um novo homem. E a fraqueza do roteiro fica ainda maior quando os problemas, sem esforço, buscas reais de melhorias e afins, são resolvidos 'magicamente', passando mensagens ainda mais rasas. Nos créditos finais, as atrizes aparecem em cenas documentais com suas verdadeiras mães. O tom é lacrimoso, mas existe uma intimidade verdadeira nessas cenas, que faz falta à ficção feita. [fim do spoiler]. As escolhas soam, portanto, incoerentes num projeto que pretende abraçar o direito das mulheres de se divertirem como qualquer ser humano.

2.
Outro filme que não entrou na lista por aparentar mensagens machistas, entre outros terríveis pontos, é "Amor e Amizade" (Lançamento: 18 de agosto). Uma mãe interesseira, que coloca a necessidade financeira acima da felicidade mais constante da filha, é a protagonista.

Obviamente, devemos assistir as obras para firmar opiniões e caçar entrelinhas que podem, inclusive, ampliarem reflexões que ganhem fugas dessas pontas iniciais. Nada garante, até que devoremos por completo, que os filmes não têm pontos interessantes ou até certas desconstruções do que é primeiramente abordado. Mas, como dito, não deixam de ser obras para ficar 'com pulgas atrás do que tanto lutamos para desconstruir'.

Outros filmes prometidos para o mês de agosto são:

Drama: A Viagem de Meu Pai (11 de agosto)  Obra que parece ser belíssima!
Ação/Policial/Suspense: A Conexão Francesa (11 de agosto)
Comédia dramática: Loucas de Alegria (25 de agosto)
Comédia dramática: Esperando Acordada (11 de agosto)  Sem legenda
Drama: Mercuriales (18 de agosto)  Sem legenda
Comédia/Romance: Turbulência (18 de agosto)
Drama: Viva (25 de agosto)  Sem legenda
Drama/Experimental: Brasil S/A (11 de agosto)  Estou bem curiosa! É um estilo de obra bem diferente e promete emitir boas críticas.

Lembrando que o gênero definido para um filme não é embasamento para limitações. Um romance pode ter um enfoque muito maior em autoconhecimento, uma comédia pode ter linhas mais reflexivas que acabem inclinando para o drama e assim em diante. Acima, foram colocados os estilos indicados apenas para uma noção primária que não deve ser confundida com base total.

Atenção! O filme 'Fome de Poder' (história da ascensão do McDonald's), que seria lançado neste mês, teve a sua estreia adiada. Algumas fontes confirmam lançamento para setembro, enquanto outras informam que mais um adiamento ocorreu, fazendo com que a obra só seja lançada em dezembro. A confirmação aqui ocorrerá quando o filme surgir em alguma das próximas listas de lançamentos.

Qual das obras mais chamou a sua atenção? Estava aguardando por alguma? O que mais espera das possíveis reflexões/mensagens a serem emitidas? Não deixe de compartilhar as suas visões aqui nos comentários!

LEIA TAMBÉM:

64 COMENTÁRIOS

  1. Acho incrivel como voce traz reflexoes mesmo que sejam nesses momentos "previos" que nao existe tanto o que afirmar, ja me deixa com a mente aberta pra dar atençao a coisas que eu nem prestaria atençao vendo o filme. E o que adoro tambem é que quando voce faz essas listas pro mes nao fica presa aos "filmes modinha", tem de varios paises, de varios temas.. nao deixa de fora os mais aguardados e nao deixa de trazer novidades. Quero muito ver Esquadrao, Aguas Rasas, Nerve e esse A comunidade. Vou falir de vez!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Ni, que emoção gigantesca! Como é incrível poder sentir, guardar e retribuir com imensa alegria esse carinho tão lindo! Obrigada por mergulhar em cada linha e entrelinha e por transbordar. É tão maravilhoso saber que aprofunda ainda mais pontos e capta ainda mais além através dessas nossas emissões e trocas evolutivas. Obrigada por abrir mente e coração em mesclagem, amplificando os sentidos deste nosso cantinho! A ideia aqui é sempre a de possamos refletir através dos detalhamentos e maiores profundezas, estejam elas onde estiverem. É imensamente impulsionador saber que observa e abraça essa base com tanto de si! O que guardo através disso é gigante, mesmo. Espero muito que cada filme do mês (assim como tantos outros), possa impulsionar em demais clarificações e críticas próprias, viu? É uma delícia saber de alguns que já ganharam tanto os seus visares. Que possamos investir nessa boa causa, não é? Às vezes saímos para comer enquanto temos comida em casa sobrando, saímos para comprar roupas enquanto não precisamos... e por mais que sejam fatores bacanas e também de caminhos para autoconhecimento quando sabemos balancear com prioridades muito mais importantes, são pontos que podem ser deixados para depois sem grandes perdas (já que podemos transformar algo recriado dentro dos nossos âmbitos em uma descoberta tão interessante quanto!) e não suprem, muitas vezes, outras formas de releituras de mundo. Assistir a um filme, ler um livro e afins, são maneiras de aglomerar mais bagagens nos nossos interiores. São formas de viagens, são investimentos para o que realmente fica nos fins de etapas, não é? Um super beijo!

      Excluir
  2. A resenha ficou íncrivel !! Os fimes desse ano estão mesmo sensacionais ! Estou muito animada para vê-los principalmente esquadrão suicida hahah beijão
    wonderbookss.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que alegria imensurável por sentir esse seu mergulho em cada linha e entrelinha! Espero imensamente que as bases prévias já sentidas e visadas, possam ter impulsionada em certas profundidades e visões próprias/singulares para você. Que vários dos filmes possam trazer reflexões para além e instigar ainda mais pontos críticos. Esquadrão Suicida e seus pontos implícitos já nos deixa com teses super bacanas de indagações sociais e nos empurra para questões que devem permear a nossa busca para reais raízes, não é? Espero que possa acrescer ainda mais quesitos ao conferir. Adorei saber dos seus maiores aguardos e espero ver mais de você por aqui, viu? Um super beijo!

      Excluir
  3. Adorei as suas resenhas, como sempre, super bem elaboradas!
    Estou super ansiosa por Esquadrão Suicida, Águas Rasas e Pets <3
    Eu ouvi falar super bem de Nerve mas não sei se vale a pena ir ao cinema ou esperar e ver em casa hehehe
    Beijos
    BlogCarolNM
    FanPage

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ca! É sempre tão sensacional sentir esse seu carinho lindo, essa sua energia incrível e tão singela e esse seu acompanhamento em mergulhares que dão brilhos nos olhos. Obrigada por sempre ir nas linhas e entrelinhas e prosseguir! Isso deixa um gás maravilhoso para cada nova partilha! Esquadrão Suicida, com seus pontos implícitos, já nos deixa com teses super bacanas de indagações sociais e nos empurra para questões que devem permear a nossa busca para reais raízes, não é? Estou louca para devorar Águas Rasas com esses enfoques mais metafóricos também e Pets parece ser uma lindeza, nos fazendo refletir sobre o quanto existe vida dentro de vidas que devem ser mais valorizadas e bem tratadas. Sobre Nerve, como citei, o único temor que fica perante o ângulo mais literal, é de que não seja feito com críticas mais inovadoras para aberturas de olhos, mas sim de avisos clichês/batidos, ainda que esses não percam importância, principalmente para quem não está habituado aos tipos de advertências fundamentais da temática. O fato é que a ideia mais metafórica das mensagens, deixa a impressão de que fará valer por si só (essa questão das escolhas, das perdas pelo não abdicar, pelo cair em pressões que tiram prioridades do caminho e afins). Vendo onde for, deixa pontos que já nos mostram boas reflexões, não é? O caso mesmo é que ver o trailer inteiro já deixa muitos spoilers. Conta depois o que achou? Vou adorar saber! Um super beijo!

      Excluir
  4. Quero muuuuuuuito assistir Nerve, a prévia é tudo! Também to querendo muito assistir Esquadrão Suicida, tão falando que vai ser muito bom!
    Beijos,
    Pompom Chic

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba! Que alegria por saber de alguns dos pontos mais esperados por você, Gabi! Espero que diversos dos outros filmes tão repletos de reflexões desde as bases, possam também ganhar suas análises próprias, viu? As críticas de Nerve, principalmente na vertente mais metafórica das mensagens, deixa a impressão de que fará valer por si só (essa questão das escolhas, das perdas pelo não abdicar, pelo cair em pressões que tiram prioridades do caminho e afins), não é? E Esquadrão já nos deixa com críticas sociais interessantes desde os trailers! As ideias de bases de ambos são impulsionadoras de muitas indagações fundamentais e é uma delícia de ver. Tomara que façam ainda mais jus! Espero que sirvam de releituras internas. E espero ver mais de você por aqui, viu? Um super beijo!

      Excluir
  5. Esse mês vai ter muito filme bom, se pudesse $$$ assistiria todos!!!! :D

    http://www.carolinapeclat.com

    Beijos Carol Peclat

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Ca, que delícia sentir o seu mergulho! O ponto bacana é que é aquele tipo de investimento para uma das coisas que mais dura e que mais importa. É o espinho pela rosa inteira. É como falei para a Ni acima: Às vezes saímos para comer enquanto temos comida em casa sobrando, saímos para comprar roupas enquanto não precisamos... e por mais que sejam fatores bacanas e também de caminhos para autoconhecimento quando sabemos balancear com prioridades muito mais importantes, são pontos que podem ser deixados para depois sem grandes perdas (já que podemos transformar algo recriado dentro dos nossos âmbitos em uma descoberta tão interessante quanto!) e não suprem, muitas vezes, outras formas de releituras de mundo. Assistir a um filme, ler um livro e afins, são maneiras de aglomerar mais bagagens nos nossos interiores. São formas de viagens, são investimentos para o que realmente fica nos fins de etapas, não é? O retorno então é bem maior. Espero que possa conferir alguns e encher ainda mais cargas através de discussões que prossigam, viu? Um super beijo!

      Excluir
  6. Esquadrão Suicida e Demolition já entraram pra minha lista! beijos!

    http://vivendolaforanoseua.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba! Que alegria por saber de alguns dos pontos mais esperados por você, Gi! Espero que diversos dos outros filmes tão repletos de reflexões desde as bases, possam também ganhar suas análises próprias, viu? As mensagens de Demolição me lembram de alguns do final da palestra sobre a Universidade dos Pés Descalços, que já analisei por aqui. Vale super a pena! E Esquadrão já nos deixa com críticas sociais interessantes desde os trailers! As ideias de bases de ambos são impulsionadoras de muitas indagações fundamentais e é uma delícia de ver. Tomara que façam ainda mais jus! Espero que sirvam de releituras internas. E espero ver mais de você por aqui, viu? Um super beijo!

      Excluir
  7. Uma pessoa que sempre me questiono se morreu ou foi pra Record é o Tom Hanks e, olha só, o moço ressurgiu. Não tão maravilhoso quanto Susan Sarandon, mas o importante é participar.

    Ando com a cabeça só com coisas leves, então apesar de achar tudo maravilhoso (e da gente precisar sim falar sobre violência contra a mulher), tô achando que esse M~es paro em Esquadrão Suicida mesmo.

    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, a Susan faz parte de filmes incríveis, imensamente reflexivos, não é? Estou buscando mais dessas obras dela atualmente. E o Tom não fica de fora! São tramas maravilhosas, com lições tão interessantes. E assim esperemos que ganhem jus (essas outras de cada um). Espero que possa devorar vários dos filmes e embarcar em tantas das variadas reflexões, ainda que futuramente, viu? O bacana é que Esquadrão traz em suas vertentes críticas sociais super interessantes, não é? E faz isso desde os trailers, como citado. Deixando entrelinhas para sempre cavadas por quem for além. Espero que possa ir nesses fatores de formas que causem releituras internas deleitosas, viu? E é sempre uma alegria tão imensa mergulhar nas suas palavras por aqui! Espero ver mais de você, Ni. Um super beijo!

      Excluir
  8. Quanta coisa :OO Os que mais estou querendo assistir são Vidas Partidas e Fome. Esquadrão Suicida eu já estou com receio de ser superestimado, mas acho que vou acabar vendo!
    boa semana :)

    Red Behavior

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba! Que delícia é sentir esse seu mergulho e navegar nas suas empolgações e visões a cada novo aconchego evolutivo que emite aqui, Ma! Adorei tanto saber sobre algumas das obras que já foram ganhando os seus pulsares. Ambas as ditas são imensamente críticas desde os pontos mais explícitos e fazem valer desde as temáticas mais primárias apresentadas, não é? E nas entrelinhas, valem ainda mais. Deixam a sede para que possamos beber do pote inteiro e causam o desejo do encher cada pingo com ainda mais líquido em discussões que prosseguirão. Espero que visões a mais possam ser aprofundadas com fulgor a partir de cada um, viu? E Esquadrão tem seus lados de críticas interessantes desde os trailers também. Superando ou não expectativas, deixa entrelinhas para serem cavadas por quem for além. Então espero que possa ir nesses fatores de formas que causem releituras internas deleitosas, viu? Um super beijo!

      Excluir
  9. Filmes muito bons mas eu estou louca pelo Esquadrão com certeza =D
    Ótimo post!

    www.chaeamor.com

    ResponderExcluir
  10. Quanto filme num é?! Me interessei muito por Águas Rasas. Beijinhos...

    Blog Nayane Martins
    Fanpage Nayane Martins

    ResponderExcluir
  11. Quero muito assistir Águas Rasas <3 Post perfeito!
    Beijos ❤
    Jardim de Palavras

    ResponderExcluir
  12. Olá lindona,
    post perfeito. Ontem mesmo eu estava igual uma louca nos sites de cinema procurando a programação de agosto e hoje vi seu post.
    Tem dois filmes que quero muito assistir. estou me programando.
    Beijos, amei o post.

    meumundosecreto

    ResponderExcluir
  13. Tem muito filmes legal agora em agosto! SOS
    Esse sobre o casal brasileiro, preciso muito ver, espero que seja muito bem abordado o tema!

    Um beijo
    Foca no Glitter

    ResponderExcluir
  14. Sou apaixonada por filmes! Sempre os cito em meu blog e quero começar a sortear alguns filmes que tenho no blog, fiquei encantada por vários filmes que vão estar no cinema esse mês, aja dinheiro né? <3

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  15. Quantos filmes incríveis!!! Estou louca para assistir Esquadrão suicida já faz muito tempo, mas os outros não conhecia. Amei Nerve, parece ser muito bom, A intrometida também deve ser muito legal e Aguas rasas fiquei muito curiosa pra ver.
    Amei as indicações!!

    Beijoos
    Yanna Karim

    ResponderExcluir
  16. Muitos e muitos filmes, hein! Adoro saber dessas novidades!
    Um beijo!

    www.impulsofeminino.com

    ResponderExcluir
  17. Tem muita coisa boa lançando? Confesso que preparei algo parecido pra essa semana, mas nada tão completo quanto o seu, eu to doida pra ver águas rasas e nerve, gosto de filmes com essa tensão, aliás, quero muito ver a Emma com o Dave trabalhando juntos de novo, eles fizeram um clipe pra uma banda que eu gosto há um tempo e adorei o casal, desde então to shippando, hahahha, sobre o esquadrão suicida, seria eu a única pessoa que não está empolgada? Não sou muito fã do gênero, então sei lá, talvez assista, talvez não, por hoje tem outros na lista =D

    post bem completinho, beijoos ;**

    ResponderExcluir
  18. Quero muito ver "O esquadrão suicida". Parece ser bem diferente e interessante.
    Adorei o post. Super completo.
    Boa semana!

    http://jj-jovemjornalista.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Adoro seus posts porque até o post mais banal como seria um post sobre lançamentos de filmes se torna interessante com suas reflexões.
    Dos citados quero muito ver o Esquadrão Suicida mesmo não sendo fã de histórias de heróis, etc. Achei a pegada do filme bem diferente e inovadora.
    Beijos,

    Amanda
    http://talesandtalks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Muita coisa boa esse mês Vanessa. Animada para assistir o Kollektivet, do Thomas Vinterberg, que é um super diretor e lança sempre filmes interessantes. Além disso, curiosa para ver a adaptação de A Hologram for the King, li o livro há pouco tempo.

    ResponderExcluir
  21. Olá, Vanessa!
    São muitos filmes, vou comentar apenas dois, haha.
    Esquadrão Suicida vai ser o sucesso do mês, é minha aposta. A divulgação é imensa e a história já é aguardada com muito ansiedade por muitos. e Vidas Partidas, não sabia desse filme achei muito interessante a história e forte, parece uma boa indicação.

    ENTRETANTO • INSTAGRAMTWITTER

    ResponderExcluir
  22. Estou louca para assistir esquadrão suicida. Parece ser realmente muito bom! haha
    Beijos, Jardim de primavera

    ResponderExcluir
  23. Olá, Vanessa.
    Nossa quantos filmes interessantes. O que mais chamou a minha atenção foi Ben-Hur. Mas acho que não vou ver quase nenhum desses porque prefiro ler do assistir hehe.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  24. com certeza Esquadrão Suicida e Aguas rasas serão meus favoritos ! Aguardo ansiosamente ... e eu ameeii esse post ♥ melhor detalhado impossível !!! beijos beijos
    www.cheiadeinvencao.com

    ResponderExcluir
  25. Muita coisa boa! To contando os dias para algumas estreias <3 Ótimo post!
    Beeijos

    www.marinaalessandra.com

    ResponderExcluir
  26. Adorei o post! O filme que mais quero ver: Esquadrão Suicida! :)


    Beijo!
    http://www.delamila.com/

    ResponderExcluir
  27. Oi Vanessa!

    Assiti hoje Esquadrão Suicida e gostei bastante, não é o grande divisor de águas da DC, mas me agradou. Semana passada eu vi a Corte e gostei tb, achei um show de interpretação! Ainda quero muito ver Cafe Society!

    Parabéns pelo post, super completo!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  28. adorei o seu post Vanessa, são sempre tão completos e cheios de informação, adoro! Quanto aos lançamentos, estão muito bons hein? Fiquei com vontade de assistir vários filmes, o que vai faltar mesmo é o dinheiro pra assistir tudo isso hahaha

    www.blogamorarosa.com

    ResponderExcluir
  29. Que legal Nessa!
    Não sabia de todos estes filmes... estou ansiosa pelo Esquadrão Suicida, mas também queria muito ver o Pets. Agora já quero ver vários outros que nem sabia que iam lançar.
    Muito cinéfila você, heim? :)

    Beijo! :)
    Andréia Campos
    http://petitandy.com

    ResponderExcluir
  30. Eu tava querendo MUITO assistir Esquadrão Suicida, mas depois de ver esses trailers, fiquei louca de vontade de ver Nerve. Tomou o lugar do Esquadrão. Caraca!
    Adorei a indicação, não tinha visto nada de Nerve ainda e agora quero muito assistir.

    Beijos.

    www.quaseprimavera.com

    ResponderExcluir
  31. Ontem assisti o Esquadrão pela cabine e pensei que seria mais feliz com o filme, mesmo assim eu gostei hahaha e recomendo!!

    ResponderExcluir
  32. Melhores Resenhas Ever!
    Estou louca pra ver o Esquadrão ♥
    Eu adoro o seu Blog, e ele tá nos meus links favoritos de Julho!
    Amei.
    Beijinhos
    www.meninacaprichosa.com

    ResponderExcluir
  33. O cinema desse mês está recheado de novidades haha! Não sabia desses lançamentos e me interessei mais por "Vidas Partidas" e "Jogo sem regras". As dicas ficaram ótimas.
    Beijos!
    Virando Amor

    ResponderExcluir
  34. Eu vi o trailer de Vidas partidas hoje na TV e morri de tristeza :( deve ser um filme mt mt forte em vários sentidos... e Blake Lively dominando o cinema esse mês né? Como boa fã de GG vou assistir os dois pq amo ver Serena Van der Woodsen de novo hahahaha

    e eu que não estava nem aí para Esquadrão Suícida, depois de ver o trailer e algumas imagens já tô doida pra correr pro cinema hahaha

    beeeijo :**

    ResponderExcluir
  35. Lindona
    quanta coisa legall
    tenho visto muito falar do esquadrao suicida
    as mulheres estao ate fazendo make inspiração rsrsrs
    ameiii as novidades
    aqui minha cidade nao tem Cinema
    Grande Beijo
    www.zilandrarodrigues.com.br

    ResponderExcluir
  36. Lindona
    quanta coisa legall
    tenho visto muito falar do esquadrao suicida
    as mulheres estao ate fazendo make inspiração rsrsrs
    ameiii as novidades
    aqui minha cidade nao tem Cinema
    Grande Beijo
    www.zilandrarodrigues.com.br

    ResponderExcluir
  37. Vanessa adoro seus posts. Sempre super elaborados e criativos. Fiquei ansiosa para vários filmes, mas fiquei super curiosa pelas Águas Rasas, gosto desse estilo de filme.
    Bjuxx
    www.taayvargas.com

    ResponderExcluir
  38. Quero assistir Águas Rasas.
    Não tinha pensado em assistir Esquadrão Suicida, mas agora vi que o Will Smith está no filme, então já quero.

    Beijos

    ResponderExcluir
  39. Consegui me organizar para, em agosto, ir ao cinema com mais frequência! Fico feliz, pois passei alguns meses sem vontade de ver qualquer coisa, mesmo sendo um programa que sempre gostei bastante.
    Eu tenho uma crush inexplicável pela Emma Roberts, então Nerve certamente é um filme que vou assistir. Gostei muito de seus comentários, até porque li algumas críticas sobre o filme ser "bobo". Sua reflexão é bastante válida e segue a linha do meu pensamento.
    Também quero muito assistir Águas Rasas e A Comunidade. Café Society estava na minha lista, mas confesso que fiquei um pouco desanimada com os comentários. Já Demolição e Negócio das Arábias entraram para a listinha depois do seu post. Veremos o que irá acontecer. É um mês muito bom. :)
    Beijos,
    Bru
    http://www.moderando.com

    ResponderExcluir
  40. OI, HELLO, OLÁ, BONJOUR Brunt! Eu to atrasada, eu sei, mas não me xinga por favor. Meu trabalho de literatura brasileira ta arrancando meu couro. Vamos ao comentário, deixa eu pegar meu banquinho aqui. Brunt, dessa sua lista, os 2 filmes que eu realmente quero ver são Esquadrão Suicida e Águas Rasas. Lógico que eu vou ceder espaço para o filme Nerve e Vidas partidas, pois só os trailers já me ganharam, imagina só o filme. Só você mesmo para me fazer refletir tanto sobre um filme de super vilões tão insano viu?! Já tinha me passado pela cabeça uma ideia semelhante, mas nada que viesse para ficar sabe? Depois de ler seu ponto de vista, MEU DEUS, mudou 80% HAHHAHAH. Eu fico pensando ás vezes: Eles são considerados loucos por pessoas que se esforçam para ser normais ao ponto de saírem de si mesmas para tentar ser o que não são. Quem são os doidos da história então? HAHAHA Amei o post <3
    xoxo'

    Adolescência Nerd | Fanpage NOVA

    ResponderExcluir
  41. Tô louca pra assistir esquadrão suicida e me interessei também por aguas rasas!!!

    Post cheio de informações importantes, obrigada Vanee por sempre me atualizar kkkkk.]

    ResponderExcluir
  42. Águas rasas parece interessante, fiquei com vontade de ver!

    ResponderExcluir
  43. Assisti ontem o esquadrão suicida e olha... deixou a desejar na minha opinião.
    Eu estava esperando MUITO mais desse filme, fiquei meio decepcionada
    kisses

    ResponderExcluir
  44. oooi
    dessa lista, o único que já tinha ouvido falar é Esquadrão Suicida e até quero assistir, apesar de não ser uma prioridaaade
    Gostei da frase "qual a sua responsabilidade na desordem da qual você se queixa?" pra pensar...

    Beijos,
    Kemmy|Duas Leitoras

    ResponderExcluir
  45. Olá, tudo bem? Obrigada por me deixar atualizada no mundo dos filmes, haha. Adorei saber dos filmes que teremos nesse mês!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  46. Olá Vanessa,

    De todos os filmes gostaria de assistir Um Jogo sem regras e Águas Raras. :)

    Um beijo,

    www.purestyle.com.br

    ResponderExcluir
  47. Quero muito ver o Esquadrão Suícida! Aqui só estreia amanhã :~


    Beijos
    Brilho de Aluguel

    ResponderExcluir
  48. Esquadrão suicida ♥ Estou amandando toda a divulgação que esta tendo, quero ver se o filme vai ser tão bom quanto estamos esperando.

    https://pollyannamonyque.blogspot.com.br/
    Bjss

    ResponderExcluir
  49. To doida pra ver Aguas Rasas e Ben Hur
    Esse ano ta muito bom de filmes né? Não conhecia o Demolição e fiquei curiosa tbm!!!!
    beijos
    Follow Cíntia

    ResponderExcluir
  50. Geente, mas nesse mês tem muito lançamento bom, não?! Eu estou louca há um bom tempo pra assistir Esquadrão Suicida. O filme pelo visto promete e nem sonho em ficar de fora! Além desse, que é meu desejado principal, também estou de olho em Um Jogo sem Regras, que também parece ser super só porque já vi Emma Roberts!

    Beijo <3
    www.leitorasvorazes.com.br

    ResponderExcluir
  51. Esquadrão Suicida está no topo da lista, quero muito ver também Jason Bourne!
    bjoss
    www.gizahcastro.com

    ResponderExcluir
  52. Vontade de ir ao cinema não falta, o que falta é dinheiro! Hahah
    Eu estava ansiosíssima por Esquadrão Suicida, mas, só ouvi coisas negativas e acabei desanimando :/

    Beijão, mariasabetudo

    ResponderExcluir
  53. Van, já vi Esquadrão Suicida e é bom. Para Vidas Partidas ganhei vários ingressos, tô pensando até em sortear para leitoras. Quero muito ver Ben-Hur, Comunidade e Águas Rasas. Café Society eu até me interessei até ver que era de Woody Allen, aí blé. Talvez baixe pra ver, mas não vou ao cinema pra ver porque ele não merece, hahaha. Amo esses posts!

    blogdeclara.com

    ResponderExcluir
  54. Assim, aparentemente Águas Rasas é previsível, mas vale muito levar pra ótica que você citou - metafórica, embora não dá pra saber né, só assistindo rs. E eu amo filmes com tubarões <3 apesar de morrer de medo - seria incrível em 3d... Nerve eu tô *super* curiosa e intrigada pra vê o que isso vai dá. Bj, Blog B de Bia

    ResponderExcluir
  55. Quero muito assistir Negócio das Arábias, achei o trailer super intrigante!
    Beijo

    ResponderExcluir
  56. Eu assisti o Esquadrão suicida e gostei bastante, a trilha sonora tá fantástica :D

    Ari ♥
    De volta ao retrô

    ResponderExcluir

Obrigada por chegar até aqui para deixar a sua opinião. É fundamental para mim. O que dá sentido com ratificação para cada reflexão entre análises, dicas, informações e sentimentos aqui escritos são essas nossas trocas evolutivas de sensações e pitacos.

Não esqueça de clicar em "notifique-me" abaixo do seu comentário para receber por e-mail a resposta dada.

Posts Recentes Mais Posts

TRANSBORDOU NESTES?

Direitos Autorais

Todos os escritos aqui postados são de autoria da escritora, poetisa, compositora e blogueira Vanessa Brunt. As crônicas, frases, poesias, análises e os demais diversos escritos, totais ou em fragmentos, podem ser compartilhados em quaisquer locais e sites (quando não para fins lucrativos: criação de produtos para vendas, entre outros), contanto que haja o devido direcionamento dos direitos autorais. Ademais, as imagens utilizadas no blog para as postagens não são, em sua maioria, feitas pela autora. Portanto, para qualquer problema envolvendo os créditos das fotos, basta entrar em contato e o caso será resolvido prontamente.